ZON Multimédia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Zon Multimédia)
Ir para: navegação, pesquisa
ZON Multimédia, SGPS, S.A.
Logo zon.gif
Tipo Sociedade gestora de participações sociais (SGPS), Sociedade Anónima (SA)
Indústria Telecomunicações
Fundação 1994
Encerramento 2013
Sede Lisboa, Flag of Portugal.svg Portugal
Pessoas-chave Miguel Almeida, CEO
Empregados 1.620
Produtos Televisão a cabo, acesso a internet, telefonia fixa, operadora móvel com rede virtual, broadcasting, distribuição de conteúdos, salas de cinema.
Lucro Aumento EUR 36 milhões (2012)
Faturamento Aumento EUR 856,6 milhões (2012)[1]
Sucessora(s) ZON Optimus
Página oficial ZON Multimédia

A ZON Multimédia, Serviços de Telecomunicações e Multimédia, SGPS, SA (anteriormente conhecida por PT Multimédia) foi um grupo empresarial português, cujos principais serviços eram no ramo de TV por assinatura, Internet, distribuição de conteúdos audiovisuais, cinema e telecomunicações, visto a ZON ser a marca aplicada a cada um dos serviços: ZON Lusomundo (cinema e audiovisuais), ZON Net (Internet), ZON TV (televisão), ZON Phone (telefone fixo), ZON Conteúdos (distribuição de conteúdos) e, da ZON Mobile (telecomunicações móveis).

Nome[editar | editar código-fonte]

O nome ZON foi aprovado por maioria absoluta em reunião de acionistas. A empresa podia continuar a chamar-se PT Multimédia, mas preferiu marcar a sua independência do grupo Portugal Telecom.

Resumo[editar | editar código-fonte]

Uma reorganização da Portugal Telecom efetuada em 1996 levou a que fossem definidas diversas áreas de intervenção: a rede fixa de telefones, a rede de telefones móveis, a televisão por cabo e multimédia, empresas, internacional, inovação e sistemas de informação. Tudo isto com o objetivo de manter o crescimento, rentabilidade e monopólio da rede fixa.

Assim nasceu a PT Multimédia, que opera nas áreas de media, serviços interativos e Internet. Esta empresa detém cerca de 69 por cento do mercado da televisão por subscrição, seja por cabo ou satélite, que possibilita o acesso a mais de 100 canais através da TV Cabo.

A nível de conteúdos, a associação a empresas de comunicação social como a SIC, de Portugal, e a Globo, do Brasil, garantiram um nível elevado de qualidade de conteúdos.

No fim do ano 2012 a ZON juntamente com a Portugal Telecom dominam o mercado de assinantes de televisão em Portugal com 89,4%.[2]

Em 2013, a ZON e a Optimus fundiram-se, originando a ZON Optimus.

Accionistas[editar | editar código-fonte]

  • CGD (Caixa Geral de Depósitos) - 14,28%
  • BES (Banco Espírito Santo) - 11,12%
  • BPI (Banco Português de Investimento) - 5,16%
  • Telefónica - 5,13%
  • Cinveste - 5,02%
  • Joaquim Oliveira - 3,77%
  • Fundo Brandes - 2,75%
  • Ongoing Strategy Investments - 2,75%[3]

História[editar | editar código-fonte]

Em 1994, cria-se a CATVP, TV Cabo Portugal, SA, o principal operador português na sub-área do cabo e o segundo maior em geral.

Em 1996, com a reorganização do grupo Portugal Telecom nas áreas rede fixa de telefones, rede de telefones móveis, televisão por cabo e multimédia, empresas, internacional, inovação e sistemas de informação, cria-se a PT Multimédia, Serviços de Telecomunicações e Multimédia, SGPS, SA, uma holding do grupo Portugal Telecom, cujos objetivos eram centralizar as atividades de Internet e Multimédia.

Em 1999, a PT Multimédia é colocada em bolsa, ficando a Portugal Telecom com 58% do capital.

Mais tarde, é criada a PTM.com, holding da PT Multimédia, que centraliza as atividades de Internet. Esta foi colocada em bolsa (a PT Multimédia ficou com 68%), mas deu prejuízo, facto que originou uma OPT de 3,4908:1 (ou seja, por cada 3,4908 ações da PTM.com - é possível ter-se frações de ações - oferecer-se-ia a 1 ação da PT Multimédia). Esta, devido ao seu prejuízo e à dívida da PT Multimédia, foi vendida à Portugal Telecom.

Em 2005, é vendida a subholding Lusomundo Serviços (da Lusomundo) à Controliveste, que incluía a Lusomundo Media - proprietária das publicações Diário de Notícias, Jornal de Notícias, O Jogo, Tal & Qual e Volta ao Mundo - e TSF Rádio Notícias - que incluía a rádio TSF.

Em 2006, é lançada uma OPA pela Sonaecom ao capital da Portugal Telecom e da PT Multimédia, sendo que aí começa a cisão (spin-off) entre a PT Comunicações e PT Multimédia.

Em Setembro/Outubro de 2007, concluiu-se o processo de cisão entre Portugal Telecom e PT Multimédia (apesar de a data oficial de cisão ser dia 6 de Novembro do mesmo ano), sendo que TV Cabo Portugal e PT Comunicações ficaram operadores concorrentes. Zeinal Bava, até à altura CEO da PT Multimédia e da TMN e vice-presidente do grupo Portugal Telecom, tornou-se CEO da Portugal Telecom e foi substituído na PT Multimédia por Rodrigo Costa.

Em 2008, adotou o seu novo nome, ZON Multimédia, para se encaixar na estratégia de separação total e completa da Portugal Telecom.

Desde 2012, a Zon está em negociações com a Optimus para esta ser adquirida e fundir as duas empresas. A assembleia geral de acionistas extraordinária da Zon realizou-se a 7 de Março de 2013 e foi aprovada por 99% do capital presente.[4] . Agora fica a faltar uma decisão Comissão do Mercado de Valores Mobiliários e da Autoridade da Concorrência para a fusão se concretizar.[5] A Entidade Reguladora para a Comunicação Social já informou a Autoridade da Concorrência de que não se opõe ao negócio. [6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

  1. http://www.zon.pt/institucional/EN/Documents/ZONFY12ENGLISH.pdf
  2. O que está a preocupar a Vodafone na fusão da ZON. Dinheiro Vivo (11 de Março de 2013). Página visitada em 11 de Março de 2013.
  3. Conforme o Confidencial, caderno do jornal Sol, de 10 de Novembro de 2007 e o Diário Económico
  4. Dinheiro Vivo - Concorrência notificada sobre fusão da Zon e Optimus. Página visitada em 11 de Fevereiro 2013.
  5. Rodrigo Costa e Proença de Carvalho (09 de Março de 2013). Concorrência pode atrasar por mais de meio ano fusão Zon/Optimus. Dinheiro Vivo. Página visitada em 10 de Março de 2013.
  6. Tânia Ferreira (08 de Março de 2013). Fusão Zon/Optimus nas mãos dos reguladores. Jornal Sol. Página visitada em 10 de Março de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]