Zona Nordeste de São Paulo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nordeste
Do alto, da esquerda para a direita: Palácio do Horto Florestal (Tremembé), avião taxiando no Aeroporto Campo de Marte (Santana), panorama da Casa Verde Alta, construção de prédio residenciais no Lauzane Paulista, Centro de Santana e Parque da Juventude.
Área 152 km²
População 1.181.582 hab. (2008)
Renda média R$ 1.283,24
Subprefeituras Casa Verde, Santana-Tucuruvi, Vila Maria-Vila Guilherme e Jaçanã-Tremembé
Zonas de São Paulo Bandeira da cidade de São Paulo.svg

A região nordeste é uma região administrativa estabelecida pela prefeitura de São Paulo que engloba as subprefeituras da Santana-Tucuruvi, da Casa Verde, de Vila Guilherme-Vila Maria e do Jaçanã-Tremembé. Forma com a Zona Noroeste a macro-zona conhecida simplesmente como "zona norte". De acordo com o censo de 2000, tem uma população de 1.359.862 habitantes e renda média por habitante de R$ 1.283,24.[1] [2]

A região é a mais desenvolvida da zona norte da cidade, contando com um alto grau de verticalização em determinados pontos dos distritos de Santana e Tucuruvi. Ocupa uma área de 151,9 km² e faz divisa com as cidades de Caieiras, Guarulhos e Mairiporã.

Quase sempre se refere a esta região simplesmente como Zona Norte, sendo a denominação "Nordeste" quase desconhecida pela população em geral, só usada para fins oficiais.

História[editar | editar código-fonte]

As origens da zona nordeste remontam à fundação da Fazenda de Sant' Ana, propriedade rural jesuítica citada pela primeira vez em 1560 por José de Anchieta. Estendia-se do atual Jardim da Luz até Mairiporã, passando pela Vila Maria e a Serra da Cantareira. Abastecia a cidade, sendo um cinturão verde da mesma.[3]

Após 1768 a fazenda passou a ser administrada pelo governo da Capitania de São Paulo e daí em diante a foi dividida e subdividida.[4] Um marco que garantiu o povoamento da região foi o surgimento do Tramway Cantareira em 1893. A linha do trem desenvolveu ou fundou bairros como: Santana, Carandiru, Santa Teresinha, Tucuruvi e Mandaqui deixando marcas indeléveis nos moradores da região.[5]

Bonde de tração animal que ligava a Ponte Grande ao Alto de Santana.

Utilizado inicialmente para transportar materiais para a construção de um reservatório de águas na Cantareira, foi usado anos depois para outros fins, como abastecer os moradores com alimentos, lenha pedras para a construção e diminuir o tempo gasto pelos agricultores para ir ao centro da cidade. Ao transportar passageiros, substituiu os bondes puxados por burros, o único transporte coletivo disponível da época.

Palacete Baruel, resquício da ocupação inicial da zona norte no século XIX.

A passagem do trem foi tão marcante que história da zona nordeste pode ser dividida em dois períodos: um anterior ao surgimento do Tramway, e outro posterior a chegada dele. A partir do momento em que a linha férrea cortava Santana foi dado o início do processo intensivo de povoamento do bairro, quando sítios e chácaras passaram a ocupar sua área. Em meados de 1920 e 1930 Santana, um dos bairros mais antigos, experimentou um "boom" provocado pelo loteamento das propriedades transformando-se em bairro realmente. Pouco a pouco o bairro dividia-se em uma zona comercial ou várzea, abrangida pela rua Voluntários da Pátria e a parte residencial, concentrada no Alto de Santana. Outros bairros como o Tucuruvi foram supervalorizados devido a proximidade com os trilhos do trem.[5]

Diversos proprietários de terra foram homenageados com o nome de vias e bairros da zona norte, foram: Francisco Baruel, dono de terras na Casa Verde, Alto de Santana e Jardim São Bento, Pedro Doll em Santa Teresinha, a família Mazzei no Tucuruvi e os Zunkeller no Mandaqui. Existem algumas edificações que retratam a história da zona norte em suas devidas épocas, são o Museu Memória do Jaçanã, o Palacete Baruel, a Biblioteca Narbal Fontes e o Sítio Morrinhos.

No século XX houve a instalação do Aeroporto Campo de Marte, o primeiro da cidade[6] [7] e a Casa de Detenção de São Paulo, considerada na época como um dos cartões postais paulistanos. Na segunda metade do século a zona norte completa sua integração com o resto da cidade, com a construção da Linha 1-Azul do Metrô, a primeira do país e o Anhembi, passando por um processo de desenvolvimento e avanços em sua infraestrutura.

Características[editar | editar código-fonte]

Alto de Santana, uma das áreas mais valorizadas da zona nordeste.

A zona nordeste é uma área muito heterogênea, existem lugares com trechos bem valorizados, exemplo do: Alto de Santana, Jardim São Paulo, Parque Palmas do Tremembé[8] , Serra da Cantareira, Jardim Barro Branco, Jardim Floresta, Jardim São Bento e Jardim França[9] , áreas comerciais como o centro de Santana, bairros de classe-média como: Tucuruvi, Mandaqui, Imirim, Chora Menino e Casa Verde; bairros em mudança de perfil sócioeconômico como: Parada Inglesa, Santa Teresinha, Água Fria e Lauzane Paulista; seguido de regiões carentes, geralmente localizadas na periferia da região.

O centro de Santana, importante região comercial.

Em seu centro possui uma ótima infraestrutura de transporte, contando com estações da Linha 1 do metrô, terminais urbanos, um aeroporto e um terminal rodoviário internacional. Para minimizar os efeitos nas áreas mais periféricas está em projeto a construção da Linha 16 - Prata do metropolitano, que servirá os distritos de Cachoeirinha e Limão.

A região como um todo carece de equipamentos culturais, a maioria deles está localizada no distrito mais desenvolvido, Santana. Logo apresentará 6 shoppings centers, sendo que um deles está em construção. Diversas vias se destacam no setor comercial, uma delas é a Rua Voluntários da Pátria com suas 600 lojas. O Expo Center Norte, Complexo do Anhembi e o Multimídia Trade Center são áreas destinadas à exposições que atraem milhares de turistas anualmente.

No setor educacional possui uma gama de escolas particulares e públicas, vale ressaltar que o distrito de Santana é o campeão da cidade em números de colégios particulares.[10] Há colégios muito tradicionais, alguns com mais de 100 anos de existência, exemplo do Colégio Santana, onde estudaram Ayrton Senna e Tarsila do Amaral.[11] Já no ensino superior, carece de universidades públicas, inexistentes na região, recentemente destaca-se o setor privado, apresentando unidades da PUC, UNIBAN, UniSantanna, UNIP e UNINOVE.

Espécie de tucano encontrada no Horto Florestal de São Paulo.

Saúde, a zona norte possui alguns hospitais de referência, são o São Luiz Gonzaga, Vila Nova Cachoeirinha e o Conjunto Hospitalar do Mandaqui, o maior hospital da zona norte, chamado também de "Hospital das Clínicas da zona norte",[12] no setor privado destacam-se os hospitais São Camilo e Nipo-Brasileiro, os mais antigos da área.

O Horto Florestal de São Paulo, Parque da Cantareira, Parque da Juventude são exemplos de áreas de lazer existentes. Apesar da grande quantidade de áreas verdes, a qualidade do ar é uma das piores da cidade, comprovada por medições da Cetesb. Os principais problemas enfrentados pelos moradores são o trânsito, a falta de luz e buracos nas ruas.[13]

É a terra do samba, uma vez que o Carnaval Paulistano é realizado no Sambódromo do Anhembi e abriga diversas quadras de escolas de samba como a Império da Casa Verde, Mocidade Alegre, Unidos do Peruche, Acadêmicos do Tucuruvi, X-9 Paulistana, dentre outras. Nasceram ou moraram na ZN, como também é chamada, artistas importantes no cenário musical nacional, são eles: Sérgio Reis[14] [15] e Rita Lee.[16]

A zona norte recebe diversos eventos anualmente, além do Carnaval de São Paulo e das exposições de Anhembi, recebe a Marcha para Jesus, a maior do mundo[17] ,o show do 1º de Maio da Força Sindical[18] e o Domingo Aéreo no Parque de Material Aeronáutica de São Paulo.[19] Abrigou as duas visitas do Papa ao país e até uma corrida internacional da Fórmula Indy, a São Paulo Indy 300.[20]

Transporte[editar | editar código-fonte]

O trânsito é um dos principais problemas enfrentados por seus moradores.

A zona nordeste sofre um problema comum a outras localidades da cidade, o congestionamento de carros em suas principais vias. O transporte coletivo, no entanto, representa um papel significativo na vida diária dos moradores. É equipada de terminais de ônibus municipais como, os de Casa Verde, Santana e Vila Nova Cachoeirinha.

Abriga o Terminal Rodoviário Tietê, o maior terminal rodoviário da América Latina e o segundo maior do mundo,[21] que liga a São Paulo à 1.010 cidades das regiões norte, nordeste, sudeste, centro-oeste e sul do país, além de países vizinhos como Argentina, Chile, Paraguai e Uruguai por meio de 304 linhas de ônibus.

São Paulo possui a segunda maior frota de helicópteros do mundo.[22] E a maior frota de helicópteros do Brasil está concentrada no Aeroporto Campo de Marte, o quinto aeroporto mais movimentado do país.[23] Possui 6 estações da Linha 1 - Azul do Metrô de São Paulo, as mais movimentadas são: Portuguesa-Tietê, Santana e Tucuruvi.

Economia[editar | editar código-fonte]

Destaca-se no setor de serviços, possui diversos centros comerciais como o Center Norte, já considerado outrora o maior shopping da América Latina. Junto com o Expo Center Norte, Novotel Center Norte e o Shopping Lar Center forma a Cidade Center Norte, um complexo comercial e feirístico. No mesmo distrito destes estabelecimentos encontra-se o Shopping Mart Center, voltado ao comércio de produtos direcionados à moda. No ano de 2007 a região ganhou o Santana Parque Shopping, localizado no distrito do Mandaqui e em 2013 foi inaugurado o Shopping Metrô Tucuruvi no distrito homônimo.

Em Santana estão o importante Parque Anhembi, o Multimídia Trade Center e o pequeno Santana Shopping. Em virtude da presença de localidades ligadas ao turismo comercial este distrito apresenta hotéis e flats. Algumas das ruas deste distrito e do Tucuruvi possuem caráter comercial trazendo uma intensa movimentação em suas calçadas. Vale ressaltar que apesar da proximidade o Shopping D não está localizado nesta região.

Áreas verdes[editar | editar código-fonte]

Os distritos do Mandaqui e Tremembé são as regiões com maior densidade de área verde, abrigam parte da Serra da Cantareira e o Parque da Cantareira onde está o Horto Florestal de São Paulo, uma atração importante para moradores e visitantes. Esses são terrenos preservados e pertencentes à Reserva da Biosfera do Cinturão Verde de São Paulo.

Santana possui o Parque da Juventude e o Parque Domingos Luís, reservados à prática de esportes. Outros distritos possuem parques como o Parque Lions Club Tucuruvi e o Parque Vila Guilherme.

Cultura e lazer[editar | editar código-fonte]

Nos últimos anos algumas vias da zona norte receberam diversos bares e restaurantes em suas extensões, são as avenidas Brás Leme, Engenheiro Caetano Álvares e Luiz Dumont Villares também conhecida como Avenida Nova.

O distrito de Santana apresenta a maioria dos equipamentos culturais da região, como o Arquivo Público do Estado de São Paulo‎, a Biblioteca de São Paulo, os teatros Alfredo Mesquita e Jardim São Paulo, o Clube Escola Jardim São Paulo, o Mirante de Santana e o SESC Santana. Comparado às regiões oeste e centro-sul da cidade apresenta pouquíssimos museus, representados pelo Museu Florestal Otávio Vecchi, Museu Aberto de Arte Urbana de São Paulo, Museu do Dentista, Museu Memória do Jaçanã e o Sítio Morrinhos.

No ano de 2006 o bairro de Vila Nova Cachoeirinha ganhou o Centro Cultural da Juventude Ruth Cardoso com biblioteca, anfiteatro, teatro de arena, dentre outros equipamentos culturais.

Subprefeituras[editar | editar código-fonte]

Por sua heterogeneidade, a região é dividida em quatro subrefeituras:

Santana-Tucuruvi[editar | editar código-fonte]

  • IDH: 0,903 - muito elevado

Compreende a região formada pelos distritos de Santana, Tucuruvi e Mandaqui. É a mais desenvolvida, contando com 6 estações da Linha 1 do metrô, verticalização e uma intensa urbanização, que faz com que se perca a noção dos limítes físicos de seus distritos. Está próxima ao centro, por isso concentra uma maior movimenteção em suas vias. Representa uma área de 34,7 km2 habitada por mais de 327 mil pessoas.

Os principais pontos de destaque da região são: o Parque da Juventude, Aeroporto Campo de Marte, Academia de Polícia Militar do Barro Branco, Santana Parque Shopping, Shopping Metrô Tucuruvi, a Biblioteca de São Paulo, o Arquivo Público do Estado de São Paulo‎, o Complexo do Anhembi, o SESC Santana, além do Terminal Rodoviário do Tietê.

É a área mais valorizada da zona nordeste onde encontram-se o Alto de Santana, Jardim São Paulo e Jardim França, três regiões nobres da cidade fora do centro expandido.[24]

Jaçanã-Tremembé[editar | editar código-fonte]

  • IDH: 0,823 - elevado

Compreende a região formada pelos distritos, Tremembé e Jaçanã, habitada por mais de 255 mil pessoas, representa uma área de 64,1 km². Abriga o Instituto Florestal, onde está o Horto Florestal, o Hospital São Luís Gonzaga, Hospital Geriátrico e de Convalescentes D. Pedro II, Museu Memória do Jaçanã, Fundação Gol de Letra e o Parque da Cantareira, uma reserva de Mata Atlântica. Possui alguns bairros nobres, localizados na Serra da Cantareira e em suas adjacências.

No século XX a região foi conhecida e imortalizada em toda a cidade de São Paulo pela música Trem das Onze de Adoniran Barbosa. Atualmente a região ainda é pouco habitada e verticalizada, porém em constante valorização, pois ano após ano surgem condomínios horizontais de alto padrão, exemplo do bairro Parque Palmas do Tremembé, causando um crescimento imobiliário.[24]

O Palácio do TRC na Vila Maria.

Vila Maria-Vila Guilherme[editar | editar código-fonte]

  • IDH: 0,836 - elevado

Compreende a região formada pelos distritos de Vila Maria, Vila Guilherme e Vila Medeiros, que somados representam uma área de 26,4 km², habitada por mais de 302 mil pessoas. Os pontos de destaque da região são: a Cidade Center Norte, Shopping Mart Center e o Parque Vila Guilherme, a antiga Sociedade Paulista de Trote.

Destaca-se também no setor de atividades relacionadas à logística e transporte de cargas, sedia numerosas transportadoras. No Palácio do TRC encontram-se o Sindicato do Transporte de Cargas do Estado de São Paulo, a Federação do Transporte de Cargas do Estado de São Paulo e a sede da Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística. Abriga uma alta concentração de concessionárias, agências e outros serviços automotivos.

Casa Verde[editar | editar código-fonte]

  • IDH: 0,832 - elevado

Compreende a região formada pelos distritos de Casa Verde, Cachoeirinha e Limão. Possui 26,7 km² de extensão e é habitada por mais de 313.176 pessoas.

Abriga em seus limites a sede do jornal O Estado de S. Paulo, o Forum Regional de Santana, a Rádio Atual, a sede da extinta TV Manchete, o Sítio Morrinhos e seus anexos, tombados pelo IPHAN que ficam no centro de uma extensa área verde, com mais de 20 mil metros quadrados, formada por árvores frutíferas e ornamentais no Jardim São Bento, outra região nobre fora do centro expandido.[24]

Referências

  1. Renda referente aos anos de 2007 - 2008; antes R$1.258,00
  2. Média ponderada baseada em indicadores de renda e população da prefeitura: R$ 1.853,43 (Santana/Tucuruvi/Mandaqui), R$ 1.142,34 (Casa Verde/Limão/Cachoeirinha), R$ 1.100,81 (Vila Maria/Vila Guilherme/Vila Medeiros) e R$ 1.036,37 (Tremembé/Jaçanã)
  3. Santana chega aos 227 anos como a locomotiva da Zona Norte Jornal Semanário da Zona Norte (24/07/2009 - 9:30). Visitado em 19 de agosto de 2009.
  4. Histórico Centro de Preparação de Oficiais da Reserva de São Paulo. Visitado em 19 de agosto de 2009.
  5. a b Santana, seguindo os trilhos do trem Prefeitura de São Paulo. Visitado em 19 de agosto de 2009.
  6. Título ainda não informado (favor adicionar).
  7. Aeroporto Campo de Marte Infraero. Visitado em 24 de agosto de 2009.
  8. Consierações Finais. Visitado em 29/3/2010.
  9. Santana eleva padrão de lançamentos na zona norte de São Paulo Folha Online (25/10/2009 - 09h38). Visitado em 3/12/2009.
  10. Moradores de Santana elogiam transporte público e criticam trânsito Folhaonline (25/10/2009 - 09h48). Visitado em 8/1//10.
  11. Biografia de Ayrton Senna - O Herói Revelado - Ernesto Rodrigues Scribd.
  12. Conjunto Hospitalar do Mandaqui passa a atender 10 mil pessoas por mês Secretaria de Estado da Saúde.
  13. DNA Paulistano - Norte Folha de São Paulo (17 de Novembro de 2008).
  14. Sérgio Reis canta e encanta amanhã em homenagem a nossa Morada!!! Jornal Imparcial. Visitado em 19 de agosto de 2009.
  15. Perfil Site Oficial. Visitado em 19 de agosto de 2009.
  16. Uma Biografia Alucinada Da Rainha Do Rock Livraria Cultura. Visitado em 28/3/2010.
  17. HISTÓRIA Marcha para Jesus - 2009. Visitado em 19 de agosto de 2009.
  18. São Paulo (SP): 1º de Maio da Força Sindical deve reunir 1 milhão de pessoas ::FORÇA ON-LINE:: (30-Abr-2009). Visitado em 19 de agosto de 2009.
  19. FAB promove Domingo Aéreo no Campo de Marte tecnodefesa.com.br (10 de Outubro de 2008). Visitado em 19 de agosto de 2009.
  20. Band (26 de janeiro de 2010). Fórmula Indy divulga traçado do circuito de São Paulo. Visitado em 11 de fevereiro de 2010.
  21. Folha Online - Especial - 2006 - São Paulo 452
  22. Compra compartilhada de helicóptero cresce em meio à crise; veja planos Folha Online (28/08/2009 - 09h35).
  23. - Infraero
  24. a b c Pesquisa CRECI (11 de julho de 2009). Visitado em 13 de julho de 2009.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Ponciano, Levino. Bairros paulistanos de A a Z. São Paulo: SENAC, 2001. 107-108 pp. ISBN 8573592230.
  • Associação Comercial de São Paulo Distrital Santana. Revista 220 Anos Santana. São Paulo: [s.n.], 2002. vol. 2 – Ano 2.