Zonas Econômicas Especiais da China

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Pode encontrar ajuda nos WikiProjetos História, Sociedade e Economia.

Se existir um WikiProjeto mais adequado, por favor corrija esta predefinição. Este artigo está para revisão desde Junho de 2010.

Localização das Zonas Econômicas Especiais na China.

As Zonas Econômicas Especiais da China constituem o principal mecanismo de abertura da economia chinesa. Foram criadas na segunda metade da década de 1970 junto ao litoral oriental da China.

Base de formação e consolidação das ZEES ou ZPEs[editar | editar código-fonte]

  • Abertura de mercado ao capital estrangeiro, mas também com forte participação estatal.
  • Proximidades das áreas portuárias e urbanas.
  • Produção industrial diversificada e voltada especialmente para as exportações.
  • Foram apoiadas por um conjunto de infra-estrutura que permitissem a entrada do capital financeiro.
  • Mão de obra barata e abundante.
  • Assumem o modelo econômico: economia de mercado.
  • Isentos de impostos.
  • Os salários das empresas que ali se instalam devem ser mais altos do que os pagos no restante da China.

Um dos principais fatores que permitiram a arrancada da produção industrial na China foi a criação das chamadas Zonas Econômicas Especiais (ZEEs), assim como a abertura de importantes cidades portuárias abertas ao capital externo constituem zonas de livre comércio, estabelecidas por meio de uma legislação mais flexível, com a redução ou até mesmo a isenção de impostos. Essas medidas visam a atrair investimentos estrangeiros e absorver as inovações tecnológicas desenvolvidas nos países mais avançados.

As ZEEs e as cidades portuárias tornaram-se alvo de grandes investimentos realizados, sobretudo, por japoneses e norte-americanos. Os investidores também são atraídos pela existência de outras condições favoráveis, como o baixo custo da mão de obra e o gigantesco mercado consumidor chinês, que se apresenta como uma excelente oportunidade para o crescimento das empresas.


Entre 1980 e 1984 o governo da República Popular da China estabeleceu uma série de zonas econômicas especiais com leis próprias no que toca à iniciativa econômica de particulares que se afastam da então rigidez do regime comunista no resto do território chinês. Estas foram estabelecidas em Shantou, Shenzhen, e Zhuhai, todas na província de Guangzhou e em Xiamen, na província de Fujian bem como a ilha inteira que constitui a província de Hainan.

A partir dessa altura, o governo abriu outras cidades costeiras ao investimento estrangeiro: Dalian, Qinhuangdao, Tianjin, Yantai, Qingdao, Lianyungang, Nantong, Xangai, Ningbo, Wenzhou, Fuzhou, Guangzhou, Zhanjiang, e Beihai - todas em 1984; Península de Liaodong, Província de Hebei (que rodeia Pequim e Tianjin), Península de Shandong, Delta do Rio Yangtze, Triângulo Xiamen-Zhangzhou-Quanzhou no Sul da Província de Fujian, Delta do Rio das Pérolas, e Guangxi - todas entre 1985 e 1990.

Em 1990 o governo abriu a nova zona de Pudong bem como mais cidades ao longo do vale do Rio Yangtzé ao investimento estrangeiro e desde 1992 que todas as capitais das províncias e regiões autónomas e ainda umas quantas cidades costeiras e fronteiriças sofreram a mesma abertura.

As Principais Zonas Econômicas Especiais são : Shenzhen , Zhuhai , Shantou , Xiamen e Província de Hainan.

Referências[editar | editar código-fonte]

Boligian, Levon; Martinez, Rogério; Garcia, Wanessa; Alves, Andressa. Geografia - Espaço e Vivência. São Paulo: Atual, 2009.+