Zorro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde outubro de 2013).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Zorro
Zorro pencil sketch CVN.jpg
Outro(s) nome(s) Diego de la Vega
Origem Los Angeles, Califórnia
Sexo masculino
Características Cavaleiro, espadachim, atirador e salteador
Actividade(s) Hidalgo
Amigo(s) Bernardo (criado), Alejandro de la Vega (pai), Tornado (cavalo)
Criado por Johnston McCulley
Série Zorro
Primeira aparição All-Story Weekly (1919)
Editor(es) Zorro Productions, Inc.
Projecto Banda desenhada  · Portal da Banda desenhada

Zorro é um personagem de ficção, criado em 1919 pelo escritor norte-americano Johnston McCulley[1] . Ele é apresentado como o alter-ego de Don Diego De La Vega, um jovem membro da aristocracia californiana, em meados do século XIX, período em que a região era colônia da Espanha.

Após longo período de educação na Europa, Diego retorna à Califórnia e passa a defender os "fracos e oprimidos", sob uma máscara e uma capa negra, empunhando uma espada e cavalgando um cavalo igualmente negro de nome "Tornado". Sem o disfarce, ele simula ser um homem que se acovarda diante de situações de perigo.

A figura passaria a ser chamada de "Zorro" pela população, porque seus movimentos e sagacidade lembrariam uma raposa (a tradução em português da palavra espanhola "zorro"). O próprio personagem adota a letra "Z" como sua assinatura (três linhas cruzadas), marcando-a com sua espada em paredes e nas roupas de seus inimigos, como sinal de sua passagem.


Zorro tem sido apresentado em mídias diversas e em diferentes caracterizações, em versões nem sempre correspondentes à original. Por este motivo, o personagem é considerado um ícone menor da cultura pop, aparecendo no cinema, em programas de televisão e em histórias em quadrinhos. Zorro também pode ser considerado como um herói "capa-e-espada", ou seja, um representante tanto do gêneros Swashbuckler (conhecido como capa e espada em português) e faroeste[2] .

O personagem sofreu mudanças ao longo dos anos, mas a imagem típica dele é um bandido mascarado vestido de preto e que defende o povo da Califórnia contra os governos tirânicos e outros vilões. Ele não só é muito astuto como uma raposa, como as autoridades são incompetentes em tentar captura-lo, mas ele também se deleita em humilhá-los publicamente.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Revista All-Story Weekly

Zorro estreou em 1919 na história de "The Curse of Capistrano" (A Maldição de Capistrano) de McCulley, publicada em cinco partes na revista pulp All-Story Weekly. No desfecho, a verdadeira identidade de Zorro é revelada a todos. Douglas Fairbanks e Mary Pickford, em sua lua de mel, selecionaram a história como a imagem inaugural para o seu novo estúdio, o United Artists, começando assim, tradição cinematográfica do personagem. A história foi adaptada como o filme The Mark of Zorro (1920), que foi um sucesso comercial[3] .

Em resposta à demanda pública alimentada pelo filme, McCulley publicou três novelas seriadas na revista Argosy All-Story Weekly(criada com a fusão de ambas as revistas): The Further Adventures of Zorro (1922), Zorro Rides Again (1931), e The Sign of Zorro (1941)[4] , autor ignora o final do romance original, onde Zorro revela a sua identidade secreta[5] .


Em 1924, a história de McCulley foi relançado pela editora Grosset & Dunlap sob o mesmo título, afim de associar com o filme. No ano seguinte, Douglas Fairbanks estrelou uma sequencia de The Mark of Zorro: Don Q, Son of Zorro, vagamente no romance de 1909, Don Q.'s Love Story de Kate and Hesketh Hesketh-Prichard e que nada tinha a ver com o Zorro, Fairbanks interpreta Cesar, o filho de Don Diego Vega, personagem que ele mesmo interpretou no filme de 1920[6] Em 1936, a Republic Pictures lança um novo filme de Zorro: The Bold Caballero, estrelado por Robert Livingston, no mesmo ano, o ator estrela o seriado The Vigilantes Are Coming, interpretando Don Loring/The Eagle, um herói californiano parecido com Zorro e possivelmente inspirado no filme The Eagle (1925), estrelado por Rudolph Valentino[7] , no ano seguinte, o estúdio lança o seriado de faroeste Zorro Rides Again,estrelado por John Carroll como James Vega, o neto de Diego Vega, Em 1939, lança Zorro's Fighting Legion, estrelado por Reed Hadley como Diego Vega/Zorro, em 1940, a 20th Century Fox lança um remake de The Mark of Zorro, estrelado por Tyrone Power, Em 1944, McCulley volta começa a publicar contos do Zorro na revista West, a produção para a revista se encerra em 1951, totalizando 53 contos)[4] . Também em 1944, a Republic estréia o seriado Zorro's Black Whip, o seriado foi estrelado por Linda Stirling como Barbara Meredith, “The Black Whip” , apesar do nome, o seriado não tem nenhuma citação ao Zorro. Em 1946, lança o seriado Daughter of Don Q, apesar do título, o seriado não é uma sequencia de Don Q, Son of Zorro, Lorna Gray interpreta Dolores Quantero, filha de Don Quantero, um herói na mesma linha do Zorro[8] Mitzi M. Brunsdale

Em 1947, a Republic lança um novo seriado, Son of Zorro, trazendo George Turner como Jeffrey "Jeff" Stewar, um outro descendente de Don Diego, dois anos depois, lança o último seriado do Zorro, Ghost of Zorro, estrelado por Clayton Moore como Ken Mason, um outro neto de Don Diego. Em 1951, a Disney adquiri os direitos de Zorro para uma série de TV, com isso, mesmo assim, o herói continua servido como modelo para a Republic, nesse mesmo ano, lança Don Daredevil Rides Again, estrelado por Ken Curtis como Lee Hadley, o Don Daredevil do título, um pastiche de Zorro, o estúdio até chega a usar cenas do seriado Zorro's Black Whip[8] , em 1954, é lança o último pastiche, Man with the Steel Whip, estrelado por Richard Simmons como Jerry Randall/El Latino, o seriado também reutilizou cenas de Zorro's Black Whip e outros seriados: "The Painted Stallion" e "Daredevils of the West", ainda em 1954, McCulley publica um conto na revista Max Brand's Western Magazine, em 1957, a Disney estréia o seriado Zorro no canal ABC, em 1958, morre Johnson McCulley[3] , no ano seguinte a serie é cancelada e é publicada uma história póstuma do autor, "The Mask of Zorro" (não confundir com o filme de 1998)[4] .

Em 1974, a ABC lança um filme para a televisão, um outro remake de The Mark of Zorro estrelado por Frank Langella, no ano seguinte, estréia nos cinemas o filme franco-italiano "Zorro", estrelado pelo ator francês Alain Delon, em 1981, é a vez da comédia Zorro, The Gay Blade, estrelada por George Hamilton como Don Diego e Ramon Vega, nesse mesmo ano, a Filmation lança a primeira série animada do herói: The New Adventures of Zorro, onde Zorro dividiria um bloco de animação com Tarzan e Lone Ranger, em 1983, surge outra série de TV da Disney, Zorro and Son, com Henry Darrow como Don Diego e Paul Regina como Don Carlos de Vega, que assume o legado do Zorro, em 1990, o canal The Family Channel lança a série Zorro, estrelada por Duncan Regehr[3] , em 1992, a série da Disney de 1957 é relançada em versão colorizada por computador, em 1996, o canal italiano Mondo produz uma série de animação em parceria com o estúdio nipônico Ashi Productions, Kaiketsu Zorro, no ano seguinte, é lançada uma série animada da Warner Bros., em 1998, é lançado o filme The Mask of Zorro da Sony Pictures, estrelado por Anthony Hopkins como Don Diego, Antonio Banderas como Alejandro Murrieta e Catherine Zeta-Jones as Elena Montero, em 2005, é lançada uma sequencia, no mesmo ano, é publicado o romance Zorro, o início da lenda da escritora chilena Isabel Allende, em 2007, surge a telenovela colombiana Zorro, la espada y la rosa, produzida RTI Colombia-Telemundo em parceria com Sony, o folhetim se inspira no livro de Allende[9] , em 2008, é lançada uma nova série animada, a futurísta Zorro: Generation Z[10] .

História do personagem[editar | editar código-fonte]

The Mark of Zorro, estrelado por Douglas Fairbanks, o primeiro filme Zorro, foi fundamental para o sucesso inicial do personagem

Em "The Curse of Capistrano", Don Diego Vega se torna Señor Zorro no pueblo de Los Angeles, na Califórnia "para vingar os indefesos, para punir os políticos cruéis" e "para ajudar os oprimidos." Ele é o personagem-título do romance e é chamado de A Maldição de Capistrano.

A história envolve o romance com Lolita Pulido, uma nobre empobrecida. Enquanto Lolita não se impressiona com Diego, que finge ser um almofadinha sem paixão, ela é atraída para o arrojado Zorro. Seu rival é o capitão Ramon. Outros personagens incluem o Sargento Pedro Gonzales, inimigo de Zorro, mas amigo de Diego; Bernardo, o surdo e mudo servo de Zorro; seu aliado Frei Felipe; seu pai Don Alejandro Vega; e um grupo de nobres (caballeros), que a princípio caçá-lo, mas são conquistados para sua causa[11] .

Em histórias posteriores, McCulley introduz personagens como piratas e nativos americanos, alguns dos quais conhecem a identidade de Zorro.

Em histórias posteriores de McCulley, o apelido de Diego tornou-se de la Vega. Na verdade, o escritor era descontroladamente inconsistente. A primeira série da revista terminou com o vilão morto e Diego exposto publicamente como Zorro, mas na seqüência o vilão estava vivo, e a próxima história, a dupla identidade ainda era um segredo.

Várias produções Zorro expandiram em façanhas do personagem. Muitas das continuações apresentam um personagem mais jovem assumindo o manto de Zorro.

Embora as histórias de McCulley fossem fixadas em Los Angeles durante a era do domínio mexicano (entre 1821 e 1846), algumas adaptações para o cinema da história de Zorro o colocam durante a época em que era colonia da coroa espanhola[12] .

Características[editar | editar código-fonte]

Em "The Curse of Capistrano", Diego é descrito como "ao contrário dos outros jovens cheios de sangue dos tempos"; embora orgulhosos como condizente com a sua classe (e aparentemente indiferente sobre as classes mais baixas), ele evita ação, raramente usa sua espada, exceto para a moda, e é indiferente ao romance com mulheres. Isto é, evidentemente, um engodo. Este retrato, com pequenas variações, é seguido na maioria dos adaptações de Zorro.

Uma notável exceção a este retrato é o Zorro da Disney (1957-1959), onde Diego, apesar de usar a fachada original no início da série, em vez se torna um cruzado apaixonada e compassiva para a justiça e simplesmente se disfarça como "o espadachim mais inepto em toda a Califórnia . "Nesa série, todo mundo sabe que Diego gostaria de fazer o Zorro faz, mas acha que ele não tem a habilidade.


O Zorro do Family Channel (1990-1993) leva ainda mais este conceito. Enquanto Diego finge ser inepto com uma espada, o resto de sua fachada é realmente exagerando seus interesses reais. Diego é realmente bem versado e interessados ​​em arte, poesia, literatura e ciência. Ele finge estar apenas interessado nessas coisas e não têm interesse em esgrima ou ação. Zorro também tem um laboratório bem equipado em sua caverna escondida nessa versão da história.

Visual[editar | editar código-fonte]

O visual do personagem é uma roupa preta, normalmente com uma capa espanhola que flui, um sombrero cordobés preto de aba larga, e um misto de capuz e máscara de pano de saco preto que cobre a parte superior da cabeça na altura dos olhos para cima. Em sua primeira aparição, ele usa uma manto em vez de uma capa, e uma máscara de pano preta cobrindo todo o rosto com fendas para os olhos. Outras características da roupa podem variar.

Sua arma predileta é a rapieira, que ele usa para deixar sua marca, muitas vezes, um "corte Z" com três golpes rápidos. Ele usa um chicote. Em sua estréia, ele usava uma pistola.


A raposa nunca é retratado como emblema do Zorro. É uma metáfora para a esperteza do personagem, tal como na letra da série da Disney:"Zorro, "A Raposa, tão astuto e livre ..."

Sua postura heroica consiste dele montado em seu cavalo Toronado/Tornado com espada levantada. (O logotipo da Zorro Productions, Inc. usa uma representação dessa pose)

Inspirações[editar | editar código-fonte]

Joaquin Murrieta

Johnston McCulley teria se inspirado em personagens históricos da América Latina, tradicionalmente ligados a movimentos conhecidos como "banditismo social", e destacadamente nas figura de Joaquin Murrieta (que inspirou a mais recente representação cinematográfica de Zorro, Alejandro Murrieta, que no filme era irmão de Joaquin) e Salomon Maria Pico[13] .

Outra possível inspiração histórica é William Lamport, um soldado irlandês que viveu no México, no século XVII. Sua vida foi o tema de um livro fictício por Vicente Riva Palacio[14] . Também é comparado com um herói fictício, Sir Percival Blakeney, o Pimpinela Escarlate da escritora britânica Baronesa Orczy.

Livros[editar | editar código-fonte]

  • O romance "The Curse of Capistrano" foi publicado de forma seriada na revista All-Story Weekly e republicado como novela em 1924 pela Grosset & Dunlap com o título The Mark of Zorro. foi republicado pela MacDonald & Co. em 1959 e pela Tor books em 1998, ISBN 978-0-8125-4007-9.
  • Os contos de McCulley foram republicadas pela Pulp Adventures Inc. em uma série de livros de bolso.

Uma série de romances de bolso foi publicada pela Tom Doherty Associates, Inc. Books no no final da década de 1990 e início da década de 2000.



  • A HarperCollins lançou um livro inspirado no sucesso do romance de Allende:

RPG[editar | editar código-fonte]

The Legacy of Zorro Introductory Adventure Game (ISBN 1-890305-26-X), um adaptação para RPG escrita por Mark Arsenault para o sitema Fuzion foi publicada pela Gold Rush Games em Julho de 2001

Zorro no cinema[editar | editar código-fonte]

Filmes[editar | editar código-fonte]

A 20th Century Fox está trabalhando em um filme Zorro chamado Zorro:Returns com Gael Garcia Bernal no pape-título, ambientado no futuro, o filme terá roteiro de Glen Gers, Lee Shipman e Brian McGeevy[16] . A Sony, responsável por The Mask of Zorro e The Legend of Zorro, também planeja outro filme com roteiro de Chris Boal baseado no romance de Isabel Allende[17] .

Seriados[editar | editar código-fonte]

O herói inspirou cinco seriados produzidos pela Republic Pictures, a mesma produtora do filme The Bold Caballero, são eles:

Zorro na Televisão[editar | editar código-fonte]

Áudio/ Rádio[editar | editar código-fonte]

  • Walt Disney's Zorro: [1. Presenting Señor Zorro; 2. Zorro Frees The Indians; 3. Zorro And The Ghost; 4. Zorro's Daring Rescue] (1957) lançado pela Disneyland Records. Este álbum recontada histórias da série de televisão da Disney e contou com Guy Williams como Zorro/Don Diego, Henry Calvin como Sargento Garcia, Phil Ross como Monastario, Jan Arvan como Torres, Jimmie Dodd de The Mickey Mouse Club como Padre Felipe, com outras vozes por Dallas McKennon e efeitos sonoros por Jimmy Macdonald e Eddie Forrest. história adaptadas por Bob Thomas e George Sherman. Música composta e conduzida por William Lava.
  • The Adventures of Zorro. (1957) Baseado na história original Johnston McCulley, The Curse of Capistrano (mais conhecido como The Mark of Zorro). Escrita por Maria Little, dirigido por Robert M. Light e produzido por Mitchell Gertz. Este programa de rádio de curta duração foi uma série de episódios curtos. Apenas um punhado de episódios são conhecidos por terem sobrevivido.
  • "Zorro Rides Again"."Zorro Rides Again".. (1997) [Não disponível] Produzido pela BBC foi estrelado por Mark Arden como Zorro, Louise Lombard como Lolita e Glyn Houston como Frei Felipe. Foi ao ar em 5 partes: 1) 3 de Julho de 1997 Night of the Fox; 2) 10 de Julho de 1997 Deadly Reckonings; 3) 17 de Julho de 1997 The Avenging Blade; 4) 24 de Julho de 1997 The Place of Skulls; 5)31 de Julho de 1997 The Gathering Storm;
  • Zorro and the Pirate Raiders. (2009) Com base na adaptação de D.J. Arneson para The Further Adventures of Zorro de Johnston McCulley. Produzido por Colonial Radio Theatre on the Air. Publicado por Brilliance Audio. Com a participação de Kevin Cirone, Shonna McEachern, Hugh Metzler, J.T. Turner, Sam Donato, Joseph Zamperelli Jr., eDan Powell.
  • Zorro Rides Again. (2011) Com base na adaptação de D.J. Arneson para "Zorro Rides Again" de Johnston McCulley de Produzido por Colonial Radio Theatre on the Air. Apresenta as vozes de Kevin Cirone, Jeremy Benson, Shonna McEachern, Shana Dirk, Sam Donato, e Hugh Metzler.
  • The Mark of Zorro. (2011) A história de ação e aventura que inspirou uma lenda. Baseado na história original Johnston McCulley, The Curse of Capistrano (mais conhecido como The Mark of Zorro. Produzido pela Hollywood Theater of the Ear para Blackstone Audio. Escrito e dirigido e co-produzido pelo multi-premiado Yuri Rasovsky. Produtores executivos: John Gertz da Zorro Productions e Josh Stanton da Blackstone Audio. Produtor Associado: Daryl McCullough. Ele apresenta as vozes de Val Kilmer como Diego de la Vega / Zorro, Ruth Livier como Lolita Pulido, Elizabeth Peña como Doña Catalina Pulido, Armin Shimmerman como Landlord, Mishach Taylor como o sargento Pedro Gonzales, Keith Szarabajka como Cpt Ramone, Ned Schmidtke como Don Carlos Pulido, Scott Brick como o governador, Stefan Rudnicki como Frei Felipe, Kristoffer Tabori como Don Alejandro de la Vega, Philip Proctor como Don Audre, John Sloan como o Magistrado, e Gordo Panza em vários papéis.

Versão em quadrinhos[editar | editar código-fonte]

Nos Estados Unidos, as histórias de Zorro aparece em Four Color da Dell Comics de 1949 De 1958 a 1961, muitas histórias adaptadas da série de televisão da Disney de 1957 foram publicadas, alguns desenhada por Alex Toth e Warren Tufts.

Versões para teatro[editar | editar código-fonte]

Musical[editar | editar código-fonte]

No ano de 2008, estreia no West End londrino a montagem musical contando a vida do herói mascarado, adaptado a partir do romance da escritora chilena Isabel Allende, o espetáculo ficou em cartaz por quase 10 meses para, em seguida, estrear no Folies Bergère de Paris. No ano de 2009 inicia-se a produção brasileira do espetáculo. A fase de inscrições e seleção de atores durou alguns meses e, em fevereiro de 2010 iniciam-se os ensaios do espetáculo.

Sinopse do musical[editar | editar código-fonte]

Don Diego de La Vega é um jovem rapaz rico que sai da Califórnia e vai estudar em Barcelona deixando para trás Luiza, o seu amor de infância.

Mais tarde em Barcelona, Diego se afasta da escola para se juntar ao grupo de músicos ciganos onde se torna a estrela principal. Luiza encontra Diego e pede para ele voltar para Califórnia, pois Ramon, seu irmão, assumiu o poder após a morte de Don Alejandro, pai de Diego, e se tornou um tirano capitão. Inês, uma cigana apaixonada por Diego, convence todos os ciganos do grupo a irem para Califórnia ajudá-lo.

Após testemunhar a crueldade de Ramon, Diego decide criar um herói para combatê-lo adotando o nome de Zorro. Ramon quer acabar com Zorro. O herói luta por paz para o seu povoado. Inez sonha em ser correspondida por seu amor e Luiza quer saber quem é o homem por trás daquela mascara. (sinopse obtida a partir do press-release oferecido no site do espetáculo)

Ficha técnica do musical[editar | editar código-fonte]

Baseado no romance de Isabel Allende, escrito por Stephen Clark e Helen Edmundson.

Música: Gipsy Kings, co-escritas e orquestradas por John Cameron

Protagonistas:

Elenco:

Alessandra Papadimitriou, Carolina Rocha, Ciça Simões, Conrado Carmven, Daniel Cabral, Diego Biaginni, Eduardo Alves, Elcio Bonazzi, Fabiana Figueiredo, Fernando Cursino, Flávia Menezes, Guilherme Lazari, Jeferson Oliveira, João Victor Bastos, Jonatas Camolese, Juliana Garavatti, Lorenzo Martin, Milene Munoz, Roberta Zanellato, Ubiracy Brasil E Willian Anderson.

Inicialmente, a versão brasileira lançada em 2010, seria protagonizado por Murilo Rosa, porém, as gravações da telenovela Araguaia da Rede Globo foram antecipadas e o ator não pode participar, para não adiar o lançamento, Murilo foi substituído por Jarbas Homem De Mello.[23]



  • Produtores Idealizadores: Camila Caruso E Leandro Wyatt - Agência Boom, Popcorn E Zorro(London) Limited
  • Produtor Associado: Murilo Rosa
  • Direção de Produção: Cesar Castanho
  • Produtor Executivo E Artístico: Vitor Cardoso
  • Direção Artística: Roberto Lage
  • Ass. de Direção: Jarbas Homem De Mello
  • Coreografias Flamencas: Jarbas Homem De Mello E Juçara Correa
  • Coreografias: Kátia Barros
  • Ass. de Coreografia: Keila Fuke
  • Direção Musical e Regência: Thiago Gimenes em substituição a Willy Verdaguer

Banda:

Cinthia Sell (Teclado), Fernando De Marilia (Guitarra), Guilherme Terra (Teclado/ 2º Regente), Jeferson Oliveira (Violão), Kiko Andrioli (Bateria), Lucas Rueda (Percussão), Marcel Bonfim (Contrabaixo), Vinicius Gomes (Guitarra), Waldir Junior (Guitarra)

  • Preparação Vocal: Thiago Gimenes
  • Versões Texto e Música: Vitor Beire
  • Consultoria Artística: Marcos Tumura
  • Figurinos: Paula Valéria
  • Coreografias de Lutas: Marcelo Rodrigues
  • Concepção Cenográfica: Alberto Camareiro
  • Fotos Divulgação: Yuri Wyatt

Peça: A Marca do Zorro[editar | editar código-fonte]

Também em 2010, é lançada uma nova adaptação para os teatros brasileiros, produzida por por Pedro Vasconcelos e Marcelo Faria, a peça é estrelada por Thierry Figueira como Zorro/Don Diego, Priscila Fantin como Esperança Pulido e Tadeu Mello como Sargento Garcia [24] [25] Pedro Vasconcelos, Marcelo Faria e Thierry Figueira já haviam participado de outra montagem de capa e espada: D'Artagnan e Os Três Mosqueteiros de Alexandre Dumas, produzida por Pedro Vasconcelos e Marcelo Faria, a peça foi estrelada por Pedro Vasconcelos como Porthos, Marcelo Faria como Athos, Rodrigo Santoro como D'Artagnan, Thierry Figueira como Aramis e Luana Piovani como Milady[26] , no ano seguinte, a dupla negociou uma série de TV Rede Globo, porém, o projeto foi cancelado e apenas quatro episódios foram produzidos e juntados como um especial exibido em 25 de Dezembro daquela ano, o elenco sofreu algumas mudanças, Claudio Heinrich substituiu Marcelo Faria como Athos, coube a Faria o papel de D'Artagnan no lugar de Rodrigo Santoro e Bianca Byington, que substituiu Luana Piovani como Milady[27] .

Direitos autorais e marcas registradas contestadas[editar | editar código-fonte]

O filme The Mark of Zorro estrelado por Douglas Fairbanks encontra-se em domínio público

Os direitos autorais e marca registrada do personagem e histórias Zorro são contestados. Zorro Productions, Inc., afirma que "controla as marcas em todo o mundo e direitos autorais do nome, imagem visual e o personagem do Zorro".Afirma, ainda, que "O uso não autorizado, sem licença do nome, personagem e / ou semelhança de" Zorro "é uma violação e uma violação das leis estaduais e federais." [28] Afirma, ainda, que "O uso não autorizado, sem licença do nome, personagem e/ou qualquer semelhança de" Zorro "é uma violação de leis estaduais e federais."

Em 1999, a TriStar Pictures Inc. processou a Del Taco, Inc., devido a uma campanha de publicidade de um restaurante fast-food que supostamente violou os direitos da Zorro Productions. No final de agosto 1999, o tribunal decidiu que isso não invalidaria as marcas Zorro Production', como resultado dos argumentos do réu de que certos direitos autorais de Zorro estão em domínio público ou de propriedade de terceiros.[29]


Em 2001, ocorreu outro processo na justiça, Sony Pictures Entertainment v. Fireworks Ent. Group.[30] Em 24 de janeiro de 2001, a Sony Pictures, TriStar Pictures e a Zorro Productions, Inc. processaram Fireworks Ent. Group., Paramount Pictures, e a Mercury Entertainment, alegando que a série de televisão Queen of Swords infringia os direitos autorais e as marcas registradas de Zorro e personagens associados. A Sony e TriStar haviam pago as taxas de licenciamento da Zorro Productions, Inc., relacionadas com o filme de 1998, The Mask of Zorro. Queen of Swords foi uma série de televisão de 2000a 2001 definida em Califórnia espanhola no início do século 19 e com uma heróina que usava um traje preto com uma faixa vermelha e que erta bem parecida com a personagem de Zorro, incluindo as habilidades com espada, o uso de um chicote, boleadeiras e equitação.

Zorro Productions, Inc., argumentou que possuía os direitos sobre o personagem original, porque Johnston McCulley cedeu os direitos Zorro a Mitchell Gertz em 1949, Gertz morreu em 1961, e sua propriedade transferida para os seus filhos, que criaram Zorro Productions, Inc. A Fireworks Ent. Group.argumentou que os direitos origináis já haviam sido transferido para Douglas Fairbanks, Sr. em 1920 e forneceu documentos que comprovavam legalmente em 1929, e também questionou se direitos autorais ainda eram válidos.

O tribunal decidiu que "uma vez que os direitos autorais de The Curse of Capistrano e The Mark of Zorro caducaram em 1995 ou antes, desde essa data, o personagem Zorro se tornou de domínio público". O Juiz Collins também afirmou que: "O argumento dos querelantes que eles têm uma marca de Zorro porque licenciam outros a usarem o Zorro, no entanto, é ilusória. Ela pressupõe que a Zorro Productions, Inc. teria o direito de exigir licenças para usar Zorro em tudo."


Em outra ação judicial ocorreu em 2010, a Zorro Productions, Inc., processou a Mars, Incorporated, fabricante dos doces de chocolate M&M's, e agência de publicidade BBDO Worldwide por anuncio de um M&M vestido com a roupa do Zorro[31] . O caso foi resolvido em 13 de agosto de 2010 com o seguinte parecer "cada uma das partes suportará as suas próprias despesas relacionadas com esta ação, incluindo honorários e custos com advogados"[32] .

Legado[editar | editar código-fonte]

The Masked Rider, mascote da Universidade de Tecnologia do Texas é parecido com o Zorro

Bob Kane credita Zorro, como parte da inspiração para criar o Batman[33] . Tal como Zorro, Bruce Wayne é o herdeiro da riqueza construída por seus pais. Sua identidade cotidiana incentiva os outros a pensar nele como superficial, tolo e indiferente para ficar acima de qualquer suspeita. Em The Dark Knight Returns e The Dark Knight Strikes Again de Frank Miller, há várias referências ao Zorro, como o Batman escrevendo um Z em um inimigo derrotado. Nas narrativas posteriores da origem do Batman, os pais de Bruce Wayne são assassinados por um assaltante quando a família deixa uma exibição do filme The Mark of Zorro (1940), estrelado por Tyrone Power.

Plic, Ploc & Chuvisco da Hanna-Barbara, apresentava um personagem com capa e espada e uma máscara parecida com a de Zorro e era como "Mark of the Mouse".

Notas e referências

  1. a b Nano Souza (08/08/2013). Zorro e Cavaleiro Solitário - Uma Confusão à Brasileira HQManiacs.
  2. Jim Driscoll (2008). Reflections of a B- Movie Junkie: A Tribute To, and Homage Of, the B-Movie Genre Films of the Saturday Matinees, of Primarily the '40's and '50's ISBN 9781462838202 222 a 224 pp. Xlibris Corporation.
  3. a b c Sandra Curtis. Zorro Unmasked: The Official History. [S.l.]: Hyperion, 1998. 9780786882854
  4. a b c Zorro Pulp Fiction Bibliography Vintage Libray.
  5. Carlos Graieb (21/6/2000). Cai a máscara Revista Veja.
  6. Jeffrey Vance. Douglas Fairbanks. [S.l.]: University of California Press, 2008. 184 pp. 9780520256675
  7. Richard M. Hurst. Republic Studios: Beyond Poverty Row and the Majors. [S.l.]: Scarecrow Press, 2007. 79 pp. 9780810858862
  8. a b Jim Harmon, Donald F. Glut. The great movie serials: their sound and fury. [S.l.]: Doubleday, 1972.
  9. Mitzi M. Brunsdale. Icons of Mystery and Crime Detection: From Sleuths to Superheroes. [S.l.]: ABC-CLIO, 2010. 757 pp. 9780313345302
  10. a b Túlipe Helena (27/05/2008). Expectativas do Ano - Zorro está de volta (27/05) UOL.
  11. Sandra Curtis. Zorro Unmasked: The Official History. [S.l.]: Hyperion, 1998. 9780786882854
  12. Jaap van Ginneken. Screening Difference: How Hollywood's Blockbuster Films Imagine Race, Ethnicity, and Culture. [S.l.]: Rowman & Littlefield, 2007. 100 a 103 pp. 9780742555846
  13. Fabio Troncarelli. El mito del "Zorro" y la Inquisición en México: la aventura de Guillén Lombardo (1615-1659). [S.l.]: Milenio, 2003. 302 pp. 9788497430920
  14. Carlos Biguetti (01/10/2005). Zorro desmascarado Aventuras na História.
  15. a b c d e f g h Mattos, A. C. Gomes de. Cinemin 13. [S.l.]: Rio de Janeiro: EBAL. 34-35 pp.
  16. Jeff Sneider. Garcia Bernal to mark Fox’s ‘Zorro Reborn’ Variety.
  17. Mike Fleming Jr (06/10/2011). Sony Hires Matthew Federman & Stephen Scaia To Pen 'Zorro' Reboot Deadline.com.
  18. a b Fernanda Furquim (24/06/2010). Zorro, o Musical Estreia em São Paulo Revista Veja.
  19. Alvin H. Marill. Television Westerns: Six Decades of Sagebrush Sheriffs, Scalawags, and Sidewinders (Google e-Livro). [S.l.: s.n.], 2011. 149 pp. 9780810881334
  20. Hal Erickson. Television cartoon shows: an illustrated encyclopedia, 1949 through 2003. [S.l.]: McFarland & Co., 2005. 426 pp. 9780786422555
  21. Catálogo VideoBrinquedo.com.br (15/08/2013).
  22. Zorro: The Chronicles Zorro Productions, Inc..
  23. Musical 'Zorro' estreia nesta sexta (16) sem Murilo Rosa Portal Terra (16 de julho de 2010).
  24. O espectador no meio da aventura ISTOÉ Gente.
  25. Heliodora Carneiro de Mendonça (07/01/2010). A marca do Zorro O Globo.
  26. Cristiano Cipriano Pombo (28 de agosto de 1998). Mosqueteiros de Dumas chegam em versão "entertainment" Folha Online.
  27. 'Três Mosqueteiros' sai dos palcos e chega à tela da Globo Folha Online (25 de Dezembro de 1999).
  28. publishing.html "Destaques do Programa Publishing Zorro" página do site da empresa.
  29. "TriStar Pictures, Inc. v. Del Taco, Inc."
  30. "Sony Pictures Entertainment v. Fireworks Ent. Group." no Google Scholar, recuperado em 4 de Dezembro de 2010.
  31. Zorro complaint
  32. [1]|Zorro Productions v Mars Inc. and BBDO worldwide
  33. Boichel, Bill. "Batman: Commodity as Myth." The Many Lives of the Batman: Critical Approaches to a Superhero and His Media. Routledge: Londres, 1991. ISBN 0-85170-276-7, pp. 6–7

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Zorro
Wikisource
O Wikisource possui esta obra:
The Curse of Capistrano
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) personagem de Banda desenhada é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.