Zumbido

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Zumbido
Classificação e recursos externos
CID-10 H93.1
CID-9 388.3
DiseasesDB 27662
MedlinePlus 003043
MeSH D014012
Star of life caution.svg Aviso médico

Dá-se o nome de zumbido, ou ainda acúfeno, tinnitus ou tinido, a uma sensação auditiva cuja fonte não advém de estímulo externo ao organismo, é um sintoma associado a várias formas de perda auditiva.

Ele pode ser causado por exposição prolongada a sons acima do volume limite para a saúde humana, 85 decibéis, acima do qual é possivel causar dano permanente na audição, e ainda outros problemas, como de circulação.

Conceito[editar | editar código-fonte]

A pessoa afetada reporta escutar uma zoeira na cabeça, ouve sons como sinos, zumbido, apito, campainha, cachoeira, cigarra etc.Pode ser temporária, mas pode durar dias ou tornar-se permanente.

Estimativas americanas ressaltam que 12 milhões de pessoas apresentam Tinitus, e destes, pelo menos um milhão apresentam quadros tão significantes que interferem em suas atividades, pois apresentam dificuldade de ouvir, trabalhar e dormir.

O zumbido pode ser classificado de acordo com seu agente etiológico, em zumbidos de origem para-auditivas (geralmente de origem vascular ou muscular) e zumbidos originados no sistema auditivo neurossensorial.

Não existe cura específica ou definitiva para alguns tipos de zumbido (particularmente os de origem neurossensorial); alguns tratamentos são propostos, como o uso de aparelhos auditivos, medicamentos, terapias comportamentais e relaxamento, bem como o tratamento dos distúrbios das articulações temporomandibulares. É recomendado também, evitar álcool e fumo que podem piorar o quadro, o uso de protetor auricular se exposto a sons altos e o uso de placa de relaxamento intra-bucal diante de alterações nas articulações temporomandibulares, principalmente nos casos de perda de dimensão vertical de oclusão.

Dentre os zumbidos de origem para-auditiva, a literatura tem apresentado diversos trabalhos que relacionam as estruturas do ouvido médio e as estruturas mastigatórias, sendo que os distúrbios das articulações temporomandibulares, causados por exemplo por maloclusões, são apontados como causadores de determinados tipos de zumbido.

Causas[editar | editar código-fonte]

Várias são as causas que podem dar ensejo ao sintoma, tais como muita exposição a sons altos, outros problemas de saúde, tais como, alergias, tumores, problemas cardiovasculares, alterações na região do pescoço, inflamação do ouvido médio nas crianças, perda auditiva por doença das meninges ( meningite ), tumor cerebral, diabetes, e muito importante, problemas na área da coluna cervical. O uso de alguns medicamentos também podem causar Tinitus, tais como os pertencentes aos grupos dos diuréticos, antibióticos, cardíacos, e de combate ao câncer. É importante salientar que esta enfermidade deve ser tratada por uma equipe multidisciplinar (otorrinolaringologistas, dentistas, fonoaudiólogos, psicólogos, fisioterapeutas e musicoterapeutas) devido sua origem multifatorial. Diversos trabalhos relacionam os sintomas auditivos subjetivos à íntima relação anatômica e ontogenética entre o ouvido médio e estruturas mastigatórias (nos casos de perda da dimensão vertical de oclusão, má oclusão, deglutição atípica, apertamento de dentes, ranger de dentes, entre outras).

Estudos mostram que o zumbido também pode ser causado quando a cóclea, que é a parte fundamental do sistema auditivo humano responsável por transformar um sinal acústico em um sinal elétrico, é seriamente afetada. Na cóclea estão localizadas as células ciliadas cuja distribuição é similar a um teclado de piano. Quando as ondas sonoras atingem essas células, elas convertem as vibrações em correntes elétricas que nossos nervos auditivos levam para o cérebro. Cada uma dessas células ciliadas é responsável por detectar uma vibração ou uma frequência específica de som, assim como cada tecla de um piano é responsável por emitir uma frequência de som específica. Quando essas células são danificadas, elas começam a ‘gritar’, pois seus estereocílios ficam danificados e continuam enviando, por engano, informações sonoras ao cérebro. Sendo assim, o zumbido ocorre porque as pontas de alguns estereocílios romperam-se.

Num estudo mais recente, investigadores da Universidade da Austrália Ocidental (University of Western Australia) descobriram que o tinitus estava associado a um aumento de atividade nos neurónios onde os sons são processados. Este facto está ligado a alterações nos genes envolvidos na regulação da atividade desses neurónios. Isto significa que alguns canais de transmissão de sinais a certos neurónios estarão bloqueados, enquanto outros estarão mais excitados (abertos) que habitualmente, ao invés de abrirem e fecharem com normalidade.


Exemplos de causas, entre outras:

Publicações científicas[editar | editar código-fonte]

Links[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre Medicina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.