Maurício Tragtenberg

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Maurício Tragtenberg
Nascimento 4 de novembro de 1929
Getúlio Vargas, Rio Grande do Sul, Brasil
Morte 17 de novembro de 1998 (69 anos)
São Paulo, São Paulo, Brasil
Ocupação sociólogo, educador e teórico libertário
Escola/tradição anarquismo, comunismo de conselhos
Principais interesses Sociologia, História, Filosofia, Educação, Política, Anarquismo.

Maurício Tragtenberg (Getúlio Vargas, 4 de novembro de 1929São Paulo, 17 de novembro de 1998) foi um sociólogo, historiador, escritor, ensaísta e professor brasileiro.[1][2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de uma família judaica e camponesa, seus avós emigraram para o Brasil e instalaram-se no interior do Rio Grande do Sul através de um projeto de colonização que tinha o financiamento da Companhia Judaica de Colonização.[3] Cultivavam uma agricultura de subsistência e vendiam o excedente para o mercado.[4]

Maurício começou a "ler, escrever e contar" em uma escola pública de Erebango (depois Erechim), que funcionava em um galpão.[5][6] Sua família muda-se para Porto Alegre - capital do estado do Rio Grande do Sul - e ele passa a frequentar o Grupo Escolar Luciana de Abreu (em plena época do Estado Novo), mas logo a família transfere-se para São Paulo, instalando-se no bairro do Bom Retiro.[5][7][8]

Maurício passa a frequentar uma escola ortodoxa judaica e além das matérias comuns do primário, estudava o hebraico[4] e o iídiche ("que é uma mistura de várias línguas, incluindo o hebraico, mas surgiu do alemão medieval como forma de comunicação entre os judeus que não pudessem ser compreendidos pelos cristãos").[9]

Ainda muito jovem começou a trabalhar, após a morte do pai.[4] Filiou-se ao Partido Comunista Brasileiro (PCB), mas foi expulso com base em um artigo que proibia ao militante contato direto ou indireto com trotskistas ou com a obra de Leon Trotsky, autor por ele lido e relido.[10][11][12] Torna-se dirigente do recém-fundado Partido Socialista Revolucionário (PSR), então seção brasileira da IV Internacional (fundada por Leon Trotsky) junto com inúmeros partidário da esquerda como Herminio Sacchetta, Febus Gikovate, Alberto da Rocha Barros, Vítor Azevedo, Patricia Galvão (Pagu), Florestan Fernandes, entre outros.[13][14][15][16]

Trabalhou no Departamento das Águas de São Paulo, onde teve toda a sua experiência prática com a burocracia, posteriormente criticada em seu livro Burocracia e Ideologia.[17][18][19] Neste período frequentava a Biblioteca Municipal Mário de Andrade, onde lhe foi possível ler o que lhe interessasse e discutir assuntos diversos com um grupo de intelectuais que também frequentavam a biblioteca, entre eles Antônio Cândido, que o convenceu a prestar vestibular na Universidade de São Paulo (USP).[20][21]

Escreveu o ensaio Planificação - Desafio do século XX, que seria posteriormente transformado em livro.[22] Com a aceitação desse texto pela Universidade, habilita-se a prestar o vestibular.[23] Aprovado, começa a frequentar o curso de Ciências Sociais na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH).[5][23] Um ano depois prestou novamente vestibular - desta vez para o curso de História, que concluiu.[23] Durante a ditadura militar escreveu sua tese de doutorado em Política, também pela USP.[24] Começou então a se dedicar à carreira de professor, lecionando na graduação e pós-graduação das principais universidades dos país como a da própria USP, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (EAESP-FGV).[25][26]

No meio acadêmico, Tragtenberg ficou conhecido como um autodidata (o que era apenas parcialmente verdadeiro, embora ele próprio costumasse alardear, provocativamente, o seu "primário incompleto").[27] Preferia definir-se como um socialista libertário, ao contrário de "anarquista", e radical.[28] Irreverente com relação aos símbolos e às artimanhas do poder autoritário, foi um intelectual independente e crítico em relação à burocracia acadêmica, que desprezava.[24][23]

Fumante inveterado, suas classes eram frequentadas não só por alunos regulares mas também por numerosos ouvintes não matriculados, por seu espírito rebelde e senso de humor frequentemente sarcástico, mas sobretudo por sua profunda generosidade intelectual.[22]

A compulsão pela palavra escrita somada à facilidade de guardar nomes e citações, fizeram-no ser lembrado por um saber enciclopédico. Para a Profª. Drª. Dóris Accioly e Silva, da Universidade Estadual Paulista (UNESP) de Marília, e co-organizadora da biografia de Maurício Tragtenberg, o vasto conhecimento do filósofo era presenciado em sala de aula. "Ele não era popular entre os alunos. Falava muito, citava bastante gente e não seguia ordem cronológica nas explicações".[29]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Foi casado com a atriz Beatriz Tragtenberg, com quem teve três filhos: o físico Marcelo Henrique Romano Tragtenberg, o músico Livio Tragtenberg e a cantora lírica Lucila Romano Tragtenberg.[30][31][32]

Apesar de sua origem judaica, Tragtenberg definia-se como ateu e com sua irreverência dizia “ateu, graças a Deus!” e que era um “judeu ateu”.[33][34]

Morte[editar | editar código-fonte]

Maurício morreu em 17 de novembro de 1998, após sofre uma parada cardiorrespiratória.[35] Tragtenberg estava internado na Unidade de terapia intensiva (UTI) do hospital privado Sírio-Libanês, pois estava sofrendo com um câncer e diabetes.[35][36]

Trabalhos publicados[editar | editar código-fonte]

Deixou publicados pelo menos oito livros e inúmeros artigos em jornais e revistas de grande circulação no país, abrangendo diversos assuntos como educação, política, sociologia, história e administração.[37]

Escreveu por vários anos a coluna No Batente para o jornal Notícias Populares, um tabloide popular de São Paulo.[38][39][40]

Sua obra completa que inclui livros, artigos, apresentações, prefácios e textos esparsos está sendo editada pela Editora UNESP, tendo sido publicados quatro volumes da coleção Maurício Tragtenberg - dirigida por Evaldo Amaro Vieira: Administração, Poder e Ideologia, Sobre educação, política e sindicalismo, "Burocracia e Ideologia" e o mais recente A Revolução Russa.[1][41]

Teoria da Pedagogia Libertária[editar | editar código-fonte]

Através de uma crítica incisiva ao modelo pedagógico burocrático, Tragtenberg chega à teoria da pedagogia libertária,[42] que se expressa pelo questionamento de toda e qualquer relação de poder estabelecida no processo educativo e das estruturas que proporcionam as condições para que essas relações se reproduzam no cotidiano das instituições escolares.[43]

Em sua visão, a própria prática de ensino pedagógica-burocrática permite a dominação na medida em que reduz o aluno ao papel de mero receptáculo de conhecimento e fixa uma hierarquia rígida e burocrática na qual o principal interessado encontra-se numa posição submissa. E nessa ordem o professor é o ‘símbolo vivo’ da dominação.[44][45]

Tragtenberg critica duramente a realidade das universidades, "a delinquência acadêmica", que a seu ver, acabam exprimindo uma ‘concepção capitalista do saber’ através da busca desenfreada por titulações, publicações, pontos.[37][24] Paga-se para apresentar trabalhos a si mesmo ou aos poucos amigos que se revezam entre falantes e ouvintes, não interessando o conteúdo e a qualidade do que se publica, mas sim quantos pontos vale; também não importa se alguém lerá o artigo; que seja de preferência uma publicação em algum país vizinho, pois as publicações internacionais valem mais pontos.[46][47]

Em resposta a tudo isso, a pedagogia libertária propõe uma série de mudanças nas instituições de ensino, fundadas na:[5][48][49]

  • Autogestão, gestão da educação pelos diretamente envolvidos no processo educacional e a ‘devolução do processo de aprendizagem às comunidades onde o indivíduo se desenvolve (bairro, local de trabalho)’;
  • Autonomia do indivíduo, ‘o indivíduo não é um meio, é o fim em si mesmo. No universo das coisas (mercadorias) tudo tem um preço, porém só o homem tem uma dignidade'; negação total de prêmios ou punições;
  • Solidariedade, crítica permanente de todas as formas educativas que estimulam ou fundamentem-se na competição;
  • Crítica a todas as normas pedagógicas autoritárias.

Essa proposta pedagógica pressupõe ainda: educação gratuita para todos, superação da divisão dos professores em categorias; liberdade de organização para os trabalhadores da educação.[44]

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

  • Planificação: Desafio do século XX, Ed. Senzala de 1967.[22]
  • Burocracia e ideologia, Ed. Ática de 1974.[50]
  • Administração, poder e ideologia, Ed. Moraes de 1980.[51]
  • Reflexões sobre o Socialismo, Ed. Moderna de 1986.[52]
  • A Revolução Russa, Ed. Moderna de 1988.[53]
  • Memórias de um autodidata no Brasil, Ed. Escuta de 1999.[54]
  • Escreveu a introdução da versão brasileira do livro "Organismo Econômico da Revolução: a autogestão na Revolução espanhola", de Diego Abad de Santillán.[55]

Referências

  1. a b «Homenagem a Maurício Tragtenberg». Editora da Unesp. 31 de outubro de 2019. Consultado em 28 de abril de 2021 
  2. Loureiro, Isabel (5 de março de 2021). «Leia introdução de Isabel Loureiro a livro sobre Rosa Luxemburgo - Aliás». Estadão. Consultado em 28 de abril de 2021 
  3. Heloani, Roberto (2002). «Maurício». Universidade de São Paulo. Consultado em 28 de abril de 2021 
  4. a b c «Editorial». Educação & Sociedade. 19 (65). 1998. ISSN 0101-7330. doi:10.1590/S0101-73301998000400001 
  5. a b c d Silva, Doris (2019). «A educação escolar na obra-trajeto de Maurício Tragtenberg» (PDF). Editora da Universidade Federal de Uberlândia. Consultado em 28 de abril de 2021 
  6. «Erebango». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 28 de abril de 2021 
  7. «Porto Alegre». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 28 de abril de 2021 
  8. Corsi, Francisco (1997). «Estado novo: politica externa e projeto nacional» (PDF). Universidade Estadual de Campinas. Consultado em 28 de abril de 2021 
  9. «Qual a diferença entre iídiche e hebraico? | Oráculo». Superinteressante. Consultado em 28 de abril de 2021 
  10. Tragtenberg, Maurício. «MEMORIAL - Maurício Tragtenberg» (PDF). Faculdade de Educação da Unicamp. Consultado em 28 de abril de 2021 
  11. Fausto, Boris (23 de maio de 2004). «A utopia radical do trotskismo no Brasil». Folha de S. Paulo. Consultado em 28 de abril de 2021 
  12. Campos, Alzira Lobo de Arruda; Gomes, Alvaro Cardoso; Godoy, Marilia Gomes Ghizzi (6 de setembro de 2016). «Autocríticas e Expurgos nos Círculos Revolucionários Paulistas na Era Vargas». Antíteses (17). 115 páginas. ISSN 1984-3356. doi:10.5433/1984-3356.2016v9n17p115. Consultado em 28 de abril de 2021 
  13. Accioly e Silva, Doris; Bruno, Lucia (2008). «O mito, o método e a história: a Revolução Russa sob a ótica de Maurício Tragtenberg». Educação & Sociedade (105): 979–989. ISSN 0101-7330. doi:10.1590/S0101-73302008000400003. Consultado em 28 de abril de 2021 
  14. Ferreira, Pedro (2002). «Anotações para um socialismo libertário». Revista Espaço Acadêmico Universidade Estadual de Maringá. Consultado em 28 de abril de 2021 
  15. Sacchetta, Vladimir (1996). «Florestan Fernandes: o sociólogo militante». Estudos Avançados (26): 51–54. ISSN 0103-4014. doi:10.1590/S0103-40141996000100010. Consultado em 28 de abril de 2021 
  16. «Especial 80 anos do Partido Socialista Revolucionário». Corrente Socialista de Trabalhadoras e Trabalhadores do Partido Socialismo e Liberdade. 23 de junho de 2020. Consultado em 28 de abril de 2021 
  17. Souza, Erisvaldo (2017). «A Trajetória Intelectual e Política de Maurício Tragtenberg» (PDF). Universidade Federal de Goiás. Consultado em 28 de abril de 2021 
  18. Barsotti, Paulo (2014). «MAURÍCIO TRAGTENBERG COMO INTERPRETE DA HISTÓRIA POLÍTICA BRASILEIRA (1964-1990)» (PDF). IX ENCONTRO DA ABCP. Consultado em 28 de abril de 2021 
  19. Tragtenberg, Maurício (2006). Burocracia e ideologia. [S.l.]: Unesp 
  20. «NELE, SÉRIE CONVERSAS DE LIVRARIA, PAINEL GEOMÉTRICO I». Universidade de São Paulo. 18 de Abril de 2011. Consultado em 28 de abril de 2021 
  21. «Biblioteca Mário de Andrade». Educação e Território. Consultado em 28 de abril de 2021 
  22. a b c Antunes, Ricardo. «Em memória de Maurício Tragtenberg: a perda de um intelectual herético» (PDF). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Unicamp. Consultado em 28 de abril de 2021 
  23. a b c d Silva, Doris Accioly e (2001). Maurício Tragtenberg: Uma Vida para as Ciências Humanas. [S.l.]: Editora UNESP 
  24. a b c Catani, Afrânio (1999). «MAURÍCIO TRAGTENBERG: UM INTELECTUAL CONTRA O PODER INTELECTUAL (1929-1998)» (PDF). Associação dos Docentes da USP. Consultado em 28 de abril de 2021 
  25. Roberto, Heloani (2014). «Maurício Tragtenberg: 10 anos de encantamento». Educação & Sociedade (126): 323–327. ISSN 0101-7330. doi:10.1590/S0101-73302014000100018. Consultado em 28 de abril de 2021 
  26. «COMUNIDADE ACADÊMICA». Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Consultado em 28 de abril de 2021 
  27. «Memórias de um autodidata no Brasil». Fundação Perseu Abramo. 11 de maio de 2006. Consultado em 28 de abril de 2021 
  28. Passeti, Edson (2008). «Um parresiasta no socialismo libertário∗». Revista Ponto-e-Vírgula (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo). Consultado em 28 de abril de 2021 
  29. «MAURÍCIO TRAGTENBERG». Recanto das Letras. Consultado em 28 de abril de 2021 
  30. «Beatriz Tragtenberg». Enciclopédia Itaú Cultural. Consultado em 28 de abril de 2021 
  31. Tragtenberg, Beatriz (8 de novembro de 2013). «Maurício, por Beatriz Tragtenberg». Revista Espaço Acadêmico (Universidade Estadual de Maringá). Consultado em 28 de abril de 2021 
  32. «Lívio Tragtenberg». Enciclopédia Itaú Cultural. Consultado em 28 de abril de 2021 
  33. Valverde, Antônio (2001). «A INTELIGÊNCIA DO ORIENTADOR» (PDF). Revista de Administração de Empresas (Fundação Getúlio Vargas). Consultado em 29 de abril de 2021 
  34. Almeida, Paulo (2002). «A educação de Maurício Tragtenberg(depoimento pessoal sobre um método político-pedagógico)». Revista Espaço Acadêmico (Universidade Estadual de Maringá). Consultado em 29 de abril de 2021 
  35. a b «Morre em São Paulo o sociólogo Maurício Tragtenberg». Folha de S. Paulo. 18 de novembro de 1998. Consultado em 28 de abril de 2021 
  36. «Antes destinos de ricos do país todo, hospitais privados de SP chegam ao limite e restringem pacientes de outras regiões». BBC News Brasil. Consultado em 28 de abril de 2021 
  37. a b Rios, Jefferson (6 de agosto de 1978). «A delinquência acadêmica». Folha de S. Paulo. Consultado em 28 de abril de 2021 
  38. Silva, Antônio (2005). «Educação e Política Libertária». Revista Urutaguá (Universidade Estadual de Maringá). Consultado em 28 de abril de 2021 
  39. Sereza, Haroldo (18 de dezembro de 1999). «Falta o sociólogo nas "Memórias" de Tragtenberg». Folha de S. Paulo. Consultado em 28 de abril de 2021 
  40. Evaldo, Piolli (30 de maio de 2012). «De volta ao batente». Revista USP. Consultado em 28 de abril de 2021 
  41. Vieira, Evaldo Amaro (2010). Autoritarismo e corporativismo no Brasil: (Oliveira Vianna & Companhia). [S.l.]: Editora UNESP 
  42. «SILVA, A.O. "Maurício Tragtenberg e a Pedagogia Libertária: anotações sobre a experiência do fazer a tese" in Revista Espaço Acadêmico nº 36, maio de 2004». Arquivado do original em 25 de novembro de 2007 
  43. Shimamoto, Simone (2017). «A concepção de trabalho escolar e a (des)politização dos sujeitos sociais a partir de Maurício Tragtenberg». Revista Educação E Políticas Em Debate (Universidade Federal de Uberlândia). Consultado em 28 de abril de 2021 
  44. a b Silva, Antônio. «Maurício Tragtenberg e a Pedagogia Libertária». Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Consultado em 28 de abril de 2021 
  45. Ferreira, Wilson (11 de novembro de 2020). «Deixa este mundo Ciro Marcondes Filho, o escavador de silêncios..., por Wilson Ferreira». Revista Fórum. Consultado em 28 de abril de 2021 
  46. Meneghetti, Francis (13 de setembro de 2013). «A heterodoxia intelectual de Maurício Tragtenberg». Revista Espaço Acadêmico (Universidade Estadual de Maringá). Consultado em 28 de abril de 2021 
  47. Amorim, André (11 de julho de 2014). «A influência de Maurício Tragtenberg na obra da primeira geração de pesquisadores nos Estudos Organizacionais críticos brasileiros» (PDF). Cadernos Ebape (Fundação Getúlio Vargas). Consultado em 28 de abril de 2021 
  48. Neto, João (2008). «EDUCAÇÃO ANARQUISTA E PEDAGOGIA LIBERTÁRIA: CALEIDOSCÓPIO DE UMA HISTÓRIA (1880-1930).» (PDF). Universidade Federal da Bahia. Consultado em 28 de abril de 2021 
  49. Silva, Antônio (2004). «Maurício Tragtenberg e a pedagogia libertária (2004)». Universidade de São Paulo. Consultado em 28 de abril de 2021 
  50. Paula, Ana Paula Paes de (2008). «Maurício Tragtenberg: contribuições de um marxista anarquizante para os estudos organizacionais críticos». Revista de Administração Pública (5): 949–968. ISSN 0034-7612. doi:10.1590/S0034-76122008000500007. Consultado em 28 de abril de 2021 
  51. Motta, Fernando (2001). «MAURÍCIO TRAGTENBERG: DESVENDANDO IDEOLOGIAS» (PDF). Revista de Administração de Empresas (Fundação Getúlio Vargas). Consultado em 28 de abril de 2021 
  52. Tragtenberg, Maurício. «Reflexões Sobre o Socialismo». Universidade de Brasília. Consultado em 28 de abril de 2021 
  53. Cunha, Elcemir (6 de janeiro de 2016). «Que fazer da burocracia de estado? Do indiferentismo às reciprocidades». Revista de Administração Pública E Gestão Social (Universidade Federal de Viçosa). Consultado em 28 de abril de 2021 
  54. Tragtenberg, Maurício (1999). Memórias de um autodidata no Brasil. [S.l.]: Escuta 
  55. Pomini, Igor. «GUERRA CIVIL E AUTOGESTÃO: a revolução espanhola» (PDF). Universidade Federal Fluminense. Consultado em 28 de abril de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Maurício Tragtenberg