Deextinção: diferenças entre revisões

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Linha 20: Linha 20:


== Espécies consideradas para a ressurreição biológica ==
== Espécies consideradas para a ressurreição biológica ==
=== Dinossauro ===
=== Dinossauros ===
De acordo com o Paleontólogo [[Jack Horner]], seria possível recriar um dinossauro revertendo a evolução de uma ave. Sua ideia é reverter a evolução de uma ave (uma galinha em seu caso) para recuperar características adormecidas de [[dinossauros]] terópodes.<ref>{{Citar web |url=https://ed.ted.com/lessons/building-a-dinosaur-from-a-chicken-jack-horner |titulo=Building a dinosaur from a chicken - Jack Horner |acessodata=2020-08-31 |website=TED-Ed |lingua=en}}</ref> O resultado seria chamado de "Frangossauro".<ref>{{Citar web |ultimo=May 2015 |primeiro=Laura Geggel 19 |url=https://www.livescience.com/50886-scientific-progress-dino-chicken.html |titulo=Dino-Chicken Gets One Step Closer |acessodata=2020-08-31 |website=livescience.com |lingua=en}}</ref>
De acordo com o Paleontólogo [[Jack Horner]], seria possível recriar um dinossauro revertendo a evolução de uma ave. Sua ideia é reverter a evolução de uma ave (uma galinha em seu caso) para recuperar características adormecidas de [[dinossauros]] terópodes.<ref>{{Citar web |url=https://ed.ted.com/lessons/building-a-dinosaur-from-a-chicken-jack-horner |titulo=Building a dinosaur from a chicken - Jack Horner |acessodata=2020-08-31 |website=TED-Ed |lingua=en}}</ref> O resultado seria chamado de "Frangossauro".<ref>{{Citar web |ultimo=May 2015 |primeiro=Laura Geggel 19 |url=https://www.livescience.com/50886-scientific-progress-dino-chicken.html |titulo=Dino-Chicken Gets One Step Closer |acessodata=2020-08-31 |website=livescience.com |lingua=en}}</ref>


=== Aves ===
=== Aves ===
Linha 28: Linha 28:


=== Mamíferos ===
=== Mamíferos ===

== Íbex dos Pirineus ==

* O [[Íbex-dos-pirenéus|íbex dos Pirenéus]] era uma subespécie do [[íbex]] [[Espanha|espanhol]] que vivia na [[Península Ibérica]]. Embora tenha sido abundante na época medieval, a caça excessiva nos séculos XIX e 20 levou ao seu desaparecimento. Em 1999, apenas uma única mulher chamada Celia foi encontrada viva no [[Parque Nacional de Ordesa e Monte Perdido|Parque Nacional de Ordesa]].<ref>{{Citar periódico |url=https://www.economist.com/news/2013/11/18/celias-ghost |titulo=Celia’s ghost |data=2013-11-18 |acessodata=2021-09-22 |jornal=The Economist |issn=0013-0613}}</ref> Cientistas a capturaram, retiraram uma amostra de tecido de sua orelha, colocaram uma coleira nela e a soltaram de volta na selva, onde ela viveu até ser encontrada morta em 2000, após ter sido esmagada por uma árvore caída.<ref>{{Citar web |ultimo=Smith |primeiro=Precious |url=https://www.natureworldnews.com/articles/46869/20210727/5-animals-recently-declared-extinct.htm |titulo=5 Animals Recently Declared Extinct |data=2021-07-27 |acessodata=2021-09-22 |website=Nature World News |lingua=en}}</ref> A espécie passou a ser "deextinta" por um período de apenas 7 minutos quando uma fêmea clonada nasceu viva em janeiro de 2009, morrendo devido a uma falha nos pulmões.<ref>{{Citar periódico |url=https://www.bbc.com/news/science-environment-25052233 |titulo=Fresh effort to clone extinct animal |data=2013-11-22 |acessodata=2021-09-22 |jornal=BBC News |lingua=en-GB}}</ref>
* O [[Íbex-dos-pirenéus|íbex dos Pirenéus]] era uma subespécie do [[íbex]] [[Espanha|espanhol]] que vivia na [[Península Ibérica]]. Embora tenha sido abundante na época medieval, a caça excessiva nos séculos XIX e 20 levou ao seu desaparecimento. Em 1999, apenas uma única mulher chamada Celia foi encontrada viva no [[Parque Nacional de Ordesa e Monte Perdido|Parque Nacional de Ordesa]].<ref>{{Citar periódico |url=https://www.economist.com/news/2013/11/18/celias-ghost |titulo=Celia’s ghost |data=2013-11-18 |acessodata=2021-09-22 |jornal=The Economist |issn=0013-0613}}</ref> Cientistas a capturaram, retiraram uma amostra de tecido de sua orelha, colocaram uma coleira nela e a soltaram de volta na selva, onde ela viveu até ser encontrada morta em 2000, após ter sido esmagada por uma árvore caída.<ref>{{Citar web |ultimo=Smith |primeiro=Precious |url=https://www.natureworldnews.com/articles/46869/20210727/5-animals-recently-declared-extinct.htm |titulo=5 Animals Recently Declared Extinct |data=2021-07-27 |acessodata=2021-09-22 |website=Nature World News |lingua=en}}</ref> A espécie passou a ser "deextinta" por um período de apenas 7 minutos quando uma fêmea clonada nasceu viva em janeiro de 2009, morrendo devido a uma falha nos pulmões.<ref>{{Citar periódico |url=https://www.bbc.com/news/science-environment-25052233 |titulo=Fresh effort to clone extinct animal |data=2013-11-22 |acessodata=2021-09-22 |jornal=BBC News |lingua=en-GB}}</ref>


Linha 43: Linha 40:
=== Anfíbios ===
=== Anfíbios ===
* [[Rheobatrachus]]: Cientistas australianos tentam trazer de volta o [[Rheobatrachus vitellinus|sapo gástrico]], um animal notável que alimentava seus filhotes no estômago antes de arrotar sapos totalmente formados. Até 2020, a equipe produziu embriões que "quase" se transformam em girinos, mas não completamente. Eles acreditam que esses embriões a se transformarem em sapos.<ref>{{Citar web |url=https://www.sciencefocus.com/nature/de-extinction-can-we-bring-extinct-animals-back-from-the-dead/ |titulo=De-extinction: Can we bring extinct animals back from the dead? |acessodata=2020-08-01 |website=BBC Science Focus Magazine |lingua=en}}</ref>
* [[Rheobatrachus]]: Cientistas australianos tentam trazer de volta o [[Rheobatrachus vitellinus|sapo gástrico]], um animal notável que alimentava seus filhotes no estômago antes de arrotar sapos totalmente formados. Até 2020, a equipe produziu embriões que "quase" se transformam em girinos, mas não completamente. Eles acreditam que esses embriões a se transformarem em sapos.<ref>{{Citar web |url=https://www.sciencefocus.com/nature/de-extinction-can-we-bring-extinct-animals-back-from-the-dead/ |titulo=De-extinction: Can we bring extinct animals back from the dead? |acessodata=2020-08-01 |website=BBC Science Focus Magazine |lingua=en}}</ref>

=== Inseto ===

* [[Glaucopsyche xerces]], uma [[borboleta]] extinta foi vista pela última vez voando pelas dunas de areia da costa da [[Califórnia]].<ref>{{Citar periódico |url=https://www.nytimes.com/2021/07/21/science/this-butterfly-was-the-first-in-north-america-that-people-made-extinct.html |titulo=This Butterfly Was the First in North America That People Made Extinct |data=2021-07-21 |acessodata=2021-09-22 |jornal=The New York Times |ultimo=Imbler |primeiro=Sabrina |lingua=en-US |issn=0362-4331}}</ref> G. xerces é a primeira espécie de inseto dos EUA que os cientistas reconheceram que foi extinta por causa dos humanos.<ref>{{Citar periódico |url=https://royalsocietypublishing.org/doi/10.1098/rsbl.2021.0123 |titulo=Museum genomics reveals the Xerces blue butterfly (Glaucopsyche xerces) was a distinct species driven to extinction |acessodata=2021-09-22 |jornal=Biology Letters |número=7 |ultimo=Grewe |primeiro=Felix |ultimo2=Kronforst |primeiro2=Marcus R. |paginas=20210123 |doi=10.1098/rsbl.2021.0123 |pmc=PMC8292013 |pmid=34283930 |ultimo3=Pierce |primeiro3=Naomi E. |ultimo4=Moreau |primeiro4=Corrie S.}}</ref> Esta borboleta é considerada uma candidata à ressurreição para ser trazida de volta por meio de [[clonagem]] ou [[CRISPR/Cas|outras]] manipulações genéticas.<ref>{{Citar web |url=https://www.sciencenews.org/article/resurrecting-extinct-species-raises-ethical-questions |titulo=Resurrecting extinct species raises ethical questions |data=2017-10-20 |acessodata=2021-09-22 |website=Science News |lingua=en-US}}</ref>


== Ver também ==
== Ver também ==

Revisão das 17h32min de 22 de setembro de 2021

Em biologia, notadamente na ecologia, deextinção, ou a ressurreição biológica, ou revivalismo de espécie é o processo de criação de um organismo, que é um membro ou se assemelha a uma espécie extinta, ou a população reprodutiva de tais organismos.[1][2] A clonagem é o método mais amplamente proposto, apesar de criação selectiva também ter sido proposta.[3] Até 2017, não havia diretrizes claras para decidir quais espécies deveriam ser priorizadas.[4]

Mais de 24 espécies animais extintas foram propostas como candidatas para a deextinção com base em seus altos graus de interesse público, disponibilidade de DNA em boas condições, existência de espécies estreitamente relacionadas que podem servir como madrastas ou “barriga de aluguel” e disponibilidade de habitat adequado, para os casos de reintroduções planejadas.[5]

Espécies ressuscitadas

O último íbex-dos-pirenéus foi morto na Espanha em janeiro de 2000.[6] A espécie passou a ser "de-extinta" por um período de apenas 7 minutos quando uma fêmea clonada nasceu viva em janeiro de 2009.[7]

Uma subespécie de Zebra chamada de Quagga também foi recriada, por sua vez através de cruzamentos selecionados, os espécimes foram reintroduzidos com sucesso.

Crítica

Um argumento diz que se a ressurreição de uma espécie extinta for bem sucedida, os cientistas não poderiam parar em apenas um ou dois animais da espécie. Eles teriam que fazer o suficiente para pelo menos uma população de tamanho saudável. Então eles teriam de reintroduzir com sucesso as espécies de forma viável para o planeta, tendo o cuidado de encontrar um lugar onde a espécie não prejudicaria as outras espécie e onde os animais estariam seguros de tudo o que os levou a extinção em primeiro lugar.[8] E esses animais teriam que ser gerenciados e monitorados por anos. Tudo isso custa muito dinheiro e desvia fundos de conservação já limitados de espécies que ainda não foram extintas, mas que necessitam de proteção, dizem os ecologistas. Se o governo ou fontes privadas pagam pela reintrodução, outras espécies são obrigadas a sofrer pela transferência de fundos.[9] Além disso, alguns cientistas insistem que não é possível trazer de volta "mamutes, neandertais, ou Adolf Hitler, ou o dodo, ou gatos com dentes de sabre, dinossauros, o tilacino, o grande auk, o periquito da Carolina ou o sapo chocador gástrico"[10]

Esforços para ressurreição futura

Técnicas de clonagem, especialmente, a técnica CRISPR/Cas9[11][12][13][14][15][16] têm sido aplicadas às espécies ameaçadas.[17][18][19][20][21] Há vários esforços para trazer de volta o mamute-lanoso e oportunidades com animais como ursos, e também em aves.[22]. CRISPR pode ser a chave para acelerar o retorno eventual de animais antigos[23]

O projeto Frozen Ark preserva o DNA e as células vivas de espécies ameaçadas de extinção para reter o conhecimento genético para deextinção no futuro.[24]

Cientistas sul-coreanos trouxeram à vida em 2017 um cachorro laika usando um pequeno fragmento da orelha de sua mãe para capturar o material genético necessário para produzir o clone. A equipe está trabalhando na clonagem de um mamute lanoso extinto de 28.000 anos usando restos das espécies preservadas no solo permafrost na Sibéria. Também esperando ressuscitar a raça de cavalo Lenskaya, extinta há muito tempo, extraindo células de um potro extinto de 42.000 anos descoberto preservado em condições quase perfeitas na Sibéria.[25]

Espécies consideradas para a ressurreição biológica

Dinossauros

De acordo com o Paleontólogo Jack Horner, seria possível recriar um dinossauro revertendo a evolução de uma ave. Sua ideia é reverter a evolução de uma ave (uma galinha em seu caso) para recuperar características adormecidas de dinossauros terópodes.[26] O resultado seria chamado de "Frangossauro".[27]

Aves

  • Pombo-passageiro é uma das espécies propostas a ser deextinta.[28][29] O DNA sobrevivente de pombo de passageiros é degradado demais para clonar novos pássaros, mas esforços estão em andamento para modificar geneticamente, através a técnica CRISPR/Cas9,[30] o patagioenas fasciata, o parente vivo mais próximo do passageiro, para trazer de volta os pássaros extintos.[31] Uma organização sem fins lucrativos por trás do esforço, afirma que pode produzir aves para reprodução em cativeiro até 2024 e criar uma população selvagem até 2030.[32] Experimentos em culturas de células da pomba-de-coleira-branca começaram em 2015.[33]
  • Periquito-da-carolina é outra espécie proposta a ser deextinta. Ela foi listado como um possível candidato a espécie Lázaro.[34]

Mamíferos

  • O íbex dos Pirenéus era uma subespécie do íbex espanhol que vivia na Península Ibérica. Embora tenha sido abundante na época medieval, a caça excessiva nos séculos XIX e 20 levou ao seu desaparecimento. Em 1999, apenas uma única mulher chamada Celia foi encontrada viva no Parque Nacional de Ordesa.[35] Cientistas a capturaram, retiraram uma amostra de tecido de sua orelha, colocaram uma coleira nela e a soltaram de volta na selva, onde ela viveu até ser encontrada morta em 2000, após ter sido esmagada por uma árvore caída.[36] A espécie passou a ser "deextinta" por um período de apenas 7 minutos quando uma fêmea clonada nasceu viva em janeiro de 2009, morrendo devido a uma falha nos pulmões.[37]
  • Lobo-da-tasmânia: Pesquisadores estão sequenciando o genoma do numbat para ver como as espécies são semelhantes. Com o CRISPR, a enorme quantidade de mudanças necessárias para transformar um numbat num tilacino ainda está no reino da possibilidade - embora não no futuro imediato.[38]
  • Mamute-lanoso: George Church lidera o esforço para trazer espécies extintas extraindo DNA de mamutes e combinando-o com o DNA de um elefante asiático[39].[40] Church anunciou, em janeiro de 2017, que ele acredita estar a dois anos de criar um embrião de mamute híbrido. O seu objetivo final é desenvolver um embrião em um feto, e levá-lo até o final da gestação.[41] Pesquisadores, em 2020, ressuscitaram os genes do mamute da Ilha de Wrangel para testar se suas mutações eram realmente prejudiciais.[42] A Colossal Biosciences anunciou em 2021 planos para trazer mamutes, ou animais como eles, de volta da extinção para a paisagem da tundra siberiana, depois de ter recebido US $ 15 milhões em fundos iniciais para apoiar pesquisas.[43]
  • Quaga: (Equus quagga quagga) é uma subespécie da zebra das planícies que era distinta por ser listrada no rosto e na parte superior do tronco, mas seu abdômen posterior era de um marrom sólido.[44] Era nativa da África do Sul, mas foi exterminada em seu habitat natural devido à caça excessiva por esporte, e o último indivíduo morreu em 1883 no Zoológico de Amsterdã. No entanto, como é tecnicamente a mesma espécie que a zebra sobrevivente das planícies, argumentou-se que o quaga poderia ser revivido por meio de seleção artificial.[45] O Projeto Quagga tem como objetivo recriar o animal por meio da reprodução seletiva ou reprodutiva de zebras de planície. Também visa liberar esses animais no Cabo Ocidental, uma vez que um animal que se assemelha totalmente ao quaga seja alcançado, o que poderia ter o benefício de erradicar árvores não nativas.[46] As nove zebras originais do Projeto Quagga foram selecionadas e capturadas no Parque Nacional Etosha da Namíbia na primavera de 1987. Cada uma tem faixas reduzidas ou quartos traseiros acastanhados. Um campo de criação especial foi construído para as zebras, e o primeiro potro nasceu em dezembro de 1988. Um total de 14 zebras foram soltas no Parque Nacional Karoo, o território ancestral do quaga. Elas se estabeleceram extremamente bem, e oito potros nasceram lá até o ano 2000.[47] O programa teve em 2016 mais de 25 progênies de terceira geração e estava começando a produzir indivíduos com um grau de redução de listras mostrado por nenhum dos fundadores originais e que se aproximam do padrão de listra mostrado por pelo menos alguns dos espécimes de museu conhecidos de quaga. Esses resultados na época indicaram que na quarta geração o projeto poderia ter alcançado amplamente seu objetivo e formaria a base de um rebanho de indivíduos que podem ser exibidos no Cabo Ocidental como uma ilustração de um fenótipo que havia desaparecido da populações de zebras.[48]
  • Rinoceronte-branco: Com a morte do último rinoceronte-branco do norte macho, em março de 2018,[49] ficando apenas duas fêmeas da subespécie, pesquisadores decidiram tentar reproduzir o grupo por meio de fecundação in vitro, com material genético coletado do macho.[50] Cientistas, em 2018, informaram que injetaram esperma preservado de um rinoceronte branco macho do norte em óvulos de rinocerontes brancos do sul, uma subespécie intimamente relacionada. Os embriões foram incubados até as células começarem a se diferenciar, até o estágio no qual elas pudessem ser implantadas em uma mãe substituta, eventualmente produzindo novos bebês rinocerontes.[51]

Anfíbios

  • Rheobatrachus: Cientistas australianos tentam trazer de volta o sapo gástrico, um animal notável que alimentava seus filhotes no estômago antes de arrotar sapos totalmente formados. Até 2020, a equipe produziu embriões que "quase" se transformam em girinos, mas não completamente. Eles acreditam que esses embriões a se transformarem em sapos.[52]

Inseto

  • Glaucopsyche xerces, uma borboleta extinta foi vista pela última vez voando pelas dunas de areia da costa da Califórnia.[53] G. xerces é a primeira espécie de inseto dos EUA que os cientistas reconheceram que foi extinta por causa dos humanos.[54] Esta borboleta é considerada uma candidata à ressurreição para ser trazida de volta por meio de clonagem ou outras manipulações genéticas.[55]

Ver também

Referências

  1. BA Minteer (2014) Is it right to reverse extinction? Nature 509(7500), 261.
  2. As 10 descobertas científicas que receberam mais atenção da mídia de 2015 - Citação: " CRISPR também pode ser usada para “de-extinção”, ou seja, para trazer espécies extintas de volta à vida. publicado pela "Só Biologia" (2015)
  3. Environment, Kevin O'Sullivan; Editor, Science. «The mammoths' return: scientist predicts 'de-extinction' of long-lost animals». The Irish Times (em inglês). Consultado em 5 de dezembro de 2018 
  4. High profile 'de-extinction' likely in 5-10 years: expert por Fran Kelly (2017)
  5. De-extinction, nomenclature, and the law por Norman Wagner1, Axel Hochkirch, Henrike Martin, Daniela Matenaar, Katja Rohde1, Frank Wacht, Charlotte Wesch, Sarah Wirtz, Roland Klein, Stefan Lötters, Alexander Proelss, Michael Veith, et al publicado em Science, Vol. 356, Issue 6342, pp. 1016-1017 - DOI: 10.1126/science.aal4012 em 9 de junho de 2017
  6. Pyrenean Ibex (Bucardo) - Capra pyrenaica pyrenaica (2013)
  7. Extinct ibex is resurrected by cloning, The Daily Telegraph, January 31, 2009
  8. Spending limited resources on de-extinction could lead to net biodiversity loss por Joseph R. Bennett, et al Nature Ecology & Evolution 1, Número do artigo: 0053 - doi:10.1038/s41559-016-0053 (2017)
  9. De-extinction probably isn’t worth it por Sarah Zielinski, (2017)
  10. «Ecologist dissects the science of de-extinction». phys.org (em inglês). Consultado em 28 de outubro de 2019 
  11. Welcome to the CRISPR zoo Birds and bees are just the beginning for a burgeoning technology. por Sara Reardon Nature (2016)
  12. Woolly Mammoth Revival publicado por "The Long Now Foundation" (2016)
  13. CRISPR Cas9 publicado por "Desabafando Biologia" (2016)
  14. Cientistas russos afirmam que podem trazer mamute pré-histórico de volta a vida Arquivado em 3 de outubro de 2016, no Wayback Machine. publicado por "Universo Inteligente" (2016)
  15. We May Resurrect The Mammoth Sooner Than You Think The animals could play a key role in slowing climate change. por Lila Shapiro, publicado pelo "Huffington Post" (2015)
  16. The CRISPR Craze Takes Fight: Adding Birds to the CRISPR Zoo por Ben J. Novak em "Revive & Restore" (2016)
  17. Should we bring extinct species back from the dead? por David Shultz, em "Science" (2016)
  18. De-Extinction, a risky ecological experiment por Liza Lester (2016)
  19. Trapa natans por Geo. E. Davenport, publicado no "Bulletin of the Torrey Botanical Club", Vol. 6, No. 58 (Outubro, 1879), p. 352
  20. A mammoth undertaking: Can de-extinction be ecologically responsible? publicado pela "University of California - Santa Barbara" (2016)
  21. These Are the Extinct Animals We Can, and Should, Resurrect Biologist Beth Shapiro offers a guide to the science and ethics of using DNA for de-extinction por Elizabeth Quill, publicado pela "Smithsonian magazine" (2016)
  22. GENE EDITING WILL TRANSFORM CANCER TREATMENT Jennifer Doudna, CRISPR PIONEER por ELIZABETH LOPATTO (2016)
  23. CRISPR May Prove Useful in De-Extinction Efforts Researchers are using the powerful gene-editing tool to recreate the woolly mammoth. por Britt Wray (2017).
  24. «'Frozen Ark' collects animal DNA in face of mass extinction». phys.org (em inglês). Consultado em 28 de outubro de 2019 
  25. Stewart, Will (20 de janeiro de 2020). «Dog cloned in a test-tube by scientists gives birth to second litter». Mail Online. Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  26. «Building a dinosaur from a chicken - Jack Horner». TED-Ed (em inglês). Consultado em 31 de agosto de 2020 
  27. May 2015, Laura Geggel 19. «Dino-Chicken Gets One Step Closer». livescience.com (em inglês). Consultado em 31 de agosto de 2020 
  28. Peter Thiel Is Funding the Effort to Bring Woolly Mammoths Back to Life por Antonio Regalado (2017)
  29. Should we bring extinct species back from the dead? por David Shultz, publicado pela Associação Americana para o Avanço da Ciência (2016)
  30. The CRISPR Craze Takes Fight: Adding Birds to the CRISPR Zoo por Ben J. Novak publicado pela "Reviver & Restore" (2016)
  31. Fan, Shelly (23 de outubro de 2018). «De-Extinction Is Now a Thing—Starting With Passenger Pigeons». Singularity Hub (em inglês). Consultado em 5 de dezembro de 2018 
  32. Science finds a way to bring back extinct animals por Mike Vago (2018)
  33. Ancient DNA Could Return Passenger Pigeons to the Sky por David Biello publicado pela Scientific American (2014)
  34. Monday; January 20; Am, 2020-12:00 (20 de janeiro de 2020). «Trying to save the parrot is not all talk». www.irishexaminer.com (em inglês). Consultado em 14 de fevereiro de 2020 
  35. «Celia's ghost». The Economist. 18 de novembro de 2013. ISSN 0013-0613. Consultado em 22 de setembro de 2021 
  36. Smith, Precious (27 de julho de 2021). «5 Animals Recently Declared Extinct». Nature World News (em inglês). Consultado em 22 de setembro de 2021 
  37. «Fresh effort to clone extinct animal». BBC News (em inglês). 22 de novembro de 2013. Consultado em 22 de setembro de 2021 
  38. Ryan, Jackson. «Using CRISPR to resurrect the woolly mammoth». CNET (em inglês). Consultado em 12 de julho de 2019 
  39. Will bringing back the woolly mammoth save humanity from itself? A chat with author Ben Mezrich about bringing back long-extinct animals por Angela Chen (2017)
  40. Peter Thiel Is Funding the Effort to Bring Woolly Mammoths Back to Life por Antonio Regalado (2017)
  41. Can we grow woolly mammoths in the lab? George Church hopes so por Penny Sarchet (2017)
  42. Ciaccia, Chris (10 de fevereiro de 2020). «Woolly mammoths had a horrible and miserable end, study says». Fox News (em inglês). Consultado em 14 de fevereiro de 2020 
  43. Melbourne, University of (17 de setembro de 2021). «Startup Colossal Biosciences Wants To Bring Woolly Mammoths Back From Extinction – It Might Not Be Such a Bad Idea». SciTechDaily (em inglês). Consultado em 22 de setembro de 2021 
  44. «Table 3: Comparisons of teeth measurements of Equus capensis from Cooper's D and Equus quagga.». dx.doi.org. Consultado em 31 de agosto de 2020 
  45. «SOUTH AFRICA: beyond GDP per capita: other policy objectives». dx.doi.org. Consultado em 31 de agosto de 2020 
  46. Harley, Eric H.; Knight, Michael H.; Lardner, Craig; Wooding, Bernard; Gregor, Michael (outubro de 2009). «The Quagga Project: Progress Over 20 Years of Selective Breeding». South African Journal of Wildlife Research (em inglês) (2): 155–163. ISSN 0379-4369. doi:10.3957/056.039.0206. Consultado em 31 de agosto de 2020 
  47. «In South Africa, the Quagga Project Breeds Success». www.genomenewsnetwork.org. Consultado em 31 de agosto de 2020 
  48. Harley, Eric H.; Knight, Michael H.; Lardner, Craig; Wooding, Bernard; Gregor, Michael (outubro de 2009). «The Quagga Project: Progress Over 20 Years of Selective Breeding». African Journal of Wildlife Research (2): 155–163. ISSN 2410-7220. doi:10.3957/056.039.0206. Consultado em 31 de agosto de 2020 
  49. «Morre Sudan, último rinoceronte branco macho do mundo - ISTOÉ Independente». ISTOÉ Independente. 20 de março de 2018 
  50. [1]
  51. Rosenbaum, Leah (4 de julho de 2018). «Researchers create hybrid embryos of endangered white rhinos». Science News (em inglês) 
  52. «De-extinction: Can we bring extinct animals back from the dead?». BBC Science Focus Magazine (em inglês). Consultado em 1 de agosto de 2020 
  53. Imbler, Sabrina (21 de julho de 2021). «This Butterfly Was the First in North America That People Made Extinct». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 22 de setembro de 2021 
  54. Grewe, Felix; Kronforst, Marcus R.; Pierce, Naomi E.; Moreau, Corrie S. «Museum genomics reveals the Xerces blue butterfly (Glaucopsyche xerces) was a distinct species driven to extinction». Biology Letters (7). 20210123 páginas. PMC PMC8292013Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). PMID 34283930 Verifique |pmid= (ajuda). doi:10.1098/rsbl.2021.0123. Consultado em 22 de setembro de 2021 
  55. «Resurrecting extinct species raises ethical questions». Science News (em inglês). 20 de outubro de 2017. Consultado em 22 de setembro de 2021 
Ícone de esboço Este artigo sobre Ecologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.