À sombra desta mangueira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde setembro de 2018). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

À sombra desta mangueira é um livro não muito conhecido do pedagogo e patrono da educação brasileira, Paulo Freire. O autor inicia a obra quase como uma conversa sobre suas reflexões embaixo da árvore do quintal da infância e como essa vivência na terra nordestina lhe deu suporte para o conhecimento que esse educador compartilhou com o mundo. Ele também destaca como isso sustentou sua esperança no exílio.

Freire faz críticas certamente pertinentes na atual conjuntura política e econômica em que se encontra o Brasil, ainda que tenha sido publicado 23 anos atrás. O educador cita o personagem Berenger de Eugène Ionesco para ilustrar os próprios posicionamentos que fez durante a vida e na dedicação a educação.

Histórico: De 1995, a obra é prefaciada pelo economista Ladislau Dowbor e contém 12 partes com títulos que explicam os temas abordados a seguir, tais como Esperança, Limite da direita, Neo Liberais e Progressistas, Gestão Democrática, entre outros.

Há notas cirurgicamente precisas colocadas no final do livro pela historiadora Ana Maria Araújo Freire (Nita), que dialogam com as críticas feitas por Freire, tanto a direita quanto a esquerda sem esquecer de explicitar o que, em sua concepção, significa o centro.

A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (lei 9394/96) é lembrada na dimensão dos debates que estavam em curso na época dos escritos deste livro, demonstrando como Freire estava atento à inabilidade, insensibilidade e falta de contato que legisladores tinham na área da educação.

Referências

  • FREIRE, Paulo. À sombra desta mangueira. 4ª ed. São Paulo, SP: Olho d'água, 120 p.