Álvaro Monjardino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade(desde março de 2013). Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


Álvaro Monjardino
Ministro(a) de Portugal Portugal
Período IV Governo Constitucional
Antecessor(a) Carlos Costa Freitas
Sucessor(a) Manuel da Costa Braz
Dados pessoais
Nascimento 6 de outubro de 1930 (87 anos)
Angra do Heroísmo
Partido PSD
Profissão Advogado

Álvaro Pereira da Silva Leal Monjardino (Angra do Heroísmo, 6 de outubro de 1930) é um advogado e político português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Licenciado em Direito e habilitado com o Curso Complementar de Ciências Jurídicas, pela Faculdade de Direito de Lisboa, dedicou-se profissionalmente à advocacia.

No período final do Estado Novo, foi eleito nas listas da Ação Nacional Popular, por Angra do Heroísmo, sendo um dos últimos elementos da Ala Liberal na Assembleia Nacional (1973-1974).

Após o 25 de abril de 1974 integrou a Junta Regional dos Açores e foi deputado, eleito pelo Partido Social Democrata, nos círculos da Graciosa e Terceira, bem como primeiro presidente da Assembleia Legislativa Regional dos Açores (1976-1984). Ocupou o cargo de Ministro Adjunto do Primeiro-Ministro no IV Governo Constitucional, chefiado por Carlos Mota Pinto, entre 1978 a 1979.

Além da carreira de advogado e do seu percurso político, Álvaro Monjardino foi presidente da Direção do Instituto Histórico da Ilha Terceira (1984-1999), e é sócio correspondente da Academia Portuguesa de História. Foi um dos principais obreiros do processo que levou à classificação do centro histórico da cidade de Angra do Heroísmo como Património da Humanidade na lista da UNESCO. Foi diretor do diário A União, periódico da cidade de Angra do Heroísmo no qual mantinha assídua colaboração.

Monjardino mantém um escritório de advogado em Angra do Heroísmo e faz parte da administração de diversas empresas, razão pela qual está legalmente impedido de receber a subvenção mensal vitalícia, destinada a ex-titulares de cargos políticos, no valor de 1 037,50 euros, a que tem direito desde 1989.[1]

Funções governamentais exercidas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Carlos Costa Freitas
Ministro Adjunto do Primeiro-Ministro
IV Governo Constitucional
1978 – 1979
Sucedido por
Manuel da Costa Braz
(como Ministro adjunto para a Administração Interna)


Referências

  1. Caixa Geral de Aposentações (12 de Agosto de 2016). «Beneficiários de subvenção mensal vitalícia da responsabilidade da Caixa Geral de Aposentações, I.P., em 2016-08-12». Aventar. Consultado em 23 de Dezembro de 2016