Áurea Carolina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Áurea Carolina
Áurea em 2019
Deputada Federal por Minas Gerais
Período 1º de fevereiro de 2019
até a atualidade
Vereadora de Belo Horizonte
Período 1º de janeiro de 2017
até 9 de novembro de 2018
Dados pessoais
Nome completo Áurea Carolina de Freitas e Silva
Nascimento 20 de novembro de 1983 (38 anos)
Tucuruí, Pará
Nacionalidade brasileira
Alma mater Universidade Federal de Minas Gerais

Universitat Autònoma de Barcelona

Partido PSOL (2015-presente)
Profissão cientista social, cientista política

Áurea Carolina de Freitas e Silva (Tucuruí, 20 de novembro de 1983), é graduada em Ciências Sociais pela UFMG (2008), especialista em Gênero e Igualdade pela Universidade Autônoma de Barcelona (2011) e Mestra em Ciência Política pela UFMG (2015).[1] Eleita Vereadora de Belo Horizonte/MG pelo PSOL[2] em 2016 e Deputada Federal em 2018.[3] É ativista das lutas pela inclusão das mulheres, da juventude e da população negra.[4] Em abril de 2022, anunciou que não concorreria para a reeleição na Câmara dos Deputados. [5]

Biografia[4][editar | editar código-fonte]

Neta de avó Lavadeira e avô comunista, filha de mãe Técnica em Edificações e pai Eletricista. Cursou os ensinos fundamental e médio em escolas públicas de Belo Horizonte e ingressou no Cefet-MG (1999). Quando adolescente se tornou vegetariana e passa a integrar o grupo de rap Dejavuh, aproximando-se da cultura hip hop, que virá sua primeira escola de formação política. Articula com jovens da periferia de BH e da Região Metropolitana o coletivo Hip Hop Chama, um espaço permanente de ativismo que unia arte e pensamento crítico. O encontro das culturas periféricas e das questões dos jovens, de gênero e raciais marca definitivamente sua formação e atuação sociopolítica.

Em 2004 participou da criação do Fórum das Juventudes da Grande BH, atuou como mobilizadora social na Associação Imagem Comunitária (AIC) e foi premiada com uma bolsa do programa GRAL - Gênero, Reprodução, Ação e Liderança, da Fundação Carlos Chagas. Em 2006, aos 23 anos, torna-se conselheira municipal da juventude de BH pela regional Noroeste, passa a integrar o Fórum Cone Sul de Mulheres Jovens Políticas, é eleita secretária executiva do Conselho Municipal de Juventude de Belo Horizonte e participa, ao lado de outras 13 mulheres, do espetáculo Atitude de Mulher, que levou para o palco do Festival de Arte Negra de Belo Horizonte (FAN) os elementos do Hip Hop, da Dança Afro e a Percussão.

Quatro anos depois, Áurea é contemplada com uma bolsa de estudos da Fundación Carolina e segue para a Espanha para sua especialização. Em 2011, de volta a BH, integra o Grupo de Trabalho de Mulheres Jovens da Secretaria Nacional de Juventude e se aproxima do movimento Fora Lacerda, que denunciava as políticas excludentes do então prefeito da capital mineira. Em 2015, torna-se vegana, atua por cinco meses como subsecretária de Políticas para as Mulheres de Minas Gerais e conclui seu mestrado na Federal de Minas, com pesquisa sobre a inclusão das mulheres jovens na agenda do governo federal. No mesmo ano também participa da construção das Muitas, uma movimentação de coletivos, movimentos sociais e ativistas que surge com o objetivo de ocupar, com cidadania e ousadia, as eleições municipais. O grupo apoia e fomenta a emergência de candidaturas populares e transformadoras, que afirmem e vocalizem as lutas concretas da cidade por uma Belo Horizonte mais justa, inclusiva e participativa.

Áurea é feminista negra e por isso luta por um mundo livre do machismo, racismo, LGBTIfobia e todas as formas de violência; é educadora popular e aposta em uma educação emancipatória, que valorize os saberes populares e tradicionais; dedica-se a um fazer político radicalmente democrático, comprometido com a renovação das práticas, trazendo a busca por um lugar com mais autonomia, liberdade e dignidade para todos.

Política[editar | editar código-fonte]

Mandato de Vereadora[editar | editar código-fonte]

Foi a vereadora mais bem votada já em seu primeiro mandato parlamentar por Belo Horizonte (MG) nas eleições de 2016, com 17.420 votos,[6][7] alcançando a maior votação para a Câmara Municipal da capital mineira dos últimos doze anos e tornando-se a mulher com maior número de votos da história da cidade. Elegeu-se por meio da campanha coletiva promovida pela movimentação municipalista e cidadã Muitas pela Cidade que Queremos.[8] Ao lado da vereadora Cida Falabella (PSOL),[9] iniciou uma experiência inédita de mandato coletivo, ao qual deram o nome de Gabinetona.[10] As duas trabalharam com uma equipe única, em um espaço sem divisórias na Câmara Municipal de BH, em colaboração com ativistas da cidade.[11]

Renunciou ao mandato na Câmara Municipal na tarde de quarta feira do dia 9 de Novembro de 2018 para se preparar para o novo cargo na Câmara Federal em 2019. Em seu lugar no Legislativo municipal, tomou posse Bella Gonçalves (PSOL), primeira suplente da coligação.[12] Bella Gonçalves já era integrante da Gabinetona e deu continuidade ao trabalho compartilhado com Cida Falabella. A posse de Bella ocorreu na terça feira, dia 13 de Novembro.[13]

Mandato de Deputada Federal[editar | editar código-fonte]

Apresentou sua candidatura à Câmara dos Deputados nas eleições de 2018. Elegeu-se com 162.740 votos, a quinta maior votação do estado, tornando-se a primeira deputada federal do PSOL eleita em Minas Gerais.[14]

Eleições 2020[editar | editar código-fonte]

Se lança pré-candidata a Prefeitura de Belo Horizonte através do manifesto "Juntas pela Democracia e Contra o Fascismo", com o apoio de políticos, artivistas e intelectuais como a deputada Mônica Francisco (RJ), Duda Salabert, Sônia Guajajara, Djamila Ribeiro, Silvio Almeida, Vilma Reis, Vladimir Safatle, Laura Carvalho, Jean Wyllys, Marcia Tiburi, Petra Costa, Bela Gil, Maria Gadu, Emicida, Leoni e Wagner Moura.[15][16]

Sua candidatura foi oficializada durante a convenção do partido em 31 de agosto. Áurea vai liderar a chapa Frente de Esquerda BH Socialista, formada pelo PSOL, Partido Comunista Brasileiro (PCB) e Unidade Popular (UP), tendo Leonardo Péricles (UP) como vice.[17] Terminou a disputa em quarto lugar, com 8,33% dos votos válidos, no pleito vencido em primeiro turno por Kalil.[18]

Condecorações e Prêmios[editar | editar código-fonte]

Em março de 2019, foi anunciada pela Most Influencial People of African Descent (Mipad), como uma das 100 pessoas jovens negras mais influentes do mundo na área de política e governança.[19]

Referências

  1. «Áurea Carolina». Lattes. Consultado em 21 de julho de 2020 
  2. «Eleições 2016». apps.tre-mg.jus.br. Consultado em 21 de julho de 2020 
  3. «Deputado(a) Federal Áurea Carolina». Portal da Câmara dos Deputados. Consultado em 21 de julho de 2020 
  4. a b «Áurea Carolina». www.aureacarolina.com.br. Consultado em 21 de julho de 2020 
  5. Minas, Estado de; Minas, Estado de (7 de abril de 2022). [https://www.em.com.br/app/noticia/politica/2022/04/07/interna_politica,1358480/aurea-carolina-deputada-do-psol-nao-vai-tentar-a-reeleicao-neste-ano.shtml «�urea Carolina, deputada do PSOL, n�o vai tentar a reelei��o neste ano»]. Estado de Minas. Consultado em 8 de abril de 2022  replacement character character in |titulo= at position 1 (ajuda)
  6. Augusto, Leonardo (3 de outubro de 2016), «Vereadora mais votada em Belo Horizonte é negra e jovem», Estado de São Paulo .
  7. Moreira, Franco (2 de outubro de 2016), «Áurea Carolina conquista primeira vaga do PSOL em BH», O Tempo  |nome2= sem |sobrenome2= em Authors list (ajuda)
  8. Movimentação MUITAS pela Cidade que Queremos, consultado em 26 de outubro de 2017  , Arquivado em 11 de setembro de 2017, no Wayback Machine..
  9. Vianna, Rodolfo (2016), Entrevista, Fundação Lauro Campos, consultado em 25 de outubro de 2016 
  10. Gabinetona .
  11. Motta, Filipe (1 de fevereiro de 2017), «Entrevista Áurea Carolina: vereadoras do PSol e a "gabinetona" na Câmara», Hoje em Dia .
  12. Superintendência de Comunicação Institucional (09 de novembro de 2018). Áurea Carolina anuncia saída da Câmara de BH e chegada da suplente na terça. [1]. CMBH
  13. «Renúncia ao cargo de Vereadora por Áurea Carolina». Câmara Municipal de Belo Horizonte. 9 de novembro de 2018. Consultado em 21 de julho de 2020 
  14. Carlos Eduardo Cherem (2018). Vamos aquilombar as instituições, diz 5ª deputada federal mais votada em MG. [2]. Acessado em 12 de outubro de 2018
  15. «Duda Salabert desiste de pré-candidatura à Prefeitura de BH por aliança com Áurea Carolina». Estado de Minas. 21 de junho de 2020. Consultado em 21 de julho de 2020  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  16. «Artistas, professores e lideranças de BH lançam manifesto em apoio à Áurea». O Tempo. 10 de julho de 2020. Consultado em 23 de julho de 2020 
  17. «PSOL confirma nome de Áurea Carolina à PBH em chapa com UP». O Tempo. 31 de agosto de 2020. Consultado em 31 de agosto de 2020 
  18. «Resultado da apuração do 1º turno das Eleições 2020 - Belo Horizonte, MG - Prefeito, vice-prefeito e vereadores». G1. 16 de novembro de 2020. Consultado em 16 de novembro de 2020 
  19. «Deputada federal Áurea Carolina está entre os 100 jovens negros mais influentes do mundo na política», Minas Gerais: Globo, G1, 22 de março de 2019 .