Ângela Portela

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ângela Portela
Senadora por Roraima
Período 1 de fevereiro de 2011 a 31 de Janeiro de 2019
4.ª Primeira-dama de Roraima
Período 6 de abril de 2002
até 10 de novembro de 2004
Governador Flamarion Portela
Antecessor(a) Suely Campos
Sucessor(a) Marluce Pinto
Deputada federal de Roraima
Período 1 de fevereiro de 2007
até 31 de janeiro de 2011
Segunda-dama de Roraima
Período 1 de janeiro de 1999
até 5 de abril de 2002
Vice-governador Flamarion Portela
Dados pessoais
Nascimento 3 de fevereiro de 1962 (59 anos)
Coreaú, Ceará
Nacionalidade brasileira
Alma mater Universidade Estadual Vale do Acaraú
Cônjuge Flamarion Portela
Partido PTC (2005-2007)
PT (2007-2017)
PDT (2017-presente)
Profissão professora
Assinatura Assinatura de Ângela Portela

Ângela Maria Gomes Portela (Coreaú, 3 de fevereiro de 1962) é uma professora e política brasileira, filiada ao Partido Democrático Trabalhista (PDT).[1][2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Graduada pela Faculdade de Filosofia Dom José de Sobral no Ceará (atual Universidade Estadual Vale do Acaraú), é casada com o ex-governador de Roraima, Flamarion Portela, com quem tem duas filhas.[3]

Foi professora na rede estadual de ensino do Acre entre 1985 e 1991. Tornou-se primeira-dama do estado quando seu esposo assumiu o governo de Roraima, entre abril de 2002, até novembro de 2004.

Entre 2006 a 2018, exerceu os mandatos de deputada federal e de senadora, representando o estado de Roraima.

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Deputada federal[editar | editar código-fonte]

Eleita deputada federal em 2006 pelo PTC, filiou-se ao PT em 14 de março de 2007. O PTC chegou a solicitar sua perda de mandato por infidelidade partidária, mas não logrou êxito.[4] Torna-se presidente do diretório regional roraimense do novo partido, reelegendo-se em 2009.[5]

Enquanto foi filiada ao PT, compôs a corrente petista Construindo um Novo Brasil.[6] Após deixar o PT, filiou-se ao PDT, em abril de 2017, por considerar que ser filiada ao PT iria prejudicar suas chances de se reeleger ao Senado em 2018.[1]

Senadora da República[editar | editar código-fonte]

Em 2010 concorreu a umas das vagas em disputa ao Senado Federal, impondo-se a Augusto Botelho, então senador, que também queria concorrer ao mesmo cargo.[7] Por conta disso, Botelho se desfiliaria do partido.

Nas eleições em Roraima, Angela obteve o segundo lugar com 26,15% do votos válidos, elegendo-se junto com Romero Jucá.[8]

Em outubro de 2017 votou a contra a manutenção do mandato do senador Aécio Neves mostrando-se favorável a decisão da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal no processo onde ele é acusado de corrupção e obstrução da justiça por solicitar dois milhões de reais ao empresário Joesley Batista.[9][10]

Em novembro de 2018, a senadora votou a favor do aumento de salário dos integrantes do STF, que gerará o reajuste de milhares de salários no nível federal, estadual e municipal, com impacto negativo estimado de 6 bilhões de reais/ano no orçamento nacional.[11]

Mesa diretora do Senado[editar | editar código-fonte]

Em 2013 foi eleita Segunda-Secretária da Mesa do Senado Federal.[12] Em 2015, elegeu-se Quarta-Secretária da Mesa do Senado Federal.

Candidatura ao governo[editar | editar código-fonte]

Em 2014, foi candidata ao governo de Roraima e foi derrotada obtendo terceira posição com 43.897 votos (18,03%).

Votação sobre Delcídio Amaral[editar | editar código-fonte]

Em novembro de 2015, votou contra a prisão de Delcídio Amaral.[13]

Tentativa de reeleição ao Senado[editar | editar código-fonte]

Durante as eleições de 2018, ela candidatou-se ao cargo de Senadora da República pelo PDT, mas não logrou êxito, tendo ficado em quarto lugar na disputa eleitoral, obtendo 13,10% dos votos válidos (64.164 votos).[14]

Referências

  1. a b «Senadora Ângela Portela (RR) deixa o PT e se filia ao PDT». ISTOÉ Independente. 12 de abril de 2017. Consultado em 29 de novembro de 2017 
  2. Brasil, CPDOC-Centro de Pesquisa e Documentação História Contemporânea do. «PORTELA, Angela». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 1 de março de 2021 
  3. «Perfil de Ângela Portela». www.roraimaemfoco.com. Roraima em Foco. Consultado em 29 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 5 de outubro de 2013 
  4. «STF rejeita pedido de cassação de mandatos dos deputados Clodovil e Ângela Portela». www.horadopovo.com.br. Jornal Hora do Povo. 10 de outubro de 2007. Consultado em 29 de novembro de 2017 
  5. «Deputada Angela Portela é reeleita presidente do PT de Roraima». Folha de S.Paulo. 23 de novembro de 2009. Consultado em 29 de novembro de 2017 
  6. «Ângela Portela». www.liderancas.com.br (em inglês). Liderancas.com.br. Consultado em 29 de novembro de 2017 
  7. Sousa, Willame (28 de junho de 2010). «PT confirma Ângela Portela para o Senado». Jornal Folha de Boa Vista. Cópia arquivada em 31 de dezembro de 2012 
  8. «Apuração Senado: Eleições 2010». eleicoes.folha.uol.com.br. Folha de S.Paulo. 2010. Consultado em 29 de novembro de 2017 
  9. «Veja como votou cada senador na sessão que derrubou afastamento de Aécio». G1. 17 de outubro de 2017. Consultado em 29 de novembro de 2017 
  10. Richter, André (2 de junho de 2017). «Janot denuncia Aécio Neves ao STF por corrupção e obstrução da Justiça». Agência Brasil. Consultado em 29 de novembro de 2017 
  11. «Como votou cada senador no aumento dos salários dos ministros do STF». VEJA.com 
  12. «Indicada pelo PT, Ângela Portela é eleita para cargo da Mesa Diretora do Senado». Site oficial do PT. 4 de fevereiro de 2013. Cópia arquivada em 24 de junho de 2013 
  13. Mattos, Marcela; Borges, Laryssa (25 de novembro de 2015). «Confira quais senadores votaram para livrar Delcídio da cadeia». VEJA.com. Consultado em 29 de novembro de 2017 
  14. «Romero Jucá não é reeleito em Roraima». folhabv.com.br. Jornal Folha BV. 7 de outubro de 2018. Consultado em 23 de julho de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]