Ângelo Brea

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Ângelo Brea (Santiago de Compostela, 1968) é um escritor galego.

É licenciado em Filologia hispânica pela Universidade de Santiago de Compostela e em Filologia galego-portuguesa pela Universidade da Corunha. Autor do poemário Livro do Caminho (1989), canta o amor utilizando estrofes clássicas, como a canção petrarquista ou a ode, e uma métrica muito rigorosa.

Foi co-autor da obra teatral Eva Perón, prémio Compostela de teatro em 1995. O seu seguinte poemário, intitulado O país dos nevoeiros (Espiral Maior, 2005) consta de 91 poemas, sendo o número uma homenagem ao também escritor galego Eduardo Pondal. O poeta utiliza o verso branco, em numerosos poemas decassílabos, a silva, a canção clássica, a ode, mas também a balada francesa ou o a estrofe sáfica. É de interesse o poema "Retrato da amada", no que se adapta por primeira vez à língua portuguesa o chamado "hexâmetro" greco-latino.

Em dezembro de 2014 publicou Lembranças da Terra & outras histórias de um futuro possível. Trata-se de um livro de 16 relatos de Ficção Científica. Eis um resumo de cada um deles.

1. Lembranças da Terra. O primeiro relato dá nome ao livro. Nele narra-se a conversa de um homem marciano com seu filho. Está narrado em terceira pessoa. Nele, o pai conta ao filho as lembranças que guarda da viagem que ele e sua mulher fizeram à Terra quando casaram. O conto tem um tom humorístico, pois o pai é muito mordaz e faz comentários picantes ao filho. Aliás, põe à vista uma questão central da Ficção Científica: as novas identidades pessoais e sociais derivadas da colonização do espaço, com pessoas nascidas já fora da Terra e sem ligações com ela.

2. A máquina de entropia inversa. Um mote clássico da Ficção Científica: as viagens no tempo. Está narrado em primeira pessoa pelo protagonista. Um cientista é convidado por um colega a experimentar uma máquina que permite viajar atrás no tempo, seja qual for a época, sem afetar os eventos presentes e garantindo que o viageiro não pode morrer nem sofrer danos. O cientista escolhe o Antigo Egito, a sua grande paixão. Ele, que teve que abandona-los estudos de Medicina, converte-se num médico no passado, namora de uma formosa jovem e mesmo chega a relacionar-se com pessoas importantes na corte real. Um relato a propósito dos usos da tecnologia, da felicidade pessoal e da liberdade de escolha.

3. As exploradoras. Narrado em primeira pessoa, conta a visita de duas exploradoras alienígenas a um planeta que parece ser a Terra. As exploradoras descobrem que a civilização do planeta ficou destruída. Porém, acham quinze cápsulas a conter sobreviventes em estado de hibernação numa base na Lua, e decidem apanhá-las, ajudadas por robôs e transladá-las à Terra, para devolvê-las à vida.

4. As grandes vantagens da neolíngua. Um conto breve e muito triste, pois narra a vida de Akira Sakura, um velho professor de japonês, língua que está a perder-se e a morrer pela imposição da neolíngua, um idioma artificial que ganha cada dia mais falantes, em especial entre os jovens, e que leva as línguas tradicionais ao esquecimento. O professor, cujos filhos falam neolíngua, só tem nove alunos na sua aula. O relato reflexiona sobre a globalização, a progressiva uniformização cultural do planeta, a perda das identidades e culturas tradicionais, e a situação e o futuro das línguas minoritárias.

5. Doze anos em Titã. O responsável da Base Espacial de Titã narra, em primeira pessoa, a sua vida diária na lua de Saturno, onde há uma grande exploração de metano líquido. Para procurarem o combustível, chegam ao satélite numerosas astronaves de carga. O protagonista, ajudado pelo seu robô Sam, tem de encarregar-se da seguridade da Base, do contrabando, de controlar que as tripulações dos cargueiros não provoquem pelejas, de que as plataformas de cargas estejam disponíveis a tempo... A história de qualquer porto do mundo, mas ambientada em Titã, um local com condições de vida muito duras, onde a camaradagem entre colegas, e mesmo entre humanos e robôs, é fundamental para que tudo funcione bem.

6. Estação lunar Alfa. Um relato detetivesco ambientado na Estação Alfa, na Lua. O inspetor Da Sousa, cuja presencia na estação parecia não ter sentido até ao momento, tem de investigar a morte da investigadora Janet Mackensey, detrás da qual há uma importante descoberta geológica. Uma historia muito clássica, alinhada no estilo de detetives como Sherlock Holmes ou Hercules Poirot, mas com o interesse de que o autor descreva uma Estação científica na Lua e a vida das pessoas que moram e trabalham nela. Narrado em terceira pessoa, é um relato extenso e mostra um grande labor de documentação, com referências a locais ligados à carreira espacial da humanidade.

7. Nas montanhas de Magadar. Narrado em primeira pessoa, acontece em uma pequena colónia mineira de origem e cultura russas. É a história de um homem que levava anos alertando de uma possível guerra civil, e preparando-se para ela. As suas advertências não foram ouvidas e agora o General Isákov lidera uma rebelião que derroca o Governo, enquanto a Federação Terrestre não faz nada por evitá-lo. O homem e o seu robô Andy fogem às montanhas de Magadar, onde têm um refúgio pronto para ocultar-se por anos. Um relato destacável pela reflexão sobre a política internacional e o papel das instituições perante os conflitos bélicos, e sobre a Humanidade, que com todos os seus avances, não pode superar sua natureza violenta. É de salientar o papel do robô Andy e sua fidelidade e lealdade aos humanos.

8. O bonsai. Uma formosa história, protagonizada por Tanaka Kenshi, um engenheiro japonês que tem uma enorme coleção de bonsais, aos que dedica o seu lazer, que herda de seu pai e que transmite à sua neta. Kenshi fabrica um robô muito avançado chamado Jiro (que significa "segundo filho" em japonês) que o ajuda com o seu jardim de bonsais, e que termina desenvolvendo sentimentos e emoções quase humanas, mesmo gostando da poesia e viajando sozinho pelo país. Um conto cheio de lirismo, que joga com o conceito de humanidade e tem fortes reminiscências do estilo do Ray Bradbury, e alinha também com as histórias de robôs do Isaac Asimov.

9. O efeito Smith. Um dos relatos mais singulares do livro: O general dum exército alienígena narra a vitória da sua espécie sobre a humanidade e a derrota e destruição da Federação Terrestre. Tudo começa com uma batalha onde a espaçonave terrestre Galle, a mais moderna e sofisticada da sua frota, tem um erro de funcionamento e fica indefensa. Desde então, a guerra já sempre é favorável aos alienígenas. O curioso é que tudo deriva de um falho humano, do descuido dum engenheiro chamado Joseph Smith, fruto de uma discussão com a sua namorada. O general chama aos seus soldados a antepor a lealdade ao império e o amor à raça perante o pessoal, e a coletividade frente ao individualismo.

10. O Sol no horizonte. Mostra a vida de um menino na colónia mineira do planeta Cygnus 4, um local a sessenta anos-luz da Terra, submetido a uma intensa radiação, por ficar num sistema solar triplo. A gente mora lá desde há trezentos e onze anos, e o menino, filho do narrador, tem uma imagem idealizada e idílica da Terra, que somente conhece pelos filmes e as séries de TV. Mas o pai conta-lhe da superpopulação, da contaminação, da pobreza e as brigas pelos recursos. Outra olhada às novas identidades e culturas derivadas da conquista do espaço pela Humanidade.

11. O varredor. Um conto interessante e com um tom irónico, no qual um varredor espacial narra, em primeira pessoa, o rechaço que produz nas pessoas a sua profissão, mesmo no seu filho e na sua mulher, que o despreza. Mas uma operação rotineira de limpeza vira num espetacular resgate no que intervêm o varredor e o seus colegas, com o que muda a sua imagem pública e a reputação do seu oficio. Uma divertida reflexão sobre o valor das palavras.

12. Perdidos na Lua. O conto com maior emoção narrativa do livro relata, em primeira pessoa, o acidente de uns astronautas na Lua, longe da sua base, de jeito que ficam perdidos. Têm de retornar à base sem esgotar as reservas de oxigénio e sem ficar expostos às altas temperaturas que se alcançam na superfície lunar. A situação complica-se quando um deles sofre uma forte queda, e o narrador tem de encarregar-se de tudo. É um relato emocionante e que mostra a boa documentação científica do autor.

13. Por causas naturais. Um conto interessante pelo seu mote: Há uma nova colónia, um novo assentamento humano em Marte. Mas, quem será a primeira pessoa nascida lá? E quem a primeira em morrer? O assunto creia uma grande expectação na Terra, e todos os media seguem a atualidade marciana com interesse. Maria Rodrigues, uma astronauta brasileira, fica grávida, e o doutor Brown vigia a sua gravidez com muito cuidado, pelas possíveis complicações derivadas das distintas condições de gravidade e atmosfera da Terra e Marte. O desenlace do relato é muito original e responde às duas questões à vez.

14. Rosas de Admete. Se calhar, o relato mais singular e curioso da obra. Após o desenvolvimento de motores que podem levar as naves a ultrapassar a velocidade da luz, a humanidade consegue conquistar boa parte da galáxia. No afastado planeta Admete, acham-se umas flores, as Rosas de Admete, que pelas suas características, oferecem uma fonte de energia limpa, barata e abundante, que pode solucionar os problemas de contaminação e de esgotamento dos recursos da Terra. Finalmente, o relato tem um desenlace inesperado e inquietante.

15. Um planeta remoto. De novo a guerra e as suas repercussões na população civil. As pessoas duma afastada colónia, simples mineiros de uma pequena lua, têm de fugir dela por causa de uma rebelião contra a Federação Terrestre, devido à queda e o afundamento das instituições. Os piratas e mercenários atacam as colónias e mesmo chegam até à Terra. As pessoas que habitam na pequena colónia fogem a um planeta muito afastado, onde devem começar uma nova vida, longe da barbárie e do fim da civilização.

16. Um pôr do sol vermelho. A última história ambienta-se novamente em Marte. Nela, um cientista conta a vida que leva ali, onde já há três anos que mora. Fala dos locais e a vida diária no planeta, e relata um acidente que sofre e a camaradagem com os colegas que lhe salvam a vida.

Um destes contos, "As grandes vantagens da neolíngua", inspirou a antologia A voz dos mundos. Contos de Ficção Científica ( Ed. Mondrongo, Ilhéus-Bahía - Brasil - e Através Editora - Galiza -) com autores galegos, portugueses e brasileiros, onde apareceu o seu conto "A nova Constituição", que é uma precuela do conto "Nas montanhas de Magadar", Neste relato narram-se os problemas de tipo jurídico e linguístico que envolvem a entrada do planeta na Federação Terrestre.

 Em 2019 publica o livro Tempo de Eclipses , que é uma recompilação de toda a sua obra poética. O volume consta de vários apartados. Começa com a edição íntegra de O país dos nevoeiros (91 poemas), que vai acompanhado por um segundo livro poético, intitulado precisamente Tempo de eclipses (também com 91 poemas).   
  Acompanha a edição um amplo Glossário e dois artigos sobre métrica.  O primeiro (pp. 271-283) estuda o verso clássico por excelência, o hexâmetro e explica o processo de adaptação deste verso à língua portuguesa, seguindo os modelos doutras línguas de cultura. Este artigo, intitulado “O hexâmetro greco-latino e a sua adaptação à métrica galaico-portuguesa” explica com exemplos concretos do autor não apenas o hexâmetro, mas o resto dos versos clássicos que podiam aparecer com ele. Trata-se aqui o dístico elegíaco (combinação do hexâmetro com o chamado pentâmetro dactílico);  o epodo dactílico (hexâmetro e tetrâmetro dactílicos); a estrofe arquiloquiana menor (hexâmetro e hemiepes) ou a combinação do hexâmetro com a pentapódia dactílica regular. 
  Um segundo artigo, intitulado “Da sextina aos quadrados mágicos: Esquemas métricos com base matemática” mostra a grande novidade de criar esquemas métricos regularizados baseados nos quadrados mágicos. Começa o artigo explicando a historia dos quadrados mágicos e dos quadrados latinos para passar a realizar poemas com forma de quadra (poemas de 4 estrofes e 4 versos por estrofe, com o esquema de um quadrado mágico de 4 x 4),  continua com as  quintilhas (5 x 5), as sextilhas (6 x 6), as setilhas (7 x 7),  as oitavas (8 x 8) e, até, com um sudoku mágico (poema de nove estrofes e nove versos por estrofe). Para além disto, explica com exemplos práticos, diferentes poemas com base nos números triangulares, nos números hexagonais ou nos números estrela. 
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.