Ângelo Guido

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Angelo Guido Gnocchi, mais conhecido como Ângelo Guido (Cremona, 10 de outubro de 1893Pelotas, 9 de dezembro de 1969) foi um pintor, escultor, gravador, escritor e crítico de arte ítalo-brasileiro.

Por volta de 1900, iniciou seus estudos no Liceu de Artes e Ofícios de São Paulo. Em 1912 decorou o Salão Nobre do Instituto Histórico e Geográfico, em Salvador. Dois anos depois, passou a residir em Santos, tendo trabalhado como crítico de arte no jornal A Tribuna de Santos. Em 1922 expôs com Benedito Calixto.

Passou a residir em Porto Alegre em 1925, onde escreveu crítica de arte para o jornal Diário de Notícias. Em 1935 participou da Exposição do Centenário da Farroupilha. No ano seguinte foi nomeado para a cadeira de História da Arte na recém fundada Escola de Artes do Rio Grande do Sul, da qual foi diretor entre 1959 e 1962. Em reconhecimento ao seu trabalho, recebeu o título de professor emérito quando de sua aposentadoria.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Ilusão, 1922
  • Forma e expressão na história da arte, 1935
  • As artes plásticas no Rio Grande do Sul, 1940
  • Pedro Weingartner, 1956
  • Os grandes ciclos da história da arte, 1968
  • Símbolos e mitos na pintura de Leonardo da Vinci, 1968

Após sua morte, teve publicado o livro Aspectos do barroco em Portugal, Espanha e Brasil (1972).

Prêmios e homenagens[editar | editar código-fonte]

  • Recebeu prêmios no Salão de Belas-Artes do Rio Grande do Sul em 1940 e 1953.
  • Em 1952 foi condecorado pelo governo italiano com a Stella Della Solidarietá Italiana, pelos serviços prestados à cultura brasileira.
  • Em 1952 recebeu a Medalha de Ouro Imperatriz Leopoldina, por serviços prestados à cultura brasileira.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.