Ângelo de Lima

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde outubro de 2010)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Ângelo de Lima
Data de nascimento 30 de julho de 1872
Local de nascimento Porto, Portugal
Nacionalidade Portugal Portuguesa
Data de morte 14 de agosto de 1921 (49 anos)
Local de morte Lisboa, Portugal
Ocupação poeta e pintor

Ângelo Vaz Pinto Azevedo Coutinho de Lima (Porto, 30 de Julho de 1872 - Lisboa, 14 de agosto de 1921 (49 anos)), pintor e poeta louco da revista Orpheu.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Infância e juventude[editar | editar código-fonte]

Nasce no Porto em 1872, filho de Pedro Augusto de Lima e de Maria Amália Azevedo Coutinho de Lima. Foi uma criança precoce e sonhadora. Em 1882, foi estudar para o Colégio Militar em Lisboa (aluno nº 205). Em 1883, o seu pai morre louco (segundo Ângelo de Lima, a causa teria sido uma sífilis terciária). É também nesse ano, que se torna "muito onanista" e fumador, segundo confessa na sua curta autobiografia. Em 1888, é expulso do Colégio Militar, por repetente, e regressa ao Porto, onde frequenta as aulas da Academia de Belas-Artes, a que, segundo ele, "gazeteava notavelmente".

Vida militar[editar | editar código-fonte]

Em data não especificada, assenta praça. Militar disciplinado, chega ao posto de 2º sargento de Infantaria nº 6, sendo bem-quisto dos subordinados e dando boa conta do serviço. Contudo, as rotinas inúteis e o tédio de caserna inclinam-no ao alcoolismo e em certa ocasião provoca um desacato que lhe valeu 30 dias de prisão correccional. É aliciado por alguns camaradas a participar na revolta republicana do 31 de Janeiro de 1890 no Porto, mas tal não vem a acontecer. Em 1890 alista-se num projectado Batalhão Académico (que viria a ser proibido pelo Governo) e em 1891, por espírito de aventura, integra-se numa expedição militar destinada a Manica, em Moçambique. Ao passar por Adem, entristecido, toma conhecimento do falhanço da revolta do 31 de Janeiro.

Actividade artística e crise psicótica[editar | editar código-fonte]

Depois de sete meses em África ("com as vísceras flutuando em vinho"), em 1892, regressa à metrópole e retoma os estudos na Academia de Belas-Artes do Porto, com maior proveito. Vai depois para Monsanto onde presta serviço militar. Em 1894, substitui o pintor António Carneiro como director artístico da revista A Geração Nova. No Porto, parece ter andado fortemente excitado, inflamado de amores por uma senhora que diziam ser sua irmã natural (filha bastarda do seu pai). Esse facto não terá sido alheio ao seu internamento a 20 de Novembro desse ano, no Hospital do Conde de Ferreira, com o diagnóstico de "delírio de perseguição, num degenerado hereditário, ideias de perseguição, alucinações do ouvido, desconfianças de família, insónia, períodos de forte excitação". No final de Janeiro de 1898, sai do Hospital do Conde de Ferreira e é asilado, por algum tempo, no hospício dos Irmãos de São João de Deus, perto do Cacém. Segue depois para o Algarve onde vive durante dois anos, pintando "com irregular facilidade, alguma coisita".

Loucura e manicómio[editar | editar código-fonte]


O fundo mental deste doente é de um formidável desequilíbrio. Ao lado de qualidades artísticas, que os seus amigos talvez exagerem um pouco, mas que em todo o caso são incontestáveis, apresenta no mesmo campo coisas lamentáveis. Assim, com o lápis, é um emérito desenhista; um pouco académico, não perdoa a nitidez dos contornos, sendo, talvez, um pouco duro. Mas o claro-escuro é de grande primor e as figuras que desenha oferecem um alto relevo. Com o pincel, porém, é uma lástima e não chega a ter consciência do seu nulo valor; dois quadros que estão no Rilhafoles mostram-no com toda a evidência.
Miguel Bombarda[1]
"Relatório Sobre o Estado Mental de Ângelo de Lima"

Em 1900, muda-se para Lisboa, vivendo "quase sem ter que fazer, com alguma irregularidade, embora melhor, com umas 4 ou cinco, se tanto, maiores estroinices (…) aplicado geralmente a trabalho de gestão em ilustração e correcção em censo, da mentalidade".

Numa noite de Dezembro de 1901, é preso pelo crime de proferir uma obscenidade ("praticado como explosão do aperto em que o punham") e causar escândalo em pleno "promenoir" do Teatro Dona Amélia (actual São Luiz - Teatro Municipal), pelo que seria internado, em 19 desse mês, no Hospital de Rilhafoles (actual Hospital Miguel Bombarda).

Na perícia médico-legal que lhe faz, o psiquiatra Dr. Miguel Bombarda declara-o alienado e inimputável (seria um esquizofrénico paranóide, segundo a terminologia actual), descrevendo-o assim: "Grande altura (1,70 m).[2] Corpo e membros 'elancés'. Dedos muito longos, encurvados. Orelhas grandes, mal formadas, de lóbulo muito curto em ponta aderente. Crânio muito alto; depressão na glabela, convexidade frontal muito pronunciada. (…) Face muito longa. Campo visual normal (…) Cavidade bucal muito espaçosa. Dentes cariados, alguns mal implantados. Queixo recuado".[3]

Orpheu e morte[editar | editar código-fonte]


SONETO

Pára-me de repente o pensamento
Como que de repente refreado
Na doida correria em que levado
Ia em busca da paz, do esquecimento...

Pára surpreso, escrutador, atento,
Como pára m cavalo alucinado
Ante um abismo súbito rasgado...
Pára e fica e demora-se um momento.

Pára e fica na doida correria...
Pára à beira do abismo e se demora
E mergulha na noite escura e fria

Um olhar de aço que essa noite explora...
Mas a espora da dor seu flanco estria
E ele galga e prossegue sob a espora.


Ângelo de Lima
Sudoeste, n.º 3, Novembro 1935, p. 4.

Em 5 de Setembro de 1902, o jornal O Dia publicou um artigo sobre os alienados do manicómio de Rilhafoles. Ângelo de Lima é descrito como tendo um aspecto triste e doentio, tomado de uma enorme depressão: "não me sinto bem, cada dia me parece um degrau descido a mais…".[4] No hospital, escreve, desenha, e pinta (lastimosamente, segundo o Dr. Miguel Bombarda). Este artigo incluiu um soneto de Ângelo de Lima que seria reproduzido nove anos depois na revista Ilustração Portuguesa, pelo crítico literário Albino Forjaz de Sampaio, que lhe dedicou o artigo "Um Poeta em Rilhafoles".[5]

Albino Forjaz de Sampaio descreve Ângelo de Lima como "um frangalho de alma, dentro de um uniforme, um espírito que se embrenhou demais nas florestas do Sonho e por lá ficou perdido". Na opinião do crítico, a poesia do paciente de Rilhafoles estava "cheia de incoerências, de símbolos, de palavras tornadas simbólicas pela abusão da inicial.[6]

Apesar da crítica negativa Albino Forjaz de Sampaio, os poemas de Ângelo de Lima, alguns com laivos simbolistas, mas outros com características marcadamente delirantes e surreais, repletos de neologismos, versos de sentido incompreensível, despertaram a admiração dos Modernistas. Em Junho de 1915, numa atitude provocadora para espantar o burguês lisboeta, Fernando Pessoa e Mário de Sá-Carneiro, directores do n.º 2 da revista Orpheu, publicam alguns "Poemas Inéditos" de Ângelo de Lima, que abrem este número da Revista Trimestral de Literatura.

Ângelo de Lima permaneceria internado no manicómio de Rilhafoles (então já Hospital Miguel Bombarda) até ao final da sua vida.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • "Poemas Inéditos" in Orpheu, n.º 2, Abril-Maio-Junho 1915, pp. 87-92.
  • Poesias Completas, Inova, Porto, 1971; Assírio & Alvim, Lisboa, 1991, 2003.
  • Poemas in Orpheu 2 e outros escritos, Hiena, Lisboa, 1984.
  • Fernando Hilário M. F., A Loucura de Ângelo de Lima: "Eu sinto sempre o que escrevo.", Universidade Fernando Pessoa, Porto, 2003.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Ângelo de Lima, Poesias Completas, Lisboa, Assírio & Alvim, 2003, p. 136.
  2. Em 1911, a altura média dos homens portugueses era de 1,64 m. Homens portugueses cresceram em média oito centímetros em 70 anos in jornal Público, 02-09-2013. Página visitada em 06-01-2014.
  3. Ângelo de Lima, Poesias Completas, Lisboa, Assírio & Alvim, 2003, p. 136.
  4. Fernando Hilário, A Loucura de Ângelo de Lima, Porto, Universidade Fernando Pessoa, 2003, p. 31.
  5. O mesmo soneto seria ainda publicado por Almada Negreiros na revista Sudoeste, em Novembro de 1935.
  6. Ilustração Portuguesa, n.º 286, Lisboa, 14 de Agosto de 1911, p.214.