Érik Comas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Érik Comas
Comas lm2005.jpg
Informações pessoais
Nome completo Érik Gilbert Comas
Nacionalidade França francês(esa)
Nascimento 28 de setembro de 1963 (53 anos)
Registros na Fórmula 1
Temporadas 1991-1994
GPs disputados 63 (59 largadas)
Títulos 0 (11º em 1992)
Vitórias 0
Pódios 0
Pontos 7
Pole positions 0
Primeiro GP Estados Unidos GP dos EUA, 1991
Último GP Japão GP do Japão, 1994

Érik Gilbert Comas (Romans-sur-Isère, 28 de setembro de 1963) é um ex-piloto francês de Fórmula 1.

Início[editar | editar código-fonte]

Comas foi campeão da Fórmula 3 francesa em 1988 e depois campeão da Fórmula 3000 em 1990, depois de somar o mesmo número de pontos que Jean Alesi em 1989, mas perdendo em uma recontagem de posições.

Carreira na F-1[editar | editar código-fonte]

Participou de 63 grandes prêmios (largou em 59) nas equipes Ligier e Larrousse, estreando em 10 de março de 1991, no GP dos EUA. Ele somou um total de sete pontos no campeonato, tendo como melhor resultado o quinto lugar no GP da França de 1992.

Ele chegou a testar o carro da DAMS, que planejava entrar na Fórmula 1 em 1996, mas problemas financeiros abortaram o projeto.

Passagem por outras categorias[editar | editar código-fonte]

Érik Comas nas 24 Horas de Le Mans, em 2005.

Depois de encerrar uma carreira sem sucesso na F1 no final da temporada de 1994, ele foi para o Japão disputar a All-Japan Grand Touring Car Championship (JGTC), a principal série de corridas do Japão. Logo de início, ele ganhou o título da divisão GT500 em 1998 e 1999, e ficou com o vice-campeonato em 2000, todos os três anos pilotando para a Nissan. No final da temporada de 2003 (ele deixou a equipe Nismo em 2002 para atuar pela equipe Toyota no ano seguinte) ele foi o piloto de maior sucesso na história da série com a maior soma de pontos já conquistados por um único piloto. Isto só foi superado por outro piloto da Nismo, Satoshi Motoyama, futuro campeão da GT500 e da Fórmula Nippon.

Depois de uma satisfatória participação com a Toyota, disputou as temporadas de 2004/05 com a equipe Hasemi Sport, de Masahiro Hasemi (também ex-piloto de F-1), pilotando um Nissan 350Z no GT500, incluindo a única vitória da equipe (com o co-piloto Toshihiro Kaneishi) na noite de 18 de dezembro de 2004 na corrida de exibição "All-Star 200" do traçado combinado oval/retas da California Speedway depois que os vencedores não oficiais foram penalizados com 60 segundos do seu tempo final na chegada devido a uma infração. Infelizmente, a corrida não somou pontos e não serviu para registro de vitórias para os pilotos e equipes.

Ele ainda correu em 2006 na temporada do campeonato Super GT (antiga JGTC) para Masahiko Kondo, ex-piloto da JGTC e proprietário da equipe das 24 Horas de Le Mans, em um Nissan 350Z. Ele também participou de ralis, competindo em vários eventos ao redor do mundo. Durante isso, ele também criou o Comas Racing Management (CRM), uma empresa voltada para a administração e desenvolvimento de jovens pilotos, principalmente no seu país de origem.

Na quinta corrida da temporada de Sportsland Sugo, Comas foi substituído pelo piloto Seiji Ara, quando a página da CRM alegou que o francês estava com "problemas de saúde".[1] Depois de retornar a Pokka 1000 km, em 5 de setembro de 2006, Érik anunciou em seu website que por motivo de saúde, ele não competiria nas últimas três corridas da temporada.[2]

Comas, que chegou a interromper sua carreira de piloto ainda em 2006, por problemas de saúde, ficou conhecido por não usar um visor colorido, preferindo usar um óculos de sol sob o visor. Seu filho, Anthony, chegou a competir na série britânica de Fórmula BMW pela Carlin Motorsport.

O acidente na Bélgica e a falha em San Marino[editar | editar código-fonte]

Em sua curta carreira na F-1, Comas ficou marcado por dois incidentes: nos treinos de sexta-feira para o GP da Bélgica de 1992, sua Ligier vinha em volta rápida quando perdeu o controle subitamente na curva Blanchimont e bateu com força. Ao ver o piloto desmaiado, o brasileiro Ayrton Senna, da McLaren, que também vinha em sua volta rápida, parou o carro, desceu do cockpit, correu em direção ao Ligier e encontrou Comas "apagado" dentro do monoposto. O tricampeão mundial segurou a cabeça de Érik até a chegada da equipe médica. Tempos depois, Comas em entrevista disse que Ayrton Senna havia lhe salvado a vida, já que no momento em que ele o socorria, Senna desligou o carro, o qual estava vazando combustível do motor, e que poderia causar uma explosão.

Dois anos depois, os papeis se inverteram, desta vez no fatídico GP de San Marino. Ayrton Senna, agora na Williams, bate o carro na curva Tamburello e não consegue sair do carro. Érik, que competia pela Larrousse, não percebeu que o helicóptero que resgataria Senna estava na pista. Para evitar uma tragédia maior, o francês freou bruscamente, e ao ver o brasileiro sendo socorrido pelos médicos, ficou assustado e decidiu abandonar a prova[3].

Resultados de Erik Comas na Fórmula 1[editar | editar código-fonte]

(legenda)

Ano Nome Oficial da Equipe Chassis Motor Pneus 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 Pts Pos
1994 Tourtel Larrousse Fórmula 1 Larrousse LH94 Ford HB V8 G BRA
PAC
SMR
Ret
MON
10º
ESP
Ret
CAN
Ret
FRA
11º
GBR
Ret
ALE
HUN
BEL
Ret
ITA
POR
Ret
EUR
Ret
JAP
2 23º
1993 Larrousse F1 Larrousse LH93 Lamborghini V12 G AFS
Ret
BRA
10º
EUR
SMR
Ret
ESP
MON
Ret
CAN
FRA
16º
GBR
Ret
ALE
Ret
HUN
Ret
BEL
Ret
ITA
POR
11º
JAP
Ret
AUS
12º
1 21º
1992 Ligier Gitanes Blondes Ligier JS37 Renault V10 G AFS
MEX
10º
BRA
Ret
ESP
Ret
SMR
MON
10º
CAN
FRA
GBR
ALE
HUN
Ret
BEL
NQ
ITA
Ret
POR
Ret
JAP
Ret
AUS
Ret
4 11º
1991 Ligier Gitanes Ligier JS35 Lamborghini V12 G EUA
NQ
BRA
10º
SMR
10º
MON
10º
CAN
MEX
NQ
0 NC
Ligier JS35B FRA
11º
GBR
NQ
ALE
Ret
HUN
10º
BEL
Ret
ITA
11º
POR
11º
ESP
Ret
JAP
Ret
AUS
18º

Curiosidade[editar | editar código-fonte]

A melhor posição de chegada de Comas na F-1 foi um quinto lugar no GP da França de 1992, quando corrida na Ligier. Os outros cinco pontos somados por ele foram frutos de cinco sextos lugares.

Referências

  1. [1]
  2. [2]
  3. globoesporte.globo.com Há 20 anos, Ayrton Senna salvava vida de colega ao socorrê-lo em Spa Acessado em 31/08/2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]