Ética da reciprocidade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde março de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A ética da reciprocidade ou regra de ouro, ou regra áurea, é uma máxima moral[1] ou princípio moral[2] que pode ser expressa como uma injunção positiva ou negativa:

  • Cada um deve tratar os outros como gostaria que fosse ele próprio fosse tratado (forma positiva ou directiva).[1]
  • Cada um não deve tratar os outros de forma que não gostaria que ele próprio fosse tratado. forma negativa ou proibitiva)[1]

Em ambas as formas. serve como uma directiva para tratar os outros como a si próprio. A Regra de Ouro difere da máxima da reciprocidade expressa como do ut des - “Dou para que tu dês” − sendo por isso um compromisso moral unilateral com vista ao bem-estar dos outros, sem expectativas de nada em troca.[3]

O conceito ocorre, sob alguma forma, em quase todas as religiões[4][5] e tradições éticas.[6] Também pode ser explicada sob a perspectiva da psicologia, da filosofia, da sociologia e da economia. Psicologicamente, envolve o desenvolvimento de empatia com os demais. Filosoficamente, envolve uma pessoa perceber seu próximo também como um “eu”.[7] Sociologicamente, “ama o próximo como a ti mesmo” é aplicável entre indivíduos, entre grupos e também entre indivíduos e grupos. Em economia, Richard Swift, em referência a ideias de David Graeber, sugere que “sem algum tipo de reciprocidade, a sociedade não poderia mais existir.”[8]

A seguir, exemplos de referência à Regra Áurea nas religiões mais antigas:

No Zoroastrismo (Cerca de 660 - 583 a.C.)

Um caráter só é bom quando não faz a outros aquilo que não é bom para ele mesmo. − Dadistan-i-Dinik 94:5

No Budismo (Cerca de 563 - 483 a.C.)

Não atormentes o próximo com aquilo que te aflige.Udana-Varga 5:18

No Confucionismo (Cerca de 551 - 479 a.C.)

Não façais aos outros aquilo que não quereis que vos façam.Confúcio

No Hinduísmo (Cerca de 300 a.C.)

Esta é a suma do dever: não faças aos demais aquilo que, se a ti for feito, te causará dor.Mahabharata (5:15:17)

No Judaísmo (Cerca de 200 d.C.)

O que é odioso para ti, não o faças ao próximo. Esta é a lei toda, o resto é comentário.Talmude, Shabbat 31ª

No Islamismo (Cerca de 570 - 632 d.C.)

Nenhum de nós é crente até que deseje para seu irmão aquilo que deseja para si mesmo.Sunnah

No Cristianismo (Cerca de 30 d.C.)

Portanto, tudo que quereis que os homens vos façam, fazei-o também a eles.Jesus no Sermão da Montanha Mateus 7:12[9]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Antony Flew, : (1979). «golden rule». A Dictionary of Philosophy. London: Pan Books in association with The MacMillan Press. p. 134. ISBN 0-330-48730-2.  Este dicionário de filosofia contém a seguinte citação exacta na entrada sobre a "regra de ouro": "A máxima 'Trata os outros como gostarias que te tratassem'. Várias expressões desta regra moral fundamental podem ser encontradas nas doutrinas da maioria das religiões e credos através dos tempos, testemunhando a sua aplicabilidade universal." (fim de citação)
  2. Walter Terence Stace argumentou que a regra de ouro seria mais do que um código ético. Ao invés, postulava que, "expressa a essência de uma moralidade universal." A justificação para esta crucial diferença ocupa grande parte do seu livro The Concept of Morals (1937): – Stace, Walter T. (1937). The Concept of Morals (New York: The MacMillan Company (reprinted 1975 by permission of MacMillan Publishing Co. Inc.); (also reprinted by Peter Smith Publisher Inc, January 1990)). p. 136. ISBN 0-8446-2990-1.  (above quote found p. 136, ch. 6)
  3. The moral primacy of basic respect
  4. W.A. Spooner, "The Golden Rule," in James Hastings, ed. Encyclopedia of Religion and Ethics, Vol. 6 (New York: Charles Scribner's Sons, 1914) pp. 310–12, quoted in Rushworth M. Kidder, How Good People Make Tough Choices: Resolving the Dilemmas of Ethical Living, Harper, New York, 2003. ISBN 0-688-17590-2. p. 159. Simon Blackburn também nota a conexão entre Confúcio e a regra de ouroSimon, Blackburn (2001). Ethics: A Very Short Introduction (Oxford: Oxford University Press). p. 101. ISBN 978-0-19-280442-6. 
  5. Esptein, Greg M. (2010). Good Without God: What a Billion Nonreligious People Do Believe (New York: HarperCollins). p. 115. ISBN 978-0-06-167011-4. 
  6. Simon, Blackburn (2001). Ethics: A Very Short Introduction (Oxford: Oxford University Press). p. 101. ISBN 978-0-19-280442-6. 
  7. Wattles, Jeffrey (1996). The Golden Rule Oxford University Press [S.l.] 
  8. Swift, Richard (July 2015). «Pathways & possibilites». New Internationalist [S.l.: s.n.] 484 (July/August 2015). 
  9. A nota de rodapé referente à Lucas 6:27-38 na Bíblia do Peregrino, observa a existência de trechos na Bíblia, nos quais:
    1. se condena fazer o mal a outrem sem razão: Salmos 35:7;
    2. se condena com maior gravidade fazer o mal a quem fez o bem: Salmos 35:12, Salmos 38:21, Provérbios 17:13 e Jeremias 18:20;
    3. se exalta fazer o bem sem razão: Êxodo 23:4-5;
    4. não vê mérito em pagar o bem com o bem: Lucas 6:32-34 e I Pedro 2:19-23;
    5. exalta especial àqueles que pagam o mal com o bem: I Samuel 24:18, Provérbios 25:21-22 e Romanos 12:21.