Ética econômica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A ética econômica ou ética da economia combina economia e ética, unindo julgamentos de valor de ambas as disciplinas para prever, analisar e modelar fenômenos econômicos. Abrange os pré-requisitos éticos teóricos e os fundamentos dos sistemas econômicos. A escola do pensamento remonta ao filósofo grego Aristóteles, cuja Ética a Nicômaco explica a conexão entre princípio econômico objetivo e a consideração da justiça.[1] O direito natural e o direito religioso são evidentes na literatura acadêmica sobre ética econômica.[2] A consideração da filosofia moral, ou a ideia de uma economia moral, por exemplo, é um ponto de partida na avaliação de modelos econômicos comportamentais.[3] A ética apresenta um trilema para a economia, nomeadamente na criação de padrões, aplicação de padrões e quem devem ser os beneficiários do bem (por esses padrões).[4] Isso, em conjunto com o pressuposto fundamental da racionalidade na economia, cria o elo entre ela e a ética, pois é a ética que, em parte, estuda os conceitos de certo e errado.[4] Existe um consenso entre filósofos e economistas de que a desigualdade social, a guerra[5][6][7][8][9][10][11][12][13] e a tortura[14] fazem mal a economia.[15][16][17][18][19][20][21][22][23]

História[editar | editar código-fonte]

Pensamento econômico antigo[editar | editar código-fonte]

O pensamento econômico indiano antigo centrou-se na relação entre os conceitos de felicidade, ética e valores econômicos, com as conexões entre eles constituindo sua descrição da existência humana.[24] A ideia fundamental dos Upanishads de unidade transcendental, unicidade e estabilidade é uma dedução dessa relação.[25] A filosofia e a metafísica da Índia antiga indicam uma compreensão de vários conceitos econômicos modernos. Por exemplo, sua regulamentação da demanda, quando excedia a oferta, como um meio de evitar a anarquia, alcançada na época em se enfatizando que bens não materiais eram a fonte da felicidade, é um reflexo do dito de Marshall sobre a insaciabilidade das necessidades.[24] O Rig Veda ilustra alguma apreensão da desigualdade econômica de acordo com o capítulo X, 117, 1-6, que afirma que 'as riquezas do liberal nunca se esvai, enquanto aquele que nada dá não encontra consolo nelas', indicando que gerar riqueza pessoal não era considerado imoral, embora guardar essa riqueza para si próprio seja um pecado.[24] O Artaxastra formulou leis que promovem a eficiência econômica no contexto de uma sociedade ética. O autor, Kautilya, postula que a construção de infraestrutura é um determinante essencial do crescimento econômico quando construída em um ambiente ético, que é de responsabilidade do rei.[26]

Filósofos gregos antigos frequentemente combinavam ensinamentos econômicos com sistemas éticos. Sócrates, Platão e Aristóteles aderiram à ideia de que a felicidade é o bem mais valioso que os humanos podem lutar.[24] A crença de que a felicidade não poderia ser alcançada sem prazer trazia complicações à relação entre ética e economia da época. Cálicles, por exemplo, sustentava que quem vive corretamente deveria satisfazer todos os seus desejos por meio de sua coragem e praticidade, o que apresentava uma anomalia para a questão da escassez e a regulação do consumo como resultado.[24] Isso foi reconciliado pela divisão do trabalho, onde os desejos humanos básicos, como alimentos, roupas e abrigo, eram manufaturados com eficiência, uma vez que cada indivíduo limita sua produção à sua função mais produtiva, maximizando a utilidade.[27] O Oeconomicus (Econômico) de Xenofonte, inspirado no conceito de eudaimonia de Sócrates, exige que, como virtude é conhecimento, deva-se entender como usar bem o dinheiro e a propriedade, em vez de apenas adquiri-la para ganho pessoal.[28]

Era Medieval[editar | editar código-fonte]

A religião estava no cerne da vida econômica durante a Idade Média e, portanto, os teólogos da época usavam inferência de seus respectivos ensinamentos éticos para responder a questões econômicas e alcançar objetivos econômicos.[29] Essa foi a abordagem também adotada pelos filósofos durante a Era do Iluminismo.[30] A Igreja Católica Romana alterou sua interpretação doutrinária da validade de um casamento, a fim de, entre motivações alternativas, impedir que a concorrência ameaçasse sua posição monopolista de mercado.[30] A usura era vista como uma questão ética na Igreja, com a justiça agregando valor em comparação à eficiência econômica.[31] A transição de um estilo de vida agrário para o comércio baseado em dinheiro em Israel levou à adoção de interesse em empréstimos e empréstimos, uma vez que não era diretamente proibido na Torá, sob o ideal "que seu irmão morasse com você".[32] O desenvolvimento econômico na Idade Média dependia das práticas éticas dos comerciantes,[33] fundadas pela transformação em como a sociedade medieval entendia a economia da propriedade e da propriedade. O Islã apoiou essa ética anti-ascética no papel dos comerciantes, dado seu ensino de que a salvação deriva da moderação, e não da abstinência em tais assuntos.[34]

Ilustração[editar | editar código-fonte]

Adam Smith sobre corrupção.

A teoria do valor do trabalho sustenta que o trabalho é a fonte de todo valor econômico, que foi o ponto de vista de David Ricardo, Adam Smith e outros economistas clássicos.[35] A distinção entre 'escravos assalariados' e 'escravos apropriados' nesta teoria, sendo ambos vistos como mercadorias, baseia-se no princípio moral, dado que os 'escravos assalariados' oferecem voluntariamente sua força de trabalho de propriedade privada a um comprador. por um preço negociado, enquanto 'escravos apropriados', de acordo com Karl Marx, não têm esses direitos.[35] O mercantilismo, embora preconizado pela economia clássica, é considerado eticamente ambíguo na literatura acadêmica. Adam Smith observou que a política econômica nacional favorecia os interesses dos produtores às custas dos consumidores, uma vez que os bens produzidos internamente estavam sujeitos a alta inflação.[36] A concorrência entre famílias domésticas e especuladores estrangeiros também levou a uma balança comercial desfavorável, ou seja, ao aumento dos déficits em conta corrente na balança de pagamentos.[37] Escritores e comentaristas da época empregaram o conselho ético de Aristóteles para resolver esse dilema econômico.[37]

Economia neoclássica[editar | editar código-fonte]

A filosofia moral de Adam Smith fundou a visão neoclássica do mundo na economia de que a busca da felicidade é o objetivo final da vida e que o conceito de homo Economicus descreve o comportamento fundamental do agente econômico.[38][39] Uma suposição de que os indivíduos se interessam e é racional implica a isenção da ética coletiva.[38] Sob a escolha racional e a adoção do atomismo newtoniano[40] pela economia neoclássica, muitos comportamentos do consumidor são desconsiderados, o que significa que muitas vezes não pode explicar a fonte das preferências do consumidor quando não é restringido pelo indivíduo.[41] O papel da ética coletiva na preferência do consumidor não pode ser explicado pela economia neoclássica.[42] Isso degrada a aplicabilidade da função de demanda do mercado, sua principal ferramenta analítica, a fenômenos econômicos reais como resultado.[41] Em princípio, os economistas evitaram, e continuam a evitar, as suposições dos modelos econômicos de abstrair os aspectos únicos dos problemas econômicos.[43]

História contemporânea[editar | editar código-fonte]

Segundo John Maynard Keynes, a integração completa de ética e economia depende da taxa de desenvolvimento econômico.[44] Os economistas foram capazes de agregar as preferências dos agentes, sob o pressuposto do homo oeconomicus, através da fusão da ética utilitarista e do institucionalismo. [42] O Keynes partiu da visão atomista da economia neoclássica com sua perspectiva totalista da economia global, uma vez que "o todo não é igual à soma de suas partes... as suposições de um continuum uniforme e homogêneo não são satisfeitas".[45] Isso reforçou a idéia de que um estado socioeconômico antiético é aparente quando a economia está em pleno emprego, para o qual Keynes propôs gastos produtivos como um mecanismo para retornar a economia ao pleno emprego - o estado em que também existe uma sociedade eticamente racional.[42]

Influências[editar | editar código-fonte]

Religião[editar | editar código-fonte]

Os filósofos da tradição helenística se tornaram uma força motriz da visão gnóstica e na redenção do espírito através do ascetismo, que fundou o debate sobre o mal e a ignorância nas discussões políticas.[1] A amálgama de filosofia grega antiga, logos e filosofia cristã primitiva nos séculos II e III AD havia levado crentes da época a se desviarem moralmente, levando à solução de que eles deveriam agir em seu melhor interesse próprio, dado motivo apropriado, para evitar a ignorância.[1] O Antigo Testamento da Bíblia serviu como fonte de ética nas práticas econômicas antigas. O aviltamento da moeda foi proibido devido à sua natureza fraudulenta e consequências econômicas negativas, o que era punido de acordo com Ezequiel 22:18 – 22, Isaías 1:25 e Provérbios 25: 4-5.[46] As relações entre literatura econômica e religiosa foram continuadas pelo Novo Testamento. Por exemplo, Tiago 1:27 declara, seguindo a tradição da lei judaica, que “cuidar de órfãos e viúvas angustiados e manter-se imaculado pelo mundo resulta em pura adoração sem manchas diante de Deus e Pai”, o que apoia o argumento acadêmico de que o objetivo do processo econômico é aperfeiçoar a própria personalidade.[47]

O conceito de avaliação de capital humano é evidente no Talmud. Por exemplo, um trabalhador ferido era considerado um escravo no mercado de trabalho enquanto, para fins de compensação, era avaliado seu valor antes e depois do ferimento, bem como um potencial declínio na renda e no consumo.[2] A ideia de custo de oportunidade está fundamentada no conceito de 'S'kbar B'telio' (literalmente significa 'tempo perdido') na literatura talmúdica. No Israel antigo, um rabino não deveria ser pago por sua obra, pois implicaria que alguém está lucrando com a pregação e interpretação da palavra de Deus, mas compensado de outra forma pela obra concluída como rabino como meio de sobrevivência, dado que eles não estão envolvidos em nenhuma outra profissão.[2]

O Alcorão e o Suna guiam a prática econômica islâmica há séculos. Por exemplo, o Alcorão proíbe ribā como parte de seu foco na erradicação de interesses, a fim de impedir que instituições financeiras que operam sob a orientação da economia islâmica façam lucros monopolistas.[48] Zakat é em si um sistema para a redistribuição da riqueza. O Alcorão especifica que ele se destina unicamente a: os pobres, os necessitados, administradores zakat, aqueles cujos corações devem ser reconciliados, aqueles em servidão, aqueles endividados, aqueles que se esforçam pela causa de Deus e o viajante.[49] O uso dos Esquemas de Empréstimo de Pensão (em inglês, PLS) e outros esquemas de microfinanças exercem esse ensino, incluindo o programa de microfinanças Hodeibah no Iêmen e as iniciativas Murabahah do PNUD em Jabal al-Hoss, na Síria.[50]

Cultura[editar | editar código-fonte]

A ética econômica tenta incorporar a moralidade e as qualidades de valor cultural, a fim de explicar a limitação da economia, pois a tomada de decisão humana não se restringe à racionalidade.[51] Esse entendimento da cultura une economia e ética como uma teoria completa da ação humana.[44] A cultura acadêmica aumentou o interesse na ética econômica como disciplina. Uma maior conscientização das externalidades culturais das ações dos agentes econômicos, bem como a separação limitada entre as esferas da cultura, propositaram mais pesquisas sobre sua responsabilidade ética.[44] Por exemplo, uma limitação de apenas retratar o valor instrumental de uma obra de arte é de que isso pode desconsiderar seu valor intrínseco e, portanto, não deve ser quantificado sozinho.[52] Uma obra de arte também pode ser considerada um bem público devido ao seu valor intrínseco, dado o seu potencial de contribuir para a identidade nacional e educar seu público sobre o assunto.[52] O valor intrínseco pode ser quantificado, dado que é incrementalmente valioso, seja sagrado por associação e história ou não.[53][54]

Aplicação em outras metodologias[editar | editar código-fonte]

Economia experimental[editar | editar código-fonte]

O desenvolvimento da economia experimental no final do século XX criou uma oportunidade para verificar empiricamente a existência de ética normativa na economia.[55] Vernon L. Smith e seus colegas descobriram inúmeras ocorrências que podem explicar as escolhas econômicas sob o véu da ignorância.[55] As conclusões das experiências econômicas seguintes indicam que os agentes econômicos utilizam a ética normativa na tomada de decisões e, ao mesmo tempo, procuram maximizar seus próprios retornos.[56] Por exemplo, em experimentos de honestidade, prevê-se que a mentira ocorrerá quando aumentar essas recompensas, apesar do fato de os resultados sugerirem o contrário.[56] Verificou-se que as pessoas também empregam a regra '50 / 50 'na divisão de algo, independentemente da distribuição de poder no processo de tomada de decisão.[55] Estudos econômicos experimentais do altruísmo o identificaram como um exemplo de comportamento racional.[55] A ausência de uma explicação para esse comportamento indica uma antítese na economia experimental de que ela interpreta a moralidade como um fator endógeno e exógeno, sujeito ao caso em apreço.[56] É necessária uma pesquisa sobre a viabilidade da teoria normativa como uma explicação para o raciocínio moral, com o desenho experimental focado em testar se os agentes econômicos sob as condições assumidas pela teoria produzem as mesmas decisões que as previstas pela teoria.[57] Isso é dado que, sob o véu da ignorância, os agentes podem ser 'não-tuist' no mundo real, como sugere a teoria.[57]

Economia comportamental[editar | editar código-fonte]

Esquema da teoria dos jogos.

A ética na economia comportamental é onipresente, dada sua preocupação com a agência humana, com o objetivo de corrigir os déficits éticos encontrados na economia neoclássica, ou seja, falta de dimensão moral e falta de preocupações normativas.[38] A incorporação da ética da virtude na economia comportamental facilitou o desenvolvimento de teorias que tentam explicar as muitas anomalias existentes na maneira como os agentes econômicos tomam decisões.[58] Preocupações normativas em economia podem compensar a aplicabilidade de modelos econômicos comportamentais a fenômenos econômicos reais. A maioria dos modelos econômicos comportamentais pressupõe que as preferências mudam endogenamente, o que significa que existem inúmeras decisões possíveis aplicáveis ​​a um determinado cenário, cada uma com seu próprio valor ético.[58] Portanto, há cautela ao considerar o bem-estar como o mais alto valor ético da economia, conjecturado na literatura acadêmica.[38] Como resultado, a metodologia também emprega a ética da ordem ao assumir que o progresso na moralidade e nas instituições econômicas é simultâneo, dado que o comportamento só pode ser entendido em uma estrutura institucional.[38] Existem complicações na aplicação de inferências normativas com pesquisas empíricas em economia comportamental, dado que há uma diferença fundamental entre inferência e proposições descritivas e prescritivas.[38] Por exemplo, o argumento contra o uso de incentivos de que eles forçam certos comportamentos nos indivíduos e os convencem a ignorar o risco é uma proposição descritiva que é empiricamente injustificada.[59]

Economia ambiental[editar | editar código-fonte]

O bem-estar é maximizado nos modelos econômicos ambientais quando os agentes econômicos agem de acordo com a hipótese do homo oeconomicus.[60] Isso cria a possibilidade de agentes econômicos compensarem o desenvolvimento sustentável por seus interesses privados, uma vez que o homo oeconomicus se restringe à racionalidade.[60] A política de mudança climática, como resultado da inferência da economia ambiental, está sujeita a considerações éticas.[61] A economia das mudanças climáticas, por exemplo, é inseparável da ética social.[62] A ideia de indivíduos e instituições que trabalham de forma amigável no domínio público, como reflexo do homo politicus, também é uma ética apropriada que pode retificar essa preocupação normativa.[60] Um problema ético associado à subdisciplina por meio do desconto[63] é que os consumidores valorizam mais o presente do que o futuro, o que tem implicações para a justiça intergeracional.[64] O desconto na análise marginal de custo-benefício, para a qual os economistas vêem como um preditor do comportamento humano,[64] é limitado no que diz respeito à contabilização de riscos e incertezas futuros.[61] De fato, o uso de medidas monetárias na economia ambiental baseia-se na instrumentalização de coisas naturais que são imprecisas no caso de serem intrinsecamente valiosas.[62] Outros relacionamentos e papéis entre gerações podem ser elucidados através da adoção de certas regras éticas. A Comissão Bruntland, por exemplo, define desenvolvimento sustentável como aquele que atende às necessidades atuais sem comprometer a capacidade das gerações futuras de fazê-lo,[65] que é um princípio libertário.[66] Sob o libertarianismo, nenhuma redistribuição de bem-estar é feita, a menos que todas as gerações sejam beneficiadas ou não afetadas.[64] O uso de um modelo iterativo de tomada de decisão, como um exemplo de racionalidade, pode fornecer uma estrutura para a política econômica em resposta às mudanças climáticas.[67]

Economia política[editar | editar código-fonte]

A Economia Política é um assunto fundamentalmente baseado em protocolo normativo, com foco nas necessidades da economia como um todo, analisando o papel dos agentes, instituições e mercados, bem como o comportamento socialmente ideal.[68] Historicamente, a moralidade era uma noção usada para discernir a distribuição desses papéis e responsabilidades, dado que a maioria dos problemas econômicos derivava do fracasso dos agentes econômicos em cumpri-los.[69] A transição da filosofia moral de tal ética para a ética kantiana, bem como o surgimento de forças de mercado e direito da concorrência, sujeitou os valores moral-políticos da economia moral ao julgamento racional.[70][69] A ética econômica continua a ser uma influência substancial para a economia política devido à sua natureza argumentativa, evidente na literatura sobre as respostas do governo à crise financeira global. Uma proposição sustenta que, como o contágio da crise foi transmitido por meio de sistemas financeiros nacionais distintos, futuras respostas regulatórias globais devem ser construídas com base no princípio da justiça distributiva.[71] ​​A regulamentação de casos particulares de inovação financeira, embora não considere críticas ao sistema financeiro global, normaliza funcionalmente as percepções sobre a distribuição de poder do sistema, de modo que diminui as oportunidades dos agentes de questionar a moralidade de tal prática.[71]

Economia do desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

A relação entre ética e economia definiu o objetivo da economia do desenvolvimento. A ideia de que a qualidade de vida de uma pessoa é determinada por sua capacidade de levar uma vida valiosa fundou a economia do desenvolvimento como um mecanismo para expandir essa capacidade. [72] Essa proposição é a base da relação conceitual entre ela e a economia do bem-estar como uma disciplina ética e seu debate na literatura acadêmica. O discurso baseia-se na noção de que certas ferramentas da economia do bem-estar, particularmente o critério de escolha,[73] não têm julgamento de valor e são paretianas, dado que as perspectivas coletivas de utilidade não são consideradas.[72] Existem inúmeras questões éticas associadas à abordagem metodológica da economia do desenvolvimento, ou seja, o experimento aleatório de campo, muitos dos quais são moralmente equívocos. Por exemplo, a randomização beneficia alguns casos e prejudica outros, o que é racional sob suposições estatísticas e uma questão moral deontológica simultaneamente.[74] Também existem implicações éticas relacionadas ao cálculo, natureza do consentimento, instrumentalização, responsabilidade e papel da intervenção estrangeira nessa abordagem experimental.[75][75]

Economia da saúde[editar | editar código-fonte]

Na economia da saúde, o nível máximo de bem-estar sendo um fim último é eticamente injustificado, em oposição à alocação eficiente de recursos em saúde que aumenta o nível médio de utilidade.[76] Sob essa abordagem de maximização da utilidade, sujeita ao libertarianismo, uma dicotomia é aparente entre saúde e liberdade como bens primários, dada a condição que é necessário ter para atingir o outro.[77] Qualquer nível de acesso, utilização e financiamento da assistência médica é eticamente justificado desde que atinja o nível de saúde desejado e necessário.[76] Os economistas da saúde instrumentalizam o conceito de uma necessidade como aquela que alcança um fim eticamente legítimo para uma pessoa.[76] Isso, na íntegra, baseia-se na noção de que a saúde, como tal, não é intrinsecamente valiosa, mas é moralmente significativa pelo fato de contribuir para esse bem-estar geral.[76] A metodologia de análise em economia da saúde, com relação a ensaios clínicos, está sujeita a debate ético. O desenho experimental deve ser parcialmente da responsabilidade dos economistas da saúde, dada a tendência de adicionar variáveis ​​que têm potencial para serem insignificantes.[78][79] Isso aumenta o risco de subestimar o estudo que, na economia da saúde, preocupa-se com a relação custo-benefício, tem implicações na avaliação.[80][81][79]

Aplicação à política econômica[editar | editar código-fonte]

A literatura acadêmica apresenta inúmeras visões éticas sobre o que constitui uma política econômica viável. Keynes viu que boas políticas econômicas são aquelas que tornam as pessoas boas, em oposição àquelas que as fazem se sentir bem.[1] O 'Verein für socialpolitik', fundado por Gustav von Schmoller, insiste que considerações éticas e políticas são críticas na avaliação de políticas econômicas.[82] A teoria racional dos atores na arena de políticas é evidente no uso da otimização de Pareto, a fim de avaliar a eficiência econômica das políticas, bem como no uso da análise de custo-benefício (CBA), onde a renda é a unidade básica de medição.[39] A literatura acadêmica também apresenta um raciocínio ético à limitação associada à aplicação da teoria do ator racional à escolha de políticas. Dado que a renda depende da escolha de políticas e vice-versa, a lógica dos modelos racionais na escolha de políticas é circular, daí a possibilidade de recomendações políticas erradas.[39] Também existem muitos fatores que aumentam a propensão de se desviar das suposições modeladas da tomada de decisão.[83] Argumenta-se, sob a teoria moral autodestrutiva, conforme descrita por Hubin, que mecanismos como o CBA podem ser justificados, mesmo que não explicitamente morais.[39] As crenças contrastantes de que as ações públicas se baseiam nessas considerações utilitárias e de que toda a formulação de políticas é politicamente contingente justificam a necessidade de previsão, que por si só é um dilema ético.[84] Isso se baseia na proposição de que as previsões podem ser alteradas para se adequar a uma ação ou política específica, em vez de serem objetivas e neutras.[84][85] Por exemplo, o código de ética do Instituto Americano de Planejadores Certificados fornece suporte inadequado aos meteorologistas para evitar essa prática.[84] Tais 'cânones', como os encontrados no Código de Ética e Práticas Profissionais da Associação Americana de Pesquisa de Opinião Pública, limitam-se a regular ou impedir esta convenção.[84]

Conceito weberiano[editar | editar código-fonte]

Na sociologia, Max Weber chamou de ética econômica a moral da prática de ações no campo econômico influenciada pelo tipo de racionalismo da estrutura religiosa e social.[86][87] Esse termo foi uma tradução do alemão Wirtschaftsethik, que também significa ética dos negócios ou ética empresarial, aparecendo na sua obra Wirtschaftsethik der Weltreligionen, como "Ética Econômica das Religiões Mundiais". A ética econômica interferiu no conceito de mão invisível de Adam Smith.[88] e é algo que permeia a crítica às pesquisas no ramo,[89] principalmente quando se entra na seara do debate sobre natureza humana.[90]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • DeMartino, G. F., McCloskey, D. N. (2016). The Oxford Handbook of Professional Economic Ethics. New York, USA: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-976663-5
  • Luetge, C. (2005). Economic ethics, business ethics and the idea of mutual advantages. Business Ethics: A European Review, 14(2), 108 - 118. doi: 10.1111/j.1467-8608.2005.00395.x
  • Rich, A. (2006). Business and Economic Ethics: The Ethics of Economic Systems. Leuven, Belgium: Peeters Publishers. ISBN 90-429-1439-4
  • Sen, A. (1987). On Ethics and Economics. Carlton, Australia: Blackwell Publishing. ISBN 0-631-16401-4
  • Ulrich, P. (2008). Integrative Economic Ethics: Foundations of a Civilized Market Economy. New York, USA: Cambridge University Press. ISBN 978-0-521-87796-1

Referências

  1. a b c d Richards, Donald G. (2017). Economics, Ethics, and Ancient Thought: Towards a virtuous public policy. Routledge. New York, USA: [s.n.] ISBN 978-1-138-84026-3 
  2. a b c Wilson, Rodney (1997). Economics, Ethics and Religion: Jewish, Christian and Muslim Economic Thought. Macmillan. London, United Kingdom: [s.n.] ISBN 978-1-349-39334-3 
  3. Bhatt, Ogaki, Yaguchi. «NORMATIVE BEHAVIOURAL ECONOMICS BASED ON UNCONDITIONAL LOVE AND MORAL VIRTUE». The Japanese Economic Review. 66, No. 2: 226-246 
  4. a b Hicks, Stephen R. C. (2019). «Ethics and Economics». The Library of Economics and Liberty 
  5. Angell, Norman (9 de jan de 2012). The Great IllusionA Study of the Relation of Military Power to National Advantage. [S.l.: s.n.] 
  6. «Military Strategists Have Known for 2,500 Years that Prolonged Wars Are Disastrous | Zero Hedge | Zero Hedge». www.zerohedge.com. Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  7. Monica, 1776 Main Street Santa; California 90401-3208. «U.S. Should Rethink». www.rand.org (em inglês). Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  8. DeYoung, Karen (24 de setembro de 2006). «Spy Agencies Say Iraq War Hurting U.S. Terror Fight» (em inglês). ISSN 0190-8286 
  9. kanopiadmin (8 de junho de 2008). «War and Inflation». Mises Institute (em inglês). Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  10. «War and Inflation | Gold Eagle». www.gold-eagle.com. Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  11. Safehaven.com. «Gold Thoughts | SafeHaven.com». Safehaven (em inglês). Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  12. kanopiadmin (12 de dezembro de 2013). «Starvation and Military Keynesianism: Lessons from Nazi Germany». Mises Institute (em inglês). Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  13. «Wartime Prosperity? A Reassessment of the U.S. Economy in the 1940s | Robert Higgs». The Independent Institute. Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  14. Carlson, Julie A.; Weber, Elisabeth (12 de setembro de 2012). Speaking about Torture (em inglês). [S.l.]: Fordham Univ Press. ISBN 978-0-8232-4224-5 
  15. Stiglitz, Joseph E. «Of the 1%, by the 1%, for the 1%». Vanity Fair (em inglês). Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  16. Bair, Sheila C. (26 de fevereiro de 2013). «Opinion | Grand Old Parity». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  17. says, Divorce Papers Autauga County Alabama (15 de outubro de 2011). «James Madison's Prescient Warning». JONATHAN TURLEY (em inglês). Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  18. EST, David Cay Johnston On 02/04/14 at 12:07 PM (4 de fevereiro de 2014). «Why Thomas Jefferson Favored Profit Sharing». Newsweek (em inglês). Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  19. «What the Founding Fathers believed: Stock ownership for all». PBS NewsHour (em inglês). 15 de novembro de 2013. Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  20. New-York Municipal Gazette (em inglês). [S.l.]: Anti-Assessment Committee. 1846 
  21. «Equality: Thomas Jefferson to James Madison». press-pubs.uchicago.edu. Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  22. Letters and Other Writings of James Madison (em inglês). [S.l.]: J. B. Lippincott & Company. 1865 
  23. «Parties». National Gazette. 23 de janeiro de 1792. Consultado em 19 de fevereiro de 2020 
  24. a b c d e Price, B.B (1997). Ancient Economic Thought. Routledge. 11 New Fetter Lane, London: [s.n.] ISBN 0-415-14930-4 
  25. Aurobindo, Sri (2001). The Upanishads--II : Kena And Other Upanishads. Sri Aurobindo Ashram Publication Department. India: [s.n.] ISBN 81-7058-748-4 
  26. Sihag. «Kautilya's Arthashastra: A Recognizable Source of the Wealth of Nations». Theoretical Economic Letters. 6: 59-67 – via SciRes 
  27. Michell, H. (2014). The Economics of Ancient Greece. Cambridge University Press. 32 Avenue of the Americas, New York: [s.n.] 25 páginas. ISBN 978-1-107-41911-7 
  28. Alvey. «The ethical foundations of economics in ancient Greece focusing on Socrates and Xenophon». International Journal of Social Economics. 38: 714 733 – via Emerald Insight 
  29. Dierksmeier, Claus (2016). Reframing Economic Ethics: The Philosophical Foundations of Humanistic Management. Switzerland: Springer International Publishing AG. 5 páginas. ISBN 978-3-319-32299-5 
  30. a b Tollison, R.D., Hebert, R. F., Ekelund, R. B. (2011). The Political Economy of the Medieval Church. [S.l.]: The Oxford Handbook of the Economics of Religion. pp. 308–309 
  31. Levine, Aaron (2010). The Oxford Handbook of Judaism and Economics. New York, USA: Oxford University Press. 202 páginas. ISBN 978-0-19-539862-5 
  32. Laffont, Jean-Jacques (November 1975). «Macroeconomic Constraints, Economic Efficiency and Ethics: An Introduction to Kantian Economics» (PDF). Economica. 42: 430-437 – via JSTOR  Verifique data em: |data= (ajuda)
  33. Jasper, Kathryn L. (2012). «The Economics of Reform in the Middle Ages». History Compass. 10: 440-454 – via Wiley Online Library 
  34. Ghazanfar, S. M. (2003). Medieval Islamic Economic Thought. London: RoutlegeCruzon. 91 páginas. ISBN 0-415-29778-8 
  35. a b McMurty, John (1939). Unequal Freedoms: The Global Market as an Ethical System. Toronto, Ontario: Garamond Press. pp. 94, 95. ISBN 1-55193-005-6 
  36. Bassiry, G.R., Jones, M. (1993). «Adam Smith and the Ethics of Contemporary Capitalism». Journal of Business Ethics. 12: 621-627 – via Springer Link 
  37. a b Deng, S., Sebek, B. (2008). Global Traffic: Discourses and Practices of Trade in English Literature and Culture from 1550 to 1700. New York, N.Y: Palgrave Macmillan. 246 páginas. ISBN 978-1-349-37259-1 
  38. a b c d e f Rajko, Alexander (2012). Behavioural Economics and Business Ethics: Interrelations and Applications. New York, NY: Routledge. 29 páginas. ISBN 978-0-415-68264-0 
  39. a b c d Wilber, Charles K. (1998). Economics, Ethics, and Public Policy. Oxford, England: Rowman & Littlefield Publishers, Inc. ISBN 0-8476-8789-9 
  40. Cerqueira, Hugo E. A. da Gama (dezembro de 2006). «A mão invisível de Júpiter e o método newtoniano de Smith». Estudos Econômicos (São Paulo). 36 (4): 667–697. ISSN 0101-4161. doi:10.1590/S0101-41612006000400001. Consultado em 18 de fevereiro de 2020 
  41. a b Fullbrook, Edward (2006). Real World Economics: A Post-Autistic Economics Reader. London, UK: Anthem Press. 22 páginas. ISBN 1-84331-247-6 
  42. a b c Choudhury, M. A., Hoque, M. Z. (2004). «Ethics and economic theory». International Journal of Social Economics. 31: 790-807 – via Emerald Insight 
  43. Kirchgässner, Gebhard (2008). Homo Oeconomicus: The Economic Model of Behaviour and Its Applications in Economics and other Social Sciences. New York, USA: Springer. pp. 25–26. ISBN 978-0-387-72757-8 
  44. a b c Koslowski, Peter (2001). Principles of Ethical Economy. Kluwer Academic Publishers. The Netherlands: [s.n.] 4 páginas. ISBN 0-7923-6713-8 
  45. Gruchy, Alan G. (July, 1948). «THE PHILOSOPHICAL BASIS OF THE NEW KEYNESIAN ECONOMICS» (PDF). Ethics. 58: 235-244 – via JSTOR  Verifique data em: |data= (ajuda)
  46. North, Dr. Gary (1973). An Introdution to Christian Economics. [S.l.: s.n.] pp. 5,6 
  47. Welch, P.J. «The Relationships of Religion to Economics» (PDF). Review of Social Economy. 59: 185-202 – via JSTOR 
  48. Kuran. «Islamic Economics and the Islamic Subeconomy». Journal of Economic Perspectiv. 9: 155-173 – via American Economic Association 
  49. «9: 60 (At-Tawbah)». The Noble Quran 
  50. Abdul Rahman. «Islamic Microfinance: A Missing Component in Islamic Banking» (PDF). Kyoto Bulletin of Islamic Area Studies. 1: 38-53 – via Kurenai 
  51. Koslowski, Peter (2000). Contemporary Economic Ethics and Business Ethics. Springer. New York: [s.n.] pp. 5, 6. ISBN 978-3-642-08591-8 
  52. a b Towse, Ruth (2011). A Handbook of Cultural Economics. Edward Elgar Publishing Limited. UK: [s.n.] 173 páginas. ISBN 978-1-84844-887-2 
  53. Groenewegen, Peter (1996). Economics and Ethics?. Routledge. London: [s.n.] 43 páginas. ISBN 0-415-14484-1 
  54. Kohen. «The Problem of Secular Sacredness: Ronald Dworkin, Michael Perry and Human Rights Foundationalism». Journal of Human Rights. 5: 235-256 – via University of Nebraska 
  55. a b c d Storchevoy, Maxim (2018). BUSINESS ETHICS AS A SCIENCE: Methodology and Implications. Switzerland: Palgrave Macmillan. pp. 43, 120. ISBN 978-3-319-68860-2 
  56. a b c Schreck, Phillpp (2016). «Experimental Economics and Normative Business Ethics». University of St. Thomas Law Journal. 12: 360-380 – via UST Research Online 
  57. a b Frances-Gomez, P., Sacconi, L., Faillo, M. (July 2012). «Experimental economics as a method for normative business ethics» (PDF). EconomEtica. Working Papers: 1 - 27 – via EconomEtica  Verifique data em: |data= (ajuda)
  58. a b Bhatt, V., Ogaki, M., Yaguchi, Y. Normative Behavioral Economics Based on Unconditional Love and Moral Virtue. Japan: INSTITUTE FOR MONETARY AND ECONOMIC STUDIES
  59. Lunze, K., Paasche-Orlow, M. K. (2013). «Financial Incentives for Healthy Behavior: Ethical Safeguards for Behavioral Economics». American Journal of Preventive Medicine. 44: 659-665 – via Elsevier Science Direct 
  60. a b c Faber, M., Petersen, T., Schiller, J. (2002). «Homo oeconomicus and homo politicus in Ecological Economics» 🔗. Ecological Economics. 40: 323-333 – via Elsevier Science Direct 
  61. a b Beckerman, W., Hepburn, C. (2007). «Ethics of the Discount Rate in the Stern Review on the Economics of Climate Change» (PDF). WORLD ECONOMICS. 8. 210 páginas – via Queen's University 
  62. a b «Environmental Ethics». Stanford Encyclopedia of Philosophy. 2015  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda)
  63. discounting
  64. a b c Spash, Clive L. (1993). [http://critical- thinking.modustollens.org/share/economics.ethics.and.long.term.environmental.damages.clive.l.spash.pdf «Economics, Ethics and Long-Term Environmental Damages»] Verifique valor |url= (ajuda) (PDF). Environmental Ethics. 15: 117-132  line feed character character in |url= at position 17 (ajuda)
  65. World Commission on Environment and Development (1987). Our common future. New York: Oxford University Press. ISBN 9780192820808 
  66. Holden, E., Linnerud, K., Banister, D. (2014). «Sustainable development: Our Common Future revisited». Global Environmental Change. 26: 130-139 – via Elsevier Science Direct 
  67. NATIONAL RESEARCH COUNCIL OF THE NATIONAL ACADEMIES (2010). Informing an Effective Response to Climate Change. Washington, D.C.: THE NATIONAL ACADEMIES PRESS. 92 páginas. ISBN 978-0-309-14594-7 
  68. Fleurbaey, M., Salles, M., Weymark, J. A. (2011). Social Ethics and Normative Economics: Essays in Honour of Serge-Christophe Kolm. New York: Springer. 20 páginas. ISBN 978-3-642-17806-1 
  69. a b Sayer, Andrew (2000). «MORAL ECONOMY AND POLITICAL ECONOMY» (PDF). Studies in Political Economy. 61: 79-104 – via Lancaster University 
  70. Choice Criteria
  71. a b Brasset, J., Rethel, L., Watson, M. (March 2010). «The Political Economy of the Subprime Crisis: The Economics, Politics and Ethics of Response». New Political Economy. 15: 1-7 – via Taylor Francis Online  Verifique data em: |data= (ajuda)
  72. a b Qizilbash, Mozaffar (2007). «On Ethics and the Economics of Development» (PDF). The Journal of Philosophical Economics,. 1: 54-73 
  73. An overview of randomization techniques: An unbiased assessment of outcome in clinical research
  74. Archibald, G. C. (November 1959). «Welfare Economics, Ethics, and Essentialism» (PDF). Economica. 26: 316-327 – via JSTOR  Verifique data em: |data= (ajuda)
  75. a b Baele, S. J. (2013). «The ethics of New Development Economics: is the Experimental Approach to Development Economics morally wrong?» (PDF). THE JOURNAL OF PHILOSOPHICAL ECONOMICS. 7: 1 - 42 – via University of Exeter 
  76. a b c d Hurley, Jeremiah (2001). «Ethics, economics, and public financing of health care». Journal of Medical Ethics. 27: 234-239 – via BMJ Journals 
  77. Culyer, Anthony J. (2001). «Economics and ethics in health care» (PDF). Journal of Medical Ethics. 27: 217-222 – via BMJ Journals 
  78. insignificant.
  79. a b Briggs, Andrew (December 2000). «Economic evaluation and clinical trials: size matters - The need for greater power in cost analyses poses an ethical dilemma». BMJ. 2: 1362-1363 – via US National Library of Medicine National Institutes of Health  Verifique data em: |data= (ajuda)
  80. Estimating risk from underpowered, but statistically significant, studies: was APPROVe on TARGET?
  81. implications for evaluation.
  82. Clarke, S. (1990). Political Economy and the Limits of Sociology. Madrid, Spain. Retrieved from https://homepages.warwick.ac.uk/~syrbe/pubs/ISA.pdf
  83. Monroe, K. R., Maher, K. H. (March 1995). «Psychology and Rational Actor Theory» (PDF). Political Psychology. 16: 1-21 – via JSTOR  Verifique data em: |data= (ajuda)
  84. a b c d Wachs, Martin (1990). «Ethics and Advocacy in Forecasting for Public Policy» (PDF). Business & Professional Ethics Journal. 9: 141-157 – via JSTOR 
  85. Small, G. R., Wong, R. (2001). The Validity of Forecasting. Sydney, Australia: University of Technology Sydney. pp. 12. Retrieved from https://pdfs.semanticscholar.org/b8a9/69be58495cb72102fbe8ecceacc8641c64a0.pdf
  86. Amaral, Roniere Ribeiro do (junho de 2002). «Sobre a sociologia econômica de Max Weber». Sociedade e Estado. 17 (1): 205–212. ISSN 0102-6992. doi:10.1590/S0102-69922002000100011 
  87. Tyrell, Hartmann. «Introductory Remarks on Max Weber's The Economic Ethic of the World Religions» (PDF). Firenze University Press. Cambridge University Press. Società Mutamento Politica. 5 (9): 61–84. ISBN 978-1-316-46009-2. ISSN 2038-3150 
  88. “Behind Global System Collapse: The Life-Blind Structure of Economic Rationality”, Journal of Business Ethics (2012), ibid.
  89. Understanding Market Theology” in (ed.) Bernard Hodgson, The Invisible Hand and the Common Good: Heidelberg and New York: Springer Studies in Economic Ethics and Philosophy, 2004, p.151-83.
  90. Arno Gruen, Der Verlust des Mitgefühls. Über die Politik der Gleichgültigkeit, München, 1997, dtv.