Ínclita geração

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Ínclita Geração é o epíteto dado na História de Portugal aos filhos do rei João I de Portugal (1356-1433) e de Filipa de Lencastre (1360-1415).[1] Foi cunhado pelo poeta Luís de Camões em "Os Lusíadas" (Canto IV, estância 50):

"Mas, pera defensão dos Lusitanos,
Deixou, quem o levou, quem governasse
E aumentasse a terra mais que dantes:
Ínclita geração, altos Infantes."

A expressão refere-se ao valor individual destes príncipes - os que chegaram à idade adulta, uma vez que os dois primeiros filhos do casal morreram ainda crianças[2] - que se destacaram em sua época pelo seu elevado grau de educação, valor militar, grande sabedoria e predominância na vida pública portuguesa. Foram eles:

Referências

  1. As núpcias tiveram lugar na cidade do Porto, a 2 de fevereiro de 1387. D. Filipa de Lencastre era filha de John of Gaunt, Príncipe de Inglaterra, 2º duque de Lancaster, duque de Aquitania, 5º conde de Lancaster e conde de Richmond, e de sua esposa, Blanche of Lancaster.
  2. Foram eles a Infanta D. Branca (Santarém, 30 de julho de 1388 - Março de 1389), e o Infante D. Afonso (Santarém, 30 de julho de 1390 - Braga, 22 de dezembro de 1400. Este foi Infante de Portugal e jurado sucessor e herdeiro do Reino.