Óscar Castro Zúñiga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Óscar Castro Zúñiga (Rancagua, 25 de março de 1910 - Santiago, 1 de novembro de 1947) foi um escritor e poeta chileno. Sua obra literária abrange tanto o gênero operístico quanto o gênero narrativo, muito mais realista e próximo do movimento crioulo [1][2][3][4].

Juventude e estudos (1910 no início da década de 1930)[editar | editar código-fonte]

Óscar Castro Zúñiga nasceu em Rancagua em 25 de março de 1910, filho de Francisco Castro e María Esperanza Zúñiga, terceiro dos cinco irmãos: Graciela, Javier, Elba e Irma.

Em 1917, ele se matriculou como aluno regular na Escola Superior № 3, uma grande escola pública em Rancagua. No entanto, ele adoeceu com tosse convulsiva e teve que renunciar temporariamente aos seus estudos. Em 1923, a família, depois de abandonada pelo pai, recebe o apoio de Julio Valenzuela, um tio próximo da família, que está matriculado no Oscar no Instituto O'Higgins, uma escola particular, onde ele teria ficado pelo menos um ano Por várias razões desconhecidas, ele não permitiu que seu tio continuasse ajudando-o e tornou-se um homem autodidata. As coisas se tornaram mais difíceis para ele e sua família devido à Grande Depressão e à onda de preocupação pública no Chile. Apesar dessas dificuldades, Julio Valenzuela desempenhou um papel fundamental em sua estréia como escritor, financiando até mesmo suas primeiras publicações.[5]

Trajetória (1926-1947)[editar | editar código-fonte]

Seus primeiros passos como poeta e escritor[editar | editar código-fonte]

Em 1926, ele escreveu seus primeiros poemas publicados na revista local Don Fausto, sob o pseudônimo de "Raúl Gris", como uma homenagem ao seu irmão mais novo. Em 1929 ele publicou seu primeiro poema com seu nome real intitulado Poem para sua associação publicado em alguns jornais locais.

Em 1934, seu irmão Javier morreu. Em 25 de outubro de 1934 após a dissolução do Círculo de Jornalistas de Rancagua devido a diferenças entre os seus membros após o fim da República Socialista do Chile, Oscar Castro, alguns de seus amigos e um grupo de intelectuais proeminentes, incluindo Nicomedes Guzmán Agustín Zumaeta Basalto, criaram o grupo literário "Los Inútiles". Ao mesmo tempo, iniciou uma relação com Estela Sepúlveda com a qual manteve durante vários anos uma longa relação sentimental e epistolar que se mantinha até sua morte [6][7][8][9]. Em 1935, ele se juntou ao jornal La Tribuna como editor.

No final da década de 1930, uma longa relação com a atriz e escritora Ernestina Zúñiga, conhecida por seu pseudônimo Isolda Pradel, começou a se casar mais tarde. Existem diferentes versões das circunstâncias em que eles se tornaram conhecidos e como esta relação foi desenvolvida, que estão relacionados em algumas biografias e antologias escritas pelo próprio escritor Pradel e outro autor. de acordo com Gonzalo Drago em uma entrevista em 1979, que foi a introduzida por Pradel, que em 1935 era conhecido como narrador e intérprete e participava de atividades literárias. Algumas versões indicam que, devido ao seu relacionamento com Pradel, ele desaprovou a mãe que havia sido expulsa de sua casa, fatos que não foram confirmados por Pradel e por pessoas próximas ao escritor e poeta. De acordo com diferentes versões, o casal viveu duro, sua mãe o perdoou mais tarde. A relação entre os dois teve diferentes altos e baixos, fatos que são refletidos em sua literatura.

Carreira literária e interesse nacional após sua morte[editar | editar código-fonte]

Sua carreira literária começou a interessar-se pelo país desde o começo de 1936, quando escreveu em Responso a Federico García Lorca em homenagem ao autor espanhol assassinado durante a Guerra Civil. Alguns meses depois, em 12 de junho de 1937, sua mãe morreu. No mesmo ano, o Editorial Nascimento publicou sua primeira coletânea de poemas, Camino del Alba.

Em 1939, ele foi premiado na Argentina por uma série de notícias camponesas publicadas em algumas revistas. No mesmo ano, Editorial Zig-Zag publica seu primeiro livro de história, Footprints on the Earth. Em 1941, por decreto do Ministério da Educação, foi nomeado bibliotecário da homens universitários Rancagua - rebatizado em 1971 por Oscar Castro Zúñiga Grau, graças a uma campanha conjunta para estudantes e membros do grupo literário A desnecessário. Escola pública, ele também trabalhou como jornalista e professor de espanhol. No mesmo ano, ele criou uma escola pública para trabalhadores, a Escola Noturna de Rancagua e outros professores.

Em 1942 foi incluído com Nicanor Parra e Victoriano Vicario na antología Tres Poetas Chilenos publicada por Tomás Lago.

Em 1945, sua filha, Letícia Esmeralda, morreu repentinamente por razões desconhecidas. Alguns meses depois, ele foi diagnosticado com tuberculose grave e hospitalizado por dois meses. Em 1946, ele aceitou um emprego na escola secundária Juan Antonio Ríos, em Santiago, onde começou seu trabalho em 8 de março de 1947 e continuou em Rancagua. Apesar do apoio de seus colegas escritores, sua saúde se deteriorou gravemente e ele entrou no Hospital del Salvador em 12 de setembro para morrer em Santiago de 1 a 19 de novembro de 1947[10] .

A maioria de suas obras não foram publicadas antes de sua morte. No momento da sua morte, Castro era constantemente ridicularizado e criticado por seus críticos, incluindo Hernán Díaz Arrieta e a maioria dos cronistas tiempo tradicional, por seu ativismo político e sua literatura rara "provincial" e "kitsch". No entanto, seus trabalhos inéditos a serem cumpridas em um momento de censura severa no Chile, quando, em 1950, Zigzag Editorial e Nascimento Editorial publica todos os seus trabalhos inéditos, canções especialmente quando Ariel Arancibia compostas do álbum Homenaje a Oscar Castro. (1970), originalmente registrado por Héctor Duvauchelle e Los Cuatro de Chile e Humberto Duvauchelle (irmão de Héctor Duvauchelle)[11] .

o legado[editar | editar código-fonte]

Literatura Oscar Castro é considerado literatura chilena muito especial do século XX, inspirado por uma visão de mundo muito inspirado por Federico García Lorca ea coleção de canções tradicionais, incorporando a linguagem específica da sociedade chilena do tempo. um duro crítico das desigualdades e contrastes da sociedade chilena da época, e um discurso cada vez mais sério, intimamente ligado ao trabalho de Walt Whitman e Luis de Góngora. Apesar destes contrastes e da evolução de sua literatura, uma voz única e pessoal é reconhecida em todo o seu trabalho por causa de seu indiscutível selo, ele descreve na Memória chilena: "clareza, transparência, humanismo, erotismo, justiça social e manipulação da linguagem, palavra precisa, adjetivo correto "[1].

No final de 1930, Castro foi visto no Chile como um dos representantes da "poesia de clareza" corrente literária inspirada em parte pelo trabalho da morte de Federico García Lorca, e foi criado em resposta a apertada e o subjetivismo da vanguarda histórica. A evolução da obra literária de Castro engloba dois segmentos muito específicos e, à primeira vista, estilisticamente diferentes. À primeira vista, uma linguagem poética, tons melancólicos, luz, transparentes em sua língua, líricas e transparentes em suas metáforas, métricas e maestria impecável de composição do romance, que é evidente em obras como Journey do amanhecer à noite (1938), apoiado por um prólogo de Augusto d'Halmar ou o póstumo Glosario Gongorino (1948). Por sua vez, a sua história, em histórias como Llampo de Sangre (1950) é mais realista, aproximando criollismo foi uma grande influência na literatura chilena visão contemporânea bruto para servir como referência e inspirar o trabalho de escritores chilenos do final do século XX e início do século XXI, como Pedro Lemebel, Hernán Rivera Letelier, Juan Radrigán, Nona Fernández, entre outros.


Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Poesia[editar | editar código-fonte]

  • 1937: Camino en el alba
  • 1938: Viaje del alba a la noche
  • 1944: Reconquista del hombre
  • 1948: Glosario gongorino
  • 1950: Rocío en el trébol

Novelas e histórias[editar | editar código-fonte]

  • 1940: Huellas en la tierra
  • 1950: Llampo de sangre
  • 1945: Comarca del jazmín
  • 1951: La vida simplemente
  • 1965: Lina y su sombra
  • 1967: El valle de la montaña

Antologias[editar | editar código-fonte]

  • 1939: 8 nuevos poetas chilenos (ed. Sociedad de Escritores de Chile)
  • 1942: Tres poetas chilenos (ed. Tomás Lago)
  • 1975: Cuentos completos
  • 2000: Epistolario íntimo de Óscar Castro (ed. Pedro Pablo Zegers & Thomas Harris)
  • 2004: Obra reunida
  • 2018: Cartas a Estela (ed. Flavio Vicente Lillo)
  • 2019: Para que no me olvides (ed. Universidad de Valparaíso)[12]


Reedições[editar | editar código-fonte]

  • 2016: Siete veces Lucero + versión original (ed. Claudia Apablaza)


Obras musicais baseadas em Castro Zúñiga[editar | editar código-fonte]

  • 1970: Homenaje a Óscar Castro Zúñiga: Los Cuatro de Chile, Hector y Humberto Duvauchelle (Music by Ariel Arancibia, Lyrics by Óscar Castro Zúñiga)

Referências

  1. a b «Óscar Castro (1910-1947)». Memoria Chilena. Biblioteca Nacional de Chile. [Consulta: 10 febrer 2019].
  2. 7 de novembro de 2017 https://eltipografo.cl/2017/11/oscar-castro-un-poeta-todavia-desconocido/. Consultado em 10 febrer 2019  Parâmetro desconhecido |publicació= ignorado (ajuda); Parâmetro desconhecido |nom= ignorado (|nome=) sugerido (ajuda); Parâmetro desconhecido |cognom= ignorado (|sobrenome=) sugerido (ajuda); Parâmetro desconhecido |títol= ignorado (|titulo=) sugerido (ajuda); Verifique data em: |acessodata= (ajuda); Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  3. https://laventanaciudadana.cl/oscar-castro-zuniga-poeta-de-la-tierra/. Consultado em 10 febrer 2019  Parâmetro desconhecido |publicació= ignorado (ajuda); Parâmetro desconhecido |nom= ignorado (|nome=) sugerido (ajuda); Parâmetro desconhecido |cognom= ignorado (|sobrenome=) sugerido (ajuda); Parâmetro desconhecido |títol= ignorado (|titulo=) sugerido (ajuda); Verifique data em: |acessodata= (ajuda); Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  4. 8 de fevereiro de 2016 http://www.granvalparaiso.cl/opinion/oscar-castro-el-poeta-que-el-establishment-ha-olvidado-un-vate-de-calidad-insuperable/. Consultado em 10 febrer 2019  Parâmetro desconhecido |publicació= ignorado (ajuda); Parâmetro desconhecido |nom= ignorado (|nome=) sugerido (ajuda); Parâmetro desconhecido |cognom= ignorado (|sobrenome=) sugerido (ajuda); Parâmetro desconhecido |títol= ignorado (|titulo=) sugerido (ajuda); Verifique data em: |acessodata= (ajuda); Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  5. Burón, Nicolás (2018). La Literatura de la Región de O'Higgins: Orígenes, Evolución e Identidad. Copequén: Autoedición. ISBN 9789563984583.
  6. "Cartas y poemas inéditos de Óscar Castro son expuestos en el Museo Regional". El Rancagüíno. Web. <https://www.elrancaguino.cl/2018/03/16/cartas-y-poemas-ineditos-de-oscar-castro-son-expuestos-en-el-museo-regional/> Revisat el 10 d'octubre de 2018
  7. Castro, Óscar; Lillo, Flavio Vicente (2018). Flavio Vicente Lillo, ed. Cartas a Estela. Rancagua: Editorial Invisible.
  8. Pradel, Isolda (1997). Cincuenta años de ausencia. Rancagua: Fundación Óscar Castro Zúñiga.
  9. Castro, Óscar (1934–1936). "Cartas de Óscar Castro Zúñiga a Estela Sepúlveda". Fondo documental Óscar Castro Zúñiga – via Ministerio de las Culturas, las Artes y el Patrimonio, Museo Regional de Rancagua.
  10. (PDF). Sociedad Médica de Santiago. 2018. ISSN 0034-9887 https://scielo.conicyt.cl/pdf/rmc/v146n10/0034-9887-rmc-146-10-01190.pdf. Consultado em 10 febrer 2019  Parâmetro desconhecido |nom= ignorado (|nome=) sugerido (ajuda); Parâmetro desconhecido |cognom= ignorado (|sobrenome=) sugerido (ajuda); Parâmetro desconhecido |exemplar= ignorado (ajuda); Parâmetro desconhecido |publicació= ignorado (ajuda); Parâmetro desconhecido |pàgines= ignorado (ajuda); Parâmetro desconhecido |volum= ignorado (ajuda); Parâmetro desconhecido |títol= ignorado (|titulo=) sugerido (ajuda); Verifique data em: |acessodata= (ajuda); Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  11. Los Cuatro de Chile, Héctor y Humberto Duvauchelle (1970). Homenaje a Óscar Castro Zúñiga: Los Cuatro de Chile, Héctor y Humberto Duvauchelle. Santiago de Chile: ASFONA M.R. Cat Nº VBP-312
  12. Castro Zúñiga, Óscar (2019). Para que no me olvides (antología). Valparaíso: Ediciones Universidad de Valparaíso.