Último homem

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Último homem (alemão: Letzter Mensch) é um termo usado pelo filósofo Friedrich Nietzsche em Assim falou Zaratustra para descrever a antítese de seu ser superior teorizado, o Übermensch, cujo aparecimento iminente é anunciado por Zaratustra. O último homem é o niilista passivo arquetípico. Ele está cansado da vida, não corre riscos e busca apenas conforto e segurança. Portanto, O Último Homem é incapaz de construir e agir com base em um ethos auto-realizado.

Nietzsche em 1869.

A primeira aparição do último homem foi no "Prólogo de Zaratustra". Segundo Nietzsche, o último homem é a meta que a sociedade moderna e a civilização ocidental aparentemente estabeleceram para si mesmas. Depois de tentar, sem sucesso, fazer com que a população aceite o Übermensch como meta da sociedade, Zaratustra os confronta com uma meta tão repugnante que presume que os revoltará - uma cultura que busca apenas conforto passivo e rotina, evitando tudo que poderia potencialmente traz risco, dor ou decepção.[1] Zaratustra falha nessa tentativa e, em vez de repelir e manipular a população para que persiga o objetivo do Übermensch, a população toma Zaratustra literalmente e escolhe a meta "nojenta" de se tornar os últimos homens. Essa decisão deixa Zaratustra desanimado e desapontado.

Nietzsche advertiu que a sociedade do último homem poderia ser estéril e decadente demais para sustentar o crescimento de uma vida humana saudável ou de grandes indivíduos. O último homem só é possível se a humanidade tiver criado uma pessoa ou sociedade apática que perde a capacidade de sonhar, de se esforçar e que se torna incapaz de correr riscos, em vez disso, simplesmente ganha a vida e se aquece. A sociedade do último homem é a antitética da vontade de poder de Nietzsche, principal força motriz e ambição por trás da natureza humana, segundo Nietzsche, assim como de todas as outras formas de vida no universo.

O último homem, previu Nietzsche, seria uma resposta ao problema do niilismo. Mas todas as implicações da morte de Deus ainda não haviam se revelado: "O evento em si é muito grande, muito distante, muito distante da capacidade de compreensão da multidão mesmo para que as novas sejam pensadas como tendo chegado ainda."[2]

Citações iniciais do conceito de "último homem" por Nietzsche:

“Eu me considero o último filósofo porque sou o último homem. Ninguém fala comigo como eu, e minha voz chega até mim como a de uma pessoa que está morrendo.”

(eKGWB/NF-1872,19[131] - Fragmentos verão 1872 - início de 1873).

“O oposto do super-homem (Übermensch) é o último homem: eu o criei ao mesmo tempo com isso. Tudo o que é sobre-humano parece ao homem doença e loucura. Você tem que ser um mar para absorver um riacho sujo sem se sujar.”

(eKGWB/NF-1882,4[171] - Fragmentos novembro 1882 - fevereiro 1883).

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Assim falou Zaratustra, Prólogo, §5.
  2. A Gaia Ciência, §343