Ćmielów

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ćmielów
Ćmielów
POL Ćmielów COA.svg
Cmielow den 7 april 1657.jpg
Voivodia Santa Cruz
Powiat Ostrowiecki
Gmina Ćmielów
Área 13,21 km²
População (2004) 3222 habitantes
Densidade 243,9 hab/km²
Código telefônico 15
Matrículas de automóveis TOS
Cidade da Polónia Flag of Poland.svg

Ćmielów é uma cidade da Polónia, na voivodia de Santa Cruz e no condado de Ostrowiecki. Estende-se por uma área de 13,21 km², com 3176 habitantes, segundo os censos de 2010[1], com uma densidade 243,9 hab/km². Em Ćmielów encontra-se uma das mais antigas fábricas de porcelana na Polónia cujas tradições remontam ao ano 1790.

Localização[editar | editar código-fonte]

Ćmielów situa-se no planalto de Sandomierz, aproximadamente 10 quilómetros a leste de Ostrowiec Świętokrzyski, na estrada N º 755 e perto do rio Kamienna, afluente do Vístula.

História[editar | editar código-fonte]

O inicio da ocupação humana das terras hoje se encontra Ćmielów data do período neolítico. De acordo com estudos arqueológicos, em Gawroniec (o nome local do morro localizado na extremidade do vale do rio Kamienna), viviam pessoas que se dedicavam a elaborar ferramentas de sílex extraída em Krzemionki, onde havia uma grande mina deste material. As ferramentas feitas de pedra em Gawroniec, eram exportadas para diversas áreas da Europa daquela época. Devido à pouca quantidade de fontes históricas e arqueológicas, é difícil reconstruir a história mais antiga de Ćmielów e os seus arredores, mas o facto inquestionável é que as condições naturais favoráveis inclinaram as pessoas para se estabelecerem no vale do rio Kamienna. Além da agricultura e fabrico de ferramentas de pedra, desde os primeiros anos as pessoas dedicavam-se à olaria, graças às camadas de argila e loess que ajudaram no desenvolvimento desse ofício.

A primeira menção histórica de Ćmielów vem do século XIV. Em 1388 os irmãos Marcin e Mikołaj Doliwa de Baruchowa venderam o castelo e a vila a Gniewosz de Dalewice que deu todos os bens de Ćmielów ao seu filho, que também se chamava Gniewosz. Em 1425 Jan Janina de Podlodów comprou Ćmielów. Cabe acrescentar que naquela época, perto da vila de Ćmielów, havia também a pequena aldeia de Szydłów, localizada nos terrenos da Igreja Paroquial atual.O fim do século XV é o início de esplendor da vila e depois da cidade de Ćmielów, que se tornou propriedade da família Szydłowiecki. A filha de Stanisław Szydłowiecki, Katarzyna, mediante o casamento com Stanisław de Grocholice, brasão Syrokomla, em 1473, chamou a atenção para a sua propriedade familiar situada no vale do rio Kamienna. No início do século XVI, o irmão da Katarzyna, Jakub Szydłowiecki, começou a comprar os bens situados perto do rio Kamienna, adquirindo também as propriedades de Ćmielów. O passo seguinte de Szydłowiecki foi reconstruir o castelo existente, e o estabelecimento da cidade nas terras rurais de Ćmielów e Szydłów. Os direitos da cidade foram concedidos em virtude do privilégio de 19 de maio de 1505, emitido em Radom, pelo rei Alexandre da Polónia.

Depois da morte de Jakub Szydłowiecki em 1509, Ćmielów passou temporiamente para as mãos do meio-irmão do Jakub – Mikołaj e depois para Krzysztof Szydłowiecki (o chanceler, o proprietário da vila vizinha, Opatów). Durante a governação deste, Ćmielów tornou-se uma cidade próspera, com uma bela mansão a nível europeu, a partir da reconstrução do castelo local nos anos 1519-1531. Após a morte do chanceler, que ocorreu em 1532, a sua esposa, Zofia de Targowisko, herdou os bens de Ćmielów e depois os seus netos. Como resultado da divisão da propriedade, durante várias décadas houve disputas familiares sobre a cidade, o castelo e outras propriedades entre as famílias Tarnowski, Radziwił e mais tarde Zborowski. Hoje é difícil determinar com precisão como procedeu a herança. A situação da propriedade estabilizou-se em 1606, quando os bens de Ćmielów passaram para as mãos de Janusz Ostrogski. Ao longo de quase todo o século XVII, herdaram os descendentes de Ostrogski, e depois, os descendentes da família Zasławski.O fim da glória de Ćmielów foi a invasão sueca (o chamado “Dilúvio”) durante a qual o castelo local foi durante algum tempo a residência do príncipe de Siedmiogród. A 12 de abril de 1657 houve um encontro do exército de Jorge II Rakoczy, e Carlos X da Suécia. As forças unidas começaram a terceira fase de "O Dilúvio". Os soldados destruíram a cidade e a fortaleza queimando-as e matando as famílias nobres que encontraram abrigo em Ćmielów.

No século XVIII, Ćmielów tornou-se um centro de cerâmica. Em 1709, Ćmielów passou para as mãos de Alexander Dominik Lubomirski. Em 1750, o rei Augusto III deu aos ceramistas locais o privilégio de vender os seus produtos em todo o país, autoridade confirmada em 1768 pelo rei Estanislau II. Em 1753 tornou-se a propriedade do chanceler conde Jan Małachowski que funda a fábrica de porcelana em 1804. O seguinte sucessor da cidade e dos bens pertencentes foi Jacek Malachowski, e após a sua morte, o filho dele Jan herdou a propriedade e, em seguida, a sua irmã Franciszka, que em 1828, deu Ćmielów aos seus filhos Kazimierz e Anna. Esses, dois anos mais tarde, venderam a cidade a Teresa del Campo Scypionowa e ao seu cunhado Wojciech Pusłowski. Em 1845, a condessa tornou-se a única proprietária dos bens, e após a sua morte em 1848, a propriedade foi herdada pela sua filha Maria. Então, os filhos dela herdaram Ćmielów. Durante a Revolta de Janeiro, o líder do movimento nessa área, foi o padre local, Padre Kacper Kotkowski. Em Ćmielów ficou brevemente um dos líderes da revolta Marian Langiewicz. Após o levantamento, em 1869 Ćmielów perdeu os direitos civis. Em 1896 Ćmielów pertencia ao príncipe Aleksander Drucki – Lubecki.

Em 1915, a cidade foi ligada à linha ferroviária com Ostrowiec Świętokrzyski e Sandomierz. A 1 de junho de 1942 foi criado um gueto em Ćmielów , apinhado com cerca de 900 judeus da região que no final de outubro de 1942 seriam enviados para Treblinka sendo a cidade declarada "Judenrein," (limpa de judeus)[2]. Em 1962, Ćmielów recuperou os direitos de cidade.

Monumentos[editar | editar código-fonte]

  • Ruínas do castelo perto do rio Kamienna Fotos e informação do castelo (em polaco).
  • Igreja Paroquial de Assunção da Bem-Aventurada Virgem Maria, construída no século XIV em estilo gótico tardio, reconstruída no século XVIII em estilo barroco, interior em estilo barroco e rococó.
  • Estátua de São Floriano de 1704 na praça central.
  • Capela na rua Zamkowa de meados do século XIX. Segundo a tradição local, sob a capela está enterrado um participante do Levantamento de Kościuszko, assassinado por soldados russos. Durante a Revolta de janeiro, a capela deu abrigo aos insurgentes, e durante a revolução de 1905, foi usada por militantes do PPS (Partido Socialista Polaco), que cavaram sob a capela o seu esconderijo. Serviu como o armazém das armas e como dormitório.
  • Capela com a escultura de São João Nepomuceno na rua Opatowska (a estrada para Krzczonowice), renovada em 2008, por ter sido vandalizada.
  • Capela do cemitério de Długoszewski localizada no cemitério paroquial na rua Zaciszna. Na parede oeste da capela está a Cruz da Memória Nacional, ao pé da cruz foram colocadas placas de porcelana com os nomes dos soldados do Armia Krajowa mortos.
  • Monumento dos Combatentes pela Liberdade, tem a forma de uma coluna, fica na praça de Ćmielów. Feita de blocos de pedra. Inaugurada no vigésimo aniversário da recuperação da independência pela Polónia, no 11 de novembro de 1938. Atualmente, um dos principais locais (tal como a Igreja Paroquial), onde são realizadas as cerimónias solenes do governo local.



Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia da Polónia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Página da câmara municipal (em polaco)

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Ćmielów


Referências[editar | editar código-fonte]