...Baby One More Time

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
 Nota: Para a canção de mesmo nome, veja ...Baby One More Time (canção).
…Baby One More Time
...Baby One More Time
Álbum de estúdio de Britney Spears
Lançamento 12 de janeiro de 1999 (1999-01-12)
Gravação Março—Junho de 1998
Estúdio(s)
Gênero(s)
Duração 42:20 (edição norte-americana)
45:54 (edição internacional)
Formato(s) CD  · download digital  · vinil  · cassete
Gravadora(s) Jive
Produção
Cronologia de Britney Spears
Oops!... I Did It Again
(2000)
Capa da edição internacional
Singles de …Baby One More Time
  1. "…Baby One More Time"
    Lançamento: 10 de setembro de 1998 (1998-09-10)
  2. "Sometimes"
    Lançamento: 6 de abril de 1999 (1999-04-06)
  3. "(You Drive Me) Crazy"
    Lançamento: 23 de agosto de 1999 (1999-08-23)
  4. "Born To Make You Happy"
    Lançamento: 6 de dezembro de 1999 (1999-12-06)
  5. "From the Bottom of My Broken Heart"
    Lançamento: 15 de dezembro de 1999 (1999-12-15)

...Baby One More Time é o álbum de estreia da artista musical estadunidense Britney Spears. O seu lançamento ocorreu em 12 de janeiro de 1999, através da Jive Records. Em junho de 1997, enquanto Spears negociava com o empresário Lou Pearlman a sua entrada no grupo feminino Innosense, sua mãe pediu a opinião do advogado de entretenimento e amigo da família Larry Rudolph e enviou-lhe uma fita demo de Spears cantando uma canção de Whitney Houston em um karaokê. Rudolph decidiu entregá-la para gravadoras, e enviou-a juntamente a uma fita demo contendo uma faixa não usada por Toni Braxton. A Jive acabou interessando-se e indicou o produtor Eric Foster White para trabalhar com ela. Depois de ouvir o material gravado, a gravadora contratou Spears em um acordo de diversos álbuns. Ela viajou para a Suécia para trabalhar com outros produtores, como Max Martin, Denniz Pop e Rami Yacoub. O primeiro mostrou-lhe uma faixa chamada "Hit Me Baby One More Time", que havia sido originalmente escrita para o grupo feminino TLC, a qual rejeitou-a. O trabalho foi concluído em junho de 1998.

O disco possui uma sonoridade inspirada por gêneros como dance-pop e teen pop, enquanto a sua instrumentação é composta por baixo, teclado, guitarra elétrica e guitarra acústica. Liricamente, as faixas refletem-se ao amor e a relacionamentos amorosos. As gravações do projeto ocorreram entre agosto de 1997 e junho de 1998 em estúdios nos Estados Unidos e na Suécia sob a produção de The All Seeing I, Jörgen Elofsson, David Kreuger, Kristian Lundin, Per Magnusson, Max Martin, Rami e Eric Foster White.

...Baby One More Time recebeu análises geralmente mistas de críticos musicais, em que alguns prezaram a sua produção e sua natureza pop, enquanto outros consideraram-no "prematuro". Apesar disso, foi indicado em duas categorias nos Grammy Awards de 2000. Obteve um desempenho comercial bastante positivo, atingindo a primeira colocação das tabelas da Alemanha, da Áustria, do Canadá e dos Estados Unidos, enquanto classificou-se nas dez melhores posições em diversos países, como Austrália, Bélgica, França e Reino Unido. Consequentemente, obteve diversas certificações ao redor do mundo, incluindo uma certificação de diamante (14× platina) pela Recording Industry Association of America (RIAA) — tornando-a, então com 18 anos, a artista mais jovem a recebe-lo —, denotando vendas de 14 milhões de unidades em território estadunidense. Em âmbito global, comercializou cerca de 30 milhões de cópias, sendo o álbum mais vendido de Spears e, de acordo com o Livro Guinness dos Recordes, o mais vendido de todos os tempos por um artista adolescente em carreira solo.

A faixa-título foi lançada como o primeiro single do disco e obteve um desempenho comercial positivo, chegando à liderança das tabelas musicais de diversos países ao redor do mundo, incluindo a estadunidense Billboard Hot 100 onde permaneceu por duas semanas consecutivas. "Sometimes" foi distribuída como a faixa de trabalho seguinte em abril de 1999, e conseguiu listar-se nas dez primeiras posições de várias tabelas. O terceiro single do álbum, "(You Drive Me) Crazy", atingiu a décima colocação na Billboard Hot 100. Embora não tenha sido lançada em território estadunidense, "Born to Make You Happy" serviu como o quarto foco de promoção em diversos territórios europeus, e posicionou-se na liderança da UK Singles Chart. O último single, "From the Bottom of My Broken Heart", não conseguiu repetir o sucesso dos anteriores. Em divulgação ao produto, a artista apresentou-se em diversos programas televisivos e iniciou as turnês ...Baby One More Time Tour (1999) e Crazy 2K Tour (2000). ...Baby One More Time é fortemente creditado por iniciar a imagem de Spears como um ícone da cultura pop em âmbito internacional e mudar o curso da música pop nos anos seguintes.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

"Eu estava no estúdio há seis meses, ouvindo e gravando material, mas eu ainda não tinha ouvido um sucesso. Quando eu comecei a trabalhar com Max Martin na Suécia, ele tocou a demo de 'Baby One More Time' para mim, e eu sabia desde o começo que era uma daquelas músicas que você quer ouvir de novo e de novo. Ela parecia ótima. Eu estava no estúdio e a fiz do meu próprio jeito, tentando dar para ela um pouco mais de atitude do que a versão demo. Em 10 dias, eu já não estava mais na Suécia. Nós estávamos muito ocupados".

—Spears falando sobre a sua sensação ao ouvir a faixa-título.[1]

Nascida em McComb, Mississippi no dia 2 de dezembro de 1981, Spears fez a sua estreia nos palcos locais aos cinco anos, cantando "What Child is This?", de Johnny Mathis, em sua formatura do jardim de infância. Em uma entrevista, ela falou acerca de suas ambições quando criança: "Eu estava no meu próprio mundo. [...] Eu descobri o que queria fazer em uma idade precoce".[2][3] Aos oito anos, ela e sua mãe viajaram para Atlanta, Geórgia na intenção de fazer um teste para a nova versão do programa infantil The Mickey Mouse Club. O diretor de elenco Matt Casella rejeitou-a por ser muito jovem para fazer parte da série na época, mas enviou-a para Nancy Carson, uma agente de talentos nova-iorquina. Carson ficou impressionada com os vocais de Spears e sugeriu que ela fosse matriculada na escola Professional Performing Arts School; pouco depois, Lynne e suas filhas se mudaram para uma sublocação em Nova Iorque. Spears foi contratada para o seu primeiro papel profissional como substituta da então protagonista Tina Denmark no musical Ruthless!. Ela também apareceu como concorrente no popular programa televisivo Star Search e participou de numerosos comerciais.[4][5] Em dezembro de 1992, finalmente fez parte do The Mickey Mouse Club, mas retornou a Kentwood depois que o programa foi cancelado em 1994. Então, foi matriculada na Parklane Academy em McComb, Mississippi. Embora tenha feito amizades com grande parte de seus colegas de classe, ela comparou o colégio com "a cena inicial de Clueless com todos os grupinhos. [...] Eu estava muito entediada. Eu era a armadora do time de basquete. Tinha meu namorado, e fui aos bailes natalinos e formais. Mas eu queria mais".[3][6] Quando adolescente, Spears foi diagnosticada com transtorno do déficit de atenção com hiperatividade, e teve de tomar remédios prescritos para se tratar.[7]

Em junho de 1997, Spears estava negociando com o empresário Lou Pearlman a sua entrada no grupo feminino de música pop Innosense. Sua mãe, Lynne pediu a opinião do amigo da família e advogado de entretenimento Larry Rudolph e enviou-lhe uma fita demo de Spears cantando uma canção de Whitney Houston em um karaokê, além de algumas fotos. Rudolph decidiu enviá-la a gravadoras e, para isso, precisava de uma fita demo profissional. Ele entregou à Spears uma música não usada por Toni Braxton; ela ensaiou por uma semana e gravou seus vocais em um estúdio com um engenheiro de som. Spears viajou para Nova Iorque com a fita e encontrou-se com executivos de quatro gravadoras, retornando para a sua casa em Kentwood no mesmo dia. Três delas a rejeitaram, por acreditar que o público queria bandas pop como Backstreet Boys e Spice Girls, e que "não haveria outra Madonna, outra Debbie Gibson ou outra Tiffany". Duas semanas depois, executivos da Jive Records retornaram as ligações de Rudolph.[8] Jeff Fenster, vice-presidente sênior de A&R da gravadora, explicou o interesse: "É muito raro ouvir alguém com aquela idade que pudesse mostrar conteúdo emocional e apelo comercial. [...] Para qualquer artista, a motivação — o 'olho do tigre' — é extremamente importante. E Britney tinha".[3]

Gravação e composição[editar | editar código-fonte]

"Definitivamente. Quando assinei o contrato, estávamos tentando encontrar que tipo de material eu precisava, tentando começar, mas depois de seis meses, quando realmente comecei a perceber que precisava começar a escrever, já era tarde demais. Eles já tinham a maioria das músicas escolhidas para o álbum".

—Spears em uma entrevista , na qual explica a ausência de participações sua nas letras do álbum.[9]

Os executivos da Jive sugeriram que Spears trabalhasse com o produtor Eric Foster White por um mês, o que poderia transformar seu alcance vocal de "inferior e menos pop" para "[uma voz] distinta e inequivocamente Britney".[10] Após ouvir o material gravado, o presidente Clive Calder ordenou um álbum completo. Ela voou para os Cheiron Studios em Estocolmo, Suécia. Lá, a artista gravou metade do projeto entre março e abril de 1998, ao lado de produtores como Max Martin, Denniz PoP e Rami Yacoub.[3][11] Spears gravou dez canções com White, incluindo "Autumn Goodbye", "E-Mail My Heart", "From the Bottom of My Broken Heart", "I'm So Curious", "I Will Still Love You", "Soda Pop" e "Thinkin' About You".[12] Ela também regravou "The Beat Goes On", single lançado em 1967 por Sonny & Cher. O produtor responsabilizou-se pela gravação vocal e produção da faixa, enquanto o grupo musical inglês The All Seeing I encarregou-se da produção adicional.[12] Martin mostrou à Spears e sua gestão uma faixa intitulada "Hit Me Baby One More Time", que havia sido originalmente escrita para o grupo estadunidense TLC, o qual acabou rejeitando-a. Mais tarde, Spears declarou que sentiu-se animada quando a ouviu, e que sabia que seria um sucesso.[13] Embora não tenha participado da composição de nenhuma das faixas do álbum, a cantora opinou nas letras de algumas faixas, como "Born To Make You Happy", conforme explicou à Rolling Stone; "Pedi que mudassem a letra. Era uma música sexual. Eu disse: 'Isso pode ser um pouco constrangedor para mim'. Por causa da questão da imagem, não quero exagerar. Se eu for tachada de a Miss Prima Donna, isso não será inteligente. Quero crescer no meu tempo".[14] Ela havia inicialmente se imaginou desenvolvendo "uma música [similar a] de Sheryl Crow, mas mais jovem e mais contemporânea para adultos", mas ela foi motivada pelos produtores de sua gravadora a aderir a música pop, o que ela ficou feliz, dizendo: "Fazia mais sentido ir para o pop, porque eu posso dançar com isso- é mais [haver] comigo".[3] Ao analisar o projeto, Stephen Thomas Erlewine, do banco de dados AllMusic, descreveu sua sonoridade como uma "mistura de dance-pop contagiante com influências de rap e baladas suaves".[15] A jornalista Annie Zaleski, do Stereogum, sentiu "que Spears está experimentando diferentes personas sonoras para ver do que ela gosta, semelhante a alguém experimentando roupas diferentes antes de um encontro".[16] No âmbito lírico, a maioria de suas canções abordam temas como amor e relacionamentos do ponto de vista de um adolescente.[17]

Uma amostra de 20 segundos do refrão da música apresenta Spears cantando "Hit me, baby, one more time!"

Uma amostra de 22 segundos do refrão da música, onde Spears canta "I was 'Born to Make You Happy'"

Problemas para escutar estes arquivos? Veja a ajuda.

O álbum inicia-se com a faixa-título, uma canção dance-pop que incorpora elementos de deep-pop num ritmo de 93 batidas por minuto e mantém a presença constante do baixo e linhas de sons de guitarra wah-wah, num segmento sonoro que à Rolling Stones apontou como "semelhante à sons de máquinas de eletrocardiograma".[18][19] Em resumo, narra a história de uma menina que se separou do namorado e agora busca uma reconciliação. A maneira como o tema é tratado revela certa submissão, como evidente nos versos: "Eu não deveria ter deixado você ir / E agora você sumiu de vista, sim / Me mostre como você quer que as coisas sejam / Me diga, amor, porque eu preciso saber agora / Oh, porque/ E agora você está fora de vista / A razão do meu viver é você/ Garoto você me cegou".[n 1][20] Para Claudia Mitchell e Jacqueline Reid-Walsh, autoras de Girl Culture: Studying Girl Culture: A Reader's Guide (2008), a letra da canção "é um gesto em direção ao anseio [de Spears] pelo retorno de um ex-namorado".[21] Os versos da segunda faixa, "(You Drive Me) Crazy", remetem ao amor romântico. A canção se dirige a um homem que a deixa louca e sem sentidos: "Você me conduz a loucura, simplesmente não posso dormir / Estou tão excitada, tão profundamente / Ohh... louca, mas tudo certo / Baby, pensar em você me mantém acordada a noite inteira". Desaparecem as incertezas em relação a um amor perdido ou que se tem vontade de conquistar.[n 2][22] Musicalmente, é uma música dance pop com influências de R&B e rock misturados com instrumentais sintetizados.[23][24][23]

"Sometimes" é uma balada romântica sobre um coração partido.[17] A letra diz que a cantora realmente deseja ficar com o seu amado: "Tudo que eu realmente quero, é te abraçar forte/ Te tratar bem, estar com você dia e noite". Porém, o processo de aproximação deve acontecer no ritmo dela, cabendo ao homem entender e aceitar seus desejos: "Mas se você realmente me quer, vá com calma/ Há algumas coisas sobre mim que você precisa saber/ Às vezes eu corro/ Às vezes eu me escondo/ Às vezes eu tenho medo de você; Baby, tudo o que eu preciso é de tempo".[n 3][22] Sua producão combina 96 batidas por minuto com uma sonoridade que remete ao estilo bubblegum pop.[22][25] "Soda Pop" é uma canção que contém influências do bubblegum pop e dancehall e contém letras que referenciam a natureza viciante do refrigerante; "Abra um refrigerante, veja-o soltar gás e estourar / As horas estão passando e não podemos parar". Possui vocais de fundo fornecidos por seu co-escritor, Mikey Bassie.[18][26] Sustentada por um arranjo em progressão harmônica, "Born to Make You Happy" contém 88 batidas por minuto com alcance vocal entre o intervalo de uma oitava e ganchos repetitivos. Seu lirismo discorre sobre um relacionamento de uma mulher que está tentando desesperadamente consertar, sem entender direito o que deu errado e chegando à conclusão; "Não sei viver sem o seu amor / nasci para te fazer feliz".[n 4][27]

A sexta canção é "From the Bottom of My Broken Heart". É uma balada, cujo as letras abordam a perda do primeiro amor, que segue o seu ritmo em 76 batidas por minuto.[28][29][30] "I Will Be There" apresenta um riff de guitarra semelhante a "Torn" (1997), de Natalie Imbruglia, com um "um refrão vibrante e ressonante sobre proteger seu namorado (ou melhor amigo, ou animal de estimação)" como observado por Kyle Anderson, da emissora televisiva estadunidense MTV.[27] As duas faixas seguintes, "E-Mail My Heart" e "Thinkin' About You", são baladas que exibem o amor como tema.[18] A primeira citada é uma balada de piano sensível onde a protagonista canta: "Me mande um e-mail de volta / E diga que o nosso amor vai permanecer vivo".[n 5][27] Em "I Will Still Love You", Spears divide os vocais em dueto com Don Philip, sobre um amor eterno tão pesado que o encontro parece uma prisão perpétua.[26] Em termos musicais, é uma ode à música disco.[18] Para encerrar o disco, a artista realiza uma regravação de "The Beat Goes On", interpretada originalmente por Sonny & Cher em 1965. Aqui, o tema é retrabalhado com a sonoridade bossa nova e trip hop, o que foi comparado trilha sonoras de filmes de espionagem.[27][31][27]

Lançamento, arte e promoção[editar | editar código-fonte]

Spears apresentando "…Baby One More Time" durante a turnê Hair Zone Mall Tour (1999).

A promoção de ...Baby One More Time começou em maio de 1998, quando Spears tocou "...Baby One More Time", "Sometimes" e "You Got It All" no festival Singapore Jazz Festival.[32] Posteriormente, ela embarcou em uma turnê promocional patrocinada pela L'Oréal, intitulada Hair Zone Mall Tour, que visitou praças de alimentação de shoppings em toda a América do Norte de junho a agosto, onde cantava sucessos de seu álbum para que ao final do espetáculo seus fãs fossem estimulados a comprá-lo nas lojas do shopping, podendo receber autógrafos, brindes e tirar fotos com a cantora.[33] Em dezembro, o vídeo musical de "...Baby One More Time" apareceu pela primeira vez entre os mais solicitados pela audiência da MTV e The Box.[34] Nos Estados Unidos, o álbum em si foi originalmente programado para ser lançado em outubro de 1998, mas foi adiado para 12 de janeiro de 1999, devido a questões de marketing, com seu lançamento internacional ocorrendo nos três meses seguintes.[35] Sua distribuição inicial ocorreu nos formatos CD e fita cassete, enquanto sua edição em vinil só foi distribuída em 3 de novembro de 2017.[36][37][38] Para a foto que ilustra a capa do material foram selecionadas duas imagens distintas; a edição estadunidense do produto contém um fundo rosa, exibindo a artista de corpo inteiro, com as pernas dobradas e sustentando o corpo com as mãos. Spears, sorridente, usa uma saia curta, sapatos de salto alto, camiseta branca e colete vermelho, sem muita sofisticação. A qual a acadêmica Priscila Biancovilli, autora do artigo It's Britney bitch: O Poder da Mídia na Construção e Destruição de Celebridades, sentiu "como se tranmitisse a noção de que a cantora é uma adolescente normal, não muito diferente de qualquer menina da mesma idade". A segunda capa — estampada nas prensagens do restante do mundo —, possui fundo branco e uma foto de Spears em que aparece seu rosto e as mãos unidas como em uma prece. Ela veste uma camiseta branca — também sem maiores sofisticações —, e apresenta um semblante mais sério. Biancovilli opina; "Talvez a utilização da cor branca e das mãos unidas em frente ao rosto tenha como objetivo transmitir uma ideia de inocência, noção bastante explorada nas letras e videoclipes deste álbum".[39]

Spears apresentando "(You Drive Me) Crazy" em um show de sua residência em Las Vegas, Britney: Piece of Me, em fevereiro de 2016.

Spears continuou promovendo o disco nos programas Ricki Lake, The Howie Mandel Show, e foi apresentadora da 26.ª cerimônia dos American Music Awards antes do lançamento.[34] No entanto, após machucar o joelho em fevereiro, ela remarcou aparições em várias atrações, como The Tonight Show with Jay Leno e Live with Regis and Kathie Lee.[40] Além disso, ela apareceu no MTV Spring Break, da MTV, e no centésimo episódio de All That da Nickelodeon.[40] Depois de se recuperar, a cantora embarcou em outra programação promocional, aparecendo nos Kids' Choice Awards em 1º de maio, Live with Regis and Kathie Lee no dia 3, no FANatic da MTV em 12 de maio e no The Rosie O'Donnell Show em 25 seguinte.[41] Na Europa, visitou os programas alemães Wetten, dass..? e Top of the Pops em 25 de junho, bem como os britânicos This Morning, CD:UK e National Lottery.[42] Esteve no programa de variedades musicais Hey! Hey! Hey! Music Champ no Japão e no Festival Bar na Itália.[42] Em 24 de setembro, Spears apareceu em um episódio da série Sabrina, the Teenage Witch, exibida pela ABC, na qual interpretou a si mesma. De acordo com a revista People, tal aparição deu-se como uma forma da cantora retribuir um favor à atriz Melissa Joan Hart, que fez uma participação especial no videoclipe de "(You Drive Me) Crazy".[42] No mesmo mês, Spears retornou ao The Rosie O'Donnell Show, do dia 27, e visitou Carson Daly, no Total Request Live, da MTV, no dia seguinte.[43] Ela tocou ao vivo em um show ao lado de Joey McIntyre, que foi gravado e exibido pelo Disney Channel sob o nome Britney Spears & Joey McIntyre in Concert.[44] Em novembro, executou uma mistura de "...Baby One More Time" e "(You Drive Me) Crazy" na cerimônia daquele ano dos MTV Video Music Awards.[45] A promoção do projeto seguiu até o início de 2000, quando cantou uma mescla de "...Baby One More Time" e "From the Bottom of My Broken Heart" na 42.ª edição dos Grammy Awards, ocorrida em 23 de fevereiro.[46]

Em 5 de março de 1999, foi relatado que Spears estava planejando sua primeira turnê como atração principal, nomeada ...Baby One More Time Tour, que foi anunciada para iniciar em julho.[47] Em 12 de maio, Tommy Hilfiger foi divulgado como o seu principal patrocinador, já que a cantora estava aparecendo na campanha "AllStars" da empresa na época.[48] A extensão, intitulada Crazy 2k Tour, foi considerada um prelúdio para sua futura turnê mundial, Oops!... I Did It Again Tour.[49][50] O principal patrocinador dessa etapa foi a Got Milk?, cujo diretor de mídia Peter Gardiner explicou: "Britney tem uma magia entre as meninas adolescentes e esse é um alvo absolutamente crucial para o [consumo de] leite". A cantora filmou uma campanha publicitária para ser exibida antes do início de suas apresentações.[51] O patrocinador secundário foi a Polaroid, que lançou o I-Zone como a câmera oficial da turnê. De modo a promover ainda mais tal produto, em um determinado momento do show, ela o usava no palco para tirar fotos do público.[52] O concerto era dividido em segmentos, separados por interlúdios, e terminava com um bis.[53] O set list consistia em músicas de ...Baby One More Time e várias regravações.[53] Algumas mudanças foram feitas durante a etapa de 2000, com as regravações substituídas por canções de seu segundo álbum de estúdio, Oops!... I Did It Again (2000).[54] A turnê teve recepção positiva da crítica especializada; no entanto, a cantora foi acusada de realizar sincronia labial durante as apresentações, embora ela tenha negado tais alegações.[50] Em 20 de abril, o show realizado no Hilton Hawaiian Village em Honolulu, Havaí, foi gravado.[55] Contudo, ele foi ligeiramente alterado em relação à versão da turnê e apresentou figurinos diferentes. Em 5 de junho, a Fox o exibiu na íntegra, sendo reapresentado diversas vezes durante o ano.[56] Em 21 de novembro, a Jive Records liberou o filme-concerto Britney Spears: Live and More!, que incluía o especial supracitado.[57] Mais tarde, a Recording Industry Association of America (RIAA) reconheceu a venda de 300 mil unidades do produto em terras estadunidenses com a emissão de três certificados de platina.[58]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Crítica profissional[editar | editar código-fonte]

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
AllMusic 4 de 5 estrelas.[15]
Christgau's Consumer Guide Positivo[59]
Entertainment Weekly B+[60]
Los Angeles Times 2 de 5 estrelas.[61]
NME 1/10[62]
Q 2 de 5 estrelas.[63]
Rolling Stone 2 de 5 estrelas.[64]
Sputnikmusic 2/5[65]

...Baby One More Time recebeu análises geralmente mistas de críticos musicais especializados, em que alguns prezaram a sua produção e sua natureza pop, enquanto outros consideraram-no "prematuro". Stephen Thomas Erlewine, do banco de dados Allmusic, deu ao álbum quatro de cinco estrelas totais e comentou que nele está a mesma "mistura de dance-pop contagiante com influências de rap e baladas suaves" que impulsionou para o sucesso a banda New Kids on the Block e a cantora Debbie Gibson. Prezando, ainda, a produção de Martin, a quem considerou ter um "talento especial para refrões e melodias cativantes" e o singles que, somados ao carisma de Spears, "compensam a cota de preenchimento" presente em uma parte da obra.[15] Numa resenha para a sua página, Robert Christgau comentou que, no disco, Spears soa como uma "nova Madonna", especialmente em canções como "…Baby One More Time" e "Soda Pop", enquanto que Craig McDennis, do jornal The Hamilton Spectator, resumiu seu conteúdo como "um compêndio simples de soul/pop clichês, servido com um entusiasmo vertiginoso e acelerado que lembra Debbie Gibson".[59][66]

Kyle Anderson, editora da MTV News, revelou que "foi surpreendida em mais de uma maneira", desde a primeira vez em que ouviu …Baby One More Time, expressando que "esperava que houvesse um monte de coisas bobas para preenche-lo (mais ou menos existe), mas eu não esperava que fosse tão surpreendente (pelo menos sonoramente), como acabou sendo. Nunca houve qualquer mistério de saber por que Spears se tornou uma superestrela, mas essas músicas teriam provavelmente feito sucesso, mesmo se ela usasse sacos de estopa em todos os seus vídeos".[27] Em matéria para a revista Billboard, Paul Verna descreveu o disco como "um aperitivo de futuros sucessos das paradas musicais, recheado de elementos extraídos da faixa-título".[67] Beth Johnson, da revista britânica Entertainment Weekly, observou que a cantora "soa como a irmã mais nova dos Backstreet Boys", o que em sua opinião "não foi surpreendente depois que, o criador de sucessos, Max Martin escreveu para ela uma [música de] estreia de sucesso".[60] Dando duas estrelas de cinco totais, Nathalie Nichols, do jornal Los Angeles Times, emitiu uma revisão mista a obra, definindo seu escopo como sendo formado por "músicas dançantes animadas, baladas sem emoção e uma canção de Sonny & Cher atualizada", ao mesmo tempo em que "remete a Madonna e Mariah Carey nos anos 1980".[61]

Emitindo a mesma classificação, Barry Walters, da Rolling Stone, opinou que a sonoridade do projeto remete aos "dias de glória de Samantha Fox", enquanto "evocam o pior de Debbie Gibson, mesmo quando Spears imita as táticas [vocais] de sua ídola Mariah Carey". Acrescentando que as canções "criadas pela Cherion servem refrões robustos, músicas lentas e desavergonhadas, como "E-Mail My Heart", que são bobagens pura".[64] Amanda Murray, da Sputnikmusic, entregou uma nota 2 de 5 para …Baby One More Time a qual descreveu como sendo — "com exceção da fantástica faixa-título —, um apunhalado de canções pop bem escritas e executadas de forma nada impressionante ou de canções pop escritas de forma nada impressionante e executadas com competência".[65] Um revisor da revista britânica NME avaliou o conjunto de forma negativa, atribuído-lhe uma nota 1 de 10 e refletindo; "Parece que chegamos a um ponto de crise: a música pop adolescente é agora tão onipresente que Britney Spears, de 17 anos, está na metade de sua lucrativa carreira no showbiz". O profissional também considerou o lançamento do álbum prematuro, prevendo: "Adianto que quando ela vier a viver a vida miserável que todos acabamos vivendo, sua voz ficará com cicatrizes, ela deixará de parecer tão presunçosa, encontrará consolo nas drogas, e nós ficaremos ainda mais felizes por ela. Agora cresça, menina. Rápido!".[62]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Em 1999, ...Baby One More Time venceu o prêmio de melhor álbum nos Teen Choice Award, enquanto nos Juno Award faturou uma indicação não vitoriosa a Álbum Mais Vendido (estrangeiro ou nacional).[68][69] Contudo, a artista recebeu o troféu de Artista Feminina de Álbuns do Ano nos Billboard Music Award.[70] No ano seguinte, o trabalho foi nomeado a Álbum pop/rock Favorito e CD Favorito, nos American Music Awards e Blockbuster Entertainment Award, respectivamente, não conquistando nenhum.[71] A obra ainda rendeu duas indicações a intérprete durante a 42.ª edição dos Grammy Awards; Artista Revelação, a qual perdeu para Christina Aguilera, e Melhor Performance Pop Vocal Feminina, com a faixa-título do disco perdendo para "I Will Remember You (Live)", de Sarah McLachlan.[72][73]

Singles[editar | editar código-fonte]

Spears ladeada de alguns de seus dançarinos enquanto canta "...Baby One More Time" durante a turnê Femme Fatale Tour, 2011

A faixa-título foi lançada como o primeiro single de ...Baby One More Time e da carreira de Spears em 10 de setembro de 1998.[36][17] Recebeu críticas geralmente favoráveis da mídia especializada, a qual prezou sua composição, seu som e sua produção.[74][75] Em retrospecto, foi listada como uma das 500 melhores canções de todos os tempos pela revista Rolling Stone e qualificada pelo canal VH1 como a segunda melhor canção dos anos 1990.[76][77] No âmbito comercial, converteu-se em um enorme sucesso na maior parte do mundo; culminou nas tabelas musicais de 20 países, incluindo os mercados musicais mais importantes como Alemanha, Austrália, Canadá, França e Reino Unido.[17][78][79] Nos Estados Unidos, tornou-se a primeira canção da cantora a liderar a Billboard Hot 100, onde permaneceu por duas semanas consecutivas.[80] Mundialmente, comercializou mais de dez milhões de unidades, sendo um dos singles mais vendidos de todos os tempos.[81] O vídeo musical correspondente foi dirigido por Nigel Dick e lançado em novembro de 1998.[82] Apresenta cenas de Spears como uma estudante do ensino médio que começa a cantar e dançar pela escola, enquanto observa de longe seu interesse amoroso.[39]

"Sometimes" foi lançado como o segundo single do álbum em 6 de abril de 1999.[83] Críticos reagiram de forma positiva a mesma, citando sua produção e mensagem lírica como destaques.[84][85] Embora tenha falhado em superar o tremendo sucesso de seu predecessor, a faixa teve um desempenho comercial positivo em todo o mundo, ocupando o 2.º lugar na Austrália e o 3.º no Reino Unido, porém na Billboard Hot 100 foi um sucesso moderado e alcançou apenas o 21.º lugar.[86][79][80] O videoclipe que acompanha a música foi dirigido por Dick.[87] Durante os ensaios, em 11 de fevereiro de 1999, a cantora lesionou o joelho esquerdo e precisou de uma cirurgia.[88] Depois de passar por um período de recuperação em Kentwood, Louisiana, o vídeo foi filmado de 9 a 10 de abril em Malibu, Califórnia.[89] Ele estreou no Total Request Live da MTV em 6 de maio.[87] A estética da gravação remete a uma atmosfera de pureza e inocência, de forma ainda mais intensa que no vídeo anterior. Com imagens de Spears e seus dançarinos, todos de branco, coreografando sobre um píer em uma praia. Outras partes exibem-na ora sentada na areia, observando o homem querido, ora segurando uma bola grande de brincadeiras infantis, ora no gramado, posicionada sobre um pano de piquenique.[22]

Em maio de 1999, Martin e a cantora regravaram os vocais de "(You Drive Me) Crazy", para uma versão reproduzida com o subtítulo "The Stop! Remix", que foi incluída na trilha sonora do filme de comédia romântica Drive Me Crazy (1999).[36] O remix foi liberado, em 23 de agosto, como a terceira música de trabalho de ...Baby One More Time.[36] Os críticos musicais a receberam de forma positiva, alguns dos quais elogiaram sua fórmula simples e notaram semelhanças com "...Baby One More Time".[90][91] A composição obteve um desempenho comercial moderado, listando-se nas cinco primeiras colocações de países como Canadá, França e Reino Unido.[17][79][92] Nos Estados Unidos, tornou-se o segundo tema de Spears a aparecer no top dez da Billboard Hot 100, onde alcançou a décima posição.[80] Seu vídeo musical correspondente foi também dirigido por Dick e debutou em 18 de julho, no programa Making the Video da MTV.[23][93] O início da produção mostra a cantora e suas dançarinas fantasiadas de garçonete em um bar, cada uma com uma bandeja e uma garrafa de bebida (supostamente alcoólica). Em seguida dirige-se até o camarim para pentear os cabelos e trocar de roupa, junto com um grupo de meninas. O restante do clipe a exibe dançando e cantando no palco de um bar, seguida por uma equipe de dançarinos – com uma placa de luzes ao fundo.[22]

Lançado exclusivamente na Europa, "Born To Make You Happy" foi liberado em 6 de dezembro como o quarto foco de promoção do projeto.[17][36] Como parte de sua recepção crítica, foi prezado como "um clássico prematuro" enquanto outros criticaram a mensagem da música.[94][95] Obteve sucesso em toda a Europa, liderando as paradas na Irlanda e no Reino Unido e alcançando o top cinco em 15 países, incluindo Áustria, Bélgica, Itália e Suíça.[17][96][79][97] O videoclipe que o acompanha, dirigido por Bille Woodruff, narra um sonho da cantora, onde ela se reencontra com seu namorado, enquanto canta e dança em ambientes futuristas.[98] Em 15 do mesmo mês, "From the Bottom of My Broken Heart" se tornou o quarto e último single na América do Norte e Oceania.[17][36] A canção recebeu críticas mistas, que prezaram seu potencial para o sucesso, apesar de considerá-la nada especial como outras baladas do álbum.[99][100] Por causa de seu lançamento direcionado a poucos mercados, alcançou resultados moderados, constando nas quinze primeiras ocupações da Billboard Hot 100.[80] Dirigido por Gregory Dark, seu vídeo retrata a intérprete arrumando seus pertences enquanto se prepara para se mudar de casa, sentindo-se chateada porque sabe que ficará distante de seu primeiro amor.[101] Tornou-se motivo de polêmica entre a imprensa, que criticou a cantora por contratar um cineasta de filmes adultos para dirigi-la. Seu assessor de imprensa exclareceu que ela não tinha ciência do envolvimento de Dark nesse tipo de trabalho.[101]

Impacto e legado[editar | editar código-fonte]

"O álbum lançou mais do que apenas uma única estrela — com Spears, inaugurou uma era inteira de tudo, desde classificações da realeza pop ao caos dos paparazzi e mudanças de atitudes sobre feminilidade e doenças mentais. Tanta coisa que conhecemos e falamos sobre a música pop e o assunto ao redor dos tablóides foi influenciado em parte por Spears".

—Steffanee Wang, da revista Nylon.[102]

Spears se tornou um ícone internacional da cultura pop imediatamente após o lançamento de ...Baby One More Time e da canção de mesmo nome. A Rolling Stone a considerou "inquestionavelmente uma das cantoras mais controversas e bem-sucedidas do século XXI" e que, com o álbum, ela "provou que veio para ficar".[103] Pensamento ecoado por Dave Holmes, da Esquire, que, após 20 de seu lançamento, sentiu que o mesmo "deu início à última mega tendência dominante da monocultura".[104] O Los Angeles Daily News observou que a obra tornou a cantora "a adolescente mais famosa do mundo" na época.[104] Barbara Ellen, do The Observer, relatou: "Spears é notoriamente uma das mais maduras adolescentes que já existiram. [...] Em termos de foco e determinação. Muitos jovens de 19 anos ainda nem começaram a trabalhar, ao passo que Britney, ex-Mouseketeer, era o mais incomum e volátil dos fenômenos americanos — uma criança com uma carreira em tempo integral. Enquanto outras meninas colocavam pôsteres em suas paredes, Britney queria ser o pôster na parede. Enquanto outras crianças se desenvolvem em seu próprio ritmo, Britney estava se desenvolvendo em um ritmo definido pela ferozmente competitiva indústria do entretenimento americana".[105] Escrevendo para o canal Logo TV, Lester Fabian Brathwaite elaborou: "Imagine se o primeiro álbum de Michael Jackson fosse Thriller (1982). Se ele simplesmente aparecesse, aparentemente do nada, com "Beat It" e se tornasse um superstar instantâneo. Isso é o que …Baby One More Time foi para Spears. Ela foi um sucesso na primeira tentativa".[106]

O apelo de ...Baby One More Time sobre os adolescentes da época foi notado pela mídia. Para a Billboard, Spears redefiniu a forma como a música popular era percebida por esse público no fim dos anos 1990, escrevendo; "Talvez para jovens queer em busca de referências, Madonna tenha sido uma para a geração passada; as Spice Girls eram ídolos, mas não exatamente realistas. Foi a primeira vez que a geração Y — qualquer pessoa entre 5 e 19 anos em 1998 —, realmente ouviu alguém articular um dos nossos sentimentos com tanta maturidade e ressonância emocional". A revista, ainda, notou que enquanto grupos pop anteriores como New Kids on the Block e Spice Girls "priorizavam personalidades coloridas e músicas cativantes", com Spears "todo esse apelo foi condensado e ampliado, em uma única garota, a qual várias meninas da mesma idade poderiam se identificar", acrescentando: "Em 1999, Britney não se sentia uma celebridade, mas a melhor amiga de uma garota, ou uma irmã mais velha [delas]".[107] Para John Seabrook, autor do livro The Song Machine, "este foi um evento muito significativo na história do pop: o surgimento de Spears como uma espécie de adolescente vizinha, em vez do modelo diva ao estilo Whitney Houston".[107] O jornal britânico The Economist avaliou; "Depois de uma década de rap, rave e rock alternativo, aqui estava algo que tocou direto no coração e na angústia emocional dos adolescentes, oferecido por uma jovem cantora acessível".[108] O editor do The Guardian, Michael Cragg ainda comparou a repercussão do lançamento com outros artistas contemporâneos, nomeadamente Alanis Morissette, sentindo que Spears "apresentou um ângulo diferente da ideia predominante de angústia feminina; esse era um desejo gloriosamente OTT de uma adolescente, encapsulado por uma letra — "Minha solidão está me matando" —, que parece deprimente e perene: 'A música toda é sobre o estresse que todos nós passamos quando adolescentes', considera a cantora".[109]

Com ...Baby One More Time, Spears liderou a ascensão do pop adolescente na indústria da música no fim dos anos 1990, o que ajudou a impulsionar a carreia de várias artistas femininas, como Jessica Simpson (esquerda) e Mandy Moore (direita).

O sucesso do álbum e de sua canção homônima também foram creditados por reviverem uma vertente mais dançante da música pop nas paradas musicais, conforme Osmar Portilho, do portal brasileiro UOL, explicou; "Abriu portas para a ascensão de uma vertente mais dançante do pop, que, em 1998, era dominado por baladas nas vozes de potentes cantoras. Com Britney, "...Baby One More Time" mostrava uma possibilidade diferente ao gênero, com uma voz mais sussurrada e um tom que agradava aos adolescentes".[110] Analisando a faixa homônima, Cragg escreveu: "Junto com seu igualmente icônico videoclipe ambientado no ensino médio, ela renovou o pop, dando início a um novo som, varrendo de lado os resíduos do grunge e do rock no coração dos EUA, revitalizando as rádios pop e a MTV no processo, antes de consolidar seu compositor e co-produtor Max Martin como um dos expoentes mais influentes da música moderna. No espaço de apenas três minutos e 31 segundos, Spears lançou o pop adolescente millennial, fundindo a diversão familiar e da vizinhança com a boa e velha controvérsia, forjando um modelo para aqueles que a seguiram".[109] Escrevendo para a estação de rádio WRBB, Emma Turney expressou: "Tudo na estreia de Britney significa o início de uma longa carreira, não apenas de um grande disco. [...] Durante todo o tempo '…Baby One More Time fica claro que Britney e sua equipe estavam ansiosos pelo futuro da música pop, e não apenas por recriar os mesmos padrões".[111]

Spears foi creditada por ter começado inadvertidamente e aberto o caminho para a ascensão feminina no pop adolescente entre o final da década de 1990 e início dos anos 2000. Cantoras como Christina Aguilera, Jessica Simpson e Mandy Moore, embora já estivessem desenvolvendo material em 1998, debutaram com sucesso após o êxito de ...Baby One More Time e de seus singles em estabelecer o estilo nas paradas musicais.[112][113][114] A revista Nylon apontou que, sua ascensão, "ajudou a estabelecer um novo padrão para o estrelato pop feminino. Spears abriu as comportas para um novo rebanho de artistas: jovens estrelas pop, em sua maioria brancas, muitas vezes loiras, altamente sexualizadas".[102] Na opinião de Cragg, sem o sucesso da cantora, "não existiria Aguilera, nem Katy Perry, nem Charli XCX; Taylor Swift provavelmente ainda estaria cantando músicas country, e Eminem – que chegou em 1999 –, não teria tanto contra o que reclamar". Ele também explanou que, esta dominância, deu ao pop adolescente "sua porta-voz" feminina.[109] Além das citadas, a ascensão de Spears, bem sua sonoridade e o estílo visual, serviu como uma "fórmula" de sucesso que tentou ser emulada por outras cantoras como Willa Ford,[115] Vitamin C e Billie Piper,[116][117] assim como a brasileira Kelly Key.[118][119] Em 2003, foi reconhecido pelo Livro Guinness dos Recordes como o álbum mais vendido de todos os tempos por um artista adolescente em carreira solo.[120] A este respeito, Melissa Ruggieri, do Richmond Times-Dispatch, relatou que "antes de completar 20 anos em 2001, Spears já havia vendido mais de 25 milhões de álbuns em todo o mundo".[121]

Alinhamento de faixas[editar | editar código-fonte]

...Baby One More Time – Edição estadunidense[12]
N.º TítuloCompositor(es)Produtor(es) Duração
1. "...Baby One More Time"  Max Martin
3:30
2. "(You Drive Me) Crazy"  
  • Magnusson
  • Kreuger
  • Martin
3:17
3. "Sometimes"  Elofsson
  • Magnusson
  • Kreuger
  • Elofsson[a]
4:05
4. "Soda Pop"  
  • Mikey Bassie
  • Eric Foster White
White 3:20
5. "Born to Make You Happy"  Lundin 4:03
6. "From the Bottom of My Broken Heart"  WhiteWhite 5:11
7. "I Will Be There"  
  • Martin
  • Carlsson
  • Martin
  • Rami
3:53
8. "I Will Still Love You" (com participação de Don Philip)WhiteWhite 4:02
9. "Thinkin' About You"  
  • Bassie
  • White
White 3:35
10. "E-Mail My Heart"  WhiteWhite 3:41
11. "The Beat Goes On"  
  • White
  • The All Seeing I[b]
3:43
Duração total:
42:20
Notas
  • As primeiras edições do álbum apresentam uma mensagem falada por Spears escondida após "The Beat Goes On". Nele, a cantora agradece aos fãs e divulga Millennium, o então próximo álbum dos Backstreet Boys, com trechos de músicas presentes nele.[27]
  • "Soda Pop" apareceu originalmente na trilha sonora da série de televisão, Sabrina the Teenage Witch (1998), em uma versão um pouco mais longa.[128]
  • ↑a significa um co-produtor
  • ↑b significa um produtor adicional
  • ↑c significa um remixer

Equipe e colaboradores[editar | editar código-fonte]

Todo o processo de elaboração de ...Baby One More Time atribui os seguintes créditos:[12]

  • Mikey Bassie: vocais (faixa 4)
  • Daniel Boom: engenharia de som
  • Jimmy Bralower: programação de bateria
  • Jason Buckler: produção musical
  • Larry Busacca: fotografia
  • Andreas Carlsson: vocais de apoio
  • Tom Coyne: masterização
  • Denniz Pop: produção musical (não creditado)[11]
  • Nikki Gregoroff: vocais de apoio
  • Nana Hedin: vocais de apoio
  • Andy Hess: baixo
  • Dean Honer: produção musical
  • David Kreuger: produção musical
  • Tim Latham: engenharia de som, mixagem
  • Tomas Lindberg: baixo
  • Kristian Lundin: produção musical
  • Per Magnusson: teclados, produção, programação
  • Max Martin: vocais de apoio, engenharia de som, teclados, mixagem, produção, programação
  • Charles McCrorey: assistência de engenharia de som
  • Andrew McIntyre: guitarra elétrica
  • Jackie Murphy: direção de arte, design
  • Lisa Peardon: fotografia
  • Dan Petty: violão, guitarra elétrica
  • Doug Petty: teclados
  • Don Philip: vocais (faixa 8)
  • Rami: produção musical
  • Albert Sanchez: fotografia
  • Aleese Simmons: vocais de apoio
  • Britney Spears: vocais
  • Chris Trevett: engenharia, mixagem
  • Eric Foster White: arranjo, baixo, programação de bateria, guitarra elétrica, engenharia de som, teclados, mixagem, produção
  • Timothy White: fotografia

Desempenho comercial[editar | editar código-fonte]

Nos Estados Unidos, país nativo de Spears, na edição de 30 de janeiro de 1999, ...Baby One More Time debutou diretamente no topo da Billboard 200. Isso, após vender 120 mil e 500 cópias em sua primeira semana no país e após desbancar Flesh of My Flesh, Blood of My Blood, do rapper DMX, que nele permanecia nas últimas quatro semanas consecutivas.[129] Ao mesmo tempo, naquela atualização, " ...Baby One More Time " subiu para o primeiro lugar na Billboard Hot 100. Com isso, Spears converteu-se no primeiro artista a ocupar o cume simultaneamente de ambas as tabelas musicais mais importantes da nação com um álbum e single de estreia desde que a dupla Kris Kross o fez em 1992.[130] Embora seu então único single tenha permanecido firme na liderança da Billboard Hot 100 na atualização seguinte, a estreia de Made Man, de Silkk The Shocker, forçou ...Baby One More Time a ceder a posição máxima na Billboard 200.[131] No entanto, uma semana depois, veio arrebatá-lo novamente de Chyna Doll, de Foxy Brown, e permaneceu lá por mais duas edições.[132] Em 13 de março, a estreia de FanMail, de TLC, o deslocou do posto, a qual manteve durante as suas primeiras quatro semanas.[133] Até que, em 10 de abril, ...Baby One More Time conseguiu recuperar novamente o ápice do períodico, impedindo que The Slim Shady LP, de Eminem, ocupasse essa posição.[134]

...Baby One More Time superou Blue (1996), de LeAnn Rimes, (foto) como álbum de estúdio mais vendido por um artista adolescente em carreira solo nos Estados Unidos.[135]

Posteriormente, na semana de 24 de abril de 1999, a estreia de I Am..., de Nas, o empurrou para a segunda coloção da Billboard 200.[136] Embora, desde então, ...Baby One More Time não tenha ocupado a lideraça novamente, nos meses seguintes, rapidamente se tornou o álbum de estúdio mais vendido por um artista adolescente em carreira solo na história dos Estados Unidos. Tal feito o fez ultrapassar Blue, de LeAnn Rimes, que após ter sido lançado em 1996, já havia vendido 5 milhões de cópias no país.[135] Em suma, ...Baby One More Time passou seis semanas no topo do períodico, a permanência mais longa nessa posição desde que a trilha sonora do filme Titanic (1998) a ocupou por dezesseis atualizações.[137][138] Embora Spears voltasse a listar-se nesta posição com cinco de seus próximos seis discos de estúdio — Oops!... I Did It Again (2000), Britney (2001), In the Zone (2003), Circus (2008) e Femme Fatale (2011) —, todos ficariam por apenas uma semana cada, resultado de suas respectivas estreias.[139][140] Ao todo, ...Baby One More Time totalizou 50 semanas entre os dez primeiros colocados da tabela, um feito que, no âmbito dos discos de estreia de artistas femininas, até então só foi superado por Forever Your Girl (1988), de Paula Abdul, que permaneceu por 64 semanas, desde que foi lançado em 1988.[141] Além disso, no mesmo ranking, foi, ainda, reconhecido como o 16.º álbum feminino com melhor desempenho de todos os tempos.[142]

Em 9 de dezembro de 1999, a obra foi certificada como diamante (10x platina) pela Recording Industry Association of America (RIAA), denotando 10 milhões de réplicas comercializadas em território estadunidense; tal valor converteu Spears, então com 18 anos, na artista mais jovem a alcançar esse nível de certificação, quebrando o recorde de Alanis Morissette, que tinha 21 anos quando seu álbum Jagged Little Pill (1995) foi reconhecido com diamente pela organização.[143] Foi o 14.º disco a comercializar essa quantia no país desde o ínicio das operações da Nielsen SoundScan em 1991, sagrando-se, ainda, como o segundo mais adquirido do ano e Spears na artista feminina que mais vendeu no período.[144][145][146] Em 19 de julho de 2004, a certificação foi atualizada para 14 vezes platina, denotando vendas de 14 milhões de exemplares, o que o converteu no 81.º álbum mais adquirido durante toda a primeira década dos anos 2000 e um dos mais vendidos de todos os tempos na região.[147][148][149] De acordo com a SoundScan, 10 milhões e 7 mil cópias já foram consumidas da obra até maio de 2020, somadas as que foram realizadas nas lojas de música da BMG, esse total se eleva para 12 milhões e 300 mil unidades.[150][151] De referir que ...Baby One More Time foi também um dos últimos álbuns a vender mais de um milhão de cópias em formato cassete.[152]

Por sua vez, no Canadá, manteve-se no posto máximo durante nove semanas em 1999, o que, no mesmo ano, o levou a receber a certificação de diamante emitida pela associação Music Canada (MC), como acreditação de vendas legais de 1 milhão de cópias na região.[153][154][155] Mais tarde, seu sucesso abrangeu também o resto da América, onde ...Baby One More Time foi certificado por suas altas vendas pelas associações musicais da Argentina,[156] México e, especialmente, Brasil, país no qual a Pro-Música Brasil (PMB) reconheceu 250 mil unidades faturadas no território com um certificado de ouro.[157][158] De forma semelhante, na Oceânia, o trabalho estreou no terceiro posto da tabela de discos da Nova Zelândia.[159] Ao mesmo tempo, na Austrália, o maior mercado musical do continente, estreou no nono lugar, movendo-se para o número dois nove semanas depois.[160] Com a consolidação de suas vendas, foi reconhecido como o 7.º disco mais comprado na nação em 1999.[161] Foi posteriormente certificado com platina quádrupla e platina tripla pelas organizações de vendas de ambas as regiões, respectivamente, representando 140 mil cópias na Austrália pela Australian Recording Industry Association (ARIA) e 45 mil na Nova Zelândia pela Recorded Music NZ (RMNZ).[162][163]

Ao mesmo tempo, na Europa ...Baby One More Time subiu rapidamente nos rankings semanais de vendas de álbuns no continente e permaneceu, durante muitas semanas, entre os dez mais vendidos em quase todos os países da região, incluindo a Alemanha,[160] Áustria,[164] as regiões de Flandres e Valónia da Bélgica,[165][166] França,[167] Irlanda,[168] Portugal,[169] Suécia e Suíça.[170][171] Ao todo, as suas vendas legais em solo europeu superaram 4 milhões e 59 mil réplicas, dos quais foram reconhecidos com quatro certificados de platina pela International Federation of the Phonographic Industry (IFPI), em 2000.[172][173] No continente, permanece como o disco de maior sucesso comercial da intérprete e o sexto mais vendido em 1999.[173] Em terras britânicas, o trabalho debutou no oitavo posto do UK Albums Chart em 20 de março, movendo-se para a segunda colocação em 5 de fevereiro de 2000 — quase um ano depois de sua estreia na tabela —, que foi o seu melhor resultado.[174] Desde então, a British Phonographic Industry (BPI) reconheceu-o com quatro certificações de platina e, de acordo com a Official Charts Company, foram adquiridas mais de 1 milhão e 200 mil unidades no território.[175][176] Ao todo, cerca de 30 milhões de cópias da obra foram comercializadas em todo o mundo, tornando-se um dos álbuns que mais venderam de todos os tempos e o mais vendido do catálogo de Spears.[177]

Histórico de lançamento[editar | editar código-fonte]

Datas de lançamento e formatos para ...Baby One More Time
Região Data Formato(s) Edição Gravadora Ref.
Estados Unidos 12 de janeiro de 1999 (1999-01-12) Padrão Jive [37]
Japão 24 de fevereiro de 1999 (1999-02-24) CD Deluxe Avex Trax [239]
Alemanha 8 de março de 1999 (1999-03-08) Padrão BMG [240]
Reino Unido
  • Cassete
  • CD
Jive [241][242]
Argentina 17 de março de 1999 (1999-03-17) CD EMI [243]
França 9 de abril de 1999 (1999-04-09) Jive [244]
Austrália 23 de novembro de 1999 (1999-11-23) Deluxe BMG [160]
Polônia 8 de maio de 1999 (1999-05-08) Download digital
Alemanha 30 de junho de 1999 (1999-06-30) CD
França 14 de outubro de 1999 (1999-10-14) Jive
Estados Unidos 25 de dezembro de 1999 (1999-12-25) Download digital [248]
3 de novembro de 2000 (2000-11-03) Vinil (exclusivo para o Urban Outfitters) Padrão Legacy [38]
Vários 28 de novembro de 2018 (2018-11-28)
  • Vinil
  • Cassete de cor rosa
(exclusivo para a Target)
[249]
Austrália 31 de março de 2023 (2023-03-31) Vinil de cor rosa opaco Sony [250]
Alemanha [251]
México [252]
Polônia [253]
Reino Unido [254]
Estados Unidos Vinil preto Legacy [255]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. No original: " I shouldn't have let you go / And now you're out of sight, yeah / My loneliness is killing me (and I) / I must confess I still believe (still believe) / When I'm not with you I lose my mind / Give me a sign / The reason I breathe is you / Boy you got me blinded"
  2. No original: "You drive me crazy, I just can't sleep / I'm so excited, I'm in too deep / Oh, crazy, but it feels alright / Baby, thinking of you keeps me up all night"
  3. No original: "All I really want is to hold you tight"", "Treat you right, be with you day and night" e "But if you really want me, move it slow / There're things about me you just have to know / Sometimes I run / Sometimes I hide / Sometimes I'm scared of you / Baby, all I need is time"
  4. No original: "I don't know how to live without your love / I was born to make you happy".
  5. No original: "E-mail me back and say our love will stay alive"

Referências

  1. Taylor, Chuck (23 de outubro de 1998). «Jive's Britney Spears Sets Top 40 Abuzz With Rhythm-Leaning 'Baby One More Time'». Billboard. 110 (43). 80 páginas. ISSN 0006-2510. Consultado em 27 de dezembro de 2014 
  2. Thomas, Liz (17 de setembro de 2008). «Exclusive: First photos of Britney Spears' newly-discovered British family». Daily Mail (em inglês). Daily Mail and General Trust. Consultado em 30 de setembro de 2014 
  3. a b c d e Daly, Steven (15 de abril de 1999). «Cover Story: Britney Spears: Britney Spears : Rolling Stone». Rolling Stone 
  4. Spears & Craker 2008, p. 75
  5. Laufenberg 2005, p. 616
  6. Mundy, Chris (25 de maio de 2000). «Cover Story: The Girl Can't Help It». Rolling Stone. ISSN 0035-791X 
  7. Nathan, Sara (5 de junho de 2012). «X Factor judge Britney Spears' regular breaks during auditions due to suffering from ADHD». Daily Mail (em inglês). Daily Mail and General Trust. Consultado em 30 de setembro de 2014 
  8. Hughes 2005, p. 145
  9. Bliss, Karen (25 de outubro de 2018). «Read an Interview With a 17-Year-Old Britney Spears: 'Oh My Goodness, These Guys Are, Like, Old'» (em inglês). Variety. Consultado em 23 de maio de 2019 
  10. Hughes 2005, p. 147
  11. a b Seabrook 2015, p. 82
  12. a b c d (1999) Créditos do álbum ...Baby One More Time por Britney Spears. Jive Records (01241-41651-21).
  13. Ray W. Keziah (apresentador). E! Entertainment Special: Britney Spears. No minuto 60. E! 
  14. Steve Daly (15 de abril de 2019). «Britney Spears, Teen Queen». Rolling Stone (em inglês). Wenner Media LLC. Consultado em 22 de agosto de 2018 
  15. a b c Erlewine, Stephen Thomas (12 de janeiro de 1999). «Britney Spears ...Baby One More Time – Album Review» (em inglês). Rovi Corporation. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  16. Zaleski, Annie (14 de janeiro de 2019). «…Baby One More Time Turns 20» (em inglês). Stereogum. Consultado em 23 de maio de 2019 
  17. a b c d e f g h Toxic, Deive (14 de janeiro de 2019). «Crítica de …Baby One More Time de Britney Spears». Blogmistermusic (em espanhol). Consultado em 1 de maio de 2017 
  18. a b c d Thiago Nolla (22 de novembro de 2019). «Crítica: Britney Spears faz sua estreia impactante na música com o lendário álbum …Baby One More Time». CinePOP (em inglês). Consultado em 5 de março de 2019 
  19. Leonardo Campos (5 de julho de 2017). «Crítica: Britney Spears ––– …Baby One More Time». Plano Crítico (em inglês). Consultado em 5 de março de 2019 
  20. Biancovilli 2008, p. 34
  21. Mitchell & Reid-Walsh 2008, p. 547
  22. a b c d e Biancovilli 2008, p. 35
  23. a b c Vena, Jocelyn (16 de novembro de 2009). «Britney Spears Wanted '(You Drive Me) Crazy' Video To Take Her 'To The Next Level'» (em inglês). MTV Networks. Viacom. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  24. Andy, Bennet; Peterson, Richard A. (Junho de 2004). «Music Scenes: Local, Translocal and Virtual» (em inglês). Para ver as informações sobre "(You Drive Me) Crazy", acesse as páginas 92 e 93 do livro. Vanderbilt University Press 
  25. Ryan, Chris (15 de setembro de 2010). «Snooki Lip-Synchs To Britney Spears' 'Sometimes'». MTV. MTV Networks. Consultado em 6 de março de 2011 
  26. a b Eve Barlow (11 de janeiro de 2018). «Britney Spears's …Baby One More Time Is Weirder Than You Remember». Vulture (em inglês). New York Media LLC. Consultado em 5 de março de 2019 
  27. a b c d e f g Anderson, Kyle (3 de março de 2010). «Britney Spears Goes Back To Her Schoolgirl Days For The First Installment Of 'Popology'». MTV. MTV Networks. Consultado em 5 de março de 2011. Arquivado do original em 12 de outubro de 2013 
  28. «From the Bottom of My Broken Heart by Britney Spears». Yahoo! Music. Consultado em 4 de março de 2011 
  29. Ryan, Chris (28 de setembro de 2009). «Vintage Video: Britney Spears Flashback». MTV. MTV Networks. Consultado em 25 de dezembro de 2010 
  30. «Britney Spears From The Bottom Of My Broken Heart – Digital Sheet Music». Music Notes. Universal Music Publishing Group. Consultado em 15 de novembro de 2010 
  31. Stevenson, Jane (17 de janeiro de 1999). «Britney Spears' debut rather lackluster». Toronto Sun. Mike Power. Consultado em 3 de setembro de 2011. Arquivado do original em 8 de junho de 2013 
  32. Stern, Bradley (2 de junho de 2016). «Excluusive: Britney's 1998 Showcase in Singapore» (em inglês). MuuMuse. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  33. Furtado 2018, p. 37
  34. a b Hermanson, Wendy (22 de dezembro de 1998). «Britney Spears: New Teen Queen?» (em inglês). Yahoo! Music News. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  35. Blandford 2002, p. 30
  36. a b c d e f BRITannica. «Making BRITstory» (em inglês). Britney.com. Sony Music Entertainment. Consultado em 9 de julho de 2019 
  37. a b «Britney Spears – Baby One More Time» (em inglês). Amazon Music. 12 de janeiro de 1999. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  38. a b Shcherbakova, Liza (14 de agosto de 2017). «Britney Spears' '...Baby One More Time' Is Coming Out On Pink Vinyl» (em inglês). Billboard. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  39. a b Biancovilli 2008, p. 33
  40. a b Rosen, Craig (4 de março de 1999). «Britney Spears Sidelined With Bum Knee» (em inglês). Yahoo! Music. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  41. Rosen, Craig (9 de abril de 1999). «Britney Spears Ready To Hit The Road» (em inglês). Yahoo! Music News. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  42. a b c Rosen, Craig (4 de agosto de 1999). «Britney Spears: In Drag And On TV» (em inglês). Yahoo! Music News. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  43. Rosen, Craig (16 de outubro de 1999). «Nirvana, Paul McCartney, And Britney Spears In Today's TV Tips» (em inglês). Yahoo! Music. Consultado em 9 de julho de 2019 
  44. Rosen, Craig (16 de outubro de 1999). «Nirvana, Paul McCartney, And Britney Spears In Today's TV Tips» (em inglês). Yahoo! Music. Consultado em 9 de julho de 2019 
  45. Laura Marie Meyers (23 de agosto de 2014). «Let's All Relieve Britney and *NSYNC's 1999 VMAs Performance» (em inglês). PopSugar. Consultado em 27 de julho de 2017 
  46. Basham, David (23 de fevereiro de 2000). «Will Smith, Ricky Martin, Whitney Houston Help Grammys Take Flight» (em inglês). MTV. MTV Networks. Consultado em 9 de julho de 2019 
  47. Essex, Andrew; Karger, Dave (5 de março de 1999). «Britney Spears and N'Sync blow up pop music» (em inglês). Entertainment Weekly. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  48. «Hilfiger to back Spears Tour» (em inglês). Variety. 13 de maio de 1999. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  49. Basham, David (17 de dezembro de 1999). «Britney Spears Phones "TRL" To Announce U.S. Tour Dates» (em inglês). MTV. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  50. a b Mundy, Chris (25 de maio de 2000). «The Girl Can't Help It» (em inglês). Rolling Stone. ISSN 0035-791X 
  51. Thompson, Stephanie (6 de março de 2000). «Milk producers back Britney Spears tour». Advertising Age (em inglês). Crain Communications Inc. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  52. «Polaroid and Britney Spears Will Drive You Crazy». PR Newswire (em inglês). 7 de abril de 2000. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  53. a b Ganahl, Jane (30 de julho de 1999). «The musical equivalent of cotton candy». San Francisco Chronicle (em inglês). Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  54. Stevenson, Jane (10 de julho de 1999). «Spears takes aim at fame». Jam! (em inglês). Quebecor Inc. Consultado em 9 de julho de 2019 
  55. «Spears special to include concert». The Tuscaloosa News (em inglês). 15 de abril de 2000. Consultado em 9 de julho de 2019 
  56. Abbott, Jim (5 de junho de 2000). «FOR FOX, IT'S GAMES – FOR BRITNEY, IT'S ALOHA». Orlando Sentinel (em inglês). Consultado em 9 de julho de 2019 
  57. «Britney Spears 'Stronger'». The Herald Journal (em inglês). Pioneer Newspapers. 10 de novembro de 2000. Consultado em 9 de julho de 2019 
  58. «Britney Spears – Live and More!». Recording Industry Association of America (em inglês). 15 de novembro de 2001. Consultado em 9 de julho de 2019 
  59. a b Christgau, Robert (2000). «CG Book '90s: S». Christgau's Consumer Guide: Albums of the '90s. Macmillan (em inglês). [S.l.: s.n.] ISBN 0312245602. Consultado em 3 de setembro de 2011 
  60. a b Johnson, Beth (18 de dezembro de 1998). «…Baby One More Time (1999)». Entertainment Weekly. Time Warner. Consultado em 13 de novembro de 2008 
  61. a b «Britney Spears review: . . . Baby One More Time». Los Angeles Times (em inglês). Tribune Company. 17 de janeiro de 1999. Consultado em 21 de junho de 2018 
  62. a b «...Baby One More Time». NME (em inglês). 6 de março de 1999. Consultado em 3 de setembro de 2011. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  63. Duerden, Nick (12 de setembro de 1999). «Britney Spears - Baby One More Time». Q (em inglês). Consultado em 3 de setembro de 2011. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  64. a b Walters, Barry (13 de janeiro de 2003). «...Baby One More Time Music Review». Rolling Stone (em inglês). Consultado em 3 de setembro de 2011. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  65. a b Murray, Amanda (26 de março de 2006). «Britney Spears - …Baby One More Time (staff review)». Sputnikmusic. Consultado em 25 de dezembro de 2010 
  66. McDennis, Craig (12 de janeiro de 1999). «Bopper babe's CD glib collection of cliches». The Hamilton Spectator (em inglês). Dana Robbins. Consultado em 3 de setembro de 2011 
  67. Verna, Paul (30 de janeiro de 1999). «Albums». Nielsen Business Media, Inc. Billboard (em inglês). ISSN 0006-2510. Consultado em 8 de outubro de 2011 
  68. Passero, Laura (12 de agosto de 1999). «Funky Categories Set Teen Choice Awards Apart». Hartford Courant (em inglês). Consultado em 3 de setembro de 2011. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  69. «1999 Best Selling Foreign Album». junoawards.ca (em inglês). Consultado em 3 de setembro de 2011. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  70. Vanhorn, Teri (9 de dezembro de 1999). «Backstreet Boys, Britney Spears Rake In Billboard Awards». MTV News (em inglês). Consultado em 3 de setembro de 2011. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  71. «List of winner and nominees at the 27th American Music Awards». Rock on the Net (em inglês). American Music Awards. 17 de janeiro de 2000. Consultado em 3 de setembro de 2011. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  72. «Grammy Awards: Best Pop Vocal Performance – Female». Rock on the Net (em inglês). Consultado em 3 de setembro de 2011 
  73. «Grammy Awards: Best New Artist». Rock on the Net (em inglês). Consultado em 3 de setembro de 2011 
  74. Bill Lamb. «Top 10 Britney Spears Songs» (em inglês). About.com. The New York Times Company. Consultado em 27 de abril de 2016 
  75. Beth Johnson (18 de dezembro de 1998). «…Baby One More Time (1998)». Entertainment Weekly (em inglês). Time Inc. Consultado em 27 de abril de 2016 
  76. «The 500 Greatest Songs of All Time». Rolling Stone (em inglês). 30 de julho de 2021. Consultado em 9 de julho de 2019 
  77. «VH1: Greatest Songs of the 90's» (em inglês). VH1. Rock on the Net. 2007. Consultado em 11 de novembro de 2009 
  78. «Britney Spears – ...Baby One More Time (ARIA Charts)» (em inglês). ARIA Charts. Consultado em 18 de março de 2010 
  79. a b c d «Histórico de Britney Spears na UK Singles Chart» (em inglês). UK Singles Chart. The Official Charts Company. Consultado em 30 de abril de 2016 
  80. a b c d «Histórico de Britney Spears na Billboard 100» (em inglês). Billboard 100. Billboard. Consultado em 15 de maio de 2020 
  81. Place, Clarissa (19 de abril de 2012). «Ten Things About... Britney Spears» (em inglês). Digital Spy. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  82. «Britney Spears: 25 of Her Biggest Moments» (em inglês). Billboard. 27 de março de 2015. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  83. «CHR/Pop New Releases: Adds April 6» (PDF) (em inglês). Radio & Records. 2 de abril de 1999. p. 44. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  84. D., Spence (16 de novembro de 2004). «Britney Spears Greatest Hits: My Prerogative» (em inglês). IGN. Consultado em 9 de julho de 2019 
  85. Megarry, Daniel (28 de fevereiro de 2019). «We ranked every single Britney Spears album from worst to best» (em inglês). Gay Times. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  86. «Britney Spears – Sometimes (ARIA Charts)» (em inglês). ARIA Charts. Consultado em 18 de março de 2010 
  87. a b «Will Smith, Britney Spears, Jennifer Lopez, "Star Wars" Among Videos Set To Debut» (em inglês). MTV. 29 de abril de 1999. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  88. «Britney Spears' Knee Injury Delays Video Shoot, "Tonight Show" Appearance» (em inglês). MTV. 18 de fevereiro de 1999. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  89. «Britney Spears Sidelined For A Month Following Knee Injury» (em inglês). MTV. 10 de março de 1999. Consultado em 9 de julho de 2019 
  90. Anderson, Kyle (3 de março de 2010). «Britney Spears Goes Back To Her Schoolgirl Days For The First Installment Of 'Popology'» (em inglês). MTV. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  91. «Britney Spears: Driving them crazy!» (em inglês). CPYU. 2003. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  92. «Britney Spears – (You Drive Me) Crazy (Syndicat National de l'Édition Phonographique)» (em inglês). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 18 de março de 2010 
  93. «Making the Video - Britney Spears» (em inglês). IMDb. 18 de julho de 1999. Consultado em 9 de julho de 2019 
  94. Petch-Jex, Andy (8 de novembro de 2004). «Britney Spears — Greatest Hits: My Prerogative — Album Review» (em inglês). musicOMH. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  95. Ross, Mike (23 de janeiro de 1999). «Britney Spears fails miserably» (em inglês). Edmond Sun.Community Newspaper Holdings. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  96. «Britney Spears – Born To Make You Happy (Ö3 Austria Top 40)» (em alemão). Ö3 Austria Top 40. Consultado em 4 de janeiro de 2010 
  97. «Britney Spears – Born To Make You Happy (Irish Recorded Music Association)» (em irlandês). Irish Recorded Music Association. Consultado em 27 de abril de 2010 
  98. Thompson, Ellen (17 de fevereiro de 2011). «The Sexiest Moment From Every Britney Spears Video» (em inglês). MTV. Consultado em 9 de julho de 2019 
  99. Anderson, Kyle (3 de março de 2010). «Britney Spears Goes Back To Her Schoolgirl Days For The First Installment Of 'Popology'» (em inglês). MTV. MTV Networks. Consultado em 9 de julho de 2019 
  100. Ganz, Caryn. «Britney Spears: Biography» (em inglês). Rolling Stone. Consultado em 9 de julho de 2019 
  101. a b Bemis, Alec Hanley (10 de fevereiro de 2000). «The Devil in Miss Spears» (em inglês). LA Weekly. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  102. a b Sesali Bowen (11 de Janeiro de 2019). «How '...baby one more time' taught me pop music's link to my identity». Nylon (em inglês). Bustle Digital Group. Consultado em 6 de março de 2019 
  103. «Britney Spears: Biography: Rolling Stone». Rolling Stone (em inglês). Jann Wenner. 2008. Consultado em 9 de agosto de 2008 
  104. a b «Britney Spears' ...Baby One More Time Made It Okay for Everyone to Love Pop Music». Esquire (em inglês). Hearst Corporation. 12 de janeiro de 2019. Consultado em 9 de agosto de 2008 
  105. Ellen, Barbara (10 de dezembro de 2000). «Growing up is hard to do». The Observer (em inglês). Consultado em 26 de maio de 2018 
  106. Lester Fabian Brathwaite (10 de janeiro de 2019). «20 years later, has britney spears ever lived up to her debut album?». Logo TV (em inglês). Paramount Media Networks. Consultado em 26 de maio de 2018 
  107. a b Kristen S. Hé (26 de outubro de 2018). «Britney Spears' 'Baby One More Time' Created Millennial Pop». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 5 de março de 2019 
  108. G.Sz (23 de outubro de 2018). «How "...Baby One More Time" changed pop music». The Economist (em inglês). Consultado em 5 de março de 2019 
  109. a b c Michael Cragg (11 de agosto de 2018). «'It was a bit of a blur': Britney Spears on the making of ...Baby One More Time». The Guardian (em inglês). Guardian Media Group. Consultado em 17 de agosto de 2018 
  110. Portilho, Osmar (24 de outubro de 2018). «Rejeitada, "...Baby One More Time" mudou a história do pop com Britney Spears». Universo Online. Consultado em 5 de março de 2019 
  111. Emma Turney (19 de março de 2019). «Britney Spears' …Baby One More Time Turns 20». WRBB (em inglês). Northeastern University. Consultado em 6 de março de 2019 
  112. Callegari, Caitlyn (19 de setembro de 2016). «Rankings The '00s Pop Princesses» (em inglês). Bustle. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  113. Brow, Jason (6 de março de 2020). «Mandy Moore on Being Compared to Britney Spears & Christina Aguilera: I Never Had Their 'Success'» (em inglês). Hollywood Life. Consultado em 9 de julho de 2019 
  114. Cohen, Jess (25 de julho de 2018). «Mandy Moore Reflects on Her Early Days in Pop Music Alongside Britney Spears» (em inglês). E!. Consultado em 9 de julho de 2019 
  115. Kaplan, Ilana (25 de julho de 2017). «Willa Ford Explains Why She Left Music — And Teases a Possible Comeback». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 9 de julho de 2019 
  116. Ashley Spencer (17 de setembro de 2019). «What Happened to Vitamin C?». Vice (em inglês). Consultado em 5 de março de 2019 
  117. Rebecca Nicholson (3 de dezembro de 2022). «Billie Piper on teen pop stardom, the fun of her drunk years». The Guardian (em inglês). Guardian Media Group. Consultado em 5 de março de 2019 
  118. «Kelly Key deixa no passado inspiração em Britney Spears: 'Mudei o foco'». Universo Online. 3 de maio de 2015. Consultado em 5 de março de 2019 
  119. Diego Falcão (3 de maio de 2015). «Kelly Key sobre Latino: "Ele me respeita; eu guardo grandes segredos dele"». NaTelinha. Universo Online. Consultado em 5 de março de 2019 
  120. Folkard 2003, p. 288
  121. Ruggieri, Melissa (19 de dezembro de 2000). «Music Notes». Richmond Times-Dispatch (em inglês). pp. D.13 
  122. Créditos do álbum ...Baby One More Time por Britney Spears [Notas do encarte do CD internacional]. JIVE Records.
  123. Créditos do álbum ...Baby One More Time por Britney Spears [Notas do encarte do CD asiático]. JIVE Records.
  124. Créditos do álbum ...Baby One More Time por Britney Spears [Notas do encarte do CD japonês]. JIVE Records.
  125. Créditos do álbum ...Baby One More Time por Britney Spears [Notas do encarte do CD australiano]. JIVE Records.
  126. Créditos do álbum ...Baby One More Time por Britney Spears [Notas do encarte da edição limitada sul-coreana em CD]. JIVE Records.
  127. Créditos do álbum ...Baby One More Time por Britney Spears [Notas do encarte da edição limitada em CD de Singapura]. JIVE Records.
  128. «Sabrina the Teenage Witch: The Album (Soundtrack from the TV Show) by Various Artists». 27 de outubro de 1998. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  129. Rosen, Craig (20 de janeiro de 1999). «Britney Spears Debuts On Top; 'N Sync At No. 2» (em inglês). Yahoo! Music News. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  130. Rosen, Craig (30 de dezembro de 1999). «'99 REWIND: The Year Of Britney Spears» (em inglês). Yahoo! Music News. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  131. O'Connor, Christopher. «Silkk the Shocker Debuts At #1» (em inglês). MTV. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  132. Boehlert, Eric. «…Britney One More Time» (em inglês). Rolling Stone. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  133. Mayfield, Geoff (13 de março de 1999). «Between the Bullets: Signed, Sealed, Delivered» (em inglês). 111 (11). Billboard. p. 116. ISSN 0006-2510. Consultado em 22 de janeiro de 2023 – via Google Books 
  134. O'Connor, Christopher. «Britney Spears Leaps Over Eminem, TLC To Reclaim #1» (em inglês). MTV. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  135. a b SoundScan (16 de outubro de 1999). «Spears, Chicks Log 7 Million In September Certifications». Billboard (em inglês). 111 (42). p. 18. ISSN 0006-2510. Consultado em 22 de junho de 2020 
  136. Boehlert, Eric. «Nas Bumps Britney off Top of the Charts» (em inglês). Rolling Stone. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  137. a b «Britney Spears – ...Baby One More Time (Billboard 200)» (em inglês). Billboard 200. Billboard. Consultado em 22 de junho de 2020. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  138. LYNCH, John (19 de Fevereiro de 2018). «The best-selling album the year you were born» (em inglês). Business Insider (Insider, Inc.). Consultado em 19 de Agosto de 2019 
  139. «Histórico de Britney Spears na Billboard 200» (em inglês). Billboard 200. Billboard. Consultado em 22 de junho de 2020 
  140. Grein, Paul (14 de março de 2010). «Week Ending March 14, 2010: Hendrix Tops Elvis» (em inglês). Yahoo!. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  141. Grein, Paul (21 de fevereiro de 2010). «Week Ending Feb. 21, 2010: A Top Three With A Twist» (em inglês). Yahoo!. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  142. a b «Greatest of All Time Billboard 200 Albums By Women». Billboard 200. Billboard (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020 
  143. «Recording Industry Announces 1999 Gold and Platinum Awards» (em inglês). Recording Industry Association of America. 21 de dezembro de 1999. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  144. Caulfield, Keith (5 de julho de 2012). «Usher's 'Confessions' Album Hits 10 Million in U.S. Sales» (em inglês). Billboard. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  145. Hermanson, Wendy (7 de janeiro de 2000). «Britney Spears Readies A Funky New Album». Yahoo! Music. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  146. David Basham (6 de janeiro de 2000). «Backstreet Boys, Britney Spears, Ricky Martin Dominate Year-End Sales» (em inglês). MTV News. Consultado em 10 de dezembro de 2018 
  147. a b «Certificações (Estados Unidos) (álbum) – Britney Spears – ...Baby One More Time» (em inglês). Se necessário, clique em Advanced, depois clique em Format, depois selecione Album, depois clique em SEARCH. Recording Industry Association of America. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  148. «Best of the 2000s — Billboard 200 Albums» (em inglês). Billboard. 31 de dezembro de 2009. Consultado em 22 de janeiro de 2023. Arquivado do original em 25 de Maio de 2009 
  149. «RIAA's Top 100 Albums». Recording Industry Association of America (em inglês). Consultado em 22 de junho de 2020 
  150. Trust, Gary (15 de maio de 2020). «Britney Spears' Career Sales & Streams, In Honor of 20 Years of 'Oops!...I Did It Again': Ask Billboard Mailbag» (em inglês). Billboard. Consultado em 22 de janeiro de 2023. Arquivado do original em 25 de Maio de 2009 
  151. David, Barry (18 de fevereiro de 2003). «Shania, Backstreet, Britney, Eminem and Janet Top All-Time Sellers» (em inglês). Music Industry News Network. Consultado em 22 de janeiro de 2023. Arquivado do original em 25 de Maio de 2009 
  152. Grein, Paul (12 de setembro de 2013). «Chart Watch Extra: The Cassette Turns 50» (em inglês). Yahoo! Music. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  153. «Histórico de Britney Spears na Canadian Albums Chart» (em inglês). Canadian Albums Chart. Billboard. Consultado em 22 de junho de 2020 
  154. a b «Top Albums/CDs – Volume 68, No. 15, February 01, 1999». RPM (em inglês). Library and Archives Canada. Consultado em 22 de janeiro de 2023. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  155. a b «Certificações (Canadá) (álbum) – Britney Spears – ...Baby One More Time» (em inglês). Music Canada. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  156. a b Billboard: Hits of the World (February 19, 2000) (em inglês). [S.l.]: Billboard. 19 de janeiro de 2000. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  157. a b «Certificações (México) (álbum) – Britney Spears – ...Baby One More Time» (em espanhol). Asociación Mexicana de Productores de Fonogramas y Videogramas. Consultado em 19 de dezembro de 2019. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  158. a b «Certificações (Brasil) (álbum) – Britney Spears – ...Baby One More Time». Pro-Música Brasil. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  159. a b «Britney Spears – ...Baby One More Time (Recorded Music NZ)» (em inglês). Recorded Music NZ. Consultado em 4 de janeiro de 2010 
  160. a b c d «Britney Spears – ...Baby One More Time (ARIA Charts)» (em inglês). ARIA Charts. Consultado em 18 de março de 2010 
  161. a b «ARIA Charts – End Of Year Charts – Top 100 Albums 1999» (em francês). Australian Recording Industry Association (ARIA). Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  162. a b «ARIA Charts – Accreditations – 2000 Albums» (em inglês). Australian Recording Industry Association. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  163. a b «Certificações (Nova Zelândia) (álbum) – Britney Spears – ...Baby One More Time» (em inglês). Recorded Music NZ. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  164. a b «Britney Spears – ...Baby One More Time (Ö3 Austria Top 40)» (em alemão). Ö3 Austria Top 40. Consultado em 4 de janeiro de 2010 
  165. a b «Britney Spears – ...Baby One More Time (Ultratop 50)» (em inglês). Ultratop 50. Hung Median. Consultado em 18 de março de 2010 
  166. a b «Britney Spears – ...Baby One More Time (Ultratop 40)» (em inglês). Ultratop 40. Hung Median. Consultado em 18 de março de 2010 
  167. a b «Britney Spears – ...Baby One More Time (Syndicat National de l'Édition Phonographique)» (em inglês). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 18 de março de 2010 
  168. a b «Britney Spears – ...Baby One More Time (Irish Recorded Music Association)» (em irlandês). Irish Recorded Music Association. Consultado em 27 de abril de 2010 
  169. a b «Hits of the World» (PDF) (em inglês). Billboard. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  170. a b «Britney Spears – ...Baby One More Time (Sverigetopplistan)» (em inglês). Sverigetopplistan. Consultado em 4 de janeiro de 2010 
  171. a b «Britney Spears – ...Baby One More Time (Schweizer Hitparade)» (em inglês). Schweizer Hitparade. Consultado em 18 de março de 2010 
  172. a b «IFPI Platinum Europe Awards - 2000» (em inglês). Federação Internacional da Indústria Fonográfica. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  173. a b «Les 100 Albums Les Plus Vendus En Europe De L'histoire» (em francês). Charts in France. 27 de agosto de 2007. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  174. a b c «Britney Spears – ...Baby One More Time (The Official Charts Company)» (em inglês). The Official Charts Company. Consultado em 30 de abril de 2016 
  175. a b «Certificações (Reino Unido) (álbum) – Britney Spears – ...Baby One More Time» (em inglês). British Phonographic Industry. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  176. a b Copsey, Rob (28 de dezembro de 2018). «Albums turning 20 in 2019» (em inglês). Official Charts. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  177. a b Par Francesca Pellegrini (12 de janeiro de 2024). ««…Baby One More Time» fête ses 25 ans : 10 anecdotes sur le premier album de Britney Spears» (em francês). Vanity Fair. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  178. «Britney Spears – ...Baby One More Time (GfK Entertainment Charts)» (em alemão). GfK Entertainment Charts. Consultado em 27 de dezembro de 2019 
  179. «Britney Spears – ...Baby One More Time (Canadian Albums Chart)» (em inglês). Billboard. Consultado em 4 de maio de 2016. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  180. «Listen – Danmarks Officielle Hitliste – Udarbejdet af AIM Nielsen for IFPI Danmark – Uge 14» (em alemão). Copenhagen: Ekstra Bladet. 11 de abril de 1999 
  181. «Hits of the World – Spain» (em inglês). Billboard. 4 de setembro de 1999. p. 69. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  182. «Hits of the World» (PDF) (em inglês). Billboard. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  183. «Britney Spears – ...Baby One More Time (IFPI Finlândia)» (em inglês). IFPI Finlândia 
  184. «Top national sellers» (PDF) (em inglês). Billboard. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  185. «Hungarian Albums Chart» (em húngaro). Magyar Hanglemezkiadók Szövetsége. 26 de abril de 1999. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  186. «Hits of the world» (PDF) (em inglês). Billboard. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  187. «Japanese Main Albums Chart» (em japonês). Oricon. Consultado em 22 de janeiro de 2023. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  188. Billboard: Hits of the World (September 11, 1999) (em inglês). [S.l.]: Billboard. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  189. «Pepe Aguilar sigue en el primer sitio» (em espanhol). El Siglo de Torreón. 16 de janeiro de 2000. Consultado em 22 de janeiro de 2023. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  190. «Britney Spears – ...Baby One More Time (VG-lista)» (em inglês). VG-lista. Consultado em 18 de abril de 2011 
  191. «Britney Spears – ...Baby One More Time (Dutch Charts)» (em neerlandês). Dutch Charts. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  192. «Top national sellers» (PDF) (em inglês). Billboard. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  193. «IFPI Taiwan International Top 10» (em inglês). IFPI. 25 de dezembro de 1999. Consultado em 22 de janeiro de 2023. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  194. Mayfield, Geoff (25 de dezembro de 1999). «1999 The Year in Music Totally '90s: Diary of a Decade – The listing of Top Pop Albums of the '90s & Hot 100 Singles of the '90s» (em inglês). Billboard. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  195. «Best of the 2000s Billboard 200 Albums» (em inglês). Billboard. 31 de dezembro de 2009. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  196. «Greatest of All Time Billboard 200 Albums» (em inglês). Billboard. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  197. «Top 100 Album-Jahrescharts» (em alemão). GfK Entertainment. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  198. «Jahreshitparade 1999» (em inglês). Ö3 Austria. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  199. «1999 – ultratop (Flanders)» (em inglês). Ultratop. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  200. «1999 – ultratop (Wallonia)» (em inglês). Ultratop. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  201. «RPM 1999 Top 100 CDs». RPM (em inglês). Library and Archives Canada. 13 de dezembro de 1999. Consultado em 22 de janeiro de 2023. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  202. «1999» (em alemão). Hitlisten. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  203. «1999: The Year in Music» (PDF) (em inglês). Billboard. 25 de dezembro de 1999. pp. 20–45. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  204. «The Year in Music: 1999» (PDF) (em inglês). Billboard. 25 de dezembro de 1999. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  205. «Classement Albums – année 1999» (em francês). Syndicat National de l'Édition Phonographique (SNEP). Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  206. a b «a:1999年 アルバム年間TOP100». Oricon (em japonês). Yahoo! GeoCities. 21 de novembro de 1999. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  207. «Top Selling Albums of 1999» (em inglês). Recorded Music NZ. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  208. «Jaaroverzichten – Album 1999» (em neerlandês). Dutch Charts. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  209. «Best Sellers of 1999: Albums Top 100» (em inglês). Music Week. 22 de janeiro de 2000. p. 29 
  210. «Swiss Year-End Charts 1999 – swisscharts.com» (em alemão). Schweizer Hitparade. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  211. «Top 100 Album-Jahrescharts». offiziellecharts.de (em alemão). GfK Entertainment. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  212. «ARIA Charts – End of Year Charts – Top 100 Albums 2000» (em inglês). ARIA Charts. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  213. «Jaaroverzichten 2000» (em neerlandês). Ultratop. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  214. «Rapports Annuels 2000» (em francês). Ultratop. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  215. «Canada's Top 200 Albums of 2000» (em inglês). Jam!. Consultado em 22 de janeiro de 2023. Arquivado do original em 25 de Maio de 2009 
  216. «The Year in Music: 2000» (PDF) (em inglês). Billboard. 30 de dezembro de 2000. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  217. «European Top 100 Albums 200» (PDF) (em inglês). 17 (52). Music & Media. 23 de dezembro de 2000. p. 9. OCLC 29800226. Consultado em 22 de janeiro de 2023 – via American Radio History 
  218. «Classement Albums – année 2000» (em francês). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  219. «JAAROVERZICHTEN – ALBUM 2000» (em neerlandês). MegaCharts. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  220. «End of Year Album Chart Top 100 – 2000» (em inglês). Official Charts Company. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  221. «Swiss Year-End Charts 2000» (em inglês). Schweizer Hitparade. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  222. «Certificações (Alemanha) (álbum) – Britney Spears – ...Baby One More Time» (em alemão). Bundesverband Musikindustrie. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  223. «Certificações (Argentina) (álbum) – Britney Spears – ...Baby One More Time». Cámara Argentina de Productores de Fonogramas y Videogramas. Consultado em 19 de dezembro de 2019. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2020 
  224. «Certificações (Áustria) (álbum) – Britney Spears – ...Baby One More Time» (em alemão). IFPI Áustria. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  225. «Ultratop − Goud en Platina – albums 2000» (em inglês). Belgian Entertainment Association. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  226. «O fenômeno Britney Spears». ISTOÉ. Terra Networks. 22 de janeiro de 2001. Consultado em 22 de janeiro de 2023 
  227. «Certificações (Dinamarca) (álbum) – Britney Spears – ...Baby One More Time» (em dinamarquês). IFPI Dinamarca. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  228. Salaverri 2005, p. 943
  229. «Oops It's Britney Spears Up close & very personal» (em inglês). The Philippine Star. Consultado em 22 de janeiro de 2023. Arquivado do original em 25 de Maio de 2009 
  230. «Kulta- ja platinalevyt – Britney Spears – ...Baby One More Time» (em finlandês). Musiikkituottajat. IFPI Finlândia. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  231. «Certificações (França) (álbum) – Britney Spears – ...Baby One More Time» (em francês). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  232. «Certificações (Japão) (álbum) – Britney Spears – ...Baby One More Time» (em japonês). Selecione 1999年3月 no menu suspenso. Recording Industry Association of Japan 
  233. «Britney Spears podría venir a México» (em espanhol). El Siglo de Torreón. 21 de maio de 2000. Arquivado do original em 25 de Maio de 2009 
  234. «Certificações (Noruega) (álbum) – Britney Spears – ...Baby One More Time» (em norueguês). IFPI Noruega. Consultado em 22 de junho de 2020 
  235. «Certificações (Países Baixos) (álbum) – Britney Spears – ...Baby One More Time» (em neerlandês). Digite Music na caixa "Artiest of titel". Nederlandse Vereniging van Producenten en Importeurs van beeld- en geluidsdragers. Consultado em 19 de dezembro de 2019. Arquivado do original em 5 de dezembro de 2012 
  236. «Wyróżnienia – Platynowe płyty CD - Archiwum - Przyznane w 1999 roku» (em polaco). Związek Producentów Audio Video. Consultado em 3 de agosto de 2009 
  237. «Guld- och Platinacertifikat − År 2002» (PDF) (em sueco). IFPI Suécia 
  238. «Certificações (Suíça) (álbum) – Britney Spears – ...Baby One More Time» (em inglês). IFPI Suíça. Hung Medien. Consultado em 19 de dezembro de 2019 
  239. «ベイビー・ワン・モア・タイム» (em japonês). Oricon. 24 de fevereiro de 1999. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  240. «Baby One More Time – Britney Spears: Amazon.de: Musik» (em inglês). Amazon.de. 8 de março de 1999. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  241. «...Baby One More Time: Amazon.co.uk: Music» (em inglês). Amazon.co.uk. 8 de março de 1999. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  242. «New Releases – For Week Starting 8 March, 1999» (PDF) (em inglês). Music Week. 6 de março de 1999. p. 24. Consultado em 9 de julho de 2019 – via World Radio History 
  243. «Capif» (em inglês). Cámara Argentina de Productores de Fonogramas y Videogramas. 17 de março de 1999. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  244. «Baby one more time – Britney Spears – CD album» (em francês). Fnac. 9 de abril de 1999. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  245. «...Baby One More Time (Digital Deluxe Version)» (em polaco). Empik. 8 de maio de 2003. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  246. «Britney Spears: Baby One More Time (CD)» (em inglês). jpc. 30 de junho de 2003. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  247. «Baby one more time – Britney Spears – CD album» (em francês). Fnac. 14 de outubro de 2003. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  248. «...Baby One More Time (Digital Deluxe Version): Britney Spears» (em inglês). Amazon Music. 25 de dezembro de 2007. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  249. «Global Pop Icon, Britney Spears' Debut Single, "...Baby One More Time" Celebrates 20th Anniversary» (em inglês). Legacy Recordings. 19 de outubro de 2018. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  250. «…Baby One More Time (Pink Vinyl)» (em inglês). JB Hi-Fi. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  251. «Britney Spears: ...Baby One More Time (Opaque Pink Vinyl) (LP) – jpc» (em alemão). www.jpc.de. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  252. Mixup. «...Baby One More Time (Pink Vinyl) - (Lp) - Britney Spears - Mixup» (em espanhol). www.mixup.com. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  253. Spears, Britney (31 de março de 2023). «...Baby One More Time - Spears Britney | Muzyka Sklep EMPIK.COM» (em inglês). empik.com. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  254. «Britney Spears ...Baby One More Time Vinyl LP Pink Colour Due Out 31/03/23» (em inglês). Assai Records. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 
  255. «Britney Spears - …Baby One More Time [LP] | RECORD STORE DAY» (em inglês). recordstoreday.com. Consultado em 9 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de fevereiro de 2020 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]