10.000 Destinos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
10.000 Destinos: Ao Vivo
Álbum ao vivo de Engenheiros do Hawaii
Lançamento Junho de 2000
Gravação 24 e 25 de março de 2000, no Palace, São Paulo
Gênero(s) Rock
Duração 66:30
Formato(s) CD e DVD
Gravadora(s) Universal Music
Produção Gil Lopes e Ricardo Moreira
Certificação Ouro - ABPD[1]
Cronologia de Engenheiros do Hawaii
Último
¡Tchau Radar!
(1999)
10.001 Destinos
(2001)
Próximo

10.000 Destinos é o terceiro álbum ao vivo da banda de rock brasileira Engenheiros do Hawaii, lançado em CD e DVD em 2000. O nome do álbum vem de uma canção homônima do disco anterior, ¡Tchau Radar!, de 1999.

Gravado na antiga casa de shows paulistana Palace (atual Citibank Hall de São Paulo) nos dias 24 e 25 de março de 2000, durante a turnê Tchau Radar!, que ocorreu nos anos de 1999 e 2000 e promoveu o lançamento do disco de estúdio homônimo, lançado no ano anterior, o disco confirma a tradição da banda de lançar um álbum ao vivo a cada três discos de estúdio (ideia inspirada na banda Rush, que faz o mesmo). O disco traz desde antigos sucessos, como Ouça o Que Eu Digo, Não Ouça Ninguém, Infinita Highway e Terra de Gigantes até canções recentes como A Montanha e A Promessa.

O disco traz quatro faixas de estúdio: duas inéditas (Números e Novos Horizontes) e duas regravações (Quando o Carnaval Chegar, de Chico Buarque; e Rádio Pirata, da banda RPM, com a participação de seu ex-líder Paulo Ricardo). Em 2001, o disco seria reeditado em formato duplo, com o nome 10.001 Destinos, contendo no primeiro disco as faixas ao vivo e, no segundo disco, além das faixas de estúdio, novas sete regravações de estúdio, com a formação posterior da banda (Paulinho Galvão na guitarra, Gláucio Ayala na bateria, Bernardo Fonseca no baixo e Humberto Gessinger de volta à guitarra).

Destaque para as canções Toda Forma de Poder (que conta com um trecho de Ilusão de Ótica) e Refrão de Bolero, tocadas em formato acústico, com a participação do músico gaúcho Renato Borghetti (Borghettinho) na gaita-ponto.

A versão em DVD inclui três canções a mais no show: Eu Que Não Amo Você, Negro Amor e Sopa de Letrinhas, além de quatro videoclipes e making-off.

Faixas do CD[editar | editar código-fonte]

  • Todas as canções compostas por Humberto Gessinger, exceto onde estiver indicado.
  1. A Montanha
  2. Infinita Highway
  3. A Promessa
  4. Ninguém = Ninguém,
    • Gessinger, Licks & Maltz (1992)
  5. Parabólica (Humberto Gessinger; Augusto Licks)
    • Gessinger, Licks & Maltz (1992)
  6. Toda Forma de Poder
  7. Refrão De Bolero
    • A Revolta dos Dândis (1987)
  8. Somos Quem Podemos Ser
  9. Pra Ser Sincero (Humberto Gessinger; Augusto Licks)
  10. Piano Bar
  11. Ilex Paraguariensis/Alívio Imediato
  12. Terra de Gigantes/¿Quanto Vale A Vida?
  13. Era Um Garoto, que como Eu Amava os Beatles e os Rolling Stones (Luisini; Migliacci/Versão de Brancato Junior)
    • "O Papa é Pop": O Papa é Pop (1990)
    • "Cruzada": ¡Tchau, Radar! (1999)
  14. Ouça O Que Eu Digo: Não Ouça Ninguém
    • Ouça o Que Eu Digo: não Ouça Ninguém (1988)
  15. O Papa É Pop/Cruzada (Tavinho Moura; Márcio Borges)
    • O Papa é Pop (1990)
  16. Números
  17. Rádio Pirata (Paulo Ricardo; Luiz Schiavon)
  18. Novos Horizontes
  19. Quando O Carnaval Chegar (Chico Buarque)

Faixas do DVD[editar | editar código-fonte]

  1. "A Montanha"
  2. "Sopa de Letrinhas" (Humberto Gessinger e Marcelo Pitz)
  3. "Ouça O Que Eu Digo Não Ouça Ninguém"
  4. "Eu Que Não Amo Você"
  5. "Pra Ser Sincero" (Humberto Gessinger e Augusto Licks)
  6. "Somos Quem Podemos Ser"
  7. "Piano Bar"
  8. "Ninguém = Ninguém"
  9. "Ilex Paraguanienses / Alívio Imediato"
  10. "Terra de Gigantes / Incidental: Quanto Vale a Vida?"
  11. "Era Um Garoto que como Eu Amava os Beatles e os Rolling Stones" (Luisini, Migliacci / Versão de Brancato Junior)
  12. "Toda Forma de Poder / Incidental: Ilusão de Ótica"
  13. "Refrão de Bolero"
  14. "Parabólica" (Humberto Gessinger e Augusto Licks)
  15. "Infinita Highway"
  16. "A Promessa"
  17. "Negro Amor" (Bob Dylan / Versão de Péricles Cavalcanti)
  18. "O Papa É Pop" / Incidental: Cruzada (Tavinho Moura e Márcio Borges)
  19. Rádio Pirata

Extras[editar | editar código-fonte]

  • Rádio Pirata (videoclipe)
  • Negro Amor (videoclipe) (Bob Dylan / Versão de Péricles Cavalcanti))
  • Eu Que Não Amo Você (videoclipe)
  • Números (videoclipe)
  • Making of

Formação[editar | editar código-fonte]

  • Humberto Gessinger: Baixo elétrico de 4 cordas, baixo elétrico de 5 cordas, violão nas faixas acústicas e teclados (em "Negro Amor" somente no DVD)
  • Luciano Granja: Guitarras de 6 cordas, guitarra de 12 cordas (em Ninguém=Ninguém), slide guitar (também em Ninguém=Ninguém) e violão
  • Lucio Dorfman: Teclados e órgão acústico
  • Adal Fonseca: Bateria e percussão

Referências

  1. do Hawaii «Engenheiros do Hawaii» Verifique |url= (Ajuda) (asp). ABPD. Consultado em 25 de Julho de 2012. 
Ícone de esboço Este artigo sobre um álbum de Engenheiros do Hawaii é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.