Saltar para o conteúdo

1917 (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
1917
1917 (filme)
Pôster de lançamento estadunidense.
 Reino Unido Estados Unidos
2019 •  cor •  119 min 
Gênero épico, guerra, suspense
Direção Sam Mendes
Produção Sam Mendes
Pippa Harris
Jayne-Ann Tenggren
Callum McDougall
Brian Oliver
Roteiro Sam Mendes
Krysty Wilson-Cairns
Elenco George MacKay
Dean-Charles Chapman
Mark Strong
Andrew Scott
Richard Madden
Claire Duburcq
Colin Firth
Benedict Cumberbatch
Música Thomas Newman
Cinematografia Roger Deakins
Edição Lee Smith
Companhia(s) produtora(s) DreamWorks Pictures
Reliance Entertainment
New Republic Pictures
Mogambo
Neal Street Productions
Amblin Partners
Distribuição Mundial Universal Pictures
Reino Unido Entertainment One
Lançamento Estados Unidos 25 de dezembro de 2019[1]
Reino Unido 10 de janeiro de 2020[2]
Brasil 23 de janeiro de 2020[3]
Portugal 23 de janeiro de 2020[4]
Idioma inglês
Orçamento US$ 90-100 milhões
Receita US$ 384,6 milhões[5]

1917[3][4] é um filme britano-estadunidense de 2019, dos gêneros épico, de guerra e de suspense, dirigido, coescrito e coproduzido por Sam Mendes. A obra é estrelada por George MacKay e Dean-Charles Chapman. É parcialmente baseado em uma história contada a Mendes por seu avô paterno, Alfred Mendes,[6] e narra a história de dois jovens soldados britânicos durante a Primeira Guerra Mundial, aos quais foi dada a missão de transmitir uma mensagem alertando para uma emboscada contra compatriotas que seria realizada pelos alemães, logo após sua retirada para a Linha Hindenburg, durante a Operação Alberich, em 1917.

O projeto foi anunciado oficialmente em junho de 2018, com MacKay e Chapman assinando em outubro e o resto do elenco em março seguinte. As filmagens ocorreram entre abril e junho de 2019, na Inglaterra e na Escócia, com o diretor de fotografia Roger Deakins utilizando o recurso de longas tomadas, o que lhe dá um aspecto de filmagem continuada.

1917 teve sua premiere no Reino Unido em 4 de dezembro de 2019 na cidade de Londres, sendo lançado comercialmente nos Estados Unidos em 25 de dezembro, pela Universal Pictures, recebendo elogios dos críticos pela direção de Mendes, performances, cinematografia, trilha sonora, efeitos sonoros e realismo. Recebeu dez indicações ao 92.º Oscar (incluindo os de Melhor Filme, Melhor Diretor e Melhor Roteiro Original), vencendo três (Melhor fotografia, Melhor som e Melhores efeitos visuais).[7] No 77.º Globo de Ouro, o filme ganhou o prêmio de Melhor Filme - Drama e Melhor Diretor.[8] No 73º British Academy Film Awards recebeu nove indicações.[9]

Durante a Primeira Guerra Mundial, em abril de 1917, os alemães se afastaram de um setor da Frente Ocidental no norte da França. O general Erinmore informa a dois jovens soldados britânicos, Blake e Schofield, que a inteligência, por meio de reconhecimento aéreo verificou que os alemães não estão em retirada, mas sim que fizeram um recuo tático para sua nova área de defesa, a linha Hindenburg, onde se prepararam para dominar os britânicos atacantes com fogos de artilharia. Com as linhas telefônicas de campo cortadas, Blake e Schofield são obrigados a entregar em mãos uma mensagem ao 2.º Batalhão do Regimento de Devonshire, cancelando o ataque planejado, que pode custar a vida de 1600 homens, o irmão de Blake, Joseph, encontra-se entre eles.

Schofield e Blake atravessam a terra de ninguém e alcançam as trincheiras alemãs originais, agora abandonadas, que contém fios de armadilhas, disparadas por um rato. A explosão que se seguiu quase mata Schofield, mas Blake escava e o leva para fora dos bunkers em colapso. Eles chegam à uma fazenda abandonada, onde testemunham um combate aéreo nas proximidades. Um avião alemão é abatido e cai na fazenda; Schofield e Blake tentam salvar o piloto ferido. Schofield propõe que deveriam matá-lo com um golpe de misericórdia, mas Blake pede que Schofield busque água para o piloto beber. O piloto apunhala Blake e é morto a tiros por Schofield, que conforta Blake enquanto ele morre, prometendo ao companheiro completar a missão.

Schofield é encontrado por uma unidade britânica que passa no local. Na sequência, uma ponte destruída perto da vila bombardeada de Écoust-Saint-Mein, impede que os caminhões britânicos cruzem, então Schofield cruza sozinho no que sobrou da ponte. Isso atrai um ataque de um franco-atirador alemão do outro lado do rio. Schofield rastreia e mata o atirador, apenas para ser nocauteado por uma bala que ricocheteou.

Schofield recupera a consciência à noite e prossegue. Perseguido por um soldado alemão, Schofield tropeça no esconderijo de uma mulher francesa com um bebê. Ela trata suas feridas e ele deixa o leite da fazenda e alguns de seus próprios suprimentos para eles. Continuando sua missão, Schofield é descoberto duas vezes por soldados alemães. Ele estrangula um deles e passa por seu camarada, que está muito embriagado para perceber e escapa sob tiros, pulando em um rio.

Schofield chega ao 2.º Batalhão pela manhã, pouco antes do início do ataque britânico. Não conseguindo parar o início do ataque, ele corre pelo campo de batalha enquanto a infantaria britânica atacante é bombardeada pela artilharia alemã. Ele finalmente se esforça para encontrar o comandante do batalhão, coronel Mackenzie, e o ataque é cancelado.

Schofield então localiza Joseph - que estava entre a primeira onda de ataque, mas não se machucou - e entrega a notícia da morte de Blake. Joseph está triste com a notícia, mas agradece a Schofield por seus esforços. Schofield pede que escreva para a mãe de Blake para lhe contar sobre os atos heroicos de Blake, com os quais Joseph concorda.

Schofield se afasta e senta-se sob uma árvore próxima, finalmente capaz de descansar depois de completar sua missão, enquanto também revela que tem duas filhas jovens e uma esposa em casa aguardando seu retorno.

George MacKay (à esquerda) e Dean-Charles Chapman (à direita) desempenharam os papéis principais de William Schofield e Tom Blake, respectivamente.
  • George MacKay como cabo lanceiro William "Will" Schofield
  • Dean-Charles Chapman como cabo lanceiro Thomas "Tom" Blake
  • Mark Strong como capitão Smith
  • Andrew Scott como tenente Leslie
  • Richard Madden como tenente Joseph Blake
  • Claire Duburcq como Lauri
  • Colin Firth como general Erinmore
  • Benedict Cumberbatch como coronel Mackenzie
  • Daniel Mays como sargento Sanders
  • Adrian Scarborough como Major Hepburn
  • Jamie Parker como tenente Richards
  • Michael Jibson como tenente Hutton
  • Richard McCabe como coronel Collins
  • Chris Walley como soldado Bullen
  • Nabhaan Rizwan como Sepoy
  • Michael Cornelius como soldado Cornelius
  • Daniel McMillon como Atirador

Dubladores no Brasil

[editar | editar código-fonte]
Elenco principal
  • Schofield - Wirley Contaifer[10]
  • Blake - Wagner Follare[10]
  • Mackenzie - Ricardo Schnetzer[10]
  • Lauri - Isabella Simi[10]
  • Hepburn - Márcio Simões[10]
  • Gordon - Guilherme Lopes[10]
  • Erinmore - Hélio Ribeiro[10]

Desenvolvimento

[editar | editar código-fonte]

A Amblin Partners e a New Republic Pictures anunciaram a aquisição do projeto em junho de 2018, que seria ambientado na Primeira Guerra Mundial, com Sam Mendes dirigindo e escrevendo o roteiro ao lado de Krysty Wilson-Cairns.[11] A história é baseada em um "fragmento" que o avô de Sam Mendes, Alfred Mendes, havia lhe contado; Alfred era natural de Trinidad e foi mensageiro dos britânicos na Frente Ocidental durante a guerra. Em agosto de 2019, Mendes foi citado como tendo dito: "É a história de um mensageiro que tem uma mensagem para levar. E é tudo o que posso dizer. Ele me apresentou quando criança, essa história ou esse fragmento e, obviamente, eu a ampliei significativamente. Contudo, fui fiel em manter sua essência".[12]

Foi relatado que Tom Holland estava em negociações para o filme em setembro de 2018, embora no final das contas não tenha se envolvido,[13] e em outubro, Roger Deakins estaria se reunindo com Mendes para atuar como diretor de fotografia.[14] George MacKay e Dean-Charles Chapman entraram em negociações para estrelar no mesmo mês.[15] Thomas Newman foi contratado para compor a partitura em março de 2019.[16] No mesmo mês, Benedict Cumberbatch, Colin Firth, Mark Strong, Richard Madden, Andrew Scott, Daniel Mays, Adrian Scarborough, Jamie Parker, Nabhaan Rizwan e Claire Duburcq se juntaram ao elenco.[17]

O diretor, co-roteirista e co-produtor Sam Mendes (à esquerda) e o diretor de fotografia Roger Deakins.

Roger Deakins foi o diretor de fotografia do filme, reunindo-se com Mendes para sua quarta colaboração, tendo trabalhado juntos pela primeira vez em Jarhead em 2005.[18] A filmagem foi realizada com tomadas longas e tomadas de câmera em movimento elaboradamente coreografadas para dar o efeito de duas tomadas contínuas.[19][20] Embora muitos relatos da mídia tenham se referido à história como sendo contada em apenas uma cena,[21][22] a tela fica preta após uma hora e seis minutos de filme, quando Schofield fica inconsciente e desaparece ao recuperar a consciência após o cair da noite.[23] Mendes explicou: "Tinha a ver com o fato de que eu queria que o filme fosse da tarde ao anoitecer e depois da noite ao amanhecer. Queria que fosse em dois movimentos... Queria levá-lo para algum lugar mais como uma alucinação. Em algum lugar mais surreal, quase como um sonho. E horrível também".[19]

1917 foi o primeiro filme a ser rodado com a câmera de cinema digital Arri Alexa Mini LF. Deakins queria usar uma câmera com sensor de imagem de grande formato, mas achou que a Alexa LF original era muito grande e pesada para capturar as fotos íntimas que ele desejava. A ARRI forneceu a ele um protótipo do Mini LF dois meses antes do início das filmagens e mais duas câmeras uma semana antes.[24][18] Suas lentes eram do modelo Arri Signature Primes, das quais ele usou três distâncias focais: uma lente de 40 mm para a maior parte do filme, uma lente mais larga de 35 mm para cenas em túneis e bunkers, para enfatizar sentimentos de claustrofobia,[18] e uma mais estreita de 47 mm em cenas envolvendo rios e cursos d'agua, “para perder um pouco do fundo”.[25]

As filmagens começaram em 1º de abril de 2019 e continuaram até junho, em Wiltshire, Hankley Common, Surrey, Govan, Escócia, bem como nos Estúdios Shepperton .[26][27][28][29] Preocupações foram levantadas sobre as filmagens planejadas na planície de Salisbury por conservacionistas, que achavam que a produção poderia perturbar restos potencialmente não descobertos na área, solicitando que fosse realizada uma pesquisa antes que qualquer construção de conjuntos começasse na terra.[30][31] Algumas fotos exigiram o uso de até 500 extras de fundo.

Seções do filme também foram realizadas em Low Force, nos arredores do Rio Tees, Teesdale, em junho de 2019. A equipe de produção teve que instalar placas de aviso para os caminhantes na área não se assustarem com os corpos espalhados pelo local, pois eram protéticos.[32] Para as cenas no rio, o elenco e a equipe foram auxiliados por um fornecedor local de aventuras ao ar livre para segurança e acrobacias.[33]

A filmagem do clímax do filme, chamada por muitos de "Schofield Run", exigiu uma extensa pré-produção e levou dois dias para ser filmada com George MacKay como Schofield correndo cerca de trezentos metros em meio a explosões e mais de quinhentos figurantes como soldados durante cada tomada. Os membros da equipe no set, incluindo dois operadores de câmera Dolly, tiveram que se vestir de soldados e passar na frente das lentes enquanto a câmera recuava para que a "coreografia complexa" da cena fosse executada corretamente. MacKay descreveu como eles realmente trabalharam na cena, dizendo: "Assim que as colisões aconteceram, elas pareciam inevitáveis. Há uma graça na corrida, mas também há uma realidade no fato de que ele foi atropelado no caminho". Só depois das filmagens é que MacKay percebeu o impacto que a cena teria sobre ele e o público quando viu o filme completo na tela. "Para ser sincero, chorei...", disse MacKay sobre os resultados, "...normalmente não fico tão emocionado vendo algo em que estive envolvido porque sou mais objetivo, mas achei tudo tão autêntico"; concluindo, MacKay descreveu a cena como um "reflexo de todo o filme", ​​ao mesmo tempo em que disse que "É uma jornada muito simples através de uma dificuldade enorme, mas há a noção de que isso tem que ser feito... É algo que sempre me recordarei de maneira orgulhosa".[34]

Trilha sonora

[editar | editar código-fonte]
1917 (Original Motion Picture Soundtrack)
Trilha sonora de Thomas Newman
Lançamento 20 de dezembro de 2019
Gênero(s) trilha sonora, orquestra
Duração 77:08
Gravadora(s) Amblin Partners
Sony Classical Records
Produção Bill Bernstein
Thomas Newman
Cronologia de Thomas Newman
Victoria & Abdul (2017)
Let Them All Talk (2020)

A partitura musical do filme foi composta por Thomas Newman, colaborador de longa data de Mendes. Pelo seu trabalho no filme, Newman foi indicado ao Óscar de melhor trilha sonora. O álbum da trilha sonora do filme foi lançado em 20 de dezembro de 2019.[35][36]

Faixas da trilha sonora
N.º Título Duração
1. "1917"   1:17
2. "Up the Down Trench"   6:19
3. "Gehenna"   3:34
4. "A Scrap of Ribbon"   6:29
5. "The Night Window"   3:41
6. "The Boche"   3:21
7. "Tripwire"   1:40
8. "A Bit of Tin"   2:02
9. "Lockhouse"   4:04
10. "Blake and Schofield"   4:20
11. "Milk"   10:10
12. "Écoust-Saint-Mein"   2:36
13. "Les Arbres"   3:36
14. "Engländer"   4:29
15. "The Rapids"   1:29
16. "Croisilles Wood"   2:06
17. "Sixteen Hundred Men"   6:32
18. "Mentions in Dispatches"   3:44
19. "Come Back to Us"   5:39
Duração total:
1:17:08

Lançamento e recepção

[editar | editar código-fonte]

O filme estreou em 4 de dezembro de 2019, no Royal Film Performance, em Londres.[2] Teve um lançamento muito limitado nos Estados Unidos e no Canadá, em 25 de dezembro de 2019. Isso permitiu que ele se tornasse elegível para os prêmios 2020, o primeiro dos quais foi o Globo de Ouro, realizado em 5 de janeiro de 2020. Na manhã seguinte à entrega desses prêmios, muitas pessoas descobriram que a obra havia ganhado o prêmio de Melhor Filme antes de seu amplo lançamento, em 10 de janeiro de 2020.[1] No Brasil, estreou em 23 de janeiro de 2020.[3] No entanto, o filme foi afetado pelo lockdown mundial por conta da Pandemia de COVID-19.[37][38] 1917 foi lançado em formato Digital HD em 10 de março de 2020 e pela Universal Pictures Home Entertainment em DVD, Blu-ray e Ultra HD Blu-ray em 24 de março de 2020.[39]

Desempenho comercial

[editar | editar código-fonte]

1917 arrecadou US$ 159,2 milhões nos Estados Unidos e Canadá, e US$ 225,7 milhões em outros países, obtendo um total mundial de US$ 384,9 milhões,[40] contra um orçamento de produção de US$ 90–100 milhões.[41][42] A Deadline Hollywood calculou o lucro líquido do filme em US$ 77 milhões.[43]

Nos Estados Unidos, o filme arrecadou US$ 251 mil em seu primeiro dia de lançamento limitado.[44] O filme teve um fim de semana de abertura limitado de US$ 570.000 e um faturamento bruto de US$ 1 milhão em cinco dias, com uma média de US$ 91.636 por local.[45] O filme arrecadaria um total de US$ 2,7 milhões em seus quinze dias de lançamento limitado. Em seguida, expandiu-se amplamente em 10 de janeiro, arrecadando US$ 14 milhões em seu primeiro dia, incluindo US$ 3,25 milhões nas prévias de quinta à noite. Arrecadou US$ 36,5 milhões no fim de semana (superando as projeções originais de US$ 25 milhões), tornando-se o primeiro filme a superar Star Wars: The Rise of Skywalker nas bilheterias.[46] Em seu segundo fim de semana de lançamento, o filme arrecadou US$ 22 milhões (com US$ 26,8 milhões durante os quatro dias do feriado prolongado de Martin Luther King), terminando em terceiro, atrás de Bad Boys para Sempre e Dolittle.[47] Em seguida, arrecadou US$ 15,8 milhões e US$ 9,7 milhões nos dois fins de semana seguintes, permanecendo em segundo lugar em ambas as ocasiões.[48][49] Durante o fim de semana de quatro dias do Óscar, o filme arrecadou US$ 9,3 milhões.[50][51]

Resposta crítica

[editar | editar código-fonte]

No site de agregação de críticas cinematográficas Rotten Tomatoes, o filme possui uma taxa de aprovação de 90% com base em 328 críticas, com uma classificação média de 8,42/10; o consenso crítico do site diz: "Impressionante, imersivo e uma conquista técnica esplêndida, 1917 captura a guerra de trincheiras da Primeira Guerra Mundial com uma rapidez crua e surpreendente".[52] O Metacritic atribuiu-lhe uma pontuação média ponderada de 79 em 100, com base em 55 críticos, indicando "críticas geralmente favoráveis".[53] O público consultado pelo CinemaScore atribuiu ao filme a nota média "A-" na escala de "A+" a "F" e o PostTrak relatou que o filme recebeu uma média de 4,5 de 5, com 69% do público dizendo que definitivamente o recomendariam.[46]

Vários críticos nomearam o filme entre os melhores de 2019, incluindo Kate Erbland do IndieWire[54] e Sheri Linden do The Hollywood Reporter.[55] Escrevendo para o jornal indiano Hindustan Times, Rohan Naahar declarou: "Só posso imaginar o efeito que 1917 terá sobre o público que não está familiarizado com as técnicas que Sam Mendes e Roger Deakins estão prestes a lançar sobre eles".[56] Em sua crítica para a National Public Radio, Justin Chang foi menos positivo: ele concordou que o filme foi uma "conquista técnica alucinante", mas não o achou tão espetacular no geral, já que o estilo de Mendes com sua impressão de tomada contínua "pode ​​​​ser tão perturbador quanto envolvente".[57]

Manohla Dargis, do The New York Times, chamou o filme de "um filme de guerra cuidadosamente organizado e higienizado [...] que transforma um dos episódios mais catastróficos dos tempos modernos em um exercício de exibicionismo arrogante".[58] Alison Willmore do Vulture comparou-o desfavoravelmente ao filme de guerra Dunkirk (2017), escrevendo: "O artifício da premissa estética supera qualquer uma das outras intenções do filme".[59]

Em 2023, a revista estadunidense Parade incluiu o filme em sua lista dos "50 melhores filmes de guerra de todos os tempos".[60]

Prêmios e indicações

[editar | editar código-fonte]

1917 recebeu 10 indicações no 92.º Oscar, incluindo de Melhor Filme, Melhor Diretor e Melhor Roteiro Original.[61][62] Recebeu três indicações no 77.º Globo de Ouro, vencendo duas por Melhor Filme - Drama e Melhor Diretor.[63] Também recebeu oito indicações no 25º Critics 'Choice Awards e nove no 73.º British Academy Film Awards.[64][65] Foi escolhido pelo National Board of Review e pelo American Film Institute como um dos dez melhores filmes do ano.[66][67]

Prêmio Categoria Notas Situação
Oscar 2020 Melhor Filme Indicado
Melhor Diretor Sam Mendes Indicado
Melhor Roteiro Original Sam Mendes & Krysty Wilson-Cairns Indicado
Melhor Fotografia Roger Deakins Venceu
Melhor Cabelo e Maquiagem Naomi Donne Indicado
Melhor Trilha Sonora Original Thomas Newman Indicado
Melhor Edição de Som Indicado
Melhor Mixagem de Som Venceu
Melhor Design de Produção Dennis Gassner e Lee Sandales Indicado
Melhor Efeitos Visuais Venceu
Globo de Ouro 2020 Melhor Filme de Drama Venceu
Melhor Diretor Sam Mendes Venceu
Melhor Trilha Sonora Original Thomas Newman Indicado
BAFTA 2020 Melhor Filme Venceu
Melhor Diretor Sam Mendes Venceu
Melhor Fotografia Roger Deakins Venceu
Melhor Filme Britânico Venceu
Melhor Design de Produção Dennis Gassner e Lee Sandales Venceu
Melhor Maquiagem e Cabelo Naomi Donne Indicado
Melhor Som Scott Millan, Oliver Tarney, Rachael Tate, Mark Taylor e Stuart Wilson Venceu
Melhores Efeitos Visuais Greg Butler, Guillaume Rocheron e Dominic Tuohy Venceu
Critic's Choice Awards 2020 Melhor Filme Indicado
Melhor Direção Sam Mendes Venceu
Melhor Fotografia Roger Deakins Venceu
Melhor Design de Produção Dennis Gassner e Lee Sandales Indicado
Melhor Edição Lee Smith Venceu
Melhores Efeitos Visuais Greg Butler, Guillaume Rocheron e Dominic Tuohy Indicado
Melhor Filme de Ação Indicado
Melhor Trilha Sonora Original Thomas Newman Indicado
Directors Guild Awards 2020 Melhor Diretor Sam Mendes Venceu
Producers Guild Awards 2020 Melhor Filme Venceu
Writers Guild Awards 2020 Melhor Roteiro Original Sam Mendes & Krysty Wilson-Cairns Indicado

Precisão histórica

[editar | editar código-fonte]
Soldados britânicos seguindo os alemães perto de Brie, na França, março de 1917.

O filme foi inspirado na Operação Alberich, uma retirada alemã para novas posições na Linha Hindenburg, mais curta e mais facilmente defendida, que ocorreu entre 9 de fevereiro e 20 de março de 1917.[68][69] No entanto, todos os personagens principais e secundários são meramente fictícios.[70]

Ao contrário da representação do filme, o número de soldados negros servindo diretamente no próprio exército britânico era desconhecido, mas insignificante, já que a população negra na Grã-Bretanha na época era pequena. Em vez disso, a maioria das tropas negras que participaram no esforço de guerra britânico serviram nos seus próprios regimentos coloniais da África e das Índias Ocidentais Britânicas.[71] Mais de quinze mil homens das Índias Ocidentais alistaram-se no exército durante a Primeira Guerra Mundial e, em 1915, foram organizados no Regimento das Índias Ocidentais Britânicas.[72] O regimento serviu no Teatro de operações do Oriente Médio na Primeira Guerra Mundial, incluindo a Campanha do Sinai e Palestina, além da Campanha da Mesopotâmia.[73][74] Os Siques indianos também teriam servido em seus próprios regimentos como parte do Exército da Índia Britânica, não como indivíduos nas fileiras dos regimentos e corpos britânicos (como mostrado no filme). No final de 1915, as formações de infantaria indianas foram retiradas da Frente Ocidental e enviadas para o Médio Oriente.[72][75]

O historiador militar Jeremy Banning criticou as táticas militares retratadas no filme, declarando: "Não fazia sentido, como o filme retrata, ter alguns batalhões nove milhas além da antiga linha alemã e outros aparentemente não saberem se esta linha era tripulada [ ...] Quanto ao ataque dos Devons, nenhuma unidade atacaria sem o apoio de artilharia adequado”.[76]

Referências

  1. a b «Universal Dates Sam Mendes' '1917' For Christmas 2019». Deadline Hollywood. Cópia arquivada em 4 de abril de 2019 
  2. a b «Sam Mendes War Movie '1917' To World Premiere As UK Royal Charity Event» 
  3. a b c «1917». AdoroCinema. 23 de janeiro de 2020. Consultado em 19 de janeiro de 2020 
  4. a b «1917». Cinecartaz. Portugal. Consultado em 28 de abril de 2023 
  5. «1917 (2019)». Box Office Mojo. Consultado em 17 de julho de 2023 
  6. «"It Was Part Of Me": Director Sam Mendes On The Family History In '1917'». www.ktep.org (em inglês) 
  7. «Joker, 1917, Once Upon A Time..., and The Irishman Receive the Most Oscar Nominations 2020». oscar.go.com 
  8. «'1917' Wins At The Golden Globes, Before Most People Can Even See It». NPR.org (em inglês) 
  9. «BAFTA Nominations Put '1917' in the Awards Spotlight Again - and 'Joker,' Too». TheWrap (em inglês) 
  10. a b c d e f g h i j k l «1917». Delart. Consultado em 18 de maio de 2022. Cópia arquivada em 18 de maio de 2022 
  11. Jr, Mike Fleming. «Amblin, Sam Mendes Set WWI Drama '1917' As His First Directing Effort Since James Bond Pics 'Spectre' & 'Skyfall'». Deadline Hollywood. Cópia arquivada em 31 de março de 2019 
  12. «Mendes epic is a personal battle». The Times. ISSN 0140-0460 
  13. Zinski, Dan. «Tom Holland In Talks To Star In Sam Mendes' WWI Drama 1917». ScreenRant. Cópia arquivada em 4 de abril de 2019 
  14. Marc, Christopher. «Oscar-Winning 'Blade Runner 2049' Cinematographer Roger Deakins Might Reunite With Sam Mendes For WWI Movie '1917'». Cópia arquivada em 4 de abril de 2019 
  15. «George MacKay, 'GOT's Dean-Charles Chapman In Talks For Leads In Sam Mendes WWI Pic '1917'». Deadline Hollywood. Cópia arquivada em 4 de abril de 2019 
  16. «Thomas Newman to Score Sam Mendes' '1917'». Film Music Reporter. Cópia arquivada em 4 de abril de 2019 
  17. Galuppo, Mia. «Colin Firth, Benedict Cumberbatch Join Sam Mendes' WWI Movie '1917'». The Hollywood Reporter. Cópia arquivada em 28 de março de 2019 
  18. a b c Bosley, Rachael (13 de janeiro de 2020). «Lives Under Siege: The Goldfinch and 1917». American Cinematographer. American Society of Cinematographers. Consultado em 10 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 28 de fevereiro de 2020 
  19. a b Libbey, Dirk (15 de janeiro de 2020). «Why 1917 Director Sam Mendes Broke The One Shot Format For That Scene». CinemaBlend (em inglês). Portland, Oregon. Consultado em 11 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 15 de janeiro de 2020 
  20. Sims, David (3 de janeiro de 2020). «1917 Is a Visual Feat and a Bad Movie». The Atlantic. Consultado em 11 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 3 de janeiro de 2020 
  21. Giardina, Carolyn (30 de setembro de 2019). «New Video Shows How Sam Mendes, Roger Deakins Shot '1917' to Appear as One Continuous Take». The Hollywood Reporter. Consultado em 30 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 30 de setembro de 2019 
  22. Evangelista, Chris (30 de setembro de 2019). «'1917' Featurette Teases a War Epic Told in One Continuous Shot». Slash Film. Consultado em 30 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 30 de setembro de 2019 
  23. Hertz, Barry (26 de dezembro de 2019). «Let's talk about 1917's 'one-shot' conceit, and the line between gimmick and greatness». Globe and Mail (em inglês). Toronto. Consultado em 11 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 1 de janeiro de 2020 
  24. Guerrasio, Jason (24 de janeiro de 2020). «The camera Roger Deakins used to shoot Oscar-nominated '1917' was the first of its kind. Here's the inside story of the Arri ALEXA Mini LF.». Business Insider. Consultado em 10 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 25 de janeiro de 2020 
  25. ARRI Interview: The immersive camera movement of "1917". YouTube: ARRIChannel. 11 de fevereiro de 2020. Em cena em 3:25. Consultado em 13 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2020 
  26. «Chance to star in Hollywood movie filming in Wiltshire». Spire FM. Cópia arquivada em 4 de abril de 2019 
  27. «World War One film to begin production on Hankley Common». Eagle Radio. Cópia arquivada em 4 de abril de 2019 
  28. «Spielberg movie wants to film in Glasgow». BBC News – via www.bbc.com 
  29. Marc, Christopher. «EXCLUSIVE: Sam Mendes' '1917' Adds 'Skyfall/Blade Runner 2049' Production Designer and 'Atonement' Art Director – Confirmed To Shoot At Shepperton Studios». Cópia arquivada em 2 de abril de 2019 
  30. «Spielberg and Mendes Stonehenge war film plans hit by locals' objections». The Guardian 
  31. D'Alessandro, Anthony. «Sam Mendes' '1917' Nears Production: Mark Strong, Colin Firth, Benedict Cumberbatch & More Join Cast». Deadline Hollywood. Cópia arquivada em 28 de março de 2019 
  32. Chapman (ed.). «Spielberg's new drama filmed in Teesdale warns of prosthetic bodies». The Northern Echo. ISSN 2043-0442 
  33. «Shooting 1917 on Location on the River Tees». Keswick Adventures. 8 de junho de 2020. Consultado em 8 de junho de 2020. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2021 
  34. Fretts, Bruce (28 de janeiro de 2020). «How the Star of '1917' Pulled Off That Thrilling Final Run». The New York Times. Consultado em 11 de junho de 2022 
  35. «'1917' Soundtrack Details». Film Music Reporter. Consultado em 15 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 29 de outubro de 2020 
  36. Pentreath, Rosie (28 de janeiro de 2020). «'1917' film soundtrack: who wrote it and how can I listen?». Consultado em 27 de dezembro de 2020. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2021 – via www.classicfm.com 
  37. «1917». The Numbers (em inglês). Nash Information Services, LLC. Consultado em 18 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2021 
  38. Pulver, Andrew; Sweney, Mark (5 de janeiro de 2021). «Battlefield drama 1917 wins 2020 UK box office in pandemic-struck year». The Guardian. Consultado em 27 de dezembro de 2022. Cópia arquivada em 29 de novembro de 2022 
  39. «1917 DVD Release Date». DVDs Release Dates (em inglês). Consultado em 21 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2020 
  40. «1917». Box Office Mojo (em inglês). IMDb. Consultado em 17 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 17 de janeiro de 2021 
  41. Siegel, Tatiana (26 de dezembro de 2019). «Making of '1917': How Sam Mendes Filmed a "Ticking Clock Thriller"». The Hollywood Reporter. Consultado em 26 de dezembro de 2019. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2019 
  42. Lang, Brent (10 de janeiro de 2020). «Box Office: 1917 Picks Up Impressive $3.2 Million in Previews, Kristen Stewart's Underwater Bombing». Variety. Consultado em 12 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 12 de janeiro de 2020 
  43. D'Alessandro, Anthony (14 de abril de 2019). «WWI Epic '1917' Entrenched At No. 19 In Deadline's 2019 Most Valuable Blockbuster Tournament». Deadline Hollywood. Consultado em 14 de abril de 2019. Cópia arquivada em 15 de abril de 2020 
  44. D'Alessandro, Anthony (26 de dezembro de 2019). «'Rise of Skywalker' Rings Up Second Best Christmas Ever With $32M+; 'Little Women' $6M+; 'Spies in Disguise' Near $5M». Deadline Hollywood. Consultado em 26 de dezembro de 2019. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2019 
  45. Ramos, Dino-Ray (29 de dezembro de 2019). «'1917', 'Just Mercy' And 'Clemency' Open Strong In Limited Debuts Over Busy Holiday Weekend – Specialty Box Office». Deadline Hollywood. Consultado em 29 de dezembro de 2019. Cópia arquivada em 29 de dezembro de 2019 
  46. a b D'Alessandro, Anthony (13 de janeiro de 2020). «'1917' Great $37M, 'Like A Boss' Bests 'Just Mercy' For 4th With $10M; Why Kristen Stewart's 'Underwater' Went Kerplunk – Update». Deadline Hollywood. Consultado em 12 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 8 de novembro de 2020 
  47. D'Alessandro, Anthony (19 de janeiro de 2020). «'Bad Boys For Life' So Great With $100M+ Worldwide; 'Dolittle' Still A Dud With $57M+ Global – Box Office Update». Deadline Hollywood. Consultado em 20 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 20 de janeiro de 2020 
  48. D'Alessandro, Anthony (24 de janeiro de 2020). «'Bad Boys For Life' & '1917' Shooting Past $100M; 'The Turning' Slammed With Second 'F' Of 2020 e». Deadline Hollywood. Consultado em 26 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2020 
  49. D'Alessandro, Anthony (2 de fevereiro de 2020). «'Bad Boys For Life' Scores Over Super Bowl Weekend With $17M+; 'Rhythm Section' Is A Mess». Deadline Hollywood. Consultado em 2 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 1 de fevereiro de 2020 
  50. D'Alessandro, Anthony (9 de fevereiro de 2020). «How 'Birds of Prey' Went Astray With $33M+ Opening». Deadline Hollywood. Consultado em 9 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 8 de fevereiro de 2020 
  51. D'Alessandro, Anthony (16 de fevereiro de 2020). «' 'Sonic The Hedgehog' Runs Faster With 4-Day Of $68M». Deadline Hollywood. Consultado em 16 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 15 de fevereiro de 2020 
  52. «1917 (2019)». Fandango Media 
  53. «1917 Reviews». CBS Interactive 
  54. Kohn, Eric; Thompson, Anne; Erbland, Kate; Ehrlich, David; Obenson, Tambay A.; Blauvelt, Christian (11 de dezembro de 2019). «The 15 Best Film Performances By Actors in 2019». Consultado em 10 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 18 de dezembro de 2019 
  55. «Awkwafina – Hollywood Reporter Film Critics Pick the 25 Best Performances of the Year». The Hollywood Reporter. 16 de dezembro de 2019. Consultado em 10 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 10 de janeiro de 2020 
  56. «1917 movie review: Sam Mendes directs one of the best war movies of all time, will leave you stunned in your seat». Hindustan Times. 17 de janeiro de 2020. Consultado em 20 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 19 de janeiro de 2020 
  57. Chang, Justin. «'1917' Is A Mind-Boggling Technological Achievement — But Not A Great Film». Fresh Air (em inglês). NPR. Consultado em 18 de janeiro de 2020. Cópia arquivada em 18 de janeiro de 2020 
  58. Dargis, Manohla (24 de dezembro de 2019). «'1917' Review: Paths of Technical Glory». The New York Times. Consultado em 2 de abril de 2020. Cópia arquivada em 29 de janeiro de 2020 
  59. Willmore, Alison. «1917 Is More Filmmaking Stunt Than Movie». Vulture. Consultado em 2 de abril de 2020. Cópia arquivada em 26 de abril de 2020 
  60. https://parade.com/1039834/npond/best-war-movies/
  61. Sharf, Zack. «Oscar Nominations 2020 Full List: 'The Irishman,' 'Joker,' 'Once Upon a Time' Dominate». IndieWire (em inglês) 
  62. Rottenberg, Josh. «'Joker' tops this year's Oscar nominations, with '1917,' 'Irishman,' 'Once Upon a Time' close behind». Los Angeles Times (em inglês) 
  63. Bisset, Jennifer. «Golden Globes 2020: The full winners list». CNET 
  64. «Critics' Choice: 'The Irishman,' 'Once Upon a Time in Hollywood' Lead Movie Nominations». Variety 
  65. Ritman, Alex. «BAFTA Nominations: 'Joker' Leads the Pack». The Hollywood Reporter 
  66. Lewis, Hilary. «'The Irishman' Named Best Film by National Board of Review». The Hollywood Reporter 
  67. «AFI AWARDS 2019 Honorees Announced». American Film Institute (em inglês) 
  68. «Operation Alberich, the campaign that inspired Sam Mendes' 1917». History.co.uk. Consultado em 12 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 21 de março de 2020 
  69. Simkins, P.; Jukes, G.; Hickey, M. (2003). The First World War: The War to End All Wars. Oxford: Osprey. pp. 111–119. ISBN 978-1-84176-738-3. Consultado em 16 de janeiro de 2021. Cópia arquivada em 16 de janeiro de 2021 
  70. «1917 was Inspired by a True Story Sam Mendes' Grandfather Told to Him». History vs. Hollywood. Consultado em 12 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2020 
  71. «Experiences of colonial troops». British Library. 29 de janeiro de 2014. Consultado em 14 de novembro de 2020. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2021 
  72. a b «Fact-checking 1917: how historically accurate is Sam Mendes's First World War film?». The Daily Telegraph. 10 de fevereiro de 2020. Consultado em 12 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 10 de fevereiro de 2020 
  73. Tucker, Spencer; Roberts, Priscilla Mary. Encyclopedia of World War I. [S.l.: s.n.] p. 508 
  74. Quiroga, Stefan Aguirre (2019). «Race, Battlefield 1 and the White Mythic Space of the First World War.». Alicante Journal of English Studies. 31: 187–193. Consultado em 23 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2021 
  75. Omissi, Dr David. «India and the Western Front». BBC History. Consultado em 12 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 28 de janeiro de 2011 
  76. «"A staggering tour de force – but an opportunity missed": a historian's review of the film 1917». HistoryExtra. 14 de janeiro de 2020. Consultado em 12 de fevereiro de 2020. Cópia arquivada em 14 de janeiro de 2020 

Ligações externas

[editar | editar código-fonte]