500 Milhas de Indianápolis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde setembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Corrida da Indy 500 em 1994.

As 500 Milhas de Indianápolis, Indianápolis 500 ou só Indy 500,é uma das três mais tradicionais corridas automobilísticas do mundo e a principal prova do campeonato da IndyCar(br:Fórmula Indy), no Indianapolis Motor Speedway, nos Estados Unidos. É apontada como uma das maiores corridas do planeta. O evento, anunciado como The Greatest Spectacle in Racing(o maior espetáculo do automobilismo, na tradução literal), é considerado parte da Tríplice Coroa do Automobilismo, que é composto por três dos mais prestigiados eventos do esporte a motor no mundo(o Grande Prêmio de Mônaco e as 24 Horas de Le Mans completam a lista). A cobertura oficial não é divulgada pela gerência de Speedway, mas a capacidade permanente é mais de 250.000 espectadores, e patronos do 'infield' elevam o atendimento de dia de corrida para aproximadamente 300 mil. [1]

O circuito[editar | editar código-fonte]

O formato do Indianapolis Motor Speedway é um retângulo com os vértices arredondados, possuindo 2 retas longas com 5/8 de milhas (1005,84 metros) de extensão, 2 retas curtas com 1/8 de milha (201,17 metros) de extensão, 4 curvas com 1/4 de milha (402,34 metros) de extensão inclinadas(e consideravelmente menores do que os ovais de Brooklands, Monza e Daytona) a 9° 12' com raio de 0,16 milhas (257,49 metros), chegando a um total de 4023,36 metros (4 Km) ou 2,5 milhas, a largura da pista é de 50 pés (15 metros).

Indianapolis Motor Speedway - Speedway.svg

Durante a primeira metade dos anos 90 - quando o superoval começou a receber eventos de esporte a motor de outras disciplinas - os muros foram substituídos. Além disso, a área de escape foi expandida e construiu-se uma rota paralela do aquecimento para o circuito oval.

Os pilotos correm 200 voltas, no sentido anti-horário em torno do circuito, para uma distância de 500 milhas (800 km). Desde a sua criação em 1911, a corrida sempre foi agendada domingo em torno do Memorial Day. Os treinos livres e classificação são realizados nas duas semanas que antecederam a corrida.

Por tradição, o grid têm 33 carros, alinhadas em onze filas de três carros para cada um. O evento é disputado num monoposto, cockpit e com carros de corrida construídos especialmente para aquele tipo de oval. A partir da temporada de 2015 da IndyCar, todos os participantes utilizam motor turbo V6 com 2.2 litros, ajustados para produzir uma gama de 700 kW. Chevrolet e Honda são os fabricantes de motores atuais envolvido no esporte. A Firestone, que tem uma história profunda no esporte a motor, de onde datam as primeiras corridas em circuito oval de Indianápolis, é o conjunto de pneu exclusivo.

Oficialmente o holandês Arie Luyendyk alcançou voltas com velocidades médias de mais de 237,498 milhas por hora (382 216 km/h) na classificação da corrida de 1996. Tom Sneva, foi o primeiro a superar a barreira das voltas com médias horárias no circuito oval com média de 200 milhas por hora (320 km/h) em classificações na corrida de 1977 para uma média de 200,535 milhas por hora (322 730 km/h). Oficialmente o recorde de Indy 500 mais rápida de 1990 de 185,981 milhas por hora (299 307 km/h) registrada por Luyendyk perdurou até as 500 Milhas de Indianápolis de 2013 quando Tony Kanaan registrou 187,433 milhas por hora (301 644 km/h); e Eddie Cheever detém o recorde da volta mais veloz da corrida em 236,103 milhas por hora (379 971 km/h).

Imagem aérea do IMS

O Indianapolis Motor Speedway(IMS) é um dos mais antigos circuitos dos Estados Unidos e do mundo, construído em 1909 feito inicialmente de pedras, posteriormente, devido aos inúmeros acidentes provocados pelas pedras ferindo pilotos e espectadores, o circuito ganhou uma camada de tijolos cobrindo toda a extensão da pista. Por isso, até hoje o IMS é chamado de The Brickyard, em termos práticos, "Brickyard" significa "terreno dos tijolos", que é o apelido do oval em referência a sua anterior superfície coberta com tijolos.

Após 1960 o IMS ganhou uma camada de asfalto, mas mantendo no ponto de largada e chegada uma faixa de 1 metro de tijolos que é sua marca registrada.

A corrida inaugural foi vencida por Ray Harroun(com o inventivo espelho retrovisor) em 1911. A corrida comemorou seu centenário nas 500 Milhas de Indianápolis de 2011. Os pilotos mais bem sucedidos na corrida são A. J. Foyt, Al Unser, e Rick Mears, cada um dos quais venceram quatro vezes as Indy 500. Rick Mears detém o recorde de carreira de pole positions, com seis. O dono de equipe mais bem sucedido é Roger Penske, dono da equipe Penske Racing, que tem 16 vitórias e 17 poles no total.(Até as Indy 500 de 2015)

Recordes de velocidade das 500 Milhas de Indianápolis[editar | editar código-fonte]

Recordes da Indy 500 de todos os tempos
Tipo Distância Gênero Piloto Tempo Média de velocidade Data
Voltas Mi Km mph km/h
Treinos livres(não-oficiais) 1 2.5 4.0 Homens Países Baixos Arie Luyendyk 00:37.616 239.260 385.052 10 de maio de 1996
Mulheres Estados Unidos Danica Patrick 00:39.1508 229.880 369.956 15 de maio de 2005
Classificação 1 2.5 4.0 Homens Países Baixos Arie Luyendyk 00:37.895 237.498 382.216 12 de maio de 1996
Mulheres Estados Unidos Sarah Fisher 00:39.1858 229.675 369.626 11 de maio de 2002
4 10.0 16.1 Homens Países Baixos Arie Luyendyk 02:31.908 236.986 381.392 12 de maio de 1996
Mulheres Estados Unidos Sarah Fisher 02:36.9046 229.439 369.246 11 de maio de 2002
Volta mais rápida 1 2.5 4.0 Homens Estados Unidos Eddie Cheever 00:38.119 236.103 379.971 26 de maio de 1996
Mulheres          
Indy 500 mais rápida 200 500 800 Homens Brasil Tony Kanaan 2:40:03.4181 187.433 301.644 26 de maio de 2013
Mulheres
Tomadas oficiais de tempo e velocidade registrada apenas em concorrência direta de treinos, classificação ou corrida

Classificação[editar | editar código-fonte]

Em 2014, o procedimento de classificação foi refinado, tal que o vencedor de posição da pole position e o grid de largada seria determinado em dois dias. No fim de semana antes da corrida (sábado e domingo), todos os carros são inseridos em um sorteio para a ordem de classificação.

  • Sábado: Todas os inscritos podem fazer até três tentativas para se classificar. Os top 33 no final do dia estarão determinados. Os carros do top nine vão avançar para uma sessão especial para determinar a posição de pole position. Fazendo uma tentativa na segunda (ou terceira) automaticamente perde a tentativa anterior.
  • Domingo: Os pilotos que classificaram em décimo lugar até o trigésimo-terceiro lugar no sábado tem seus tempos originais apagados e saem para fazer uma novas tentativas. Esta execução de tentativas determinam o alinhamento das posicionamento de décimo até o trigésimo-terceiro. Os pilotos que classificaram nos nove primeiros lugares no sábado avançam para a parte final. Os carros também têm seu tempo original apagado. Cada carro faz uma nova tentativa e determinar o alinhamento para as nove primeiras posições, incluindo o altamente cobiçado pole-position.

Para cada tentativa, carros são permitidos duas voltas de aquecimento. Naquele tempo, um membro da equipe está destacado na extremidade norte do autódromo. Ele/ela deve acenar uma bandeira verde, sinalizando uma tentativa, ou então o carro estará fora. A tentativa pode ser cancelada durante qualquer uma das quatro voltas pela equipe, piloto ou a IndyCar.

Organização da corrida[editar | editar código-fonte]

De 1911 até 1955, o evento fazia parte do Campeonato Nacional da Associação Automobilística Americana[2] (em inglês: American Automobile Association), mais conhecida por AAA. No rastro das consequências da tragédia de Le Mans em 1955, a AAA deixou de promover corridas. Tony Hulman, proprietário do circuito oval de Indianápolis, criou a United States Auto Club(USAC) e a Indy 500 tornou-se uma prova do campeonato nacional da USAC. A corrida também contava pontos - até 1960 - para a Fórmula 1, embora raramente pilotos do Campeonato Mundial da Fórmula 1 disputassem(exceto Alberto Ascari).

Em 1979, os donos de equipes fundaram a Championship Auto Racing Teams(CART), que começou a promover seu próprio campeonato de monopostos. Anos mais tarde, a USAC deixou de promover corridas de monopostos americanos, apesar de continuar supervisionando as 500 milhas de Indianápolis(até 1997), que rapidamente se juntou ao calendário de corridas da CART.

Tony George, dono do oval de Indianápolis no início da década de 1990, anuncia planos de fundar um novo campeonato chamado Indy Racing League(IRL), alegando zelar pela tradição dos circuitos ovais americanos e as especificações dos monopostos, e, em seguida, teve seu nome alterado para IndyCar Series no início da década de 2000. A IndyCar Series e a já renomeada Champ Car, se unificaram em 2008 em um único campeonato e se tornariam posteriormente IndyCar.

História[editar | editar código-fonte]

Os primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Prova de 1912.

As primeiras 500 milhas foram realizadas no dia 30 de maio de 1911, dia do Memorial Day,[3] e foram vencidas pelo americano Ray Harroun pilotando um Marmon 32 Wasp, que possuía um espelho retrovisor, o que possibilitava Harroun a olhar os pilotos que vinham atrás dele sem desviar a atenção da corrida.[4] Harroun foi declarado o vencedor, embora Ralph Mulford protestasse contra o resultado oficial. 80.000 espectadores estiveram presentes na sua primeira edição. Muitos consideraram a atitude de Harroun, em correr sem um mecânico a bordo, muito perigosa (na época, os carros corriam com duas pessoas a bordo).[5]

Em 1912, o valor pago para o vencedor era de US$50,000.[6] O grid de largada foi limitado para 33 carros (onde permanece até hoje)[7] e a inclusão de um mecânico a bordo tornou-se obrigatória. A segunda edição foi vencida por Joe Dawson depois que o Mercedes de Ralph de Palma quebrou.[6] Embora a primeira corrida fosse ganha por um piloto americano ao volante de um carro americano, os fabricantes europeus, como a italiana Fiat ou a francesa Peugeot logo desenvolveram seus próprios veículos para tentar ganhar o evento, o que fizeram de 1912 á 1919. Após a Primeira Guerra Mundial, os pilotos nativos e os fabricantes americanos recuperaram seu domínio na corrida. O engenheiro Harry Miller estabeleceu-se como o mais competitivo dos construtores do pós-guerra. Seus progressos técnicos permitiram-lhe ser indiretamente ligados a uma história de sucesso que iria durar até meados dos anos 1970..[8]

Em 1946 o cantor de ópera e entusiasta do automobilismo James Melton cantou pela primeira vez "(Back Home Again in) Indiana" a pedido do presidente do IMS na época, Tony Hulman . Essa tradição continua até hoje e desde 1972 é cantada na voz do ator e cantor Jim Nabors até as 500 Milhas de Indianápolis de 2014.[9]

Miller e Offenhauser[editar | editar código-fonte]

Carro de 1932.

Seguindo o regulamento europeu, as cilindradas limitavam-se a 183 cu in (3,000 cc) durante o período de 1920-1922, 122 cu in (2,000 cc) de 1923 a 1925, e 91 cu in (1,490 cc) em 1926-1929. [6] a corrida de 1920 foi vencida por Gaston Chevrolet em um Frontenac, preparado por seus irmãos, alimentados pelo motor de oito cilindros para ganhar as 500 Milhas de Indianápolis de 1920. [6] Para a edição de 1923 as regras mudaram: a presença de um co-piloto, que fazia a função de mecânico a bordo não eram mais necessárias. [10] Primeiro, um carro com supercompressor, venceu a corrida em 1924. [10] Em 1925, Pete DePaolo foi o primeiro a ganhar uma média sobre 100 milhas por hora (160 km/h), com uma velocidade de 101,13 milhas por hora (162 75 km/h).[6]

No início da década de 1920, Harry Miller construiu seu próprio motor de 3.0 litros(183 in³), inspirado no motor de um Peugeot Grand Prix, que tinha sido atendido em sua loja por Fred Offenhauser em 1914, o colocou no Duesenberg de James Anthony Murphy e permitindo-lhe ganhar a edição de 1922 da Indianapolis 500. [8] Miller então criou seus próprio automóveis, que compartilhou a designação 'Miller', que, por sua vez, foram alimentados por sobrealimentação versões de seus 1.5 e 2.0 litros (122 e 91 in ³) de motor único, vencendo quatro corridas mais para o motor Miller até 1929 (dois deles, 1926 e 1928, em chassis de Miller). Os motores Miller impulsionaram outros sete vencedores até 1938 (dois deles, 1930 e 1932, em chassis de Miller), então foi quem primeiro cuidou com estoque esse tipo de motores antes mais tarde sendo ajustada à fórmula internacional de 3,0 litros.[11]

Mercedes-Benz W154 inscrito por Don Lee na Indianapolis 500 de 1947 com Duke Nalon como piloto

Após a compra do circuito oval em 1927, Eddie Rickenbacker proibiu supercompressores e exceder o limite de deslocamento para 366 cu in (6,000 cc), enquanto também reintrodução do cavalo mecânico. [10]

Em 1935, ex-funcionários do Miller, Fred Offenhauser e Leo Goosen, já tinham alcançado a primeira vitória com o brevemente famoso Offenhauser de 4 cilindros famosos ou o motor Offy. Este motor foi para sempre conectado com a história do Brickyard com um total de registro até a data de 27 vitórias(2015), em forma naturalmente aspirada com supercompressor e ganhando da mesma forma um recorde de 18 anos consecutivos, entre 1947 e 1964.[12]

Invasão européia[editar | editar código-fonte]

Lotus de Fórmula 1 vencedora da prova de 1965.

Depois de duas décadas ausente, os fabricantes europeus retornaram a Indianápolis após quase 2 décadas, pouco antes da Segunda Guerra Mundial fez um breve retorno antes de Segunda Guerra Mundial, com a concorrência Maserati 8CTF permitindo Wilbur Shaw para se tornar o primeiro piloto a vencer consecutivamente em Indianápolis em 1939-1940.[13] Com a Indianapolis 500, tendo sido uma parte do calendário da Fórmula 1 entre 1950 e 1960, [13] [14] a Ferrari fez uma aparição discreta no evento em 1952 com Alberto Ascari, um dos poucos europeus a participar da prova nesse período,[15] mas inscrições vindas de europeus foram escassas durante esses dias. Entre os pilotos de Fórmula 1 que correram em Indianápolis foi o lendário argentino Juan Manuel Fangio, porém ele não conseguiu se classificar para a corrida de 1958.

De fato, depois da prova das 500 milhas de Indianápolis ser retirada do calendário de Fórmula 1(em 1960), inscrições européias fizeram seu retorno, como o bicampeão mundial de Fórmula 1 Jack Brabham que dirigia um ligeiramente modificado Cooper da F1 na corrida de 1961.[16]

Em 1963, Colin Chapman trouxe a sua equipe Lotus para Indianápolis, pela primeira vez, atraídos pelo alto valor dos prêmios, muito maiores do que o habitual em um evento europeu. Correndo com um carro de motor central, o escocês Jim Clark foi o segundo lugar em sua primeira tentativa em 1963.[17] dominando em 1964 até sofrer falha de suspensão na volta 47 e completamente dominando a corrida em 1965, uma vitória que também interrompeu o sucesso da Offy, e oferecendo seu primeiro sucesso na corrida ao Ford V8 de 4.2 litros.[18] No ano seguinte, 1966, Indianapolis viu mais uma vitória britânica, desta vez com Graham Hill em um Lola-Ford.[19]

A Offenhauser também iria unir forças com um fabricante europeu, Mclaren, obtendo três vitórias para o chassi, com Equipe Penske em 1972 com o piloto Mark Donohue, e dois para a própria McLaren em 1974 e em 1976 com Johnny Rutherford. Esta foi também a última vez que a Offenhauser venceria a corrida.[20] [21] [22] Esta foi também a última vez que os Offy iriam ganhar uma corrida, sua competitividade foi diminuindo progressivamente até a sua última aparição em 1983. Os pilotos americanos foram mantidos para a maioria das entradas no Brickyard para os anos seguintes, mas a tecnologia européia tinha estava presente nas 500 milhas. A partir de 1978, a maioria dos chassis e motores eram europeus, com os únicos chassis baseados nos E.U.A. a vencerem durante a a era CART serem o Wildcat e a Galmer[23] (que era construído em Bicester, Inglaterra) em 1982 e 1992, respectivamente. Os motores Ford e Chevrolet foram construídos no Reino Unido por Cosworth e Ilmor, respectivamente.

O troféu Borg Warner[editar | editar código-fonte]

O vencedor das 500 Milhas de Indianápolis é premiado com o Troféu Borg-Warner.

É um dos troféus mais cobiçados do mundo do esporte, que é atribuído ao vencedor de cada 500 milhas de Indianápolis, desde 1936. A iniciativa foi feita pela empresa Borg Warner empresa um ano antes e foi apresentada em um jantar para Eddie Rickenbacker, declarou oficialmente o troféu como um desafio de glória e tradição para o vencedor do evento lendário. É feito em prata e a originalidade desta obra de arte é que sua superfície é gravada todas as faces dos vencedores desde a primeira edição.

É o mais antigo troféu do esporte a motor, inclusive Louis Mayer (que foi o primeiro a receber o troféu) compará-lo com a medalha olímpica. Juntamente com o Troféu Borg-Warner, o vencedor recebe um cheque de um montante que não é muito comum. Emerson Fittipaldi foi o primeiro a superar a barreira dos US$ 1 milhão em 1989. Nas 500 milhas de Indianápolis de 2008, o montante chegava US$ 2,988 milhões de dólares.

A garrafa de leite[editar | editar código-fonte]

O piloto Louis Meyer foi o primeiro que ganhou em sua estréia (com exceção da primeira edição) e a trilogia, em seu segundo prêmio ao cruzar a linha de chegada requisitou um copo de leite para comemorar o triunfo. Quando ele repetiu, sua terceira vitória em 1936 voltou para pedir um copo de leite, mas em troca, recebeu uma garrafa de leite (muito comum no sul dos Estados Unidos). Um hábil fotógrafo imortalizou o momento onde ele bebeu a garrafa realizada com dois dedos, os outros três mantinha aberto em alusão a suas três vitórias. Um executivo da empresa leiteira local viu a oportunidade de marketing na imagem e este ato foi repetido nos próximos anos; com exceção de um período (1947-1955) aparentemente não era oferecido, mas a prática foi reavivada em 1956 até o presente, com a exceção da corrida de 1993.

O início da inscrição de mulheres na Indy 500[editar | editar código-fonte]

As mulheres a se inscreverem no circuito oval de Indianápolis Motor Speedway foram Janet Guthrie (1977-1979, a primeira), Desiré Wilson, Amber Furst, Lyn St. James, Sarah Fisher, Danica Patrick, Milka Duno, Ana Beatriz Figueiredo, Pippa Mann, Simona de Silvestro.

As 500 Milhas de Indianápolis de 2009, três mulheres se inscreveram no circuito oval: as americanas Sarah Fisher e Danica Patrick, mais a venezuelana Milka Duno. A famosa frase, o slogan automobílistico "Senhores: liguem seus motores" foi modificado por "Senhoras e Senhores: liguem seus motores".

Maior número de largadas

Melhor posição de largada

Melhor resultado

Maior número de inscritas numa corrida

Vencedoras femininas 'Rookie of the Year' das 500 Milhas de Indianápolis

Internacionalização da Indy 500[editar | editar código-fonte]

Carro de Emerson Fittipaldi, vencedor da corrida de 1989.

Até o fim da década de 1980, as 500 milhas de Indianápolis, tanto na AAA, na USAC e na CART, os vencedores majoritários eram pilotos americanos, até que pilotos estrangeiros (em sua maioria europeus ou latino-americanos) passaram a competir nos Estados Unidos, como foi os casos do italiano Teo Fabi e o colombiano Roberto Guerrero.

Na Indy 500 de 1989, sagrou-se vencedor - em uma disputada renhida com Al Unser Jr. - o brasileiro Emerson Fittipaldi, bicampeão mundial de Fórmula 1, depois de obter bons resultados nesta, na corrida seguinte, o holandês Arie Luyendyk(em 1990) vence a corrida e faz a Indy 500 mais rápida até aquela época(que seria superado em 2013) - com a velocidade média de 185,981 mph (299,307 km/h) - e em 1997 (já com a Indy 500 sob os cuidados da IRL) .

Campeão da Fórmula 1 em 1992, o britânico Nigel Mansell correu as temporadas da 1993 e 1994 da CART e em 1993 venceu o campeonato, porém, nas Indianápolis 500 de 1993, sua inexperiência na relargada em circuitos ovais o fez perder a liderança da prova para Emerson Fittipaldi, que venceu a corrida pela segunda vez em sua carreira e na corrida de 1994, Mansell abandonou por causa de uma colisão.

Scott Dixon, vencedor da Indy 500 de 2008 fez sua classificação para a pole.

No período de 1996 até 2015, nove pilotos europeus ou latino-americanos venceram as 500 Milhas de Indianápolis. Foram eles: o holandês Arie Luyendyk, em 1997, o sueco Kenny Bräck, em 1999, o colombiano Juan Pablo Montoya, em 2000 e 2015, o brasileiro Helio Castroneves, em 2001, 2002 e 2009, o brasileiro Gil de Ferran, em 2003, o inglês Dan Wheldon, em 2005 e 2011, o escocês Dario Franchitti, em 2007, 2010 e 2012, o neozelandês Scott Dixon, em 2008, e o brasileiro Tony Kanaan, em 2013, este com o recorde das 500 milhas de Indianápolis mais rápidas da história, mais de 301 km/h.

Relação entre 500 Milhas de Indianápolis e a NASCAR[editar | editar código-fonte]

Na década de 1960 e início dos anos 1970, a Indy 500 e as 600 Milhas de Charlotte na Charlotte Motor Speedway foram realizadas em diferentes dias da semana. Um punhado de pilotos regulares da NASCAR participaram de duas corridas no mesmo ano, incluindo Bobby Allison, Donnie Allison, Cale Yarborough e LeeRoy Yarbrough. A partir de 1974–1992, os dois eventos foram programados para o mesmo dia e mesmo tempo de partida, tornando impossível a participação em ambos. Alguns pilotos de stock car durante esse tempo, ou leia-se Neil Bonnett em 1979, no entanto, ainda tentou se classificar em Indy, mesmo que isso significasse ignorando completamente o Charlotte.

Vários pilotos de NASCAR foram capazes de competir na Indy 500 e as 600 Milhas em Charlotte no mesmo dia. Desde 1993, a Coca-Cola 600 foi agendada à noite no mesmo dia que a Indy 500.

Na conclusão da Indy 500, pilotos pegariam um helicóptero diretamente do aeroporto. De lá eles voam para outro aeroporto e entram em um helicóptero para a corrida da NASCAR. John Andretti, Tony Stewart, e Robby Gordon, tentaram a façanha, com Kurt Busch, sendo o último em 2014. Em 2001, Tony Stewart tornou-se o primeiro piloto a completar a distância de corrida completa 1 100 milhas (1 800 km) em ambas as corridas no mesmo dia.[24]

Para 2005, o início de Indianápolis foi adiado para 13:00 EDT para aumentar a audiência de televisão. Isto significativamente fechou a janela para um piloto para poder correr os dois eventos no mesmo dia. (Tempo de partida original da corrida tinha sido criado às 11 da manhã EST e meio-dia – porque em 1911, promotores de corrida estimaram que levariam-se seis horas para completar o evento, e eles não queriam a corrida para terminar muito próximo à hora do jantar. Hoje em dia a corrida é rotineiramente concluída em menos de três horas e meia.)

Dois pilotos, Mario Andretti e A. J. Foyt, venceram as 500 milhas de Indianápolis e o Daytona 500. Foyt também ganhou as 24 horas de Daytona e 12 horas de Sebring, corridas de resistência premier da América, bem como as 24 horas de Le Mans, enquanto Andretti ganhou o Fórmula 1 de 1978 e é três vezes vencedor de Sebring (ele também ganhou a versão de 6 horas de Daytona). Vencedor de 500 milhas de Indianápolis Johnny Rutherford, certa vez, ganhou um Gatorade Duel. Em 2010, Chip Ganassi tornou-se o primeiro dono de equipe a vencer a Daytona 500 e 500 Milhas de Indianápolis no mesmo ano, com Jamie McMurray vencendo o Daytona 500 e Dario Franchitti vencendo as 500 milhas de Indianápolis.

Denominações[editar | editar código-fonte]

Originalmente, a prova foi anunciada sob o nome "International 500-Mile Sweepstakes Race". Entretanto, desde o início ela foi comumente conhecida como "The Indianapolis 500" ou "Indy 500". Em 1919 ela foi rebatizada como "The Liberty Sweepstakes" devido à Primeira Guerra Mundial. Entre 1920 e 1980 ela foi oficialmente batizada como "International Sweepstakes", às vezes com pequenas variações como "International Sweepstakes Race Distance 500 Miles". Porém, após a Segunda Guerra Mundial ela chegou a ser anunciada extra oficialmente como "Annual Memorial Day race" ou variações similares. A partir de 1981 adotou-se oficialmente o nome "65th Indianapolis 500-Mile Race" (com numeração atualizada ano a ano) encerrando qualquer referência ao "International Sweepstakes".

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Pilotos com mais vitórias

Vitórias Piloto multivencedor Corridas vencidas Observação
4 Estados Unidos A. J. Foyt 1961, 1964, 1967, 1977 Piloto e dono de equipe mais bem - sucedido. Além de possuir duas partes da Tríplice Coroa do Automobilismo: a Indianapolis 500 e as 24 Horas de Le Mans(Circuit de la Sarthe).
4 Estados Unidos Al Unser 1970, 1971, 1978, 1987
4 Estados Unidos Rick Mears 1979, 1984, 1988, 1991 Recordista de poles position, em quantidade e em sequência - um dos poucos que possui 2 poles consecutivas.
3 Brasil Hélio Castroneves 2001, 2002, 2009 Um dos raros casos de pilotos que venceram 2 Indy 500 nas duas primeiras oportunidades.
3 Escócia Dario Franchitti 2007, 2010, 2012
3 Estados Unidos Johnny Rutherford 1974, 1976, 1980 Multivencedor das 500 milhas de Indianápolis, intercalou carreira com a NASCAR.
3 Estados Unidos Bobby Unser 1968, 1975, 1981
2 Estados Unidos Tommy Milton 1921, 1923
2 Estados Unidos Bill Vukovich 1953, 1954
2 Estados Unidos Rodger Ward 1959, 1962
2 Estados Unidos Gordon Johncock 1973, 1982
2 Brasil Emerson Fittipaldi 1989, 1993 Juntamente com Mario Andretti e Jacques Villeneuve são os três pilotos que venceram as 500 Milhas de Indianápolis e os 2 campeonatos de monopostos(o campeonato com base nos EUA, a CART - antes de 1996 - e o Mundial de Fórmula 1, com base na Europa) atravessando o outro lado do Atlântico.
2 Estados Unidos Al Unser Jr. 1992, 1994
2 Países Baixos Arie Luyendyk 1990, 1997
2 Inglaterra Dan Wheldon 2005, 2011
2 Colômbia Juan Pablo Montoya 2000, 2015 Possui duas partes da Tríplice Coroa do Automobilismo: o GP de Mônaco e as 500 milhas de Indianápolis.

Dono de equipe com mais vitórias

Vitórias Equipe/time Corridas vencidas Observação
15 Penske Racing(Roger Penske) 1972, 1979, 1981, 1984, 1985, 1987, 1988, 1991, 1993, 1994, 2001, 2002, 2003, 2006, 2009, 2015 Intercalou carreira em diversos campeonatos automobilísticos, como a NASCAR, que é o exemplo mais recente.
5 Lou Moore 1938, 1941, 1947, 1948, 1949
4 A.J. Foyt Enterprises(A. J. Foyt) 1964, 1967, 1977, 1999 A. J. Foyt foi o piloto e dono de sua equipe mais bem-sucedido, com três corridas em 1964, 1967 e 1977. Em 1999 ele era apenas dono de equipe.
4 Chip Ganassi Racing(Chip Ganassi) 2000, 2008, 2010, 2012 Chip Ganassi venceu as 500 Milhas de Indianápolis e a Daytona 500 na NASCAR.
4 Andretti-Green 1995, 2005, 2007, 2014 Venceu em 1995 como Forsythe-Green e na década de 2000 como Andretti-Green e posteriormente como Andretti Autosport.


Chassi mais vitorioso

Vitórias Chassi Corridas vencidas Observação
25 Dallara 1972, 1979, 1981, 1984, 1985, 1987, 1988, 1991, 1993, 1994, 2001, 2002, 2003, 2005-2015 Provedor exclusivo de chassi desde a década de 2000 na Indy 500.
7 Penske 1979, 1981, 1988, 1989, 1991, 1993, 1994 A partir da década de 2000, a Penske não utilizou mais chassis próprios.
6 Miller 1923, 1926, 1928, 1929, 1933, 1934 Ligado à Harry Miller
6 Watson última em 1964
5 Kurtis Kraft última em 1955
5 March última vitória em 1987

Motores mais vitoriosos

Vitórias Motor Corridas vencidas Observação
27 Offenhauser 1935, 1937, 1941, 1947-1964, 1968, 1972-1976 Conhecidos como Offy.
12 Miller 1922, 1923, 1926, 1928-1934, 1936, 1938
10 Cosworth 1978-1987
10 Honda 2004-2012, 2014 Era provedora exclusiva de motores durante a década de 2000, na IndyCar.
9 Chevrolet 1988-1993, 2002, 2013, 2015 Uma parcela das vitórias com chassi Penske.
8 Ford* 1965-1967, 1969-1971, 1995-1996 Em 1995 e 1996 eram chamados de Ford-Cosworth, devido a aquisição de direitos na temporada de 1991 da CART

Conjunto de pneus mais vitorioso

Vitórias Chassi Corridas vencidas Observação
66 Firestone última em 2015 Têm uma estreita história com a Indy 500.
12 Goodyear última em 1999

Maior número de troca de liderança

  • 68 trocas de lideranças oficiais, 84 trocas de lideranças não-oficiais entre 14 líderes distintos quebrando o recorde de 34 ultrapassagens das corrida de 2013(16 trocas provisórias).

Maiores e menores temperaturas nas 500 Milhas de Indianápolis

  • A maior temperatura foi registrada em 33ºC: Nas corridas de 1937, 1953, 1919, 2012 e 32ºC nas corridas de 1977 e 1978. Alega-se que chegou a 35º C em 2010, mas não-oficial.
  • A menor temperatura foi registrada em 14ºC, na corrida de 1992. Em 1997 ela esteve em 16 graus; 1930 e 1947 em 17ºC; em 2003 e 1924 em 18ºC.

Maior número de vitórias consecutivas (2)

Nenhum piloto jamais conseguiu 3 triunfos consecutivos nas 500 Milhas de Indianápolis. Apenas 5 pilotos venceram duas provas consecutivamente:

Piloto que defendeu sua vitória com sucesso Anos
Estados Unidos Wilbur Shaw 1939-1940
Estados Unidos Mauri Rose 1947-1948
Estados Unidos Bill Vukovich 1953-1954
Estados Unidos Al Unser 1970-1971
Brasil Hélio Castroneves 2001-2002

Maior número de poles positions

  • Estados Unidos 6, Rick Mears

Poles consecutivas

Menor diferença entre o primeiro e o segundo colocado

Maior velocidade média em uma Indy 500

  • Brasil 301,644 km/h, Tony Kanaan em 2013

Menor velocidade média em uma Indy 500

  • Estados Unidos 120.060 km/h, Ray Harroun em 1911

Volta de classificação mais rápida

  • Países Baixos 382.216 km/h, Arie Luyendyk em 1996

Volta mais rápida na corrida

Vencedor mais jovem

  • Estados Unidos Troy Ruttman, 22 anos e 80 dias, em 1952

Vencedor mais velho

  • Estados Unidos Al Unser, 47 anos e 360 dias, em 1987

Maior número de participações

  • Estados Unidos 35, A.J. Foyt

Pior posição de largada retomando para a vitória (2)

  • Estados Unidos 28º, Ray Harroun em 1911
  • Estados Unidos 28º, Louis Meyer em 1936

Países com mais vitórias (Excetuando os Estados Unidos, que tem 70 vitórias)

  • 7 Brasil Brasil (1989, 1993, 2001, 2002, 2003, 2009, 2013)
  • 4 Inglaterra Inglaterra (1946, 1966, 2005, 2011)
  • 4 Escócia Escócia (1965, 2007, 2010, 2012)
  • 3 França França (1913, 1914, 1920)
  • 2 Itália Itália (1915, 1916)
  • 2 Países Baixos Países Baixos (1990, 1997)
  • 2 Colômbia Colômbia (2000, 2015)
  • 1 Suécia Suécia (1999)
  • 1 Canadá Canadá (1995)
  • 1 Nova Zelândia Nova Zelândia (2008)

Na verdade Escócia e Inglaterra fazem parte da mesma nação, o Reino Unido. Caso isso seja levado em conta o Reino Unido totaliza 8 conquistas e fica à frente do Brasil.

Venceu Tríplice Coroa do Automobilismo (500 milhas de Indianápolis, Grande Prêmio de Mônaco e 24 horas de Le Mans)

  • Reino Unido Graham Hill (1966 / 1963, 1964, 1965, 1968, 1969 / 1972)

Venceu as 500 milhas de Indianápolis, Campeonato Mundial de Fórmula 1 e 24 horas de Le Mans

Venceu as 500 milhas de Indianápolis e o Campeonato Mundial de Fórmula 1

Venceu a Indianapolis 500 e do campeonato da Fórmula 1 Ano/Temporada
Reino Unido Jim Clark 1965 / 1963, 1965
Reino Unido Graham Hill 1966 / 1962, 1968
Estados Unidos Mario Andretti 1969 / 1978
Brasil Emerson Fittipaldi 1989 e 1993/ 1972 e 1974
Canadá Jacques Villeneuve 1995 / 1997

Venceu 500 milhas de Indianápolis e as 24 horas de Le Mans

Venceu as 500 milhas de Indianápolis e as 24 horas de Daytona

Venceu as 500 milhas de Indianápolis e o Grande Prêmio de Mônaco

Venceu as 500 milhas de Indianápolis e 12 horas de Sebring

Venceu as 500 milhas de Indianápolis e Daytona 500

Venceu as 500 milhas de Indianápolis, Campeonato Mundial de Fórmula 1 e Daytona 500

Ganhou 24 horas de Le Mans, Daytona 500, e as 500 milhas de Indianápolis

  • Estados Unidos A.J. Foyt (1961, 1964, 1967, 1977 / 1967 / 1972)

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios (desde março de 2010).
  • Vencedores Novatos (Rookies)
  • Estados Unidos, Ray Harroun, 1911
  • França, Jules Goux, 1913
  • França, René Thomas, 1913
  • Estados Unidos, Frank Lockhart, 1926
  • Estados Unidos, George Souders, 1927
  • Inglaterra, Graham Hill, 1966
  • Colômbia, Juan Pablo Montoya, 2000
  • Brasil, Hélio Castroneves, 2001
  • Único novato a conseguir um bi-campeonato
  • Brasil, Helio Castroneves, 2001, 2002
  • Vencedores que não disputaram a Indy 500 seguinte
  • Estados Unidos, Ray Harroun, 1911, Anunciou sua aposentadoria das corridas (pela segunda vez) logo após a vitória
  • Estados Unidos, Joe Dawson, 1912, Não se inscreveu para a prova de 1913 mas retornou em 1914
  • França, René Thomas, 1914, Não se inscreveu para a prova de 1915 mas retornou em 1919
  • Itália, Ralph DePalma, 1915, Não se inscreveu para a prova de 1916 mas retornou em 1919
  • Itália, Dario Resta, 1916, Não se inscreveu para a prova de 1917 para cuidar de seus negócios mas retornou em 1923
  • França, Gaston Chevrolet, 1920, Sofreu um acidente fatal em Beverly Hills Speedway em novembro de 1920
  • Estados Unidos, Lora L. Corum, 1924, Não se inscreveu para a prova de 1925 mas retornou em 1926
  • Estados Unidos, Joe Boyer, 1924, Sofreu um acidente fatal em Altoona Speedway em setembro de 1924
  • Estados Unidos, Ray Keech, 1929, Sofreu um acidente fatal em Altoona Speedway em junho de 1929
  • Estados Unidos, Kelly Petillo, 1935, Não se inscreveu para a prova de 1936 mas retornou em 1937
  • Estados Unidos, Floyd Davis, 1941, Nunca mais se inscreveu para a prova
  • Estados Unidos, George Robson, 1946, Sofreu um acidente fatal juntamente com George Barringer em Lakewood Speedway em setembro de 1946
  • Estados Unidos, Lee Wallard, 1951, Sofreu um grave acidente não fatal que acabou com sua carreira logo após sua vitória em 1951.
  • Estados Unidos, Troy Ruttman, 1952, Sofreu um grave acidente de Sprint Car em agosto de 1952 mas retornou já recuperado em 1954
  • Estados Unidos, Pat Flaherty, 1956, Só voltou a se inscrever em 1959
  • Estados Unidos, Sam Hanks, 1957 Anunciou sua aposentadoria das corridas logo após a vitória
  • Estados Unidos, Bobby Unser, 1981, Aposentou-se como piloto mas disputou a prova de 1982 como chefe de equipe
  • Estados Unidos, Al Unser, Jr., 1994, Não se qualificou entre os 33 melhores para a prova de 1995 (juntamente com seu companheiro de Penske Emerson Fittipaldi). Retornou em 2000
  • Canadá, Jacques Villenueve, 1995, Migrou para a Fórmula 1 em 1996. Por questões contratuais e incompatibilidade de calendário não disputou a prova em 1996
  • Suécia, Kenny Bräck, 1999, Migrou para a CART, conhecida no Brasil como Fórmula Mundial em 2000. Por questões contratuais e incompatibilidade de calendário não disputou a prova em 2000. Retornou em 2003
  • Colômbia, Juan Pablo Montoya, 2000, Migrou para a Fórmula 1 em 2001. Por questões contratuais e incompatibilidade de calendário não disputou a prova em 2001
  • Brasil, Gil de Ferran, 2003, Aposentou-se ao final do campeonato, mas retornou às corridas em 2007 com equipe própria na American Le Mans Series ALMS.
  • Estados Unidos, Buddy Rice, 2004, Sofreu traumatismo craniano após um forte acidente nos treinos para a Indy 500 em 2005. Retornou em 2006
  • Escócia, Dario Franchitti, 2007, Apesar de ter ido disputar a Nascar (Nationwide Series) em 2008, ele iria disputar a Indy 500 daquele ano. Franchitti sofreu um forte acidente em Talladega em abril 2008 provocando uma fratura em seu tornozelo esquerdo. Ele não se recuperou a tempo para a prova mas retornou em 2009
  • Inglaterra, Dan Wheldon, 2011, Faleceu em um grave acidente no Las Vegas Motor Speedway em 16 de outubro de 2011
  • Posições de largada mais vitoriosas
Número de Vitórias Posição de Largada Anos
20 1 1922, 1923, 1930, 1938, 1953, 1956, 1963, 1970, 1976, 1979, 1980, 1981, 1988, 1991, 1994, 1997, 2004, 2006, 2008, 2009
11 2 1915, 1919, 1925, 1937, 1940, 1951, 1960, 1962, 1965, 1969, 2000
3 1939, 1947, 1948, 1968, 1972, 1975, 1984, 1989, 1990, 2007, 2010
7 5 1950, 1964, 1971, 1978, 1982, 1995, 1996
6 4 1916, 1949, 1967, 1977, 1983, 1986
5 6 1920, 1929, 1933, 1959, 2011
7 1912, 1913, 1952, 1958, 1961
4 13 1928, 1931, 1957, 2002
3 15 1914, 1946, 1966
20 1921, 1926, 1987
2 8 1985, 1999
10 1934, 2003
11 1973, 2001
12 1992, 2013
16 2005, 2012
17 1941, 1998
28 1911, 1936
1 9 1993
14 1955
19 1954
21 1924
25 1974
27 1932
0 18 -
23 -
24 -
26 -
29 -
30 -
31 -
32 -
33 -

Vencedores[editar | editar código-fonte]

*Nos casos em que a prova teve de ser interrompida antes das 500 milhas previstas. Geralmente em função das chuvas.

  • Númerações Mais Vencedoras
Ano Vencedor Nacionalidade Equipe / Proprietário Posição de partida Milhas percorridas*
1911 Ray Harroun  Estados Unidos Nordyke & Marmon Company 28º
1912 Joe Dawson  Estados Unidos National Motor Vehicle Company
1913 Jules Goux  França Peugeot
1914 Rene Thomas  França Louis Delâge Company 15º
1915 Ralph DePalma  Itália E.C. Patterson
1916 Dario Resta  Itália Peugeot Auto Racing Company 300
1919 Howard Wilcox  Estados Unidos I.M.S. Corporation
1920 Gaston Chevrolet  França William Small Company
1921 Tommy Milton  Estados Unidos Louis Chevrolet 20º
1922 Jimmy Murphy  Estados Unidos Jimmy Murphy pole position
1923 Tommy Milton  Estados Unidos H.C.S. Motor Company pole position
1924 L.L. Corum, Joe Boyer  Estados Unidos Duesenberg 21º
1925 Peter DePaolo  Estados Unidos Duesenberg
1926 Frank Lockhart  Estados Unidos Peter Kreis 20º 400
1927 George Souders  Estados Unidos William S. White 22º
1928 Louis Meyer  Estados Unidos Alden Sampson, II 13º
1929 Ray Keech  Estados Unidos M. A. Yagle
1930 Billy Arnold  Estados Unidos Harry Hartz pole position
1931 Louis Schneider  Estados Unidos B. L. Schneider 13º
1932 Fred Frame  Estados Unidos Harry Hartz 27º
1933 Louis Meyer  Estados Unidos Louis Meyer
1934 Bill Cummings  Estados Unidos H. C. Henning 10º
1935 Kelly Petillo  Estados Unidos Kelly Petillo 22º
1936 Louis Meyer  Estados Unidos Louis Meyer 28º
1937 Wilbur Shaw  Estados Unidos Wilbur Shaw
1938 Floyd Roberts  Estados Unidos Lou Moore pole position
1939 Wilbur Shaw  Estados Unidos Boyle Racing Headquarters
1940 Wilbur Shaw  Estados Unidos Boyle Racing Headquarters
1941 Floyd Davis, Mauri Rose  Estados Unidos Lou Moore 17º
1946 George Robson  Inglaterra Thorne Engineering 15º
1947 Mauri Rose  Estados Unidos Lou Moore
1948 Mauri Rose  Estados Unidos Lou Moore
1949 Bill Holland  Estados Unidos Lou Moore
1950 Johnnie Parsons  Estados Unidos Kurtis Kraft 345
1951 Lee Wallard  Estados Unidos Murrell Belanger
1952 Troy Ruttman  Estados Unidos J. C. Agajanian
1953 Bill Vukovich  Estados Unidos Howard B. Keck pole position
1954 Bill Vukovich  Estados Unidos Howard B. Keck 19º
1955 Bob Sweikert  Estados Unidos John Zink 14º
1956 Pat Flaherty  Estados Unidos John Zink pole position
1957 Sam Hanks  Estados Unidos George Salih 13º
1958 Jim Bryan  Estados Unidos George Salih
1959 Rodger Ward  Estados Unidos Leader Cards
1960 Jim Rathmann  Estados Unidos Ken-Paul
1961 A. J. Foyt  Estados Unidos Bignotti-Bowes Racing
1962 Rodger Ward  Estados Unidos Leader Cards
1963 Parnelli Jones  Estados Unidos J. C. Agajanian pole position
1964 A.J. Foyt  Estados Unidos Ansted-Thompson Racing
1965 Jim Clark Escócia Team Lotus
1966 Graham Hill  Inglaterra Mecom Racing Team 15º
1967 A.J. Foyt  Estados Unidos Ansted-Thompson Racing
1968 Bobby Unser  Estados Unidos Leader Cards
1969 Mario Andretti  Estados Unidos STP Corporation
1970 Al Unser  Estados Unidos Vel's Parnelli Jones Ford pole position
1971 Al Unser  Estados Unidos Vel's Parnelli Jones Ford
1972 Mark Donohue  Estados Unidos Roger Penske Enterprises
1973 Gordon Johncock  Estados Unidos Patrick Racing Team 11º 332,5
1974 Johnny Rutherford  Estados Unidos Bruce McLaren Motor Racing 25º
1975 Bobby Unser  Estados Unidos All American Racers 435
1976 Johnny Rutherford  Estados Unidos Bruce McLaren Motor Racing pole position 255
1977 A.J. Foyt  Estados Unidos A.J. Foyt Enterprises
1978 Al Unser  Estados Unidos Chaparral Racing
1979 Rick Mears  Estados Unidos Penske pole position
1980 Johnny Rutherford  Estados Unidos Chaparral Racing pole position
1981 Bobby Unser  Estados Unidos Penske pole position
1982 Gordon Johncock  Estados Unidos STP Patrick Racing Team
1983 Tom Sneva  Estados Unidos Bignotti-Cotter
1984 Rick Mears  Estados Unidos Penske
1985 Danny Sullivan  Estados Unidos Penske
1986 Bobby Rahal  Estados Unidos Truesports
1987 Al Unser  Estados Unidos Penske Racing, Incorporated 20º
1988 Rick Mears  Estados Unidos Penske pole position
1989 Emerson Fittipaldi  Brasil Patrick
1990 Arie Luyendyk  Países Baixos Doug Shierson Racing
1991 Rick Mears  Estados Unidos Penske pole position
1992 Al Unser, Jr.  Estados Unidos Galles-Kraco 12º
1993 Emerson Fittipaldi  Brasil Penske
1994 Al Unser, Jr.  Estados Unidos Penske pole position
1995 Jacques Villeneuve  Canadá Green
1996 Buddy Lazier  Estados Unidos Hemelgarn
1997 Arie Luyendyk  Países Baixos Treadway Racing pole position
1998 Eddie Cheever Jr.  Estados Unidos Cheever 17º
1999 Kenny Bräck  Suécia A. J. Foyt
2000 Juan Pablo Montoya  Colômbia Chip Ganassi
2001 Helio Castroneves  Brasil Penske
2002 Helio Castroneves  Brasil Penske 13º
2003 Gil de Ferran  Brasil Penske 10º
2004 Buddy Rice  Estados Unidos Rahal Letterman pole position 462,5
2005 Dan Wheldon  Inglaterra Andretti-Green 16º
2006 Sam Hornish Jr.  Estados Unidos Penske pole position
2007 Dario Franchitti Escócia Andretti-Green 412,5
2008 Scott Dixon  Nova Zelândia Chip Ganassi pole position
2009 Helio Castroneves  Brasil Penske pole position
2010 Dario Franchitti Escócia Chip Ganassi
2011 Dan Wheldon  Inglaterra Bryan Herta
2012 Dario Franchitti Escócia Chip Ganassi 16º
2013 Tony Kanaan  Brasil KV Racing/Dallara 12º
2014 Ryan Hunter-Reay  Estados Unidos Andretti Autosport
2015 Juan Pablo Montoya  Colômbia Penske 15°
Número do Carro Número de Vitórias Ano
1 7 1923, 1940, 1950, 1958, 1961, 1964, 1971
2 8 1915, 1921, 1929, 1939, 1969, 1970, 1976, 1978
3 11 1919, 1948, 1962, 1968, 1974, 1981, 1986, 1991, 1992, 2002, 2009
4 5 1920, 1930, 1960, 1980, 1993
5 6 1935, 1959, 1983, 1985, 1988, 1997
6 5 1937, 1955, 1984, 2003, 2006
7 2 1934, 1949
8 3 1912, 1936, 1956
9 4 1957, 1979, 2000, 2008
10 2 2010, 2012
11 1 2013
12 1 1925
13 0  
14 6 1928, 1953, 1954, 1967, 1977, 1999
15 3 1924, 1926, 2004
16 4 1913, 1914, 1941, 1946
17 1 1916
18 0  
19 0  
20 3 1973, 1982, 1989
21 0  
22 0  
23 2 1931, 1938
24 1 1966
25 1 1987
26 1 2005
27 3 1947, 1995, 2007
28 0  
29 0  
30 1 1990
31 1 1994
32 2 1911, 1927
33 0  
34 1 1932
35 1 1922
36 1 1933
37 0  
38 0  
39 0  
40 0  
41 0  
42 0  
43 0  
44 0  
45 0  
46 0  
47 0  
48 1 1975
49 0  
50 0  
Número do Carro Número de Vitórias Ano
51 1 1998
52 0  
53 0  
54 0  
55 0  
56 0  
57 0  
58 0  
59 0  
60 0  
61 0  
62 0  
63 0  
64 0  
65 0  
66 1 1972
67 0  
68 1 2001
69 0  
70 0  
71 0  
72 0  
73 0  
74 0  
75 0  
76 0  
77 0  
78 0  
79 0  
80 0  
81 0  
82 1 1965
83 0  
84 0  
85 0  
86 0  
87 0  
88 0  
89 0  
90 0  
91 1 1996
92 0  
93 0  
94 0  
95 0  
96 0  
97 0  
98 3 1963, 2011
99 1 1951
Número do Carro Número de Vitórias Ano
0 --  
00 --  
01 --  
02 0  
03 --  
04 --  
05 --  
06 0  
07 --  
08 --  
09 --  

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre 500 Milhas de Indianápolis


  1. List of stadiums with 100,000 plus capacity
  2. Campolim, Sílvia (fevereiro de 2011). Trânsito cão (em português) Superinteressante. Visitado em 2 de setembro de 2011.
  3. "IMS Milestones: 1906–1911". Indianapolis Motor Speedway. 
  4. "The Marmon Wasp". The Marmon Group. 
  5. Leerhsen, Charles, "100 Years of the Indy 500", Sports Illustrated, 30 May 2011, pp. 52–56.
  6. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas Kettlewell.2C_p.1014
  7. Kettlewell, p.1014
  8. a b "Miller History". The Miller/Offenhauser Historical Society. 
  9. "James Melton Autorama". Florida's Lost Tourist Attractions. 
  10. a b c Kettlewell, p.1015.
  11. "1926 Miller 91 FWD". Supercars.net. 
  12. [http://www.google.com/url q=http://www.indianapolismotorspeedway.com/var/assets/stats/500/indianapolis_500_race_winners.pdf&sa=X&ei=kXP8S5arB9CB_Qbhr8ibBQ&ved=0CBcQzgQoATAA&usg=AFQjCNEOOuoFdJ1r4uKS8oiAYJ07kK-Iiw "INDIANAPOLIS 500 RACE WINNERS"] |url= incorrecta (Ajuda) (PDF). Indianapolis Motor Speedway.  line feed character character in |url= at position 26 (Ajuda)
  13. a b "Boyle Special". Maserati.  Erro de citação: Invalid <ref> tag; name "INDY12" defined multiple times with different content
  14. "Indianapolis Motor Speedway (Speedway, Indiana, USA)". F1complete.com. 
  15. "1952 Indianapolis 500". Formula One Administration. 
  16. "Indianapolis 500, 1961". jackbrabham.com. 
  17. "Jim Clark, the Scottish driver who became an American idol". The Scotsman. 
  18. "RACING HISTORY: The Great Races: 1965 Indianapolis 500". The Auto Channel. 
  19. "50th Indianapolis 500-Mile Race at the Indianapolis Motor Speedway Monday, May 30, 1966". Indianapolis Motor Speedway. 
  20. "56th Indianapolis 500-Mile Race at the Indianapolis Motor Speedway Saturday, May 27, 1972". Indianapolis Motor Speedway. 
  21. "58th Indianapolis 500-Mile Race at the Indianapolis Motor Speedway Sunday, May 26, 1974". Indianapolis Motor Speedway. 
  22. "60th Indianapolis 500-Mile Race at the Indianapolis Motor Speedway Sunday, May 30, 1976". Indianapolis Motor Speedway. 
  23. "76th Indianapolis 500-Mile Race at the Indianapolis Motor Speedway Sunday, May 24, 1992". Indianapolis Motor Speedway. 
  24. "Winning Charlotte, Indy proving an impossible feat". NASCAR.