6º Regimento de Infantaria do Brasil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde setembro de 2009). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo.

O 6.º Regimento de Infantaria, hoje denominado 6.º Batalhão de Infantaria Leve("Regimento Ipiranga"), Caçapava-SP, é uma Unidade do Exército Brasileiro.

Na Segunda Guerra Mundial, quando do ingresso do país no conflito com a constituição da Força Expedicionária Brasileira, o 1.º Batalhão do 6.º Regimento de Infantaria, sob o comando do Major João Carlos Gross embarcou em um transporte do Naval Transportation Service estadunidense, partindo do Rio de Janeiro no dia 29 de junho de 1944, rumo à Itália, onde desembarcou no porto de Nápoles. Daí seguiu, por ferrovia, para a região do Bagnoli e daí, em marcha, para a de Agnaro, onde estacionou.

No dia 4 de agosto, de acordo com as ordens recebidas, o comandante Major Gross, se deslocou com o Batalhão, às 5 horas do dia 1.º, por via férrea, até à região de Litória e daí, em caminhão, para a de Tarquinia, onde chegou no dia 2, acampando na elevação de Fornace. No dia 21, deslocou-se com o Batalhão, da região de Tarquinia, com seus próprios meios, por estrada de rodagem, às 10 horas atingindo às 21 horas do mesmo dia a região de Vada, acampando na Vila Barabino. A 14 de setembro deslocou-se, com o Regimento de Infantaria, por via terrestre, em diversos comboios, a partir das 6 horas do dia 13, da região de Vada para a de Ospedaleto, tendo os últimos elementos chegado ao destino às 20 horas do mesmo dia, acampando. No dia 17 de setembro, conforme ordens recebidas do Grupamento Tático, deslocou-se, com o Batalhão, dia 15, a partir das 6 horas, vindo para orlas noroeste de Vechiano e nessa noite, substituiu com o R.I., o 334.º R.I. dos Estados Unidos da América, recebendo a missão de progredir para o Norte. A 2-10 se deslocou com o R.I., a 17, de Filetole para Le Corti; a 18 desta para Maggiano e a 26, de Maggiano para Valpromaro. A 14-10, se deslocou a 12, de Valpromaro para Borgo a Mozzano. A 3-11, se deslocou a 30 do mês próximo findo, de Borgo a Mozzano para Osteria (Ghivizzano). A 9-11 se deslocou, com o Btl., a 5, de Ghivizzano para a frente de Porreta e a 8, desta para a de Riola.

Incorporação ao V Exército Estadunidense[editar | editar código-fonte]

O Exército Brasileiro, 17 de Agosto de 1944, passou a fazer parte do V Exército dos Estados Unidos, a contar do 5 do corrente, em face da incorporação do R.I. ao mesmo.

Elogios[editar | editar código-fonte]

O coronel João de Segadas Viana, comandante do 6 R.I. de ordem do Sr. General Euclides Zenóbio da Costa, Cmt. do Grupamento Tático, elogiou o Major Gross e seus valorosos soldados, nos seguintes termos:

Louvo pelo esforço, dedicação e amor ao trabalho que tem revelado desde a partida da F.E.B., colaborando para que essa fôrça represente dignamente o nosso Brasil nos campos de luta da Europa.

A 11-10, Gen. Crittenberger, elogia não só pela atuação de nossa tropa, senão também pela captura da cidade de Camaiore abandonada pelo inimigo Alemão em consequência de nossa cerrada pressão no eixo Massarosa-Camaiore.

A 17-10 Cel. João de Segadas Vianna, o Major Gross, oficial inteligente, leal e dotado de preparo militar e geral, tem conduzido com acerto o seu Btl., como pode verificar por ocasião em que o mesmo substituiu o 334 R.I. Americano, no início das operações da F.E.B. e na ocupação de uma série de elevações intercaladas entre a posição de seu Btl. e as do inimigo. Pelas suas qualidades sabe-se fazer estimar e respeitar pelos seus subordinados o que muito contribui para o bom êxito de seu comando.

Operações em que tomou parte I Btl./6R.I[editar | editar código-fonte]

  • A 16-9 deslocou-se para a região de Vechiano aí substituindo tropas americanas do 333º R.I., que se mantinham em contato com so alemães na região de Lecorti-Bozzapila-Santa Maria Acoli-Nozzano-Filetole, operação essa que terminou às 24 horas desse dia, sem interferência do inimigo.
  • A 17-9 prosseguiu o movimento para o Norte e, em fim de jornada, ocupou as localidades de Monte Ciano-Fibiala-Piazzano-Vila di Forci, sem encontrar resistência. Na mesma data foram ocupadas as cidades de Quiesa e Massarosa, apesar do fogo da artilharia inimiga.
  • A 18-9 conquistou a cidade de Camaiore, apesar do fogo da artilharia alemã.
  • A 19-9, prosseguiu o movimento para o Norte e atingiu a linha: cota 238-cota 297-Meshino-ponto 319-cota 431-ponto 472-Miggliano-cota 464-Monsegrati-cota 250-garupa um quilómetro de I1 oleto.
  • A 21-9, continuou a progressão sobre Monte Prano-Morro Pedone-Morro Rudinaja-cota 562, progressão essa feita sob fogos de artilharia e morteiro.
  • A 26-9 o R.I. prosseguiu o movimento a fim de retomar o contato com o inimigo e, em fim de jornada, atingiu a linha prevista na Ordem de Operação; Lombrice-Bologno-Pomezzano-Coleto-Piano-S.Martino-Formoli.
  • A 30-9 ocupou a cidade de Borgo a Mozzano e a localidade de Formoli
  • A 6-10 foi ocupada a cidade de Fornaci di Barga, de 13.000 habitantes, tendo o inimigo oferecido alguma resistencia.
  • A 30-10 atacou as posições inimigas, a leste do Rio Serchio e conquistou, apesar da resistencia inimiga, as regiões de Lama di Soto-La Rocheta-Coli e M.São Quirico, tendo feito 40 prisioneiros. Outras conquistas, cidades de Soprasasso-Castelnuovo,Braine, Rincoli, Santa Maria Villiana,Montese,Monte Guerro, Rochetta,Colechio, Fornovo di Taro.

Rendição da 148º Divisão Infantaria Alemã[editar | editar código-fonte]

  • Fornovo di Taro: O I Btl. cerrou sobre Colecchio para ocupar a base de partida. Às 9 horas foi enviada a seguinte intimação ao Comando Alemão: " Ao comando da tropa sitiada na região de Fornovo e Respicie. Para poupar sacrifícios inúteis, de vidas intímo-vos a render-se incondicionalmente ao comando das tropas regulares do Exército Brasileiro que estão prontas para vos atacar. Estais completamente cercada e impossibilitado de qualquer retirada. Quem vos intima é o Comandante da vanguarda da Divisão Brasileira que vos cerca. Aguardo dentro do prazo de 2 horas a resposta de presente ultimatum. Cmt do 6 R.I. Col.Nelson de Mello recebeu a resposta nos seguintes termos Nach eingang Biner Weissung der vurgesetzten Kommandobe - hoerde erfolgt Antwort. Major Kuhm. " (Depois de receber instrução do Comando superior (alemão) seguirá a resposta).

Ataque do I Btl à 148º D.I. Alemã[editar | editar código-fonte]

  • Às 13 horas, foi iniciado o ataque nas seguintes condições: O I Btl. apoiado pela Cia. de Obuzes, uma Bia. do III Grupo, um pelotão de Carros de Combate Norte Americanos do 760 B.I., atacou na direção de Collecchio - Fornovo di Taro a cavaleiro da estrada. Nas operações do I Btl. os tanques que precidiam a infantaria foram detidos ao S. de Pentescedegna.
  • Às 21 horas o inimigo iniciou forte bombardeio de artilahria, morteiros e tiros de armas automáticas sobre nossas linhas em Segalara. Com este dispositivo o I Btl. passou a fixar as alturas de Gaiano, onde os alemães se haviam instalado defensivamente, seguido de um contra ataque que foi repelido pela 3.ª Cia. (I.Btl.).
  • Às 22 horas, cruzaram as linhas três soldados alemãs chefiados pelo Major Kuhn, Chefe do Estado Maior da 148º D.I. Alemã procurando o Comando Brasileiro, signatário da intimação, propuzeram a redição incondicional da 148.º Alemã e também ao Comando do Tenente General Pice e da Divisão Italiana ao Comando do General Carloni. Os entendimentos relativos a rendição prosseguiram toa a noite já agora em presença de todo o Comando Brasileiro da 1.ª D.I.E., vindos ao P.C. por solicitação do Comandante do 6.º R.I. Coronel Nelson de Mello (Marechal).

O Desespero do Inimigo[editar | editar código-fonte]

Em Segara foi repelido outro contra ataque alemão, como relutado das demarches para a rendição incondicional ficou estabelecido que a ação da artilharia brasileira cessasse a partir das 5h20 de 29 de Abril de 1945. O Major Kuhn e outros cruzaram as linhas de regresso. O inimigo começou bombardear nossas posições com artilharia e carros blindados.

  • Às 14 horas nossos carros iniciaram a ação, deslocando-se pelas linhas de crises desorganizando as resistências alemãs. Durante toda as operações a reação inimiga foi intensa, particularmente com fogos de artilharia e Carros.
  • Às 22 horas dois Oficiais alemães cruzaram as linhas, propondo a rendição incondicional da Infantaria a partir das 24:00 horas. A partir das 24 horas começaram a cruzar nossas linhas os primeiros prisioneiros cessando a atividade em toda frente. Durante toda a operação a reação inimiga foi intensa.
  • 29 de Abril de 1945, o 6.º R.I. (I. II. III. Btl.) permaneceu durante a jornada nas posições conquistadas, enquanto se processava as medidas decorrentes a rendição da 148.º D.I. Alemã e da Divisão Italiana.
  • 30 de Abril de 1945, o I. Btl. reagrupou na região ocupada S. Colecchio.

Embarque para o Brasil[editar | editar código-fonte]

Iniciou-se o deslocamento para o retorno ao Brasil, 4 de Maio de 1945 o I Btl. foi para a cidade de Voghera, mantendo a 1ªCia, em Castegio; a Cia de Obuzes para Tortona. Obs: I Btl. 1.ª Cia, 2.ª Cia, 3.ª Cia.

Iniciou-se o seu deslocamento para a área de Francolise cerca de 40 kms, ao Norte de Napoles, na via Apia, estrada n.º 7, onde estaciounou num acampamento americano tipo permanente, aguardando o embarque para o Brasil. O movimento realizou-se nas seguintes condições:

  • No dia 5 de Junho de 1945, partiram os estacionadores que destinavam ao ponto de destino geral (Francolise) e os bivaques intermediários de repouso durante o percurso de 810 quilômetros. Livorno e Orlas Norte de Roma.
  • No dia 9 de Junho de 1945, o I Btl. do 6.º Regimento de Infantaria, estacionou em Francolise.

Com este movimento o 6.º Regimento de Infantaria, reagrupou todos os seus elementos em Francolise o I, II, III, Batalhóes de Infantaria.

Fim da jornada vitoriosa[editar | editar código-fonte]

  • No dia 10 de Julho de 1945 foram transportados em caminhões, a partir das 10:20 horas da manhã, da região Francolise para o porto de Nápoles embarcando no Navio de Guerra Americano General M.C. Meigs deixando o porto de Nápoles.
  • No dia 18 de Julho de 1945 o Navio de Guerra Americano General M.C. Meigs atracou no porto do Rio de Janeiro

Ver também[editar | editar código-fonte]