719 Albert

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Albert
Número 719
Data da descoberta 3 de outubro de 1911
Descoberto por Johann Palisa
Homenagem a Albert Salomon von Rothschild
Elementos orbitais
Perélio 1.17634643 ± 9.2337e-08 UA
Afélio 4.080300074 ± 1.7224e-08 UA
Excentricidade .552434643 ± 3.4904e-08
Inclinação 11.5551994 ± 6.5388e-06°º
Longitude do nó ascendente 184.060354 ± 2.1126e-05°
Argumento do periastro 155.779766 ± 2.5666e-05°
Características físicas
Dimensões 2.4[1] km
Massa 1.4×1013 kg
Densidade média 2.0? g/cm3
Gravidade à superfície ~0.0007 m/s2
Velocidade de escape ~0.0013 km/s
Período de rotação 5.802[2] d

719 Albert é um asteroide cruzador de Marte e um asteroide Amor[2], o segundo descoberto após 433 Eros, descoberto por Johann Palisa[1] no Observatório Imperial, Viena, em 3 de outubro de 1911.[3]

Descoberta[editar | editar código-fonte]

Descoberto em 1911 por Johann Palisa, o asteróide foi nomeado a um dos grandes beneméritos do Observatório Imperial em Viena, Albert Salomon von Rothschild, que havia morrido alguns meses antes.[4] Devido a imprecisões na órbita calculada do asteróide que foi subsequentemente perdida e não recuperada até 2000 por Jeffrey Larsen usando dados do projeto de levantamento de asteróides Spacewatch.[4] Quando foi redescoberto em 2000, Albert foi o último "asteroide perdido" entre esses números atribuídos (69230 Hermes não foi numerado até 2003). O penúltimo asteroide "perdido" numerado, 878 Mildred, tinha sido redescoberto em 1991.[4]

Quando foi redescoberto 719 Albert foi erroneamente considerado como sendo um novo asteróide e foi designado 2000 JW8.[5]

Propriedades físicas[editar | editar código-fonte]

A maior parte do que é conhecido sobre 719 Albert veio de observações após sua redescoberta. Em 2001 ele passou próximo da Terra, permitindo uma série de observações em diferentes ângulos de fase. Durante esta passagem seu período de rotação foi calculado em 5,802 horas e uma medição de magnitude absoluta de 15,43 juntamente com um albedo suposto como de 0,12 conduzem a um diâmetro de 2,8 km.[2][1][3]

Referências

  1. a b c Binzel, R. P.; et al. (2002). «Physical Properties of Near-Earth Objects» (PDF). University of Arizona Press. Asteroids III: 255–271. ISBN 0-8165-2281-2 
  2. a b c Krugly, Yu. N.; Belskaya, I. N.; Chiorny, V. G.; Shevchenko, V. G.; Gaftonyuk, N. M. (novembro de 2002). «CCD Photometry of Near-Earth Asteroids in 2001». Proceedings of Asteroids, Comets, Meteors. 500: 903–906. Bibcode:2002ESASP.500..903K. ISBN 92-9092-810-7 
  3. a b Binzel, R. P.; et al. (agosto de 2004). «Observed spectral properties of near-Earth objects: results for population distribution, source regions, and space weathering processes» (PDF). Icarus. 170 (2): 259–294. Bibcode:2004Icar..170..259B. doi:10.1016/j.icarus.2004.04.004  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "observed-properties" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  4. a b c Cowen, Ron (20 de maio de 2000). «Astronomers Rediscover Long-Lost Asteroid». 157 (21). Science News 
  5. «IAU Circular: IAUC 7420». 9 de maio de 2000 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

717 Wisibada | 718 Erida | 719 Albert | 720 Bohlinia | 721 Tabora