9 x 19 mm Parabellum

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
9 x 19 mm Parabellum
9 19 parabellum FMJ.jpg
Cartuchos 9 x 19 mm Parabelum FMJ
Especificações
Diâmetro do projétil 9,02 mm
Comprimento do estojo 19,15 mm
Diâmetro do aro 10,01 mm
Diâmetro do corpo 9,93 mm
Diâmetro da boca 9,65 mm
Tipo de iniciação Central
Tipo do estojo Cônico, sem aro

O Calibre 9 x 19 mm Parabellum (também conhecido por 9 mm Para, 9 mm Luger, 9 x 19 mm NATO, 9 mm NATO ou 9 x 19 mm) foi criado na Alemanha para ser usado na Pistola Parabellum (Luger) e foi adotado pela Marinha e Exército do país em 1904 e 1908 respectivamente.[1] É o calibre de dotação da OTAN e de praticamente todos países do ocidente, inclusive o Brasil.

Se tornou famoso por ser o calibre mais utilizado durante as guerras em diferentes modelos de armas, no uso das pistolas e também das submetralhadoras.[1] Bem recentemente, as submetralhadoras eram fabricadas primordialmente no calibre 9 x 19 mm Parabellum, podendo ou não serem adaptadas, posteriormente, para o uso de outros calibres.

Até poucos anos atrás o calibre 9 mm NATO era o mais cobiçado entre as armas curtas, e o mito de melhor calibre adveio das propagandas de guerra e da tradição das polícias serem originalmente de governos militares que prevaleceram no Brasil.

Tanto isso imperou que a Polícia Federal Brasileira, uma polícia ainda que originalmente civil, até hoje, faz uso primordial do calibre 9 x 19 mm . A Polícia Federal conquistou o uso exclusivo também do .357 Magnum.

A origem da fama da pistola 9 mm Para se fez por ser uma excelente arma de guerra. Seu alto poder de transfixação permitia que em um único disparo, dois oponentes fossem atingidos. O avanço das linhas inimigas se faziam por grupamentos, assim, mirando-se no soldado da frente, esse seria atingido, transfixado e o soldado que viesse atrás também seria atingido, ou mesmo melhor poder de transfixação dos uniformes com seus equipamentos transportados. Essa característica era a mais cobiçada e na época ainda não existia o conceito de Stopping Power. A potência de uma pistola, ou calibre, era estabelecida somente pelo seu poder de penetração. Nem se fazia necessário Stopping Power durante os confrontos de guerra que são feitos principalmente a longas distâncias e o alto poder de transfixação era necessário nas frentes de combate, pois o projétil poderia transfixar uma pequena árvore, portas, janelas ou a lataria de um veículo para atingir o inimigo a seguir.

Nos combates, um soldado inimigo ferido causaria mais estrago que um inimigo morto sumariamente, pois seus companheiros de companhia seriam retardados ou ficariam dependentes do parceiro ferido, ficando eles mais vulneráveis. Assim, o conceito de que uma arma de guerra matava sumariamente era outro mito. A morte sumária dependeria da região atingida.

No que pese o menor poder de parada, não deve-se enganar com tais características, pois a 9mm Luger ainda é um calibre extremamente letal e de enorme poder de penetração, entretanto, a propaganda sobre esse calibre demonstra desconhecimento do seu melhor uso.

O 9mm Parabellum pode não ser o calibre ideal para defesa pessoal, que se dão em confrontos que variam entre 5m e 30m e geralmente em perímetro urbano das grandes cidades. O risco de atingir um inocente que estaria por detrás seria iminente, além do que o agressor poderia ser transfixado e ainda permanecer de pé para tomar a arma de quem está com a pistola em ato de legítima defesa. Entretanto, o poder de penetração do calibre 9 x 19 mm pode ser "modificado" com o uso de munições do tipo ponta oca, diminuindo assim a penetração e aumentando em muito o poder de parada. O uso do calibre não é permitido a civis no Brasil, sendo de uso exclusivo de oficiais das Forças Armadas e da Polícia Federal.

Resumo Cronológico[editar | editar código-fonte]

Resumo cronológico da criação e utilização do calibre Parabellum:[1]

  • 1849 – Nasce Georg Luger na região do Tirol, Áustria.
  • 1860-1892 – Hugo Borchardt trabalha em vários projetos de armas nos USA e faz os primeiros esboços da sua pistola.
  • 1891 – Georg Luger inicia seus trabalhos na Ludwig Loewe.
  • 1893 – A Ludwig Loewe de Berlin inicia a produção em série da pistola Borchardt.
  • 1896 – Luger patenteia seu primeiro protótipo da sua pistola.
  • 1898-1899 – A D.W.M. inicia os projetos de fabricação.
  • 1900 – A Suíça faz sua primeira encomenda da pistola Parabellum.
  • 1902 – George Luger projeta o cartucho 9mm (9mmX19mm)
  • 1904 – A Marinha Alemã adota a pistola Parabellum.
  • 1906 – George Luger faz suas primeiras alterações de grande monta na pistola.
  • 1907 – Luger leva pessoalmente duas pistolas em calibre .45 para testes do Exército Americano.
  • 1908 – O Exército Alemão adota a pistola com o nome de P-08 em calibre 9mm.
  • 1914 – Inicia-se a produção da Parabellum modelo “Artillery”.
  • 1929 – A Waffenfabrik Bern, na Suíça, resolve fabricar seu modelo próprio.
  • 1930 – A B.K.I.W incorpora a Mauser e a D.W.M. em uma só companhia.
  • 1937 – Aparece a substituta da P-08 no Exército – a Walther P-38.
  • 1939 – A II Guerra Mundial eclode na Europa.
  • 1942 – Cessa a produção da pistola Parabellum.

Referências