Ação e Reação (livro)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde agosto de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ação e Reação
Autor (es) André Luiz/Chico Xavier
Idioma Português
País Brasil Brasil
Género Literatura espírita
Série André Luiz
Editora FEB
Lançamento 1957
Páginas 344
Cronologia
Nos Domínios da Mediunidade
Evolução em Dois Mundos

Ação e Reação é um livro espírita, psicografado pelo médium Francisco Cândido Xavier, com autoria atribuída ao espírito André Luiz. Publicado pela Federação Espírita Brasileira no ano de 1957.

Esta é a décima obra da série do autor espiritual André Luiz, chamada de Série André Luiz composta de 16 livros. A Série André Luiz pode ser subdividida em duas partes: Coleção A Vida no Mundo Espiritual e Obras Complementares. Ação e Reação é a nona obra da Coleção A Vida no Mundo Espiritual.

Nessa obra, o Autor nos fala sobre as consequências de nossos atos, mostrando-nos que o infinito amor de Deus se estende para todos, dando-nos a dor que auxilia, a dor que regenera, a dor que expia, a dor que faz evoluir.

Resumo[editar | editar código-fonte]

Nesse livro, André Luiz passa aproximadamente três anos na Mansão Paz, uma casa de auxílio espiritual que se encontra nas zonas inferiores, e que tem ligações com Nosso Lar, que se encontra em esferas superiores. Lá, ele tem como mentores o Instrutor Druso, que é diretor da instituição, e especialmente o Assistente Silas.

O livro conta diversas histórias, entre elas está o caso Antônio Olímpio. Logo após seus pais desencarnarem, herdou ele boa fortuna, mas que teve que dividir com seus dois irmãos, Carindo e Leonel. Inconformado com isso, certo dia, convidou-os a uma pescaria, fê-los ficarem bêbados, e depois conduziu o barco a um local do rio em que a água se movimentava com violência. Aproveitou que o barco se movimentava descontroladamente, e empurrou seus dois irmãos bêbados no rio, o viu-os se afogarem. Quando chegou ao porto, disse que foi um terrível acidente. Ele, seu filho Luiz, ainda criança, e sua esposa Alzira não desfrutaram das posses como gostariam. Os dois irmãos desencarnados tornaram-se seus verdugos, fazendo com que Alzira, a esposa do homicida, ficasse louca e se suicidasse no mesmo rio da tragédia anterior. Oímpio também sofreu por causa de seu versugos obsessores. Tão logo desencarnou o homicida, foi perseguido pelos seus rivais. Seu filho, Luiz, ao herdar a herença também foi perseguido pelos inimigos de seu pai, quase atingiu a insanidade. Mas após longa drama, em que é narrada toda a história, e também o processo de recuperação dos dois obsessores, que trabalhavam juntos com diversas entidades malígnas, foram convertidos, e sujeitos a reencarnar em breve tendo Alzira como mãe.

Além dessa, André luiz, nesse livro, nos conta diversas outra histórias e ensinamentos passados pelos seus mentores.

Capítulos[editar | editar código-fonte]

  • Ante o Centenário (preâmbulo)
  1. - Luz nas sombras
  2. - Comentários do Instrutor
  3. - A intervenção na memória
  4. - Alguns recém-desencarnados
  5. - Almas enfermiças
  6. - No círculo de oração
  7. - Conversação preciosa
  8. - Preparativos para o retorno
  9. - A história de Silas
  10. - Entendimento
  11. - O Templo e o Parlatório
  12. - Dívida agravada
  13. - Débito estacionário
  14. - Resgate interrompido
  15. - Anotações oportunas
  16. - Débito aliviado
  17. - Dívida expirante
  18. - Resgates coletivos
  19. - Sanções e auxílios
  20. - Comovente surpresa

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.