Açude Novo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2015). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Obelisco de Campina Grande, o monumento Marco Zero da cidade, no Parque do Açude Novo, Campina Grande, Paraíba

O Açude Novo ou Parque Evaldo Cruz é um parque na cidade brasileira de Campina Grande em formato circular que fica no Centro da cidade, próximo ao Parque do Povo. Tem área de 46.875 e teve custo de construção no valor de Cr$ 7.500.000,00, como consta em sua placa de inauguração.

Atualmente trata-se de um parque com muitos bancos e árvores, assim como pequenos restaurantes que ficam em volta de uma fonte. Um grande Obelisco (um pilar) se encontra no centro do parque. No passado, era um açude de verdade.

Dentro da área do Açude Novo se encontra o Museu de Artes Assis Chateaubriand.

História[editar | editar código-fonte]

Açude Novo enquanto um açude mesmo

O antigo Açude Novo foi construído no ano de 1830 com o objetivo de abastecer a população de água por conta da seca na época, sendo o segundo açude da cidade (o primeiro foi o Açude Velho e o terceiro foi o Açude de Bodocongó).

Por quase 100 anos o Açude Novo e o Açude Velho foram as únicas fonte de abastecimento de água segura da população da vila (mais tarde, cidade). Inclusive, tendo chegado a secar em períodos críticos. Em 1927, a cidade contava com um novo sistema de abastecimento d'água (o de Puxinanã), tendo os Açudes Velho e Novo perdido sua finalidade.

Em 31 de janeiro de 1976, o Açude Novo foi transformado em parque pelo Prefeito Evaldo Cruz, que lhe deu o nome de Parque do Açude Novo. Após a morte do ex-prefeito, em 1985, foi dado, em sua homenagem, o nome de Parque Evaldo Cruz, no entanto todos ainda o chamam de Açude Novo, como antigamente. Como a história do lugar ficou esquecida pelo povo campinense, muitos não entendem (e muitos nem pensam sobre) porque o lugar é chamado de açude se lá não tem açude nenhum (apenas uma fonte).

Na inauguração das fontes do Açude Novo, houve uma grande reunião de pessoas que se admiravam com as fontes luminosas, no início da década de 1990. Muitas cores se mesclavam com os jatos d'água que levantavam o líquido a vários metros de altura, formando uma visão bonita em conjunto com o pilar. Mais tarde, a exibição de fontes luminosas deixou de acontecer, embora em 2005, as fontes passaram a ser ligadas, à noite, durante os finais de semana.

No início de 2002, o Açude Novo foi fechado para reformas. Até então, nele havia, além da fonte, do pilar e das árvores e bancos, brinquedos para crianças brincarem: balanços, escorregos, etc. No entanto, o lugar já estava muito velho e esquecido. Com a reabertura do parque, em junho de 2004, renovaram os bancos, a fonte, a arquitetura, mas os brinquedos deixaram de existir. Para as crianças da cidade, havia o Parque da Criança, construído em 1993. Ao redor das fontes várias Palmeiras Imperiais adornam a beleza do parque, formando um círculo, com o formato do próprio Açude Novo.

Existe um palco que é utilizado para shows no Açude Novo. Atrações de alguns eventos da cidade se apresentam neste espaço, como as do Encontro da Nova Consciência e do antigo Cantinho da Paz, o atual Cantinho da Benção.

Atualmente, o Açude Novo é um dos cartões postais da cidade e também um espaço de lazer, diversão e cultura para seus habitantes.

Imagens[editar | editar código-fonte]