AK-47

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de AK 47)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde dezembro de 2016). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
AK-47[nota 1]
AK-47 type II Part DM-ST-89-01131.jpg
AK-47 Type-2A
Tipo Rifle automático
Local de origem  União Soviética
História operacional
Em serviço 1949–presente (todo o mundo)
1949–1978 (União Soviética)
Histórico de produção
Criador Mikhail Kalashnikov
Data de criação 1946–1948[2]
Fabricante Kalashnikov Concern e vários outros incluindo a Norinco
Período de
produção
1949–presente
Quantidade
produzida
Mais de 100 milhões de unidades
Variantes AK-47, AK-47/1952, AKS-47, RPK, AKM, AK-74, AK-101, AK-103 e AK-107
Especificações
Peso 3,8 kg (descarregada)
4,3 kg (carregada)
Comprimento 870 mm
Comprimento 
do cano
415 mm
Cartucho carregadores de 20, 30 ou 90 munições
Calibre 7,62x39mm
Ação gás
Velocidade de saída 715 m/s
Alcance efetivo 300 metros
Mira Mira de ferro com alça regulável e ponto de mira

O AK-47, ou AK como é oficialmente conhecida (em russo: Автома́т Кала́шникова, tr. Avtomát Kaláshnikova), também conhecida como Kalashnikov, é um fuzil de assalto de calibre 7,62x39mm criado em 1947 por Mikhail Kalashnikov e produzido na União Soviética pela indústria estatal IZH. É a arma de fogo originária da família de fuzis Kalashnikov (ou "AK").

O trabalho de design na AK-47 começou em 1945. Em 1946, o AK-47 foi apresentado para testes militares oficiais e, em 1948, a versão de estoque fixo foi introduzida no serviço ativo com unidades selecionadas do Exército Soviético. Um dos primeiros desenvolvimentos do design foi o AKS (S-Skladnoy ou "dobrável"), que foi equipado com um estoque de metal de subcobertura. No início de 1949, o AK-47 foi oficialmente aceito pelas Forças Armadas Soviéticas[3][4] e usado pela maioria dos Estados membros do Pacto de Varsóvia.

Mesmo depois de quase sete décadas, o modelo e suas variantes continuam sendo os fuzis de assalto mais populares e amplamente usados no mundo devido à sua grande confiabilidade em condições adversas, baixos custos de produção comparados às armas ocidentais contemporâneas, disponibilidade em praticamente todas as regiões geográficas e a facilidade no uso. O AK-47 foi fabricado em muitos países e tem atendido a forças armadas, bem como forças irregulares e insurgências em todo o mundo, e serviu de base para o desenvolvimento de muitos outros tipos de armas de fogo individuais, tripuladas e especializadas. Em 2004, "Dos estimados 500 milhões de armas de fogo em todo o mundo, aproximadamente 100 milhões pertencem à família Kalashnikov, três quartos dessas são AK-47".[5] Como armas do tipo AK foram feitas em muitos países, muitas vezes ilicitamente, é impossível saber quantas realmente existem.[6]

Histórico[editar | editar código-fonte]

Origens[editar | editar código-fonte]

O fuzil de assalto AK-47 (Avtomat Kalashnikova - 47, fuzil automático Kalashnikov, modelo de 1947) surgiu na União Soviética logo após o fim da Segunda Guerra Mundial inspirado no fuzil de assalto alemão Sturmgewehr 44, sendo o fuzil mais fabricado de todos os tempos.[7] Estima-se que o número de exemplares produzidos tanto na Rússia como sob licença em países como a Bulgária, China, Hungria, Índia, Coreia do Norte, Romênia entre outros, chegue a impressionante cifra de 90 milhões. Países como a Finlândia e Israel também se basearam no projeto deste fuzil para produzirem seus modelos M62 e Galil, respectivamente. É caracterizado por sua grande rusticidade, facilidade de produção em massa, simplicidade de operação e manutenção, além de reconhecida estabilidade em baixas e altas temperaturas. Deixa a desejar nos requisitos precisão, ergonomia e peso.

Alguns fuzis da "família AK".

AK-47
OTs-14 Groza
AK-74
AN-94
AK-12
AEK-971

Seu funcionamento se dá de modo similar aos demais fuzis de assalto, pelo aproveitamento indireto dos gases que são desviados da parte posterior do cano até um cilindro montado acima deste, onde pressionam um êmbolo de longo curso que aciona o recuo do ferrolho de trancamento rotativo. O ferrolho desliza sobre dois trilhos na caixa da culatra com uma folga significativa entre as peças móveis e fixas, o que permite que opere com o seu interior saturado de lama ou areia. Dispara munição 7,62 x 39 mm nos modos automático e semiautomático. Seu registro de tiro e segurança é considerado por muitos sua principal desvantagem, não corrigida nos modelos posteriores. É lento e desconfortável, exige esforço extra para operar, especialmente com luvas, e quando acionado produz um "clique" alto e distinto. Outra desvantagem é a posição do ferrolho, que permanece fechado após o último tiro.

É alimentado por um carregador tipo cofre metálico bifilar de trinta projéteis, com retém localizado à frente do guarda-mato. Outros tipos de carregadores como o de quarenta projéteis ou o tambor de 75 projéteis da RPK também podem ser usados. Seu aparelho de pontaria é graduado de 100 m a 1000 m (800 no AK), e um ajuste fixo que pode ser usado para todas as faixas de até 300 metros. Pode também pode ser equipado com lançador de granadas montado sob o cano. A versão de coronha dobrável foi desenvolvida para as tropas aerotransportadas e denominadas AKS (AKMS). Os AK foram concebidos com baionetas destacáveis do tipo faca, que associada a sua bainha transforma-se numa tesoura de cortar arames.

No final de 1942, tropas soviéticas capturaram vários dos MKb42 alemães, juntamente com munição 7,92 mm. Em meados de 1943, o MKb.42 (H), juntamente com a carabina M1 dos EUA foram avaliados por especialistas soviéticos, e foi decidido que uma arma semelhante, disparando um cartucho de poder intermediário, devia ser desenvolvida para o Exército Soviético logo que possível. A tarefa de desenvolvimento inicial da nova munição foi implementada em tempo bastante curto. Por novembro de 1943, especificações técnicas para o cartucho 7,62 x 41 mm com culote foram enviadas a todos os pequenos escritórios soviéticos de design de armas. Na primavera de 1944, havia pelo menos dez projetos de armas automáticas em andamento (não contando carabinas semiautomáticas). Em meados de 1944, um comissão selecionou um modelo designado AS-44 projetado por Sudaev, como o melhor conjunto, e ordenou uma produção limitada para ensaios com a tropa. Alguns AS-44 foram fabricados na primavera de 1945, e avaliados no verão, logo após a vitória na Europa. O modelo agradou; porém o AS-44 era muito pesado (mais de 5 kg de peso vazio), e a comissão ordenou uma próxima rodada de desenvolvimento e testes, que começou no início de 1946.

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Mikhail Kalashnikov, um jovem sargento das forças blindadas soviéticas que fora ferido em combate em 1942, concebeu um protótipo de pistola-metralhadora enquanto estava de licença médica. Sua primeira arma foi indeferida em razão da complexidade, no entanto ele foi designado ao órgão de investigação e desenvolvimento de armas leves do Exército Vermelho perto de Moscou, para continuar a sua educação e trabalho em outras armas. Aqui Kalashnikov projetou uma carabina semiautomática, fortemente influenciado pelo fuzil M1 Garand. Esta carabina, embora não tenha sido bem sucedida por si só, serviu como ponto de partida para seu primeiro fuzil de assalto, provisoriamente conhecido como AK No.1 ou AK-46.

Soldados de infantaria sérvios e búlgaros armados com suas AK-47.

Em novembro de 1946, o projeto do AK-46 foi escolhido para a fabricação de protótipos, juntamente com 5 outros projetos (de 16 apresentados à comissão). Kalashnikov foi enviado para a cidade de Kovrov (também não muito longe de Moscou) para fabricar a arma numa pequena fábrica de armas ali existente. O AK-46 era operado a gás, com ferrolho rotativo que utilizava um pistão para aproveitamento indireto dos gases logo acima do cano, e controles duplos (segurança e chave seletora de fogo separados, no lado esquerdo da unidade de disparo ).

Cartucho do fuzil.

Em dezembro de 1946 novos fuzis foram testados, com AS-44 sendo usado como unidade de controle (embora seu desenvolvimento tenha cessado antes, em 1946, devido à morte prematura de Sudaev, que estava gravemente doente desde 1945). Como um primeiro resultado destes testes, o AK-46 foi selecionado para o desenvolvimento de ensaios de comissão, com outras duas armas dos designers e Dementiev e Bulkin. Na segunda fase de ensaios, que incluía três armas (AK-46 por Kalashnikov, AB-46 por Bulkin e AD por Dementiev), resultou na rejeição da AK-46 melhorada, que foi inferior aos outros em vários aspectos. Apesar dessa falha, Kalashnikov, usando seus contatos e apoio de algum membro da comissão de estudos (que conhecia de seu trabalho anterior na NIPSMVO em 1943-46)[carece de fontes?] teve luz verde para continuar o seu desenvolvimento para a próxima rodada de testes. Após a falha técnica do AK-46, Kalashnikov e seu companheiro designer Zaitsev (que era um designer de armas na fábrica Kovrov) decidiram reformular completamente a concepção, com o uso de soluções técnicas bem sucedidas emprestadas de várias armas, incluindo seus concorrentes diretos. Por exemplo, o pistão de gás a longo-curso ligado ao ferrolho rotativo, juntamente com a montagem de retorno por mola, foram aparentemente inspirado do modelo AB Bulkin-46; a ideia de grandes distâncias entre o conjunto do ferrolho e as paredes da caixa da culatra, com atrito mínimo das superfícies, foi inspirada no Sudaev AS-44; a alavanca de segurança foi copiada do rifle de caça Remington modelo 8 projetado por Browning, etc.

Essa cópia e empréstimo de ideias realmente foi incentivada pela Comissão, pois toda propriedade intelectual na URSS era considerada propriedade do 'povo', ou do Estado. Assim, todas as empresas estatais poderiam utilizar-se das propriedades intelectuais existentes. E a criação de um novo fuzil de assalto mais eficaz para o vitorioso Exército Soviético estava certamente no topo da lista das prioridades.

Soldado iraquiano com uma AK-47 em 2005.

Após extensos testes, realizados em dezembro de 1947 e Janeiro de 1948, que incluíram melhoramentos nos três modelos, os resultados foram pouco conclusivos. O AK-47 foi concebido para ser o mais durável e confiável dos três concorrentes, porém perdia em precisão para os outros, especialmente no modo automático (que era, e ainda é considerado o principal modo de fogo na doutrina russa/soviética). Na verdade, a única arma que cumpriu os requisitos de precisão o AB Bulkin-47, mas teve alguns problemas com a durabilidade das peças. Após longa discussão, a comissão de estudos finalmente decidiu que o mais preciso não necessariamente é o mais confiável. Esta decisão de última instância levou a Comissão a recomendar o AK-47 para ensaio com a tropa em novembro de 1947. Foi decidido que a produção da nova arma devia ser iniciada na fábrica de armas Ijevsk (atual edifício Ijevsk Machine Plant Ijmash). Kalashnikov passou de Kovrov para Ijevsk para colaborar com a produção da nova arma, que teve início em meados de 1948. A adoção oficial seguiu-se no final de 1949, com a nomenclatura padrão de "7,62 milímetros Avtomat Kalashnikova AK" (7,62 mm carabina automática Kalashnikov). Ao mesmo tempo, uma versão de coronha dobrável foi aprovada para o uso em unidades aéreas, como "7,62 milímetros Avtomat skladnoy Kalashnikova AK S' (7,62 mm carabina automática Kalashnikov, dobrável).

A concepção original da caixa da culatra, que foi construída em caixa de aço estampada, causou uma série de problemas na fábrica. A tecnologia (equipamentos e mão de obra) da época resultou numa percentagem muito elevada de malformações na paredes, fixação inadequada das peças e geometria ruim. Após a revisão crítica do processo na fábrica, decidiu-se que seria mais economicamente viável regressar ao "velho" método de usinagem. Após aprovação dos militares, foi colocado em produção em Izhmash em 1951, sob a mesma denominação de base.

Da Ak-47 à AKM[editar | editar código-fonte]

Um etíope com sua AK-47. Por ser fácil de usar e de fácil manutenção, esta arma foi amplamente utilizada por países de terceiro mundo e por organizações paramilitares.
Peças de uma versão romena do fuzil AKM.
(Fuzis série WASR).

Ao longo dos anos seguintes, o projeto do AK incorporou muitas pequenas alterações e atualizações, mas foi o fuzil de assalto experimental Korobov TKB-517 (testado pelo Exército Soviético em meados dos anos 1950), que estimularam um maior desenvolvimento do AK. O Korobov TKB-517 era muito mais leve que o AK e com custo de produção de 2/3 deste, e significativamente mais precisa em fogo automático. Esse avanço levou o Exército Soviético a emitir novas exigências para um modelo mais leve e mais eficaz, que foram formuladas em 1955. Estes requisitos foram complementados pela exigência de um modelo complementar de apoio de fogo (fuzil-metralhadora). Ensaios das novas armas foram realizadas em 1957-58. Kalashnikov e sua equipe de Ijevsk apresentaram uma melhora com um novo tipo de caixa da culatra e outras pequenas melhorias, que concorreu com outras equipes de design a partir do Kovrov e Tula. Em termos técnicos, a proposta de Kalashnikov teve desempenho mediano nestes ensaios, com seus rivais provando ser mais eficazes e menos dispendiosos de fabricar. A comissão de estudos, no entanto, decidiu novamente pelos mesmo critérios, e recomendou o AK para adoção devido ao seu desempenho comprovado e familiaridade com a indústria e as tropas. Foi adotado oficialmente em 1959 como rifle - o AKM (Avtomat Kalashnikova Modernizirovannyj - Automática Kalashnikov Modernizada), juntamente com arma de apoio RPK, versão de cano mais pesado.

Como principais alterações o AKM apresentou a introdução da caixa da culatra em aço estampado, e dispositivo de boca para anular/reduzir o momento que tende a levantar o cano da arma quando do disparo. Outras mudanças foram o redesenho da coronha ligeiramente levantada e a empunhadura do punho tipo pistola. O compensador de boca pode ser substituído por um silenciador. Isto requer um silenciador especial e munição subsônica. Outra mudança do AKM foi uma melhora da alça de mira, com escalonamentos de 100-1000 (em vez dos 800 da AK) metros. Ambos os 800 metros e 1000, no entanto, são demasiado otimistas para qualquer uso prático, uma vez que o fogo efetivo é limitado a cerca de 300-400 metros, se não menos.

Em 1974, o Exército Soviético oficialmente adotou a munição 5,45 mm e o fuzil AK-74 seu novo armamento padrão. O AKM, no entanto, nunca foi oficialmente declarado obsoleto e retirado de serviço, e ainda está em unidades do exército russo. Algumas unidades de apoio ainda estão armadas com modelos AKM. Há também um crescente interesse nas armas 7,62 mm, pois as tropas ficaram desapontados com a baixa eficácia da munição 5,45 mm durante os conflitos locais na década de 1990. Algumas forças especiais (principalmente da polícia e do Ministério de Assuntos Internos), atualmente operam na Chechênia, com fuzis AKM.

Os modelos AK e AKM foram amplamente exportados para os países pró-soviético em todo o mundo. Licenças de fabricação e pacotes de dados técnicos foram transferidos (gratuitamente ou com taxa nominal) para muitos países do Pacto de Varsóvia (Albânia, Bulgária, China, Alemanha Oriental, Hungria, Coreia do Norte, Polónia, Roménia, Iugoslávia). Países amigos, como o Egito, Finlândia e Iraque, também receberam licenças de fabricação.

Atualmente, apesar da proliferação do calibre 5,56 / 5,45 mm, muitas empresas continuam a fabricar fuzis 7,62 mm para uso militar ou policial (por exemplo, há uma AK-103, feito em limitada números pela IZHMASH na Rússia). Além disso, a produção das AKs semiautomáticas continua em muitos países, incluindo a Rússia, Bulgária, Romênia, China, entre outros.

Substituição[editar | editar código-fonte]

Em 1974, os soviéticos começaram a substituir seus fuzis AK-47 e AKM por um novo projeto, o AK-74, que usa munição 5,45×39mm. Este novo fuzil e cartucho só começou a ser fabricado em países do Leste Europeu quando a União Soviética entrou em colapso, reduzindo drasticamente a produção do AK-74 e de outras armas do antigo bloco soviético.

Projeto[editar | editar código-fonte]

O AK-47 foi projetado para ser um fuzil totalmente automático, simples e confiável, que poderia ser fabricado de forma rápida e barata, usando métodos de produção em massa que eram métodos de arte na União Soviética no final da década de 1940.[8] O AK-47 usa um sistema de gás de curso longo que geralmente é associado com grande confiabilidade em condições adversas.[9][10][11] O grande pistão de gás, as folgas generosas entre as partes móveis e o projeto cônico da caixa do cartucho permitem que a arma suportar grandes quantidades de corpos estranhos e incrustações sem deixar de funcionar.

Reputação[editar | editar código-fonte]

Comparação das peças do M16 (em cima) com as do AK-47 (em baixo).

Tem alta reputação entre especialistas por sua resistência à água, areia e lama, bem como por sua manutenção simples. Tem a fabricação de baixo custo e curto período de tempo, com cadência de 600 tiros/minuto. A velocidade do projétil na boca do cano é de 721 m/s, com munição calibre 7,62x39mm (cartucho curto, padrão russo).

Em comparação a seu maior rival, o fuzil de fabricação norte-americana M4A1, o AK-47 tende a ser mais confiável e mais resistente aos elementos supracitados, também exigindo menos cuidados de limpeza e manutenção.

Quando comparada a espingardas modernas, a sua fama é folclórica, visto que contem muitas partes móveis, prejudicando a precisão de disparo, é muito ruidosa, é muito pesada, tendo em média, 4,3 kg (sem o carregador de munição, que pode conter 20, 30 ou 90 cartuchos) e tem um raio de ação eficaz de apenas 300 m, bem abaixo dos fuzis modernos.

Características[editar | editar código-fonte]

Vida de serviço[editar | editar código-fonte]

O AK-47 e suas variantes são feitos em dezenas de países, com "qualidade que varia de armas finamente projetadas a peças de trabalhos questionáveis".[12] Como resultado, o AK-47 tem uma vida de serviço/sistema de aproximadamente 6.000,[13] para 10.000,[14] para 15.000[15] disparos. O AK-47 foi projetado para ser um fuzil de assalto barato, simples e fácil de fabricar,[16] perfeitamente compatível com a doutrina militar soviética que trata equipamentos e armas como itens descartáveis.[17] Como as unidades são frequentemente implantadas sem o apoio logístico adequado e dependentes da "canibalização do campo de batalha" para o reabastecimento, é na verdade mais econômico substituir e não consertar armas.[17]

O AK-47 tem peças pequenas e molas que precisam ser substituídas a cada mil disparos. No entanto, "toda vez que é desmontado além do estágio de decapagem, levará algum tempo para algumas peças recuperarem o seu ajuste, algumas partes tendem a se soltar e cair ao disparar a arma. Algumas partes da linha AK-47 são rebitadas juntas. Consertar estes problemas pode ser um tanto trabalhoso, já que o final do rebite deve ser moído e um novo conjunto colocado após a substituição da peça."[18]

Variantes[editar | editar código-fonte]

AKS-47 com a coronha rebatidada sobre o fuste da arma.
AK-74, arma desenvolvida na União Soviética nos anos 1970.
AKU-94: conversão da AK-47 para a categoria bullpup.
  • AK-46: protótipo que deu origem ao AK-47;
  • AK-47: modelo de produção inicial, com uma caixa de culatra de metal estampado do Tipo 1;
  • AK-47/1952: modelo com uma caixa de culatra maquinada, coronha e guarda-mão de madeira e câmara e cano cromados para resistirem à corrosão;
  • AKS-47 ou AK-47S: variante da AK-47 com coronha metálica dobrável, para uso no interior de veículos fechados;
  • RPK: variante de apoio de fogo, com cano mais longo e bipé;
  • AKM: variante aperfeiçoada e mais leve da AK-47. Dispõe de uma caixa de culatra do Tipo 4, feito de metal estampado e rebitado, um dispositivo na boca do cano para contrariar o seu levantamento em fogo automático e uma redução de peso para os 3,61 kg;
  • AKMS: versão de coronha rebatível para baixo da AKM, para uso de tropas aerotransportadas;
  • AK-74: versão de calibre 5,45x39mm;
  • AK-74N: versão da AK-74 com dispositivos de visão noturna
  • AKS-74: Variante da AK-74 com coronha feita em aço dobrável para esquerda;
  • AK-101: versão de calibre 5,56 mm NATO, destinada ao mercado de exportação;
  • AK-103: versão combinando os aperfeiçoamentos introduzidos na AK-74 com o calibre 7,62x39mm;
  • AK-107: versão aperfeiçoada da AK-74.
  • AK-9: adição mais recente à família, em 2006.

Usuários[editar | editar código-fonte]

AK-47 é, segundo o Guiness Livro do Recordes, a arma de fogo mais utilizada atualmente no mundo.

Antigos usuários[editar | editar código-fonte]

Comércio ilícito[editar | editar código-fonte]

Cópias do AK-47 confiscadas de piratas somalis por soldados finlandeses durante a Operação Atalanta, fotografado no Manege Military Museum.

Em todo o mundo, a AK e suas variantes são comumente usados ​​por governos, revolucionários, terroristas, criminosos e civis. Em alguns países, como Somália, Ruanda, Moçambique, Congo e Tanzânia, os preços das AKs do Mercado Negro estão entre US$ 30 e US$ 125 por arma, e os preços caíram nas últimas décadas devido à falsificação em massa.[71] No Quênia, "uma AK-47 paga cinco cabeças de gado (cerca de 10.000 xelins quenianos ou 100 dólares) quando oferecida para troca, mas custa quase metade desse preço quando é pago em dinheiro".[72] Existem lugares ao redor do mundo onde as armas do tipo AK podem ser compradas no Mercado Negro por apenas US$ 6, ou trocadas por um frango ou um saco de grãos.[73][74][75]

O AK-47 também gerou uma indústria artesanal e foi copiado e fabricado (uma arma de cada vez) em pequenas lojas em todo o mundo.[76][77] O número estimado de armas do tipo AK varia muito. A Small Arms Survey sugere que "entre 70 e 100 milhões dessas armas foram produzidas desde 1947".[78] O Banco Mundial estima que do total de 500 milhões de armas de fogo disponíveis no mundo, 100 milhões são da família Kalashnikov, e 75 milhões são AK-47.[5] Como armas do tipo AK foram feitas em muitos países, muitas vezes ilicitamente, é impossível saber quantas realmente existem.[6]

Influência cultural e impacto[editar | editar código-fonte]

"Basicamente, é o prestígio antiocidental disso ... E você sabe, o terrorista de um homem é o combatente da liberdade de outro homem, então todos nós pensamos, oh garoto, nós temos um pouco de Che Guevara em nós. E isso explica a popularidade da arma AK 47. Além disso, acho que nos Estados Unidos é considerada contracultura, que é sempre algo que os cidadãos deste tipo de país gostam ... É meio que enfiar um dedo nos olhos do homem, se você quiser."

— Larry Kahaner, autor de Ak-47: a Arma Que Transformou a Guerra[79]

Durante a Guerra Fria, a União Soviética e a República Popular da China, bem como os Estados Unidos e outras nações da OTAN forneceram armas e conhecimento técnico a numerosos países e forças rebeldes em todo o mundo. Durante esse período, os países ocidentais usaram fuzis automáticos relativamente caros, como o FN FAL, o HK G3, ​​o M14 e o M16. Em contraste, os russos e chineses usaram o AK-47; seu baixo custo de produção e facilidade de fabricação permitiram que eles fizessem AKs em grande número.

Nos Estados pró-comunistas, o AK-47 tornou-se um símbolo da revolução do Terceiro Mundo. Eles foram utilizados na Guerra Civil Cambojana e na Guerra Camboja–Vietnamita.[80] Durante a década de 1980, a União Soviética tornou-se o principal traficante de armas para países embargados por nações ocidentais, incluindo nações do Oriente Médio, como Irã, Líbia e Síria, que saudaram o apoio da União Soviética contra Israel. Após a queda da União Soviética, os AK-47 foram vendidos abertamente[por quem?] e no mercado negro para qualquer grupo com dinheiro, incluindo cartéis de drogas e Estados ditatoriais, e mais recentemente eles foram vistos nas mãos de grupos islâmicos como a Al-Qaeda, o EIIL e o Talibã no Afeganistão e Iraque, e as FARC, e os guerrilheiros na Colômbia do Exército de Liberação Nacional.[79]

Vodka Kalashnikov

Na Rússia, o Kalashnikov é uma tremenda fonte de orgulho nacional.[81] "A família do inventor do rifle de assalto mais famoso do mundo, Mikhail Kalashnikov, autorizou a empresa de engenharia alemã MMI a usar o bem conhecido nome Kalashnikov em uma variedade de produtos não tão mortais."[82] Nos últimos anos, a vodka Kalashnikov foi comercializado com garrafas de souvenirs em forma de AK-47 Kalashnikov.[83][84] Há também relógios Kalashnikov,[85] guarda-chuvas,[86] e facas.[87][88]

O Museu Kalashnikov (também chamado de museu AK-47) foi inaugurado em 4 de novembro de 2004 em Izhevsk, na República Udmúrtica. Esta cidade está na região dos Urais da Rússia. O museu narra a biografia do general Kalashnikov e documenta a invenção do AK-47. O complexo de museus de armas de pequeno porte da Kalashnikov, uma série de salões e exposições de multimídia são dedicados à evolução do rifle de assalto AK-47 e atraem 10.000 visitantes mensais.[89] Nadezhda Vechtomova, diretora do museu, afirmou em uma entrevista que o objetivo do museu é honrar a engenhosidade do inventor e do trabalho duro dos funcionários e "separar a arma como arma de assassinato das pessoas que a produzem e contar sua história em nosso país". Em 19 de setembro de 2017, um monumento de 9 metros (30 pés) de Kalashnikov foi inaugurado no centro de Moscou. Um manifestante, mais tarde detido pela polícia, tentou pendurar uma faixa que dizia "um criador de armas é um criador de morte".[90]

A proliferação dessa arma é refletida por mais do que apenas números. O AK-47 está incluído na bandeira de Moçambique e seu brasão, um reconhecimento de que o país ganhou sua independência em grande parte através do uso efetivo de seus AK-47.[91] Também é encontrada nos brasões do Timor-Leste e no da era da revolução Burkina Faso, bem como nas bandeiras do Hezbollah, Resistência Síria, FARC-EP, Exército do Novo Povo, TKP/TIKKO e as Forças de Guerrilha Popular Revolucionária Internacional.

Alguns países ocidentais associam o AK-47 a seus inimigos; tanto na era da Guerra Fria quanto a atual. Por exemplo, filmes ocidentais geralmente retratam criminosos, membros de gangues e terroristas usando AK-47. Por estas razões, nos EUA e na Europa Ocidental, o AK-47 é considerado, de forma estereotipada, como a arma preferida dos insurgentes, gangsters e terroristas. Por outro lado, em todo o mundo em desenvolvimento, o AK-47 pode ser atribuído positivamente aos revolucionários contra a ocupação estrangeira, o imperialismo ou o colonialismo.[79]

O AK-47 fez uma aparição na cultura popular dos EUA como um foco recorrente no filme de Nicolas Cage, Lord of War (2005). Numerosos monólogos no filme enfocam a arma e seus efeitos no conflito global e no mercado de armas.[92]

Em 2006, o músico colombiano e ativista pacifista César López concebeu a escopetarra, uma AK convertido em violão. Um foi vendido por US$17.000 em um evento de arrecadação de fundos para beneficiar as vítimas de minas antipessoais, enquanto outro foi exibido na Conferência das Nações Unidas sobre Desarmamento.[93]

No México, o AK-47 é conhecido como "Cuerno de Chivo" (literalmente "Chifre de Cabra") devido ao seu design curvo do carregador. É uma das armas de escolha dos cartéis de drogas mexicanos. Às vezes é mencionado em letras de músicas folclóricas mexicanas.[94]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre AK-47

Notas

  1. A versão final do AK-47 foi o Type-3, seja o Type-3A, com coronha fixa, ou o Type-3B, com coronha dobrável.[1]

Referências

  1. Ricardo M. Andrade (9 de dezembro de 2014). «FAMÍLIA AK E SUAS DIFERENÇAS». firearmsbrasil. Consultado em 14 de maio de 2018. 
  2. Monetchikov 2005, chpts. 6 and 7: (if AK-46 and AK-47 are to be seen as separate designs).
  3. Monetchikov, S. B. (2005). «История русского автомата». RuLit. p. 67. Consultado em 13 de maio de 2018. 
  4. BOLOTIN, D. N. (1995). «ИСТОРИЯ СОВЕТСКОГО СТРЕЛКОВОГО ОРУЖИЯ И ПАТРОНОВ» (PDF). www.shooting-ua.com. p. 129. Consultado em 13 de maio de 2018. 
  5. a b Killicoat, Phillip (Abril de 2007). «Weaponomics: The Global Market for Assault Rifles» (PDF). World Bank Policy Research Working Paper 4202 (Post-Conflict Transitions Working Paper No. 10). Oxford University. p. 3 
  6. a b Graves-Brown, P. (Novembro de 2007). «Avtomat Kalashnikova». Journal of Material Culture. 12 (3): 285–307. doi:10.1177/1359183507081896 
  7. «AK-47 Inventor Doesn't Lose Sleep Over Havoc Wrought With His Invention». USA: Fox News Channel. 6 de julho de 2007. OCLC 36334372. Consultado em 3 de abril de 2010. 
  8. «An AK for Every Market by James Dunnigan 23 de abril de 2003». strategypage.com. Consultado em 26 de Junho de 2009.. Cópia arquivada em 25 de Março de 2007 
  9. Patrick Sweeney (2010) The Gun Digest Book of The AR-15, Vol. 3. Gun Digest Books. p. 20. ISBN 1440213763.
  10. The Battle Rifle: Development and Use Since World War II, By Russell C. Tilstra, (McFarland 2014) page 25-28
  11. Dockery, Kevin (2007). Future Weapons. [S.l.: s.n.] p. 102. ISBN 0-425-21750-7 
  12. Rottman 2011, p. 39.
  13. Norinco. «Instruction Manual Model MAK-90 Semi-Automatic Rifle» (PDF). mouseguns.com. Consultado em 12 de Janeiro de 2016. 
  14. «wz.88 Tantal». Forgotten Weapons 
  15. «Arsenal 7.62mm "Arsenal" Assault Rifle AR-M1 and with Folding Butt AR-M1F». Arquivado do original em 6 de Outubro de 2014 
  16. Hanson, Victor Davis (2011). «The Most Popular Gun in the World». The New Atlantis. 32: 140–147 
  17. a b Greenewald, John. «Soviet Weapon-System Acquisition» 
  18. «Ak 47 Technical Manual» 
  19. a b Kahaner, Larry (26 de Novembro de 2006). «Weapon Of Mass Destruction». The Washington Post 
  20. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak al am an ao ap aq ar as at au av aw ax ay az ba bb bc bd be bf bg bh bi bj bk bl bm bn bo bp bq br bs bt bu bv bw bx by bz ca Richard D. Jones; Leland S. Ness, eds. (27 de Janeiro de 2009). Jane's Infantry Weapons 2009–2010 35 ed. [S.l.]: Jane's Information Group. ISBN 978-0-7106-2869-5 
  21. «Burkina Faso Army defence force ranks military pattern camouflage combat field uniforms dress grades – Army Recognition – Army Recognition». Armyrecognition.com 
  22. «Burkina : nouveau mouvement de colère des militaires à Ouagadougou». Africa Defense Journal. 24 de Maio de 2011 
  23. «Burkina Faso: Ces Mesures Présidentielles Qui Font Plaisir à l'Armée». afrikitalia.it. Arquivado do original em 17 de Outubro de 2013 
  24. «Blending». Flickr. 21 de Julho de 2012 
  25. «Latest edition of the SSR Monitor: Burundi focuses on armed forces reform». Security Sector Reform Resource Centre. 20 de Dezembro de 2013. Arquivado do original em 18 de Outubro de 2013 
  26. «Dozens of Pentecostal Churches being shut down in Cameroon | News that matters». Ivarfjeld.com. 11 de Setembro de 2013 
  27. «Nouvelles – CRTV». Crtv.cm. 29 de Dezembro de 2013. Arquivado do original em 18 de Outubro de 2013 
  28. Gander, Terry J.; Hogg, Ian V. (1 de maio de 1995). Jane's Infantry Weapons 1995–96 21 ed. [S.l.]: Jane's Information Group. ISBN 978-0-7106-1241-0 
  29. a b Miller, David M. O. (1 de maio de 2001). The Illustrated Directory of 20th Century Guns. Col: Illustrated Directory Series. [S.l.]: Salamander Books. ISBN 978-1-84065-245-1 
  30. roberthuffstutter (22 de Dezembro de 2011). «Djiboutian Army Quick Reaction Regiment trains at Ali Oune, Djibouti, February 2011 | Flickr – Photo Sharing!». Flickr 
  31. «Djibouti Army ranks land ground forces combat field uniforms military grades uniformes de – Army Recognition – Army Recognition». Armyrecognition.com 
  32. Beltrán, Jorge; Lado, Juan (8 de Junho de 2008). «El otro negocio de los antigripales». elsalvador.com. Arquivado do original em 26 de Junho de 2008 
  33. Capie, David (2004). Under the Gun: The Small Arms Challenge in the Pacific. Wellington: Victoria University Press. pp. 63–64. ISBN 978-0864734532 
  34. «Members of the Gambia Armed Forces (GAF)Missing For Months Families in Desperate Situation | The Gambia voice». Thegambiavoice.blogspot.ca 
  35. «GAF, GPF Undergo British Army Training – WOW Gambia». Wow.gm. 1 de Março de 2008 
  36. «Office of The Gambian President: State House Online: Yahya A.J.J. Jammeh». Statehouse.gm. 30 de Março de 2007. Arquivado do original em 24 de Setembro de 2015 
  37. «Gambia Army Pledge Support To NTCG of Sidia Bayo». Kibaaro News 
  38. «Ghana Ghanaian Army ranks military combat field uniforms dress grades uniformes combat armee Ghana – Army Recognition – Army Recognition». Armyrecognition.com 
  39. «Ghana Armed Forces Inter-Service Sports Festival opens». Gbcghana.com. 27 de Abril de 2011. Arquivado do original em 19 de Outubro de 2013 
  40. Milosevic, Milan (2005). «Trojanski Konj za Teroriste». Kalibar (em sérvio). Novosti 
  41. «Greece Ministry of Public Order Press Office: Special Anti-Terrorist Unit» (PDF). Hellenic Police. Julho de 2004. Arquivado do original (PDF) em 21 de Julho de 2010 
  42. «Urgent Fury 1983: WWII weapons encountered». 18 de Outubro de 2015 
  43. «Maha's elite counter terror unit Force One becomes operational». Business Standard. New Delhi: Business Standard Ltd. 25 de novembro de 2009. OCLC 496280002 
  44. «The Israeli Special Forces Database». isayeret.com. Arquivado do original em 19 de Julho de 2016 
  45. «Reluctant Farewell to Arms in Côte d'Ivoire – Inter Press Service». Ipsnews.net. 22 de Setembro de 2012 
  46. «Gunmen attack army base in Cote d'Ivoire». Channelstv.com. 17 de Agosto de 2012 
  47. Tanton, Tim (22 de Julho de 2009). «Faith helps Ivoirian general endure suffering, challenges». UMC.org. Arquivado do original em 18 de Outubro de 2013 
  48. Kenya National Assembly Official Record. [S.l.: s.n.] 25 de Setembro de 2007 
  49. United States Marine Corps Reserve Officers' Association, ISBN 978-1-56311-489-2, Turner Publishing Company, 2000, pp. 38– 
  50. Nikolovski, Zoran (12 de Outubro de 2006). «Macedonian military police, US National Guard conduct joint manoeuvres». Southeast European Times. United States European Command. OCLC 731936128 
  51. «Mauritanian army destroys al Qaeda camp in Mali». France 24. 25 de Junho de 2011 
  52. Oumar, Jemal (29 de novembro de 2011). «Nouakchott displays military might». Magharebia. Arquivado do original em 10 de Agosto de 2014 
  53. Mjaied, Taoufik; Andre, James. «International breaking news and headlines». France 24 
  54. «Find Imagery». DefenseImagery.mil 
  55. «Mike Hettwer Photography» 
  56. Bozonette, Charlotte (5 de Março de 2013). «Niger remains wary of Mali crisis on its doorstep». The Guardian 
  57. «People's Daily Online – Nigeria to mass-produce Nigerian version of AK-47 rifles» 
  58. «DEFENCE INDUSTRY CORPORATION OF NIGERIA (DICON) OFFICIAL WEBSITE». Arquivado do original em 27 de Dezembro de 2013 
  59. «Pakistan Army». Indianapolis, IN: Pakistan Defence. Arquivado do original em 12 de Outubro de 2013 
  60. «Special Forces (Maritime) (Pakistan), Amphibious and special forces». Jane's Amphibious and Special Forces. Jane's Information Group. 28 de Junho de 2012 
  61. «Israel Aids Palestinians With Arms». The New York Times. 5 de Setembro de 2008 
  62. «Santiago city forms SWAT team to combat crime». Philippine Information Agency. 2 de Setembro de 2006. Arquivado do original em 8 de Maio de 2014 
  63. a b Popenker, Maksim (5 de Fevereiro de 2009). «Kalashnikov AK (AK-47) AKS, AKM and AKMS assault rifles (USSR)». World Guns. Modern Firearms & Ammunition 
  64. «Rwanda Rwandan Army ranks land ground forces combat uniforms military equipment rwandais grades unif – Army Recognition – Army Recognition». Armyrecognition.com 
  65. «Western Sahara – In the unforgiving deserts of south west Algeria, Nick Ryan meets the nomads fighting a 25 year battle». Royal Geographical Society. Geographical. 1999. ISSN 0016-741X 
  66. «AFRICOM: 106th SOAR (A) Trains with Senegalese: | Flickr – Photo Sharing!». Flickr 
  67. Harry McCallion. Killing Zone 11 April 1996 ed. [S.l.]: Bloomsbury Paperbacks. pp. 13–281. ISBN 0-7475-2567-6 
  68. Modern Firearms – AK-47 AKM. World.guns.ru (24-01-2011). Recuperado em 14 de Março de 2011.
  69. Wells, Rod. Part-Time War 2011 ed. [S.l.]: Fern House. p. 155. ISBN 978-1-902702-25-4 
  70. D. M. O. Miller (31 de Agosto de 2001). Illustrated directory of twentieth century guns. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1-84065-245-1 
  71. The AK-47: The World's Favourite Killing Machine. ControlArms Briefing Note (26 de Junho de 2006)
  72. Illicit Flows and Criminal Things: States, Borders, and the Other Side of Globalization. By Willem van Schendel, Itty Abraham. Indiana University Press, 4 de Novembro de 2005 – Political Science – página 217
  73. Small arms in Africa: Counting the cost of gun violence. Un.org (6 de Julho de 2000).
  74. United Nations High Commissioner for Refugees. «Refworld – Playing with Fire: Weapons Proliferation, Political Violence, and Human Rights in Kenya». Refworld. Arquivado do original em 20 de Novembro de 2012 
  75. AFTE Journal – Volume 45 Número 3 – Verão de 2013. (PDF). Recuperado em 25 de Novembro de 2015.
  76. Santos, Soliman M. Jr. (Abril de 2010) Primed and purposeful armed groups and human security efforts in the Philippines. South–South Network for Non-State Armed Group Engagement and the Small Arms Survey. Philippines/Switzerland. ISBN 978-2-940415-29-8.
  77. "Craft Production of Small Arms". Small Arms Survey Research Notes • Número 3 • Março de 2011 pp. 1–2.
  78. "Continuity and Change: PRODUCTS AND PRODUCERS". Small Arms Survey 2004.
  79. a b c Seabrook, Andrea (26 de Novembro de 2006) "AK-47: The Weapon Changed the Face of War". NPR Weekend Edition Sunday.
  80. Christopher Jones (20 de dezembro de 1981), "IN THE LAND OF THE KHMER ROUGE." The New York Times.
  81. «AK-47 rifle inventor Mikhail Kalashnikov dies at 94». Reuters UK. 24 de Dezembro de 2013 
  82. «Care for a Kalashnikov Umbrella?, THE MOSCOW TIMES» 
  83. The AK 47 Kalashnikov Vodka Souvenir Bottle. Russianvodka.com.au. Recuperado 25 de Novembro de 2015.
  84. «Celebrate 2010 with a Kalashnikov!». WIRED. 31 de Dezembro de 2009 
  85. «Kalashnikov watchesswiss made – Kalashnikov uhren». Kalashnikov watches- swiss made – Kalashnikov uhren 
  86. «Europe – Coming soon – the Kalashnikov brolly?». BBC 
  87. «EDC for CCW: Boker Kalashnikov Anniversary Knife». The Truth About Knives. Junho de 2013 
  88. «Boker Kalashnikov Knives». bladehq.com 
  89. Chivers, C.J. (18 de fevereiro de 2007) "AK-47 Museum: Homage to the Gun That Won the East". The New York Times
  90. Bennetts, Marc (19 de Setembro de 2017). «30ft-high statue of Mikhail Kalashnikov unveiled in Moscow». Consultado em 19 de Setembro de 2017. – via www.theguardian.com 
  91. Gordon, Michael R. (13 de Março de 1997) "Burst of Pride for a Staccato Executioner: AK-47". The New York Times.
  92. «Lord of War (2005) – memorable quotes». Internet Movie Database. Consultado em 29 de Outubro de 2012. 
  93. Héctor Latorre (24 de Janeiro de 2006). «Escopetarras: disparando música». BBC World. Consultado em 31 de Janeiro de 2007.  Parâmetro desconhecido |arquivoveurl= ignorado (ajuda)
  94. Muessig, Ben (10 de Agosto de 2010). «Narcocorridos: The Songs of Mexico's Drug War». AolNews. Arquivado do original em 14 de Agosto de 2012 
  95. «How did the AK-47 become the most abundant weapon on earth?». The Independent. 24 de Dezembro de 2013 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Fackler et al. (1984). "Wounding potential of the Russian AK-74 assult rifle", Journal of Trauma-Injury Infection & Critical Care. 24, 263-6.
  • Ezell, Edward Clinton (1986). The AK-47 Story: Evolution of the Kalashnikov Weapons. Mechanicsburg, PA: Stackpole Books. ISBN 0-8117-0916-7.
  • Guinness World Records 2005. ISBN 1-892051-22-2.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou seção está a ser traduzido de «Template:Kalashnikov rifle» na Wikipédia em inglês. Ajude e colabore com a tradução.