Agremiação Sportiva Arapiraquense

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de ASA de Arapiraca)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2016). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
ASA
Escudo do ASA
Nome Agremiação Sportiva Arapiraquense
Alcunhas Fantasma
Gigante
Alvinegro
Torcedor/Adepto Alvinegro
Arapiraquense
Mascote Fantasma
Fundação 25 de setembro de 1952 (64 anos)
Estádio Fumeirão
Capacidade 15 000
Localização Arapiraca (AL), Brasil
Presidente Brasil Nelson Filho
Treinador Brasil Maurílio Silva
Patrocinador Brasil Unimed
Brasil Volkswagen
Brasil OOps
Brasil Ibratin
Brasil Coringa
Alagoas Governo de Alagoas
Alagoas Prefeitura de Arapiraca
Brasil Honda
Brasil Gatorade
Material esportivo Brasil Numer
Competição Alagoas Campeonato Alagoano
Brasil Copa do Brasil
Brasil Campeonato Brasileiro
Divisão Alagoas Primeira Divisão
Brasil Série C
Alagoas AL 2017
Brasil C 2017
A disputar
A disputar
Alagoas AL 2016
Brasil CB 2016
Brasil C 2016
6º Colocado
1º Fase
8º Colocado
Alagoas AL 2015
Brasil CB 2015
Brasil C 2015
Semifinal
3º Fase
6º Colocado
Ranking nacional Baixa (3) 38º lugar, 3.818 pontos
Website Agremiação Sportiva Arapiraquense
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo
Temporada atual
editar

A Agremiação Sportiva Arapiraquense, mais conhecido como ASA de Arapiraca ou simplesmente ASA, é um clube brasileiro de futebol sediado na cidade de Arapiraca (Alagoas). Foi fundado no dia 25 de Setembro de 1952, seus principais títulos são a Copa Alagipe (2005), 7 Campeonatos Alagoanos (1953, 2000, 2001, 2003, 2005, 2009 e 2011). É o clube do estado melhor colocado no Ranking da CBF.

No Futebol de Alagoas o ASA é tido como um dos grandes junto com CRB e CSA, com participações nas Série A (1979), Série B (1980, 1981, 1984, 2010, 2011, 2012 e 2013) e Série C (1992, 1997, 2001, 2003, 2005, 2007, 2008, 2009, 2014 e 2015), Taça João Havelange (2000), que incluem vice-campeonato da Série C em 2009 e da Copa do Nordeste em 2013. Devido a representar Alagoas durante quatro anos seguidos na Série B, muitos alagoanos e grande parte da mídia já consideram atualmente o ASA como o time mais forte do estado e um dos mais fortes da região Nordeste. Dentro de Alagoas o ASA tem uma rivalidade história com o CSE de Palmeira dos Índios.

Na década de 1960, o clube alagoano fez diversas excursões pelo Nordeste, ganhando vários jogos e assombrando os clubes da região, ficando conhecido como "Fantasma das Alagoas", o que acabou sendo adotado como mascote do clube.

Tem como patrimônio um clube social localizado na Rua Manoel Lúcio da Silva, no bairro Cacimbas e um centro de treinamento no Povoado Bananeiras, ambos em Arapiraca.

Por causa da bonita poesia na letra do hino do clube do Professor Pedro de França Reis ("oh Craques da Sportiva, o ASA Gigante tornai"), é conhecido como "ASA GIGANTE".

História[editar | editar código-fonte]

No ano de 1951, o prefeito de Arapiraca era o Dr. Coaracy da Mata Fonseca. A cidade começava a progredir. A empresa Camilo Colier construía a estrada de ferro, exigindo grande mão-de-obra do povo arapiraquense.

Nos dias de folga, os trabalhadores procuravam o futebol como forma de lazer. E requisitaram aos donos da Camilo Colier a criação de um campo de futebol. O primeiro time formado pelos funcionários foi nomeado Ferroviário e apresentava as cores preto e branco.

O ponto de encontro dos arapiraquenses nas tardes de domingo passou então a ser o Campo da Estação. Com a conclusão da estrada de ferro, o Ferroviário foi desativado. Inconformados com o fim do futebol na cidade, empresários e autoridades reuniram-se e, no dia 25 de setembro de 1952, a Associação Sportiva de Arapiraca era fundada, tendo como primeiro presidente o Sr. Antônio Pereira Rocha.

1953: Primeiro título da historia e quebra de Tabu no Alagoano[editar | editar código-fonte]

Em 1953, o ASA participa pela primeira vez do Campeonato Alagoano. E foi o campeão. O campeonato alagoano era dividido em dois grupos, grupo da capital e grupo do interior. O ASA bravamente foi campeão do interior, em decisões duríssimas contra o CSE de Palmeira dos Índios, iniciando uma rivalidade que dura até hoje ("clássico do interior"). O Ferroviário de Maceió foi o campeão da capital, mas se negou a disputar a final contra o ASA. Com isso, a Federação Alagoana de Desportos, através do ato n. 6 de 20 de março de 1954 declarou o ASA campeão alagoano de 1953, ato publicado na Gazeta de Alagoas de 7 de abril de 1954. Em 1954 o Ferroviário foi novamente campeão da capital e resolveu jogar a final contra o 29 de Setembro de São Miguel dos Campos, campeão do interior daquele ano. Com a vitória do Ferroviário, ele se declarou bicampeão e a notícia se espalhou. Arapiraca era apenas a sexta maior cidade do Estado (hoje é a segunda maior) e o título de 1953 acabou sendo esquecido, apesar de comemorado pelos torcedores na época. Em 1998, o torcedor, pesquisador e advogado José Pereira Neto, com o auxílio de Lauthenay Perdigão, diretor do Museu dos Esportes de Maceió, encontrou o ato n. 6 publicado na Gazeta de Alagoas, resgatando o título que já estava esquecido pela mídia..

1973: Mané Garrincha veste a Camisa do Alvinegro[editar | editar código-fonte]

Em 1973 Mané Garrincha jogou por quase noventa minutos com a camisa do ASA. Correu, driblou, mas não fez gol. O alvinegro venceu o CSA por 1x0. Ele só saiu de campo após ajudar a vitória ao ASA; o gol do alvinegro saiu dos pés de Cambota, aos 32 minutos do segundo tempo. Mané contribuiu para devolver a derrota da semana anterior. Dias antes, a "alegria do povo", como era conhecido, vestiu a camisa do CSA em um jogo amistoso contra o alvinegro, em Maceió. Na partida, o azulino venceu por 3x1.

"Seu Mané" estava se despedindo da torcida brasileira. Seu futebol estava chegando ao fim. Suas pernas tortas já não corriam como antes. Seus dribles já não eram tão eficientes. Mesmo assim, Garrincha jogou e a torcida alagoana entendeu seu drama. Foi intensamente aplaudido em sua despedida.

1977: O Fantasma de Alagoas[editar | editar código-fonte]

Em 1977, o ASA passa a chamar-se Agremiação Sportiva Arapiraquense. A boa participação no Campeonato Brasileiro de 1979, quando terminou na quadragésima colocação entre 94 clubes participantes, fez o Fantamas das Alagoas assombrar novamente, agora nacionalmente, recebendo citação de Chico Buarque e Edu Lobo em "E Se..." ("E se o Arapiraca for campeão...").

O clube homenageou a cultura fumageira da cidade (Arapiraca era conhecida como a capital brasileira do fumo) no ano de 1982, ao incluir a cor verde no uniforme. Mas essa mudança pouco durou e o ASA voltou, pouco tempo depois, a ser "alvinegro".

Em 2000, após quase 47 anos sem ganhar um campeonato, sagrou-se campeão alagoano. O longo tempo de jejum foi compensado: o ASA conquistou os títulos de 2001, 2003, 2005, 2009 e 2011 sendo o "campeão da década neste século".

Em 2005 o Asa aplicou a sua maior goleada no Campeonato Alagoano 9x0 no Dimensão Saúde no estádio Rei Pelé em Maceió,ainda nesse ano foi o campeão estadual e campeão da Copa Alagipe.

2000 - 2001: A grande quebra do tabu[editar | editar código-fonte]

Após 47 anos sem conquistar o Campeonato Alagoano, o ASA conseguiu quebrar esse incômodo jejum, sendo o campeão alagoano de 2000. A decisão foi contra o CSA. Na primeira partida o "azulão" venceu por 3x1 em Arapiraca, coube, então ao ASA, a missão de reverter o placar em Maceió. O clube do interior foi subestimado pela diretoria do CSA, mas conseguiu vencer por 2x1, obrigando a ter o terceiro jogo, também disputado no Rei Pelé, e o asa venceu novamente por 2x1, com gol do volante Jaelson e sagrou-se campeão do estadual pela segunda vez em sua história. No ano seguinte derrotaria novamente o CSA na final do alagoano e seria o campeão pela terceira vez desde sua fundação. Esse foi até hoje o único bícampeonato do ASA.

ASA surpreende o Palmeiras[editar | editar código-fonte]

Em 2002 o ASA encarou o Palmeiras na primeira fase da Copa do Brasil daquele ano. O verdão tinha em seu elenco jogadores de peso como o goleiro Marcos, o meia Alex e o atacante Airlan, enquanto que o ASA possuía um elenco modesto com ula folha salarial muito inferior a do Palmeiras. Todos, é claro, apontavam o clube paulista como o favorito, mas não foi o que aconteceu. Na primeira, disputada em Arapiraca o alvi-negro saiu vitorioso por 1x0 com gol de Sandro Goiano. Na partida seguinte o clube arapiraquense apostou em jogar todo na retranca, e conseguiu avançar à próxima fase, mesmo perdendo o jogo por 2x1, pelo critério de gols marcados fora de casa. O gol do ASA no jogo de volta também foi de Sandro Goiano.

Campeão Alagoano de 2003[editar | editar código-fonte]

No ano de 2003 o ASA conquistava seu quarto título alagoano na história. A decisão reuniu os últimos dois campeões do torneio, ASA e CRB. A equipe de Arapiraca tinha melhor campanha, e por isso tinha a vantagem de decidir em casa. Na primeira partida o alvi-negro goleou o clube da capital por 4x1, em pleno Estádio Rei Pelé. No jogo de volta, podendo perder pir até 3x0 o ASA foi derrotado por apenas 2x1 e assim assegurou mais um troféu em sua galeria. O grande destaque do ASA na competição foi o atacante Moisés, que foi o artilheiro da competição com 12 gols.

2005: Conquista o Alagoano e a Copa Alagipe[editar | editar código-fonte]

O Campeonato Alagoano de 2005 o ASA foi o dominador até a ultima rodada, na primeiro turno denominado "Copa Maceió" o ASA conseguiu a marca de 30 pontos com 9 vitorias e 3 empates e apenas 4 derrotas, e ganhou a primeira fase, nessa fase juntamente com ASA avançaram para a próxima fase o Bom Jesus, CRB e Penedense, na segunda fase o ASA enfrentou o Penedense em Penedo e conseguiu o empate em 0 a 0 no jogo de volta ganhou por 2 a 0 e avançou para jogar contra o CRB que eliminou o Bom Jesus (5x1 em Casa 3x4 Fora) na final do 1º turno. como o ASA teve a melhor campanha na primeira fase tinha a vantagem de decidir o segundo jogo em casa e também de jogar pelo empate e foi exatamente isso que o ASA fez, empatou com o CRB em Maceió por 1 a 1 e empatou novamente por 1 a 1 em Arapiraca nesse jogo Toniho fez aos 34 do primeiro tempo para o CRB só restava a vitoria mais o CRB conseguiu apenas empatar aos 13 do segundo tempo. sendo assim o ASA faturou a Copa Maceió.

No segundo turno o ASA também foi campeão da primeira fase com 22 pontos na segunda foi o Coruripe quem ganhou, na final do segundo turno o ASA empatou os 2 jogos contra o Coruripe e fatorou o segundo turno e também o Alagoano.

Ainda em 2005 o ASA ganhou seu primeiro titulo fora do estado de Alagoas a Copa Alagipe competição organizada pela Federação Alagoana de Futebol e a Federação Sergipana de Futebol. Os três títulos (Copa Maceió, Copa Alagoas e Copa Alagipe) caracterizaram a tríplice coroa para o clube em 2005.

2009: Conquista o alagoano e acesso a Serie B[editar | editar código-fonte]

em 2009 o ASA, conquistou o seu sexto título alagoano na história e também conseguiu o acesso a Serie B ao ser vice-campeão da serie C, sendo derrotado pelo América-MG na grande final.

2010 - 2012: Série B e título Alagoano[editar | editar código-fonte]

Em 2010, Júnior Viçosa, um jovem de 21 anos, formado nas categorias de base do ASA, se destaca atuando na Série B do Campeonato Brasileiro pelo ASA e é transferido para o Grêmio de Porto Alegre sendo a negociação mais cara do futebol de Alagoas em todos os tempos.

Em 2011, a diretoria do time põe como principal objetivo se manter na Série B longe da zona de rebaixamento. Em seu primeiro ano de competição na Série B no formato atual em 2011, o ASA consegue seu objetivo com 5 rodadas de antecipação terminando o campeonato no nono lugar. Recentemente o clube adquiriu um moderno ônibus para maior conforto de seus jogadores e comissão técnica, além de ter conquistado o Campeonato Alagoano no começo do ano. Didira foi um dos grandes nomes do ASA durante a temporada 2011.

Em 2012 o ASA seria vice-campeão alagoano, tendo o bícampeonato frustado ao ser derrotado pelo CRB. Ainda assim, conseguiu permanecer por mais um ano na Série B, evitando o rebaixamento nas últimas rodadas.

2013: Copa do Nordeste e rebaixamento[editar | editar código-fonte]

Em 2013 o ASA alcançaria outro grande feito em sua história. A equipe alvi-negra foi finalista da Copa do Nordeste. Após uma boa fase de grupos, o ASA eliminou o ABC de Natal, com um empate sem gols em Arapiraca e uma vitória fora de casa por 1 a 0. Na semifinal o ASA conseguiu superar o Ceará no Castelão, vencendo por 1x0 com gol de Léo Gamalho e assim avançar à final. O título inédito, porém foi frustrado, e a taça ficou com o Campinense da Paraíba. No Campeonato Alagoano de 2013 o time alvinegro chega à semifinal, mas é eliminado pelo seu rival CSA. Na sequência da temporada o ASA ainda faria uma boa campanha na Copa do Brasil, eliminando novamente a equipe do Ceará, na segunda fase, mas seria eliminado na terceira fase da competição pelo Flamengo. Na Série B seria rebaixado para a Série C, depois de um péssimo campeonato, sendo o último colocado da segundona.

2014: O ano das frustrações[editar | editar código-fonte]

O ASA se plenejou para fazer uma grande temporada em 2014, porém não aconteceu o que era previsto pela diretoria do clube. O ASA foi eliminado na semifinal do Campeonato Alagoano pelo CRB e foi desclassificado na primeira fase da Série C.

2015: Eliminações no Estadual, Copa do Brasil e Série C[editar | editar código-fonte]

O ano de 2015 não poderia começar melhor para o ASA. O time de Arapiraca foi campeão alagoano do primeiro turno, de forma invicta, garantindo uma vaga na Copa do Brasil de 2016. O ASA foi o time de melhor campanha na primeira fase, por isso enfrentou o Murici Futebol Clube na semifinal, e avançou para a decisão com duas vitórias por 2 a 0. Na grande decisão o ASA derrotou o rival CSA nos pênaltis, depois de dois empates por 0x0 no Rei Pelé e 1x0 no Municipal. Também de forma invicta o ASA se classificou para a semifinal do segundo turno do Campeonato Alagoano, e foi justamente aí que caiu a invencibilidade da equipe, por 2 x 0 frente ao CRB no Rei Pelé. No jogo de volta a equipe arapiraquense venceu por 2 x 1, resultado que foi insuficiente para o desejado acesso para a decisão.

Pela Copa do Brasil o ASA se manteve invicto até a terceira fase, quando perdeu por 1 x 0 para o Palmeiras. Na Série C, o ASA fez boa campanha na primeira fase, conseguindo avançar para as quartas de finais, quando acabou não dando muita sorte e foi eliminado pelo Tupí-MG, sendo derrotado dentro e fora de casa, por 2x1 e 2x0, respectivamente.

2016: Crise, superação e nova frustação na Série C[editar | editar código-fonte]

O começo do ano de 2016 não foi nada promissor para o time arapiraquense.No Estadual o ASA ainda conseguiu se classificar para o hexagonal final,porém disputou cinco jogos e terminou em último, ficando de fora das semifinais.

A má fase também se repetiu na Copa do Brasil, onde o clube acabou eliminado na primeira fase pelo desconhecido Genus, após perder por 2 a 0 fora de casa e vencer em Arapiraca por 2 a 1.

Após as campanhas ruins no primeiro semestre o ASA concentrou todas as suas forças para a disputa do Brasileirão Série C reformulando todo o elenco, com as chegadas de jogadores baratos, mas que se identificaram com o clube e a torcida e superaram as expectativas de todos.

O ASA entrou na competição completamente desacreditado, mas conseguiu se superar e classificou-se para as quartas de final na última rodada da fase classificatória num conforto recheado de emoção contra o ABC de Natal na Arena das Dunas, onde o ASA conseguiu empatar apenas nos acréscimos, resultado que garantiu o clube na fase seguinte da competição.

No jogo de ida das quartas de final o ASA gigante voltou a surpreender e derrotou o tradicional Guarani Futebol Clube, dono da melhor campanha da primeira fase, por 3 a 1 no Fumeirão, com gols do artilheiro Reinaldo Alagoano e dois do meia Diogo. Porém no jogo de volta o Guarani confirmou o seu favoritismo e conseguiu vencer por 3 a 0, acabando com o sonho do acesso pelo segundo ano seguido.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Interestaduais
Competição Títulos Temporadas
AlagoasSergipe Copa Alagipe 1 2005
Estaduais
Competição Títulos Temporadas
Alagoas Campeonato Alagoano 7 (1953, 2000, 2001, 2003, 2005, 2009 e 2011)

Destaques[editar | editar código-fonte]

Histórico em competições oficiais[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Temporadas do ASA

O ASA conta com participações em várias competições, entre elas o Campeonato Alagoano da 1ª Divisão, a Copa do Brasil, o Campeonato Brasileiro da Série B, Copa Alagipe, Copa do Nordeste ,Campeonato Alagoano Sub-15, Campeonato Alagoano Sub-18 e o Campeonato Alagoano Sub-20. O maior artilheiro do clube é Freitas com 85 gols, ídolo nos ano 70 e 80. O maior craque da história é Acebílio, campeão alagoano em 1953 e jogador que brilhou nos anos 50 e 60. O segundo maior artilheiro do clube é Didira com mais de 80 gols marcados em jogos oficiais. e jogador alagoano com maior número de gols em competições nacionais. O Gigante também foi vice-campeão alagoano em 1967, 1970, 1979, 1991, 2008, 2010 e 2012.

Em 2002, o ASA eliminou o Palmeiras-SP em pleno Parque Antártica, mesmo tendo perdido por 2 a 1, seguiu em frente na Copa do Brasil de 2002 por critérios de desempate, pois venceu por 1 a 0 em casa.

Em 2012 o atacante Lúcio Maranhão foi foi o terceiro maior artilheiro do Brasil, ficando atrás somente de Neymar (43 gols), e Zé Carlos (41 gols),o atacante terminou a temporada com 40 gols, assim sendo muito cobiçado não só pela elite do futebol brasileiro, mas também por times estrangeiros, acabou sendo contratado pelo clube do Vitória-BA.

Em 2010, o ASA disputou a Série B do Campeonato Brasileiro, após subir de divisão em 2009 junto com o Icasa, o Guaratinguetá e o América Mineiro, tendo se sagrado vice-campeão da Série C de 2009. Nos anos de 2011 e 2012, conseguiu assegurar sua permanência na Série B, além de neste último a vaga para a Copa do Nordeste de 2013, quando foi vice-campeão.

Participações[editar | editar código-fonte]

Participações em 2017
Competição Temporadas Melhor campanha Estreia Última P Aumento R Baixa
Alagoas Campeonato Alagoano 55 Campeão (7 vezes) 1953 2017
BandeirasNordesteBrasil.gif Copa do Nordeste 2 Vice-campeão (2013) 1994 2013
Brasil Campeonato Brasileiro 1 40º colocado (1979) 1979 1979
Série B 7 8º colocado (1980) 1980 2013 1
Série C 13 Vice-campeão (2009) 1992 2017 1
Copa do Brasil 12 3ª fase (2013 e 2015) 2001 2016

Últimas dez temporadas[editar | editar código-fonte]

Brasil Brasil BandeirasNordesteBrasil.gif Nordeste Alagoas Alagoas
Ano Campeonato Brasileiro Copa do Brasil Copa do Nordeste Campeonato Alagoano
Div Pos Pts J V E D GP GC Fase Máxima Fase Máxima Div Pos
2008 C 11º 31 18 9 4 5 33 19 1D
2009 C 22 14 6 4 4 21 17 1F 1D
2010 B 52 38 16 4 18 53 56 2F 1D
2011 B 16º 48 38 13 9 16 44 54 1F 1D
2012 B 13º 44 38 13 5 20 48 56 2F 1D
2013 B 20º 35 38 11 2 25 41 75 3F F 1D
2014 C 25 18 7 4 7 23 22 2F 1D
2015 C 35 20 10 5 5 25 21 3F 1D
2016 C 29 20 7 8 5 19 19 1F 1D
2017 C A disputar 1D Ad


Legenda:
     Campeão.
     Vice-campeão.
     Eliminado na semifinal.
     Classificado à Copa Libertadores da América pela campanha no Campeonato Brasileiro.
     Classificado à Copa Libertadores da América pelo título da Copa do Brasil ou Copa Libertadores.
     Classificado à Copa Sul-Americana.
     Rebaixado à divisão inferior.
     Promovido à divisão superior.

Ranking da CBF[editar | editar código-fonte]

  • Posição: 38º
  • Pontuação: 4474 pontos

Ranking criado pela Confederação Brasileira de Futebol que pontua todos os times do Brasil.

Futebol profissional[editar | editar código-fonte]

Elenco atual[editar | editar código-fonte]

Última atualização: 02 de dezembro de 2016[1]

Legenda
  • Capitão: Capitão
  • Destaque no elenco: Jogador de destaque no elenco
  • Prata da casa: Prata da casa
  • Lesionado: Jogador no departamento médico
  • Suspenso: Jogador suspenso
  • Vindo de Empréstimo: Jogador emprestado


Goleiros
Jogador
Brasil André Athauan
Brasil Luis Cetin
Brasil Carlos
Defensores
Jogador Pos.
Brasil André Nunes Prata da casa Z
Brasil Arlindo Z
Brasil Eron Z
Brasil Anselmo Z
Brasil André Lima Z
Brasil Montoya Z
Brasil Arlindo Z
Brasil Ceará LD
Brasil Douglas LD
Brasil Airton LE
Brasil Léo Campos LE
Meio-campistas
Jogador Pos.
Brasil Douglas Viana V
Brasil Kessi Prata da casa V
Brasil Diego Góis V
Brasil Gaspar Prata da casa V
Brasil Leanderson V
Brasil Bruno Souto Prata da casa M
Brasil Diego Palhinha M
Brasil Doda M
Brasil Téssio M
Brasil Douglas Harley M
Atacantes
Jogador
Brasil Jean Carlos
Brasil Klenisson Prata da casa
Brasil Jefferson Baiano
Brasil Tiago Souza
Brasil Bruno Prata da casa
Brasil Leandro Kivel
Comissão técnica
Nome Pos.
Brasil Maurílio Silva T
Brasil Pacheco AS
Brasil Moisés de Lima Neto AS
Brasil Altamir Júnior PF
Brasil Adriano Oliveira PF
Brasil Anderson Cardoso TG
Brasil Helicarlos MD
Brasil Celso Marcos MD
Brasil Jean Rafael MD

Rivalidade[editar | editar código-fonte]

Os dois principais clássicos do ASA são contra os dois clubes da capital, o CRB e o CSA. O ASA também possui uma rivalidade mais amena com o CSE no chamado clássico do interior.

Contra o CSA o time arapiraquense já decidiu diversas vezes o Campeonato Alagoano. O ASA se deu melhor nos anos de 2000 e 2001 sendo bicampeão estadual em cima do rival, em 2012 derrotando o azulão na final do segundo turno, e em 2015, quando foi campeão do primeiro turno nos pênaltis em cima do time azulino. Em 2008 o ASA perde a final do estadual para o CSA, e em 2013 o azulão eliminou o ASA na semifinal do alagoano.

Contra o CRB não foram tantos confrontos decisivos pelo Campeoanto Alagoano, entretanto as equipes se enfrentam pelas Séries B e C do Campeonato Brasileiro nos últimos anos. Em 2003 e 2012 CRB e ASA decidiram o Estadual, com o ASA levando a melhor em 2003, e o time regatiano sendo campeão em 2012. Em 2014 e 2015 o Galo eliminou o ASA na semifinal do Estadual. Em 2012 as duas equipes representaram o futebol de Alagoas na Série B, onde se enfrentaram duas vezes, com uma vitória para cada um.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]