A Brincadeira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde julho de 2016). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Žert
A Brincadeira
Autor (es) Milan Kundera
Idioma Língua checa
País Checoslováquia
Género Romance satírico
Editora Československý spisovatel
Lançamento 1967
Páginas 296
ISBN 978-0-06-099505-8
Edição portuguesa
Tradução Helena Vaz da Silva
Editora D. Quixote
Lançamento 1987
Páginas 306
Edição brasileira
Tradução Teresa Bulhões Carvalho da Fonseca, Anna Lucia Moojen de Andrada
Editora Nova Fronteira
Lançamento 1986

A Brincadeira é o primeiro romance do escritor checo Milan Kundera, publicado em 1967.

O livro é contado sob o ponto de vista de 4 diferentes narradores (o único livro de Kundera em que ele próprio não é o narrador); e ao chegar ao fim do enredo, os narradores se alternam repentina e bruscamente na exposição dos fatos.

A história trata de Ludvik, estudante que é condenado a anos de trabalho braçal por ter enviado cartão postal criticando ironicamente o Partido Comunista. A pena ao qual foi submetido e suas consequências alteram a própria personalidade do rapaz, que passa a se questionar existencialmente e a buscar vingança.

O romance critica o Partido Comunista checo, apesar de Kundera afirmar no prefácio do livro: "Poupe-me do seu stalinismo. A Brincadeira é uma história de amor". O tema maior do livro é o fato de a História ser uma força devastadora e estar sempre armando brincadeiras contra todos nós.

Em 1968, A Brincadeira foi adaptado para as telas do cinema pelo diretor checo Jaromír Jireš, apesar de ser imediatamente banido pelo regime soviético da época.

Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.