A Conversão de Maria Madalena

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A Conversão de Maria Madalena
La conversione di Maria Maddalena
Autor Paolo Veronese
Data 1545–1548
Técnica Óleo sobre tela
Dimensões 163,5 cm  × 117,5 cm 
Localização National Gallery, Londres

A Conversão de Maria Madalena é uma pintura a óleo, um dos primeiros trabalhos do artista renascentista italiano Paolo Veronese (1528-1588). Veronese era conhecido por suas pinturas suntuosas com um estilo dramático e colorido. Datada de cerca de 1545-1548, a pintura foi encomendada por um nobre patrono em Verona.[1] A obra é mantida pela National Gallery em Londres.

Tema[editar | editar código-fonte]

O tema da pintura já foi debatido: a opinião geral é que retrata a conversão de Maria Madalena, conforme descrito no livro de 1535 de Pietro Aretino, L'umanità di Cristo; esta versão dos Evangelhos foi amplamente distribuída e lida no norte da Itália neste período.[2] Na lenda que inspirou a pintura, Maria foi a um templo onde os ensinamentos de Jesus a inspiraram a converter-se a uma vida piedosa. Na pintura, ela é retratada em trajes inadequados para o edifício religioso, que Veronese usou para simbolizar sua vida anterior pecaminosa. Ela é mostrada de joelhos e corando enquanto ouve Jesus.[3]

Pintura[editar | editar código-fonte]

A cena que a pintura descreve é um evento que não é descrito na Bíblia ou na Lenda Dourada. Marta e Maria Madalena estão no Templo onde Jesus está pregando. Maria Madalena está de joelhos ao lado de Cristo, virando o rosto para ele, enquanto Marta está estendendo as mãos para Cristo e Maria Madalena.[4] Seu vestido decotado alude à sua antiga vida de pecado, e o colar que escorrega de seu pescoço ecoa sua volta de uma vida mundana para uma de devoção espiritual.[3]

Paolo Veronese era conhecido por suas representações de ambientes luxuosos e pelo amor de decorar as cenas mais sagradas com pessoas vestidas com vestidos brilhantes forrados de seda e brocados, mais reminiscentes da alta sociedade veneziana do que representações humildes dos súditos. Quando a Inquisição questionou sua escolha de representar súditos sagrados, ele respondeu: "Nós, pintores, tomamos liberdades, da mesma forma que poetas e lunáticos fazem", afirmando assim que sua liberdade como artista incluía poder escolher como retratar seus súditos.[1]

A pintura é mantida pela National Gallery em Londres desde 1876, quando foi legada do espólio do colecionador de arte Wynne Ellis.[3]

Referências

  1. a b «The magnificence of Veronese» (em inglês). The Telegraph. Consultado em 28 de abril de 2019. Arquivado do original em 5 de abril de 2014 
  2. «Key Facts» (em inglês). The National Gallery. Consultado em 28 de abril de 2019. Arquivado do original em 2 de abril de 2015 
  3. a b c «The Conversion of Mary Magdalene». The National Gallery (em inglês). Consultado em 28 de abril de 2018. Arquivado do original em 14 de abril de 2019 
  4. «Paolo Veronese» (em inglês). The National Gallery. Consultado em 14 de abril de 2019. Arquivado do original em 14 de abril de 2019 

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Rosand, David, Painting in Sixteenth-Century Venice: Titian, Veronese, Tintoretto, 2nd ed 1997, Cambridge UP ISBN 0521565685 (em inglês)