A Crítica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A Crítica
A Crítica.png
Capa do jornal A Crítica.jpg
Capa do jornal A Crítica de 13 de outubro de 2019.
Empresa de Jornais Calderaro Ltda.
Periodicidade Diário
Formato Standard
Sede Manaus
 Amazonas
 Brasil
Preço R$ 2,00
R$ 4,00 (domingo)
Assinatura Sim
Slogan De mãos dadas com o povo.
Fundação 19 de abril de 1949 (70 anos)
Fundador(es) Umberto Calderaro Filho
Ritta de Araújo Calderaro
Presidente Tereza Cristina Calderaro Corrêa
Pertence a Rede Calderaro de Comunicação
Circulação 35 000 (dias úteis)[1]
55 000 (domingo)[1]
Página oficial A Crítica

A Crítica é um jornal brasileiro editado na cidade de Manaus, capital do estado do Amazonas, sendo o segundo mais antigo em atividade no estado e o de maior circulação.[1]

Pertence à Rede Calderaro de Comunicação e é o único meio de comunicação amazonense a constar entre os 100 mais premiados do Brasil, de acordo com a lista compilada pelo Jornalistas & Cia.[2]

História[editar | editar código-fonte]

Fundação[editar | editar código-fonte]

Em 1949, Manaus vivia como todos os lugares do mundo os reflexos da Segunda Guerra Mundial. E com o declínio de vez da economia extrativista da borracha, as empresas batiam em retirada da cidade. O cenário era desanimador para qualquer atividade. Na década de 40, circulavam vários jornais, matutinos e vespertinos, dentre eles os Jornal do Commercio, O Jornal, o Diário da Tarde, o e A Tarde, que não deixavam espaço para mais ninguém nos respectivos turnos.[3]

Na contramão da crise, em 19 de abril de 1949, é fundado o Jornal A Crítica pelo jornalista Umberto Calderaro Filho e sua cônjuge Ritta de Araújo Calderaro.[4][5] Funcionou inicialmente em um prelo da Arquidiocese de Manaus, e, poucas décadas depois, na antiga sede na rua Lobo D’Almada, já era ponto de encontro de autoridades como a senadora Eunice Michilles. Tornou-se o principal produto da Rede Calderaro de Comunicação (RCC), composta por emissoras de televisão, rádio, sites e outras empresas.[5]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Antes de se tornar o jornal de maior circulação do Amazonas, o jornal A Crítica chegava ao leitor às 11 horas, diferentemente dos tempos atuais. A estratégia foi criada pelo seu fundador, o jornalista Umberto Calderaro Filho (1927–1995) para enfrentar os grandes jornais da época, sair primeiro que os concorrentes da tarde e depois que os da manhã e, assim, consolidar-se como um meio-termo e conquistar um nicho de leitores.[3]

Um relógio, marcando 11 horas, vinha estampado na capa do jornal, próximo à logomarca criada por Ritta Calderaro, esposa e companheira de Umberto. Por circular a essa hora alternativa, o jornal ganhou um apelido à época, “onzeorino”, que foi ficando no passado quando o A Crítica mudou para ser matutino.[3]

Atentado[editar | editar código-fonte]

Em 20 de janeiro de 1959, a redação do jornal A Crítica foi vítima de um atentado a bomba. O artefato explodiu sobre a mesa de trabalho do jornalista e fundador Umberto Calderaro Filho. Após o atentado, a família Calderaro teve de sair às pressas da cidade em um avião que a transportou para Belém, não sem antes ter de passar pela ameaça de ser fuzilada no aeroporto de Ponta Pelada, onde havia guardas armados com metralhadoras prontos para disparar.[6]

A salvos em Belém, a família recebeu o apoio da imprensa local, de São Paulo, do Rio de Janeiro e de outras unidades da Federação. O então presidente da República, Juscelino Kubitschek, chegou a fazer um convite a Umberto Calderaro para que ele dirigisse um jornal na futura capital do país, Brasília, no que o jornalista agradeceu, respondendo que o seu lugar era no Amazonas. Umberto Calderaro retornou à Manaus com sua equipe, mesmo recebendo todo o tipo de ameaças.[6]

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Líder em circulação no estado do Amazonas, leva as principais notícias sobre o Brasil e do mundo para mais de 40 municípios do estado. Sua periodicidade é diária, com cerca de 35 mil exemplares nos dias úteis e 55 mil aos domingos.[1]

Versão eletrônica[editar | editar código-fonte]

Desde a década de 2000 conta com uma versão eletrônica, o Portal A Crítica.[3] Também possui escritórios nas cidades de Belém, Brasília e São Paulo.[7]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d «A Crítica». FTPI. Consultado em 15 de outubro de 2019 
  2. «Jornal A Crítica mantém liderança no ranking dos jornais mais premiados da Região Norte». Portal A Crítica. Consultado em 15 de outubro de 2019 
  3. a b c d «Curiosidade: nos primeiros anos, jornal A Crítica foi 'onzeorino'». Portal A Crítica. Consultado em 15 de outubro de 2019 
  4. «Em A Crítica somos uma família, diz Rita de Araújo Calderaro - Presidente da RCC». Acritica.uol.com.br. Arquivado do original em 27 de julho de 2014 
  5. a b "Mais de 180 anos de imprensa na Amazônia", Paulo Roberto Ferreira pp 2-10
  6. a b «Atentado a bomba e promessa de Ritta: vida de Calderaro no desfile da Vitória Régia». Portal A Crítica. Consultado em 15 de outubro de 2019 
  7. «Expediente». Acritica.com. 15 de outubro de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]