The Cross of Lorraine

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de A Cruz de Lorena)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: ""A Cruz de Lorena"" redireciona para este artigo. Para o símbolo heráldico, veja Cruz de Lorena.
The Cross of Lorraine
A Cruz de Lorena[1] (BRA)
 Estados Unidos
1943 •  pb •  90 min 
Direção Tay Garnett
Produção Edwin H. Knopf
Roteiro Ring Lardner Jr.
Michael Kanin
Robert Hardy Andrews
Alexander Esway
Robert Aisner (argumento)
Lilo Dammert (argumento)
Elenco Jean-Pierre Aumont
Gene Kelly
Gênero filme de guerra
drama
Música Bronislau Kaper
Companhia(s) produtora(s) Metro-Goldwyn-Mayer
Distribuição Loews Inc.
Lançamento 12 de novembro de 1943
Idioma língua inglesa
Página no IMDb (em inglês)

The Cross of Lorraine é um filme de guerra estadunidense de 1943, dirigido por Tay Garnett para a Metro-Goldwyn-Mayer. O roteiro é baseado parcialmente no livro Ob Tausend fallen de Hans Habe sobre as experiências do autor em uma prisão militar alemã. O título do filme se refere a um crucifixo usado por Joana D'Arc e depois ao símbolo da Resistência francesa e das Forças da França Livre, escolhido por Charles de Gaulle em 1942[2]

De acordo com os registros da MGM o filme rendeu 585 mil dólares nos Estados Unidos e Canadá e 663 mil dólares em outros países, causando um prejuízo de 179 mil dólares.[3]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

No início da Segunda Guerra Mundial, franceses de todas as partes se alistaram para lutar. Derrotados pela invasão alemã em 1940, o General Philippe Pétain assina um tratado de paz e as tropas francesas se rendem. Contudo, os soldados não são repatriados e um grupo deles é enviado para um presídio militar na Alemanha, próximo da fronteira com a França. A maioria resiste como pode, como o ex-advogado Paul mas outros resolvem colaborar com os carcereiros, como o ex-vendedor Duval, que fala alemão. Os prisioneiros são confortados pelo Padre Sebastian que é proibido de realizar serviços religiosos. Quando o prisioneiro Pierre tenta fugir e é morto, o padre tenta ajudá-lo mas também se torna alvo, revoltando o prisioneiro Victor, que é brutalmente torturado. Os homens acham que Duval é o responsável pela morte de Pierre e resolvem executá-lo.

Produção[editar | editar código-fonte]

The Cross of Lorraine é um dos muitos filmes de propaganda de Hollywood feitos para a Segunda Guerra Mundial, mostrando a vida na Europa ocupada, com o propósito de explicar ao público norte-americano que o envolvimento dos Estados Unidos com a Guerra na Europa era tão importante como a guerra contra os japoneses no Pacífico.

O filme é parcialmente baseado no livro autobiográfico Ob Tausend fallen do refugiado germânico Hans Habe lançado em 1941, sobre as experiências do autor lutando na Legião Estrangeira Francesa contra seus ex-conterrâneos, tendo sido capturado e fugido de um campo de prisioneiros alemão. Vários atores alemães, austríacos, franceses e holandeses, que haviam fugido da Europa devido a guerra, participaram do filme, não apenas Peter Lorre, Jean-Pierre Aumont, Richard Ryen e Frederick Giermann mas também muitos outros em papéis menores e figuração.

The Cross of Lorraine foi a segunda produção da Metro-Goldwyn-Mayer sobre a Resistência Francesa. A primeira foi Reunion in France, lançado em 1942.[2]

Portal A Wikipédia tem os portais:

Referências

  1. EWALD FILHO, Rubens (1975). Os filmes de hoje na TV. São Paulo (Brasil): Global Editora. p. 58 
  2. a b Hilmar Hoffmann, John Broadwin, Volker R. Berghahn: The triumph of propaganda: film and national socialism, 1933-1945 (pgs 188 e 189)
  3. The Eddie Mannix Ledger, Los Angeles: Margaret Herrick Library, Center for Motion Picture Study .
Ícone de esboço Este artigo sobre um filme estadunidense é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.