A Escotilha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A Escotilha
Logo a-escotilha.png
Formato Jornal Eletrônico
Sede Curitiba, Paraná
Fundação 30 de março de 2015
Proprietário A Escotilha - Jornalismo Cultural
Página oficial www.aescotilha.com.br


A Escotilha é um portal de jornalismo cultural que tem como proposta fazer uma leitura mais reflexiva e abrangente das manifestações culturais que nos circundam. A proposta do portal é ampliar a visão sobre a cultura a partir de diferentes olhares. Ele tem menos interesse na atualidade dos lançamentos e estão mais empenhados em acrescentar nuances no consumo de cultura dos leitores.

A Escotilha é um portal criado pelos jornalistas Alejandro Mercado, Maura Martins e Paulo Camargo. Ele conta com uma rede de colaboradores de muito talento e forte expertise nas diversas áreas da cultura. De acordo com dados do site de aferição de tráfego de sites SimilarWeb, A Escotilha é um dos veículos independentes mais acessados do Sul do Brasil[1].

Origem do portal[editar | editar código-fonte]

Com a diminuição do Caderno G da Gazeta do Povo, até aquele momento o único caderno de jornalismo cultural do estado, algumas iniciativas começaram a ser desenvolvidas, como o Curitiba Cult e Marcelo Almeida Cultura. Contando com a bagagem de quase 20 anos à frente da editoria de cultura da Gazeta do Povo, Paulo Camargo e os jornalistas Maura Martins e Alejandro Mercado decidiram criar A Escotilha.

Atualmente, com o encerramento do Caderno G, condensado junto ao Guia da Gazeta do Povo[2], o portal tornou-se o principal veículo de produção de jornalismo cultural em Curitiba e Região Metropolitana.

Biografia dos editores[editar | editar código-fonte]

  • Alejandro Mercado é jornalista e publicitário, com pós-graduações em Comunicação e Sociedade (University of Pennsylvania) e Multimeios (UNICAMP). Foi coordenador adjunto da Coordenadoria Setorial de Comunicação da Secretaria de Cultura de Campinas entre 2005 e 2007, período no qual coproduziu o Unifest Rock. Foi um dos idealizadores e coprodutor do Mopemuca, projeto voltado ao fomento da produção musical autoral no interior de São Paulo[3].
  • Maura Martins é jornalista formada pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), mestre em Ciências da Comunicação pela Universidade Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) e doutora em Ciências da Comunicação da Universidade de São Paulo (USP). É professora e coordenadora dos cursos de Comunicação Social do Centro Universitário UniBrasil. Desde 2003, é pesquisadora das narrativas midiáticas, investigando especialmente assuntos ligados à televisão, ao telejornalismo e aos encontros do jornalismo com a literatura[4].
  • Paulo Camargo é jornalista formado pela Universidade Federal do Paraná - UFPR (1990), mestre em Teoria e Estética do Audiovisual (Universidade de Miami, 2002), onde foi bolsista da Comissão Fulbright, e professor dos cursos de Jornalismo da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e do Centro Universitário UniBrasil. Também leciona em cursos de pós-graduação da PUCPR e da Universidade Tuiuti do Paraná, onde é doutorando no programa de Comunicação e Linguagens. Foi editor de Cultura, crítico de cinema e repórter especial do jornal Gazeta do Povo (PR), diário no qual atuou entre 1996 e 2014. É integrante da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine). Trabalhou nos jornais O Estado do Paraná e Folha de S. Paulo[5].

Editorias[editar | editar código-fonte]

Maura Martins, Alejandro Mercado e Paulo Camargo: editores de A Escotilha
Maura Martins, Alejandro Mercado e Paulo Camargo: jornalistas responsáveis pela criação do veículo.

Cinema & TV[editar | editar código-fonte]

  • Canal Zero: reflexões e análises sobre a programação televisiva em seus diversos formatos e linguagens
  • Central de Cinema: reportagens, entrevistas e análises sobre obras cinematográficas em suas várias nuances
  • Espanto: monstros, demônios e outros horrores do cinema
  • Olhar em Série: análises de séries e minisséries televisivas, nacionais e estrangeiras

Literatura[editar | editar código-fonte]

  • Contracapa: entrevistas, perfis e reportagens sobre o fascinante universo da literatura
  • Ponto e Vírgula: resenhas e críticas de obras e textos literários

Música[editar | editar código-fonte]

  • Caixa Acústica: reportagens, entrevistas e críticas de discos
  • Prata da Casa: um passeio pela cena musical local de Curitiba e região. Apresentando artistas, bandas, shows e movimentos que circulam do Paraná
  • Radar: um passeio pela cena musical, apresentando artistas, bandas, shows e movimentos independentes mundo afora
  • Vitrola: coluna aborda textos sobre a história da música

Teatro[editar | editar código-fonte]

  • Em Cena: reportagens, entrevistas, ensaios, análise e reflexão sobre a produção teatral em cartaz ou da história
  • Intersecção: reportagens, entrevistas e críticas dos espetáculos teatrais das companhias de Curitiba e do estado

Artes Visuais[editar | editar código-fonte]

  • Mirante: reflexões e análises de mostras e exposições, além de obras de artes visuais e plásticas em suas várias nuances
  • Visualidades: bate-papos com fotógrafos, ilustradores, grafiteiros e demais artistas visuais sobre suas inspirações, carreiras e sobre cultura

Crônicas[editar | editar código-fonte]

Colunas[editar | editar código-fonte]

  • À Margem: cultura marginal a partir de um olhar sobre Curitiba, englobando tudo o que está à margem do chamado “eixo cultural erudito”. Análises, resenhas e reflexões de produtos culturais e reportagens sobre a temática
  • Vale um Like: tudo que envolve o mundo da cultura voltada ao público jovem sob o ponto de vista de Cristiano Freitas, jornalista com mais de 20 anos de experiência no assunto

Jornalistas que fazem parte da equipe do portal[editar | editar código-fonte]

Atualmente, fazem parte da equipe do portal os seguintes jornalistas[6]:

  • Bernard Freire (Belém/PA) - escreve sobre teatro às sextas-feiras;
  • Bruno Zambelli (São Paulo/SP) - escreve sobre teatro às quintas-feiras;
  • Cristiano Freitas (Curitiba/PR) - assina uma coluna sobre cultura infantil e jovem às quartas-feiras;
  • Daniel Tozzi (Curitiba/PR) - escreve sobre música quinzenalmente, às sextas-feiras;
  • Eder Alex (Curitiba/PR) - escreve sobre literatura às quartas-feiras;
  • Fernanda Maldonado (Curitiba/PR) - escreve sobre música às sextas-feiras;
  • Gabrielle Russi (Curitiba/PR) - escreve sobre televisão às quartas-feiras;
  • Guylherme Custódio (Curitiba/PR) - assina uma coluna sobre cultura marginal às segundas-feiras;
  • Helena Carnieri (Curitiba/PR) - escreve sobre teatro paranaense às terças-feiras;
  • Helena Perdiz (São Paulo/SP) - cronista, escreve às quintas-feiras;
  • Henrique Fendrich (Curitiba/PR) - cronista, escreve às quartas-feiras;
  • Jonatan Silva (Curitiba/PR) - escreve sobre literatura às sextas-feiras;
  • Luciano Simão (Curitiba/PR) - escreve sobre literatura às quintas-feiras;
  • Mariana Benevides (Curitiba/PR) - escreve sobre artes visuais aos domingos;
  • Marília Kubota (Curitiba/PR) - escreve sobre literatura às terças-feiras;
  • Petê Rissatti (São Paulo/SP) - escreve sobre literatura às quintas-feiras;
  • Raphaella Lira (Rio de Janeiro/RJ) - escreve sobre música aos sábados;
  • Renan Guerra (Santiago/RS) - escreve sobre música às segundas-feiras;
  • Rodolfo Stancki (Curitiba/PR) - escreve sobre cinema e TV com enfoque em produtos de horror/terror;
  • Rodrigo de Lorenzi (Curitiba/PR) - escreve sobre séries às terças-feiras;
  • Rômulo Candal (Curitiba/PR) - escreve sobre música às quintas-feiras;
  • Valsui Júnior (Curitiba/PR) - escreve sobre cinema aos domingos;
  • Victoria Tuler (Curitiba/PR) - escreve sobre cinema e artes visuais às quartas-feiras;
  • Yuri Al'Hanati (Curitiba/PR) - cronista, escreve às segundas-feiras.

Outros profissionais já passaram pelo site, entre eles: Anna Carolina Azevedo (literatura), Bruna Bottin (séries), Bruno Sanches (música), Bruno Vieira (música), Dani Brito (moda), Francisco Mallmann (teatro), Guilherme Aranha (música), Isadora Rupp (cinema), José Antonio Picelli (séries), Katy Mary de Farias (música), Lucas Paraíso (música), Lucas Scaliza (música), Mariana Sanchez (cultura latina), Marina Aranha (literatura), Taiana Bubniak (cultura e maternidade), Tamlyn Ghannam (literatura) e Walter Bach (literatura).

Mapa do jornalismo alternativo da Agência Pública[editar | editar código-fonte]

Em março de 2016, a Agência Pública de Jornalismo divulgou o "Mapa do jornalismo independente"[7] do Brasil. Segundo a Pública, "A ideia é ambiciosa, mas cada vez mais necessária neste momento de ruptura e renascimento que o jornalismo vive: mapear as iniciativas independentes no Brasil. Neste “mapa” interativo, selecionamos aquelas que nasceram na rede, fruto de projetos coletivos e não ligados a grandes grupos de mídia, políticos, organizações ou empresas."[7]

A Escotilha foi uma das iniciativas apontadas, juntamente com sites como Nexo Jornal, Scream & Yell, Nonada - Jornalismo Travessia, Jornalistas Livres, Mídia Ninja, Brasil de Fato, entre outros.

Referências

  1. «Aescotilha.com.br Analytics - Market Share Stats & Traffic Ranking». www.similarweb.com (em inglês). Consultado em 31 de outubro de 2017. 
  2. «Gazeta do Povo encerra diário e foca em mobile – Meio & Mensagem». www.meioemensagem.com.br. Consultado em 31 de outubro de 2017. 
  3. «Alejandro Mercado na A Escotilha». A Escotilha (em inglês) 
  4. «Maura Martins na A Escotilha». A Escotilha (em inglês) 
  5. «Paulo Camargo na A Escotilha». A Escotilha (em inglês) 
  6. Escotilha, A. «A Escotilha | Quem Somos». A Escotilha (em inglês) 
  7. a b Pública, Agência. «O mapa do jornalismo independente». apublica.org (em inglês). Consultado em 30 de outubro de 2017.