A Fonte (Ingres)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


A Fonte
'La Source'
Autor Jean Auguste Dominique Ingres
Data (1820 - 1856)
Género Pintura
Técnica Óleo sobre tela
Dimensões 163  × 80 
Localização Musée d'Orsay, Paris

A Fonte (La Source) é uma pintura a óleo sobre tela do pintor francês do neoclassicismo Jean Auguste Dominique Ingres. A obra foi iniciada em Florença por volta de 1820, mas só em 1855 em Paris é que foi acabada.[1][2] Quando Ingres mostrou a obra, já com 76 anos de idade,[3] esta depressa se tornaria muito célebre[4] e manteve-se ao cuidado do presidente da École des Beaux-Arts.[5]

Contexto[editar | editar código-fonte]

A pose do nu feminino representada neste quadro pode ser comparada com a de outro quadro do mesmo artista, Vénus Anadiomene[6] de 1848, e trata-se de uma revisitação da Afrodite de Cnido ou "Vénus pudica"[5] (enquanto se utiliza da mão direita na frente do púbis com o intuito de o ocultar), também representado em O Nascimento de Vênus de Sandro Botticelli. Dois estudantes de Ingres, Paul Baize e Alexandre Desgoffe, terão colaborado na criação do fundo e do vaso com água.[1] Esta era uma imagem extremamente popular, tanto que muitos cantaram em glória a ela, em particular o escritor Théophile Gautier e o poeta Théodore de Banville. A pose desta imagem atraiu inclusive outros pintores como William-Adolphe Bouguereau, na obra O Nascimento de VÊnus de 1879; e Pablo Picasso, inspirando numerosos artistas, nomeadamente Georges Seurat, Pierre-Auguste Renoir, Aristide Maillol e René Magritte. Vénus e odaliscas eram normalmente representadas por Ingres, inspirando-se nos seus modelos originais, poses e linhas sinuosas, alcançando uma representação fiel da anatomia da mulher. Esta regra fora seguida designadamente por A Grande Odalisca. A pele lisa e suave das mulheres confere a ilusão de uma estátua. Este estilo de pintura tem aproximado bastantes admiradores e é vista sobretudo na obra dos alunos de Ingres, em que as cenas mitológicas e atos são idealizados, e os detalhes fielmente reproduzidos.[7][8]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «La Source». Musée d'Orsay. Consultado em 2 março 2012 
  2. The Houghton Mifflin dictionary of biography. [S.l.]: Houghton Mifflin Harcourt. 2003. pp. 782–. ISBN 978-0-618-25210-7  Parâmetro desconhecido |autore= ignorado (ajuda)
  3. Arnheim, Rudolf (2004). Art and visual perception: a psychology of the creative eye. [S.l.]: University of California Press. p. 152. ISBN 978-0-520-24383-5 
  4. Grand Louvre and the Musee D'Orsay. [S.l.]: Casa Editrice Bonechi. 1999. p. 91. ISBN 978-88-7009-780-1  Parâmetro desconhecido |autore= ignorado (ajuda)
  5. a b Baguley, David (2000). Napoleon III and his regime: an extravaganza. [S.l.]: LSU Press. pp. 317–. ISBN 978-0-8071-2624-0 
  6. Geist, Sidney (1988). Interpreting Cézanne. [S.l.]: Harvard University Press. p. 93. ISBN 978-0-674-45955-7 
  7. Caroline Mathieu: Musée d’Orsay, S. 39
  8. vgl. Muthmann, Friedrich: Mutter und Quelle : Studien zur Quellenverehrung im Altertum und im Mittelalter. Basel : Archäologischer Verl., 1975. (S. 441)
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre A Fonte (Ingres)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Rudolf Zeitler: Das unbekannte Jahrhundert. In: Propyläen Kunstgeschichte, Band 11: Rudolf Zeitler (Hrsg.): Die Kunst des 19. Jahrhunderts. Propyläen-Verlag, Berlim 1979; S. 15–128; zu Ingres: S. 58–63.
  • Caroline Mathieu: Musée d’Orsay. Édition de la Réunion des Musées Nationaux, Paris 1987, ISBN 2-7118-2124-2; S. 38f.