A Grande Família (1972)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de A Grande Família, veja A Grande Família (desambiguação).
A Grande Família 
Informação geral
Formato Série
Gênero Comédia de costumes
Duração 40 minutos (aprox.)
Criador(es) Max Nunes
Roberto Freire
Oduvaldo Vianna Filho
Armando Costa
País de origem  Brasil
Idioma original (português brasileiro)
Produção
Diretor(es) Milton Gonçalves (1972)
Paulo Afonso Grisolli (1973-1975)
Walter Lacet (imagem)
Produtor(es) Daniel Filho
Câmera José Alcântara
Hélio Pol
Jorge Luiz
Ricardo Gonzaga
Ailton Roberto
Orlando Carvalho
Elenco Eloísa Mafalda
Brandão Filho
Jorge Dória
Paulo Araújo
Osmar Prado
Luiz Armando Queiroz
Djenane Machado (1972)
Maria Cristina (1973-1975)
Tema de abertura "A Grande Família"
Tom e Dito
Exibição
Emissora de televisão original Rede Globo
Formato de exibição 480i (SDTV)

P&B (1972-1975)
PAL-M (1975)

Transmissão original 26 de outubro de 1972 - 27 de março de 1975
N.º de temporadas 4
N.º de episódios 109
Cronologia
A Grande Família (2001-2014)
Programas relacionados All in the Family

A Grande Família foi uma série de televisão brasileira produzida pela Rede Globo e exibida entre 26 de outubro de 1972 a 27 de março de 1975, às 21h00, tendo totalizado 109 episódios.

Foi baseada, a princípio, no seriado norte-americano de sucesso All in the Family, tendo sido escrita por Max Nunes, Roberto Freire, Oduvaldo Viana Filho, Armando Costa e Paulo Pontes, e dirigida inicialmente por Milton Gonçalves, e depois por Paulo Afonso Grisolli.

A narrativa dos episódios se concentrava numa família sempre muito unida, que tentava, à sua maneira, sobreviver às dificuldades financeiras e de relacionamento. As críticas sociais eram feitas de forma muito criativa, na tentativa de driblar a censura da época, embora nem sempre fosse possível fugir dos cortes implacáveis dos censores.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Lineu é um veterinário casado com Irene, que é mais conhecida como Dona Nenê. Eles tem três filhos, Júnior, um estudante de medicina com visões políticas e sociais de esquerda; Arthur, o Tuco, um hippie que aproveita ao máximo sua liberdade, o que o leva a ter dificuldades de manter um emprego; e Maria Isabel, mais conhecida como Bebel, uma dona de casa, casada com Agostinho, que é garçom de um motel. Com eles também vive o Vovô, um homem aposentado que passa o dia todo dormindo.

Produção[editar | editar código-fonte]

Em sua fase inicial, A Grande Família foi uma versão da série americana All in the Family, porém, para haver uma maior identificação do público com os personagens e, consequentemente, uma melhor audiência, o programa e os personagens foram reformulados, para torná-los tipicamente brasileiros. Roteirizado por Roberto Freire e Max Nunes, os episódios eram dirigidos por Milton Gonçalves.

A primeira versão estreou no mesmo dia que a série Shazan, Xerife e Cia.. A série infantil começava às 21h e A Grande Família às 21h30, ambas com 25 minutos de duração. Depois, Shazam, Xerife e Cia. mudou de horário e A Grande Família passou a ter 45 minutos e a começar às 21 horas.

Após seis episódios, exibidos no final de 1972, a série entrou em sua segunda temporada, quando a direção passou para o comando de Paulo Afonso Grisolli, que convidou Oduvaldo Vianna Filho (Vianninha), e Armando Costa para escreverem os novos episódios. A missão deles eram adaptar as situações aos típicos hábitos e costumes brasileiros, abordando assuntos como o alto custo de vida, o desemprego e a falta de perspectivas para os jovens. Para além disso, a família se mudou para um conjunto habitacional do subúrbio, em abril de 1973. O objetivo era aumentar os índices de audiência, que não estavam agradando à Rede Globo, e as mudanças surtiram efeito: em apenas dois meses a audiência do humorístico disparou,[1] vindo finalmente o sucesso popular e a total adesão da crítica ao programa.

O programa foi ao ar todas as quintas - feiras. O primeiro episódio foi transmitido ao vivo. foram produzidos 112 episódios.

A presença do personagem Júnior (Osmar Prado) se justificava em uma necessidade política do autor do seriado, Oduvaldo Viana Filho, o Vianinha, para fazer críticas sociais. Por conta disso, era quase sempre censurado, e alguns episódios chegaram a ser proibidos de irem ao ar.

Djenane Machado se negou a continuar no segundo ano da série. Disse que não queria ficar marcada pelo seriado. foi então substituída de um episódio para o outro por Maria Cristina Nunes. Durante o episódio não se falou nada da substituição. Apenas um dos personagens disse que ela estava "um pouco diferente"[2].

Em julho de 1974, Oduvaldo Vianna Filho faleceu de câncer. Mediante isso, Paulo Pontes o substituiu como redator principal da série. Porém o clima de consternação na equipe foi tão grande que a série foi cancelada no ano seguinte.[3].

A série foi exibida a cores em seu último dia, que foi em 27 de março de 1975.

Elenco[editar | editar código-fonte]

O especial de Natal[editar | editar código-fonte]

Em 22 de dezembro de 1987, a Rede Globo exibiu um especial de Natal com A Grande Família, reunindo todo o elenco original mais convidados especiais. O programa mostrava como estava a família doze anos depois, com o nascimento dos netos de Lineu e Nenê.

Foi escrito por Marcílio Moraes e dirigido por Paulo Afonso Grisolli.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Memória Globo - Rede Globo». Consultado em 29 de Dezembro de 2010 
  2. «A Grande Família: Um lar unido e ouriçado». Memória no ar. 19 de julho de 2016. Consultado em 9 de dezembro de 2017 
  3. «A primeira versão de 'A Grande Família». Veja. 1 de outubro de 2016. Consultado em 9 de dezembro de 2017