A Ilustre Casa de Ramires

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A Ilustre Casa de Ramires
Castelo Silves 3.JPG
Estátua em bronze do rei Sancho I de Portugal no castelo de Silves.
Autor (es) Eça de Queirós
Idioma português
País  Portugal
Género romance
Editora Livraria Chardron
Lançamento Porto, 1900
Páginas 543
Cronologia
Último
Último
Correspondência de Fradique Mendes
A Cidade e as Serras
Próximo
Próximo

A Ilustre Casa de Ramires é um romance realista da terceira fase do escritor português Eça de Queirós. Publicado em 1900, representa a sua maturidade intelectual e o apogeu do seu estilo como escritor, onde a crítica corrosiva e a ironia cáustica que haviam marcado a segunda etapa da sua produção – fase de adesão ao naturalismo – cedem lugar a uma postura de maior esperança nos valores humanos e abrem espaço para um certo optimismo.

A história aparente narra a vida de Gonçalo Mendes Ramires, a sua chegada à política e as tradições familiares portuguesas, mas fica evidente a analogia que Eça faz com a História portuguesa, as suas mudanças políticas e a sua tradição. O administrador Gouveia, uma das personagens, chega a afirmar, nas últimas linhas da obra, que o seu amigo Gonçalo se parece com Portugal.

Escrita e publicada em meio a instabilidade política da monarquia e sob a humilhação do Ultimato inglês, o autor sugere um retorno ao colonialismo e à aristocracia como saída para Portugal.

A representação proposta por Eça é construída a partir de Gonçalo Mendes Ramires, um fidalgo, morador da pequena Vila Clara que ambiciona participar da política. Quando um amigo de Ramires o convida para publicar um romance nos Annaes da Literatura, vê sua grande chance de ter o nome reconhecido e ingressar finalmente na política. Dessa forma o protagonista de Eça torna-se também ele autor de uma novela, uma novela histórica que se passaria no Século XIII e teria como personagem um ancestral seu, Tructesindo Ramires, fiel cavalheiro do rei D. Sancho I e que se vê em meio a briga entre o rei D. Afonso II e as suas irmãs, depois da morte do Rei, em 1211. Porém, toda a narrativa de Gonçalo não passa de uma versão em prosa, frouxa e mal elaborada de um poema escrito anos atrás por um tio e publicado num jornal de província. Seus talentos literários não passam da mal dissimulada cópia, como sua estrutura moral não passa de um jogo hábil entre interesse e conveniência social.

A presença destas duas histórias paralelas fazem de Ilustre Casa um romance de formação, ou seja, um romance sobre a arte de escrever. E Eça sugere que a escrita é um trabalho árduo, duro, de muito esforço, pois narra o seu Ramires cansado após horas de produção num gabinete fechado. Ou pressionado pelo editor e sem as páginas concluídas. Esta concepção, tão oposta aos românticos, será no Século XX estudada e aplicada em diversas oficinas literárias.

As quatro histórias[editar | editar código-fonte]

Eça de Queirós trabalha o seu romance com o paralelismo, ou seja, há mais de um conflito ao mesmo tempo. Vejamos quais são eles a partir de um trecho da obra, em que se encontram:

    Gonçalo remata o capítulo (1) ... A eleição encalhada como uma barca no lodo (2), a
    irmã de certo com o outro no Mirante (3), até a prima desatendendo seu tímido pedido de
    uma conversa (4).

(História 1) Gonçalo escreve uma novela; motivação da história

(História 2) Desejo de Gonçalo entrar na política –> Eleições para deputado

(História 3) O casamento da irmã e seu romance com Cavalleiro (motivo do ódio por AC)

(História 4) A possibilidade de um casamento com uma rica e bela viúva

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]