A Nightmare on Elm Street 2: Freddy's Revenge

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde 2008). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
A Nightmare on Elm Street 2:
Freddy's Revenge
Pesadelo em Elm Street II[1] (PRT)
A Hora do Pesadelo 2 - A Vingança de Freddy[2][3] (BRA)
Pôster promocional criado por Matthew Peak
 Estados Unidos
1985 •  cor •  85 min 
Direção Jack Sholder
Produção Robert Shaye
Roteiro David Chaskin
Baseado em Personagens
de Wes Craven
Elenco Mark Patton
Kim Myers
Robert Rusler
Clu Gulager
Hope Lange
Robert Englund
Gênero terror
slasher
Música Christopher Young
Cinematografia Jacques Haitkin
Christopher Tufty
Edição Bob Brady
Arline Garson
Companhia(s) produtora(s) Heron Communications
Smart Egg Pictures
Distribuição New Line Cinema
Lançamento Estados Unidos 1 de novembro de 1985[4]
Brasil 23 de julho de 1987
Idioma inglês
Orçamento US$ 3 milhões[5]
Receita US$ 30 milhões[4]
Cronologia
A Nightmare on Elm Street
(1984)
A Nightmare on Elm Street 3: Dream Warriors
(1987)

A Nightmare on Elm Street 2: Freddy's Revenge é um filme de terror estadunidense de 1985, do subgênero slasher, dirigido por Jack Sholder. É a sequência de A Nightmare on Elm Street e o segundo da série de filmes homônima. O roteiro foi escrito por David Chaskin e os papéis principais são interpretados por Mark Patton, Kim Myers, Robert Rusler e Robert Englund como o vilão Freddy Krueger. O enredo gira em torno de Jesse Walsh, um adolescente que, depois de se mudar para a antiga casa de Nancy Thompson, começa a ter pesadelos recorrentes com Freddy, até ser possuído pelo assassino, passando a matar por ele no mundo real. O longa-metragem arrecadou 30 milhões de dólares nas bilheterias da América do Norte, uma receita consideravelmente maior que a de seu antecessor. Foi seguido por A Nightmare on Elm Street 3: Dream Warriors (1987).

Enredo[editar | editar código-fonte]

Cinco anos depois da aparente derrota de Freddy Krueger, a família Walsh muda-se para a antiga casa dos Thompson. Jesse, o filho adolescente, tem um pesadelo no qual é perseguido por um assassino em um ônibus escolar. Ao acordar, atribui o sonho ao calor incomum do quarto. Ele vai para a escola acompanhado de sua amiga Lisa, por quem tem interesse romântico, mas é tímido demais para flertar com ela. Ele se envolve em uma briga com um garoto chamado Grady durante a aula de ginástica, entretanto, os dois tornam-se amigos posteriormente. Lisa visita Jesse depois da escola e eles descobrem um diário de Nancy Thompson detalhando seus pesadelos, notavelmente semelhantes aos de Jesse. Pequenos incêndios acontecem ao redor da casa, culminando na combustão espontânea dos pássaros de estimação da família. O pai de Jesse o acusa de sabotagem.

O jovem tem um pesadelo no qual se encontra com Freddy, que lhe pede para matar por ele. Os sonhos ficam cada vez mais intensos e Jesse tenta, sem sucesso, diferentes meios para se manter acordado. Vagando pelas ruas à noite, ele decide conseguir uma bebida, mas é flagrado no ato por Schneider, treinador de ginástica, que o obriga a voltar para a escola como punição. Depois de mandar Jesse para a área dos chuveiros do vestiário, Schneider é atacado por uma força invisível que o arrasta para o mesmo local. Jesse desaparece no vapor, Freddy emerge e mata o treinador, cortando as costas do mesmo. Momentos depois, Jesse fica horrorizado ao ver em sua mão a luva com lâminas afiadas. Ele é escoltado para casa pela polícia depois de ser encontrado vagando nu pelas ruas. Os pais desconfiam que o filho pode estar usando drogas ou mentalmente perturbado. Lisa leva Jesse até uma fábrica abandonada onde Krueger trabalhava, mas não encontram nada no local.

Na noite seguinte, Jesse vai a uma festa na piscina de Lisa e a beija em uma cabana. Então o corpo dele começa a se transformar, ele entra em pânico e se dirige à casa de Grady, a quem confessa que matou Schneider. Jesse pede que o amigo observe-o dormir e tente detê-lo se ele tentar fazer qualquer coisa suspeita. Grady finalmente adormece e é morto por Freddy, que sai do corpo de Jesse. Quando o rapaz é novamente possuído, vê-se olhando para o reflexo do assassino no espelho de seu amigo. Ele foge antes de os pais de Grady entrarem no quarto. Voltando à casa de Lisa, Jesse revela-lhe o que está acontecendo. Lisa percebe que o pavor de Jesse fortalece Freddy, mas o jovem não consegue parar de temê-lo e se transforma novamente no assassino. Ele tranca os pais da moça no quarto e a ataca, mas percebe que não consegue machucá-la devido à influência de Jesse.

Krueger vai para fora, onde começa a abater os convidados da festa. O pai de Lisa surge com uma espingarda, mas ela o impede de atirar em Freddy, que escapa em uma bola de fogo. Ela se dirige para a fábrica, enfrentando pesadelos repentinos e tendo que controlar seu medo antes de confrontar Freddy. Ela pede a Jesse para lutar contra Freddy, mas este é muito poderoso. Então Lisa confessa seu amor a Jesse e beija Freddy, o que faz o rapaz começar a revidar. Freddy entra em combustão e se transforma em cinzas, das quais Jesse emerge. Mais tarde, quando o casal está indo de ônibus para a escola, Jesse começa a notar semelhanças com seu primeiro pesadelo e se desespera, mas é acalmado pela namorada. Kerry, amiga de Lisa, comenta que tudo acabou, mas repentinamente o braço de Freddy começa a atravessar seu peito. Freddy ri quando o veículo entra em um campo, assim como no primeiro pesadelo de Jesse.

Elenco[editar | editar código-fonte]

  • Robert Englund .... Freddy Krueger
  • Mark Patton .... Jesse Walsh
  • Kim Myers .... Lisa Webber
  • Robert Rusler .... Ron Grady
  • Clu Gulager.... Ken Walsh
  • Hope Lange .... Cheryl Walsh
  • Marshall Bell .... Coach Schneider
  • Melinda O. Fee .... Mrs. Webber
  • Tom McFadden .... Mr. Webber
  • Sydney Walsh.... Kerry
  • Christie Clark .... Angela Walsh

Produção[editar | editar código-fonte]

Wes Craven o criador da franquia A Hora do Pesadelo recusou-se a trabalhar neste filme, porque ele nunca quis que a franquia continuasse (ele até queria que o primeiro filme tivesse um final feliz). Craven disse também que ele não gosta da idéia de Freddy manipular o protagonista a cometer os assassinatos.

Recepção[editar | editar código-fonte]

Bilheteria[editar | editar código-fonte]

Em 1985, o filme estreou em 614 cinemas, arrecadando 2,9 milhões de dólares em seu fim de semana de abertura, ficando em quarto lugar nas bilheterias. Nos Estados Unidos, arrecadou 30 milhões de dólares[6] para um orçamento de 3 milhões.[7]

Crítica[editar | editar código-fonte]

A reação da crítica ao filme foi inicialmente positiva, mas, ainda assim, algumas avaliações negativas foram publicadas. Janet Maslin, escrevendo para o The New York Times, elogiou o longa-metragem, ressaltando seus "efeitos especiais inteligentes, bom desempenho do protagonista e um vilão de lábia tão boa que o torna praticamente uma história de interesse humano". A resenha também avaliou positivamente a atuação dos atores principais, afirmando: "Sr. Patton e Sra. Myers são heróis adolescentes adoráveis e Sr. Englund realmente transforma Freddy em uma presença bem-vinda. Clu Gulager e Hope Lange têm alguns bons momentos como os pais de Jesse e Marshall Bell faz cara feia como o treinador que chama suas acusações de trastes e que acaba sendo atacado por uma toalha demoníaca."[8]

A revista Variety criticou positivamente a película, afirmando: "O tratamento episódico é estimulado por uma série imaginativa de efeitos especiais. Destaque para a cena sinistra envolvendo o rompimento de um tórax."[9] A People, por sua vez, considerou o filme "uma bagunça entediante e sem humor".[10]

O filme detém atualmente um percentual de 40% de aprovação no Rotten Tomatoes, tendo por base 25 análises de críticos de cinema agregadas pelo site, o que equivale a uma pontuação média de 4,9/10.[11]

Temas e análises[editar | editar código-fonte]

Subtexto homoerótico[editar | editar código-fonte]

Especialistas em cinema frequentemente comentam sobre a temática homoerótica do filme, alegando que seu subtexto sugere que Jesse é um homossexual reprimido, o que nunca fica explícito no filme. Eles observam, em particular, as cenas em que o personagem encontra seu professor de ginástica em uma boate gay e sua ida imediata para a casa de um amigo depois de tentar uma relação sexual com a namorada na festa da piscina.[12][13] Além disso, o ator Mark Patton, que interpreta Jesse, desempenhou um papel muitas vezes descrito como feminino no subgênero, um tropo que se tornou conhecido como "a última garota". Na época de seu lançamento, uma publicação referiu-se ao longa-metragem como "o filme de terror mais gay de todos os tempos". No século 21, tornou-se um filme cult para o público gay.[14]

Patton afirmou que o subtexto gay ficava cada vez mais enfatizado através de reescritas do roteiro, à medida que a produção progredia. "Acabou que se tornou inegável", disse o ator ao BuzzFeed, em 2016. "Estou deitado na cama [como] uma pietà e as velas pingam e se curvam como falos e a cera branca está pingando por toda parte. É como se eu estivesse no centro de um vídeo [...] bukkake. Ele decidiu entrar para o projeto quando soube que os cineastas sabiam que ele era gay, mas que estava no armário. Eles orientaram o ator a interpretar o personagem de tal forma que, combinado com sua atuação como um adolescente gay em Come Back to the Five and Dime, Jimmy Dean, Jimmy Dean no ano anterior, levasse-o a ser tipificado como homossexual. O personagem chamou a atenção para algo que ele evitava discutir e o teria impedido de conseguir papéis mais significativos em Hollywood na década de 1980.[14]

Em particular, Patton culpa o roteirista David Chaskin, o qual afirma que o subtexto surgiu a partir da forma como Patton desempenhou o papel. "Eu adoro quando ele usa a palavra 'subtexto'", afirmou Patton. "Você realmente estudou inglês no colegial? Isso não é um subtexto." Em 2016, ele declarou que Chaskin o "sabotou". "Ninguém jamais afetou minha confiança — os garotos que atiraram pedras em mim, ninguém — mas esse cara fez isso." Chaskin negou durante anos que havia um subtexto gay em seu roteiro. Em vez disso, em certa ocasião, ele declarou a um repórter que Patton simplesmente interpretou o papel de uma forma "muito gay". Devido ao estresse emocional causado pelo filme, Patton deixou a atuação pouco tempo depois e seguiu uma carreira em decoração de interiores.[14]

Em 2015, Patton compareceu à San Diego Comic-Con para participar de um debate sobre essa controvérsia. Na ocasião, o ator concedeu uma entrevista ao portal brasileiro UOL, na qual revelou que o filme o "agrediu por muito tempo" e que ele tem o longa-metragem como "um exemplo de bullying". Em suas palavras: "Apenas nos últimos cinco anos que a opinião do público sobre [o filme] mudou e eu voltei a trabalhar como ator. [...] Continuaram me oferecendo trabalho, contanto que eu continuasse no armário. Várias pessoas vinham me dizer que eu devia agir como hétero". Ele afirmou ainda que não se tratava de "um filme homoerótico e [sim de] um filme homofóbico" e que "[o roteirista] tentou enojar o público hétero com isso e que qualquer subtexto que ele tinha colocado no texto foi arruinado por mim, porque eu era super gay."[15]

Enquanto Chaskin tentava se aproximar e pedir desculpas a Patton ao longo dos anos, no que foi razoavelmente bem sucedido, ele continuava afirmando que a maneira como Patton interpretou Jesse decorreram de "escolhas que ele fez [...] Acredito que ele 'entendeu' [dessa forma] e foi assim que ele decidiu interpretá-lo." Em 2010, o roteirista finalmente admitiu que foi uma escolha deliberada da parte dele. "A homofobia era altíssima e comecei a pensar em nosso público-alvo — garotos adolescentes — e como todas essas coisas [poderiam] estar se infiltrando em suas psiques", explicou ele. "Meu pensamento foi que aproveitar essa angústia daria uma vantagem extra ao horror."[14]

Entretanto, uma cena que teria tornado o subtexto gay mais aparente, foi atenuada. Englund havia se preparado para inserir uma das lâminas de sua luva na boca de Jesse, em vez de meramente acariciar seus lábios com ela, conforme mostrado na versão final da película. Patton não se sentia à vontade com isso. O artista de maquiagem do filme sugeriu a Patton que ele não fizesse a cena dessa forma para proteger sua imagem.[14] Em uma entrevista em fevereiro de 2010 à revista Attitude, Englund afirmou: "... o segundo Nightmare on Elm Street obviamente tem a intenção de ser um filme com tema bissexual. Era início dos anos 80, paranoia pré-Aids. Jesse no conflito entre sair ou não do armário e seus próprios desejos sexuais foram manifestados por Freddy. O amigo dele é objeto de sua afeição. Isso tudo está ali naquele filme. Fizemos sutilmente, mas a escalação de Mark Patton foi intencional também, pois Mark havia saído do armário e feito Come Back to the Five and Dime, Jimmy Dean, Jimmy Dean."[16]

Em um artigo escrito para o AfterElton.com, Brent Hartinger observa que um "debate frequente nos círculos da cultura pop gay é este: até que ponto A Nightmare on Elm Street 2: Freddy's Revenge (a primeira continuação de Elm Street) de 1985 foi, de fato, ‘gay’? As imagens do filme o fazem parecer inconfundivelmente gay — mas os cineastas negaram o tempo todo que essa foi a intenção deles". Durante seu segmento de entrevistas para o documentário Never Sleep Again: The Elm Street Legacy (2010), David Chaskin admitiu que os temas gays foram intencionais, algo que ele havia negado até aquele momento.[17]

O restante do elenco e da equipe afirmaram que não tinham conhecimento de nenhum desses temas na época em que fizeram o filme, mas que uma série de decisões criativas por parte do diretor Jack Sholder trouxe involuntariamente os temas de Chaskin para o primeiro plano. Em entrevista, Sholder declarou: "Eu simplesmente não tinha a autoconsciência para perceber que tudo aquilo poderia ser interpretado como gay". Mark Patton, por sua vez, comentou: "Não acho que Jesse foi originalmente escrito como um personagem gay. Penso que foi algo que aconteceu ao longo do processo por serendipidade."[17] O ator também escreveu uma história intitulada Jesse's Lost Journal, sobre a vida de Jesse depois do filme e lidando com sua homossexualidade.[18]

Referências

  1. Pesadelo em Elm Street II na RTP (Portugal)
  2. A Hora do Pesadelo 2 - A Vingança de Freddy (em português) no AdoroCinema (Brasil)
  3. A Hora do Pesadelo 2 - A Vingança de Freddy no CinePlayers (Brasil)
  4. a b «A Nightmare on Elm Street 2: Freddy's Revenge». Box Office Mojo (em inglês). Consultado em 11 de fevereiro de 2019. Cópia arquivada em 29 de março de 2017 
  5. «A Nightmare on Elm Street Part 2: Freddy's Revenge (1985)». The Numbers (em inglês). Consultado em 11 de fevereiro de 2019. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2017 
  6. «A Nightmare on Elm Street 2: Freddy's Revenge». Box Office Mojo (em inglês). Consultado em 10 de fevereiro de 2019. Cópia arquivada em 2 de maio de 2012 
  7. Nash Information Services. «A Nightmare On Elm Street Part 2: Freddy's Revenge». The Numbers (em inglês). Consultado em 10 de fevereiro de 2019. Cópia arquivada em 2 de maio de 2012 
  8. Maslin, Janet (1 de novembro de 1985). «Screen: Freddy Returns in Part 2 of 'Nightmare'». nytimes.com. The New York Times (em inglês). Consultado em 10 de fevereiro de 2019. Cópia arquivada em 1 de junho de 2016 
  9. Variety Media (31 de dezembro de 1984). «Review: 'A Nightmare on Elm Street, Part 2: Freddy's Revenge'». Variety.com. Variety (em inglês). Consultado em 10 de fevereiro de 2019. Cópia arquivada em 1 de janeiro de 2019 
  10. Meredith Corporation (18 de novembro de 1985). «Picks and Pans Review: A Nightmare on Elm Street, Part 2: Freddy's Revenge». People.com. People (em inglês). Consultado em 10 de fevereiro de 2019. Cópia arquivada em 1 de janeiro de 2019 
  11. «A Nightmare on Elm Street 2 – Freddy's Revenge (1985)». Rotten Tomatoes (em inglês). Consultado em 10 de fevereiro de 2019. Cópia arquivada em 25 de setembro de 2015 
  12. «A Nightmare on Elm Street 2: Freddy's Revenge». I Viddied It On the Screen (em inglês). Consultado em 9 de fevereiro de 2019. Arquivado do original em 5 de fevereiro de 2009 
  13. «X-Entertainment: Movie Review: Nightmare On Elm Street Part II – Freddy's Revenge!». X-Entertainment (em inglês). 22 de abril de 2003. Consultado em 9 de fevereiro de 2019. Arquivado do original em 16 de junho de 2013 
  14. a b c d e Peitzman, Louis (21 de fevereiro de 2016). «The Nightmare Behind The Gayest Horror Film Ever Made». BuzzFeed (em inglês). Consultado em 9 de fevereiro de 2019. Cópia arquivada em 22 de fevereiro de 2016 
  15. Cimino, James (12 de julho de 2015). «Ator conta por que "A Hora do Pesadelo 2" é um dos filmes mais gays». UOL. bol.uol.com.br. Consultado em 11 de fevereiro de 2019. Cópia arquivada em 12 de fevereiro de 2019 
  16. Todd, Matthew (2 de fevereiro de 2010). «Hollywood Monster». Attitude.co.uk. Attitude (em inglês). Consultado em 9 de fevereiro de 2019. Arquivado do original em 4 de setembro de 2011 
  17. a b Hartinger, Brent (18 de maio de 2010). «New Documentary, "Never Sleep Again," Answers Age-Old Question: Was "Nightmare on Elm Street 2" Gay?». After Elton (em inglês). Consultado em 9 de fevereiro de 2019. Arquivado do original em 21 de maio de 2010 
  18. «Jesse's Lost Journal by Mark Patton – Preface». Static Mass Emporium (em inglês). Cópia arquivada em 27 de setembro de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]