A Ostra e o Vento

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A Ostra e o Vento
Cartaz do filme
 Brasil
1997 •  cor •  118 min 
Direção Walter Lima Júnior
Roteiro Walter Lima Jr.
Flávio Ramos Tambellini
Moacir C. Lopes
Elenco Leandra Leal
Lima Duarte
Fernando Torres
Castrinho
Floriano Peixoto
Débora Bloch
Gênero Drama
Idioma Português
Página no IMDb (em inglês)

A Ostra e o Vento é um filme brasileiro de 1997 dirigido por Walter Lima Jr. com roteiro adaptado por ele mesmo e Flávio Tambellini, baseado no livro de Moacir C. Lopes.[1][2]

A direção de fotografia é de Pedro Farkas, a trilha sonora é de Wagner Tiso, e a canção-tema é de Chico Buarque e está no CD As cidades.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Uma garota, Marcela, vive com o seu pai em uma ilha distante do litoral. Ele é o responsável pela manutenção do farol da ilha e a sufoca com um amor possessivo e autoritário. Em função da grande solidão imposta aos dois pelo lugar, ela se revolta contra o pai e desenvolve uma paixão pelo vento que açoita a ilha e que acaba se tornando um dos personagens da história.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

As locações externas foram realizadas basicamente em dois locais: grande parte na Ilha do Mel, local de exuberante beleza situado no litoral do estado do Paraná; e na praia de Jericoacoara, uma das praias mais bonitas do estado do Ceará. Na Ilha do Mel se destacam as cenas no Farol das Conchas, o farol branco que aparece na maior parte do filme (na verdade, no filme aparecem dois faróis distintos, o branco e um listrado, que só é mostrado ao final, ao longe); e as cenas da gruta de pedra, que é a Gruta das Encantadas. Em Jericoacoara destacam-se as cenas da Pedra Furada, uma formação rochosa na praia, próxima ao mar, que aparece em alguns momentos do filme. Este foi o primeiro filme brasileiro a ter sua trilha sonora totalmente masterizada em formato dolby digital.[carece de fontes?]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Carlos Alberto Mattos em sua crítica para o O Estado de S. Paulo disse que o "filme é coeso e instigante da primeira à última cena. O elenco nunca é menos que impecável."[3]

Principais prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Festival de Cinema Brasileiro de Miami 1998 (EUA)

  • Venceu na categoria de Melhor Atriz (Leandra Leal)

Festival do Recife 1998 (Brasil)

  • Recebeu o Prêmio do Público.
  • Fernando Torres recebeu o Prêmio Especial do Júri
  • Venceu nas categorias de Melhor Fotografia, Melhor Direção, Melhor Montagem e Melhor Filme

Troféu APCA 1998 (Associação Paulista de Críticos de Arte, Brasil)

  • Venceu nas categorias de Melhor Fotografia, Melhor Filme e Melhor Atriz Revelação (Leandra Leal)

Festival de Veneza 1997 (Itália)

Festival International de Films de Fribourg 1998 (Suíça)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. [1]
  2. [2]
  3. Carlos Alberto Mattos (14 de março de 2003). «A Ostra e o Vento». O Estado de S. Paulo. criticos.com.br. Consultado em 27 de outubro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]