A Paixão Segundo G.H. (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A Paixão Segundo G.H.
 Brasil
cor •  
Direção Luiz Fernando Carvalho
Roteiro Luiz Fernando Carvalho
Baseado em A paixão segundo G.H., de Clarice Lispector
Elenco Maria Fernanda Cândido[1]
Gênero Drama
Idioma Português

A Paixão Segundo G.H. é um filme brasileiro em fase de pré-produção, dirigido e adaptado por Luiz Fernando Carvalho a partir do livro homônimo de Clarice Lispector, publicado em 1964.[2][3]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

"A paixão segundo G.H." narra a história de uma mulher que faz um mergulho existencial após matar uma barata no quarto da empregada. Identificada apenas pelas iniciais G.H., ela demite a empregada e decide fazer uma limpeza geral no quarto de serviço, que ela supõe imundo e repleto de inutilidades. Após recuperar-se da frustração de ter encontrado um quarto limpo e arrumado, G.H. se depara com uma barata na porta do armário. Depois do susto, ela supera o nojo pelo inseto para poder matá-lo e provar seu interior branco.

Narrado em primeira pessoa, o relato mostra o processo de perda da individualidade de G.H.. No dia seguinte ela trata a própria impotência de descrever o episódio. A história se organiza em capítulos de sequência sistemática - cada um começa com a mesma frase que serve de fechamento ao anterior. A interrupção, assim, é elemento de continuidade, numa representação simbólica do que é a experiência de G.H. Escrito em 1964, o romance é considerado pelos críticos literários a obra mais importante da autora Clarice Lispector.

Applications-multimedia.svg A Wikipédia possui o


Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

Todo o processo criativo do longa-metragem acontece em um galpão cedido pela Academia de Filmes, no bairro da Vila Leopoldina (SP). No espaço acontecem as leituras dramáticas e os primeiros ensaios da produção, nos mesmos moldes do espaço criado por Luiz Fernando Carvalho nos Estúdios Globo, no Rio, para novelas e séries que dirigiu com a emissora.[4]

No mesmo espaço, Luiz Fernando Carvalho prepara o filme Objetos Perdidos, a partir de roteiro original do diretor com colaboração de João Paulo Cuenca.

Preparação do elenco[editar | editar código-fonte]

A atriz Maria Fernanda Cândido foi escolhida para o papel título do filme. O trabalho de preparação de Maria Fernanda inclui estudo vocal, estudo de interpretação e imersão no texto original, este último coordenado pessoalmente por Luiz Fernando Carvalho.

Filmagens[editar | editar código-fonte]

Um apartamento em São Paulo vai servir de locação para as filmagens do longa-metragem, que devem começar em março de 2018.[5]

Referências

  1. a b Alessandro Giannini (6 de dezembro de 2017). «Maria Fernanda Cândido estará em versão para cinema de "A Paixão Segundo G.H."». O Globo. Consultado em 7 de dezembro de 2017. "Tenho uma afinidade grande com o Luiz. Esse aprofundamento que ele propõe é fundamental para realizarmos e desenvolvermos um trabalho. Gosto de como ele leva tudo isso e como propõe o laboratório". 
  2. Ubiratan Brasil (6 de dezembro de 2017). «Depois de deixar a TV, Luiz Fernando Carvalho planeja rodar dois filmes». Estadão. Consultado em 7 de dezembro de 2017 
  3. Alessandro Giannini (6 de dezembro de 2017). «Luiz Fernando Carvalho retoma carreira como diretor de cinema em SP». O Globo. Consultado em 7 de dezembro de 2017 
  4. Cristina Padiglione (23 de novembro de 2017). «Longe da Globo, o diretor Luiz Fernando Carvalho cria novo galpão, agora em SP». Telepadi. Consultado em 28 de novembro de 2017 
  5. Guilherme Genestreti (6 de dezembro de 2017). «Luiz Fernando Carvalho abre galpão para ensaiar filmes em São Paulo». Folha de S. Paulo. Consultado em 7 de dezembro de 2017