A Religiosa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde agosto de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde agosto de 2009). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
La Religieuse
A Religiosa
Autor(es) Diderot
Idioma língua francesa
País  França
Lançamento 1796

A Religiosa (La Religieuse no original francês) é um romance do escritor francês Denis Diderot, publicado em 1796.

A história é supostamente baseada em fatos reais que aconteceram com Marguerite Delamarre, trancada em um convento contra sua vontade. O relato denuncia os defeitos pecaminosos e barbáries cometidas entre os religiosos, contendo críticas severas clássicas da literatura de sua época. Sua obra representa o ódio contra a Igreja que se espalhou pela França durante a Revolução Francesa.

O resultado foi o número crescente de invasões a conventos com o objetivo jurado de que a pretensão era resgatar as virgens supostamente enclausuradas nos porões. Ainda sim muitas das críticas não tinham fundamento, mas se a intenção era chamar a atenção da sociedade para esse assunto com certeza conseguiu.

O livro foi publicado várias vezes por se tratar não só de críticas escritas, mas também de um retrato do que acontecia durante o Iluminismo. O romance todo é uma fraude como foi comprovador posteriormente. Esse romance de Diderot seria impossível e de fato não aconteceu. Na na época, quatro tribunais onde se avaliavam o exercício da vocação de todos os membros, incidências de infidelidade ao compromisso eram investigadas e ainda os que não se sentiam vocacionados para a vida monástica poderiam recorrer a esses tribunais e então serem dispensados de seus votos; praticamente todos que recorriam por essa dispensa conseguiam deixar os compromissos religiosos.

Em segundo lugar, a personagem prisioneira no convento era na realidade a porteira do convento e possuía as chaves consigo sempre. Essa senhora do monastério só deixou o convento por algum tempo para receber uma herança e não tendo recebido a herança, logo voltou. O monastério onde se encontravam essas pessoas do romance de Voltaire foi onde ocorreu um massacre na Revolução Francesa onde as monjas foram mortas pelos revolucionários caso não negassem sua fé e o referido evento está na obra de George Bernanos, O Diário das Carmelitas, que inclusive, mostra que a monja de A Religiosa foi morta com as demais irmãs.

Ícone de esboço Este artigo sobre literatura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.