A Revolta dos Anjos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A Revolta dos Anjos
Informação geral
Formato Telenovela
Duração 50 min, aproximadamente.
Criador(es) Carmen da Silva
País de origem  Brasil
Idioma original Português
Produção
Diretor(es) Henrique Martins
Luiz Gallon
Elenco Eva Wilma
Oswaldo Loureiro
Geórgia Gomide
Bete Mendes
(Ver mais)
Exibição
Emissora de televisão original Brasil Rede Tupi
Transmissão original 4 de dezembro de 1972 - 24 de março de 1973
N.º de episódios 95
Cronologia
Bel-Ami
Mulheres de Areia

A Revolta dos Anjos foi uma telenovela brasileira produzida pela extinta Rede Tupi e exibida de 4 de dezembro de 1972 a 24 de março de 1973 no horário às 20 horas[1].

Escrita pela psicóloga Carmen da Silva e dirigida por Henrique Martins e Luiz Gallon.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

O confronto de três gerações de uma família, que se dividem e aproximam num mesmo jogo de frustrações, de sonhos e de alegrias.

Sílvia é uma mulher bem casada, aberta para os problemas do mundo à sua volta, mas que no fundo guarda a tristeza de ter barrado sua vocação de pianista ao se casar. Ricardo Bragança, seu marido, é um bem-sucedido homem de negócios, lugar à que chegou graças à ajuda do sogro.

O casal tem três filhos: Raul, Silvana e Stela, a mais velha, que se vê diante do mesmo dilema da mãe: casar-se a viver para a família, ou seguir uma carreira profissional. Stela se espelha em Laura, amiga de Sílvia, uma mulher que se caracteriza pela total independência em relação às tradições. Jornalista, escritora e desquitada, Laura se impões pela simpatia e forte personalidade.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Se(c)ções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • Experiência não bem-sucedida da psicóloga Carmem da Silva, que não terminou de escrever a novela.
  • A proposta era interessante, mas não havia seguimento de linguagem televisiva.
  • Anunciada como a primeira novela em cores da TV brasileira, ela acabou indo para o ar em preto-e-branco mesmo. Um atraso na chegada de dois aparelhos de vídeo-tape coloridos justificou a frustração do elenco e da equipe técnica. A primeira novela a cores chegaria no ano seguinte: O Bem Amado, mas na Globo. A primeira novela colorida da Tupi foi O Conde Zebra (que estreou oito meses depois de O Bem Amado).

Referências

  1. «A Revolta dos Anjos». Teledramaturgia. Consultado em 28 de agosto de 2016 
Ícone de esboço Este artigo sobre telenovelas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.