A praia dos afogados

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Navegação no histórico de edições: ← ver edição anterior (dif) ver edição seguinte → (dif) ver última edição → (dif)
Ir para: navegação, pesquisa
A praia dos afogados
Na praia da Madorra (Panxón) foi descoberto o cadáver de Xusto Castelo.
Autor (es) Domingo Villar
Idioma Galego
País Galiza
Género Romance negro
Editora Editorial Galaxia
Lançamento 2009
Páginas 504
ISBN 978-84-9865-180-5
Edição portuguesa
Tradução Helena Pitta
Editora Sextante Editora
Lançamento 2013
Páginas 424
ISBN 978-989-676-161-5
Cronologia
Ollos de auga
Cruces de pedra

A praia dos afogados é um romance negro escrito por Domingo Villar, e publicado pela Editorial Galaxia em 2009. É protagonizado pelo inspector de polícia Leo Caldas e é o segundo livro da série, depois da sua estreia com Ollos de auga.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

O livro foi dividido em oitenta e cinco capítulos. Os títulos destes capítulos são formados por uma única palavra, que se define no começo do texto.

História[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

O inspector de polícia viguês Leo Caldas recebe uma chamada sobre um cadáver aparentemente afogado, na praia de Madorra, em Panxón. Acredita-se que é um suicídio, e o inspector não dá muita importância, até que na autópsia aponta para um assassinato.

Pouco a pouco vai-se descobrindo que a sua morte está relacionada com o naufrágio do pesqueiro Xurelo, ocorrido há doze anos atrás. O falecido Xusto Castelo, O Ruivo, tripulava o barco junto com os outros dois marinheiros e o patrão. O barco foi a pique perto da ilha de Sálvora, numa noite de temporal, e de um jeito estranho. No naufrágio falecera o capitão, enquanto os dois marinheiros sobreviventes vivem ainda em Panxón, mas não mantêm relação entre si e guardam um fundo silêncio sobre o que aconteceu.

Ao longo do livro vão-se encontrando outras pistas que confirmam que não foi um suicídio: a chalupa do falecido aparece no outro lado de Monteferro, longe do cadáver; o morto tem um golpe na nuca, possivelmente feito de propósito; mesmo com as gravações da câmara de segurança. Apesar da reticência dos marinheiros locais para falar sobre o que aconteceu, Leo Caldas tira um fio que leva ao desaparecimento de uma mulher em Aguiño, na mesma noite do naufrágio.

Paralelamente, Leo Caldas segue com seu programa de rádio Patrulha nas ondas; tendo também um papel importante, mesmo na resolução da trama, o seu pai, que está a cuidar do seu irmão Alberte, gravemente ferido no Hospital do Meixoeiro em Cabral, Vigo.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Adaptações[editar | editar código-fonte]

O livro foi publicado simultaneamente em galego e em espanhol, em abril de 2009. A editora galega foi a Editorial Galaxia e a espanhola foi a Ediciones Siruela. Em 2010 foi publicada a edição alemã com o título de Strand der Ertrunkenen, traduzida por Carsten Regling.[1] Em 2011 foi publicada a tradução inglesa, com o título de Death on a Galician Shore.[2] Em 2013 o livro foi publicado em Portugal pela Sextante Editora, com a tradução feita por Helena Pitta.[3]

Em 2015 estreou-se a versão cinematográfica, A praia dos afogados.[4]

Referências

  1. «Strand der Ertrunkenen» (em alemão). Unionsverlag. Consultado em 24 de outubro de 2015 
  2. O'Connell, John (23 de abril de 2011). «Thriller review roundup» (em inglês). The Guardian 
  3. «A praia dos afogados». Wook.pt. Consultado em 24 de outubro de 2015 
  4. «O inspector Leo Caldas pasa da novela ao cine con Gerardo Herrero» (em galego). El Progreso. 7 de novembro de 2010 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre A praia dos afogados