A Tomada de Jopa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de A tomada de Joppa)
Ir para: navegação, pesquisa
Tigela de ouro com o nome do general Djehuty
Museu do Louvre

A tomada de Joppa é um antigo conto egípcio que descreve a conquista da cidade de Jopa (atual Jafa) pelo general Djehuty à época de Tutmés III. Conserva-se uma cópia no papiro Harris 500, guardado no Museu Britânico com a referência EA 10060.

Não se trata de uma narração histórica mas de um conto cujo fundo é a campanha na Síria de Tutmés,[1] e o que ocorreu a um comandante de tropa chamado Djehuty que servia sob as ordens do faraó. As tática usadas por Djehuty na história evocam o episódio do Cavalo de Troia relatado na Odisseia e o conto de Ali Babá das "Mil e uma Noites".

Descrição[editar | editar código-fonte]

O papiro data de começos da XIX dinastia, durante o reinado de Seti I ou Ramsés II.[2] Está escrito em hierático e conserva-se em forma fragmentar: o começo perdeu-se e o restante do texto tem muitas lacunas.

Argumento[editar | editar código-fonte]

Jafa: vestígios da muralha do século XIII a.C.

No fragmento conservado, Djehuty convida o príncipe de Jopa (Jafa) a um encontro no seu acampamento das cercanias da cidade. O príncipe acode com 120 soldados, e Djehuty convida à sua barraca, onde o nocauteia. Oculta duzentos dos seus soldados em cestas, carga-os sobre animais e envia um auriga à cidade para anunciar que os egípcios se renderam e estão enviando um tributo. As duzentas cestas são levadas por 500 porteadores, que não são mas que soldados de Djehuty: uma vez dentro da cidade, conquistam-na. A história termina com uma carta na qual Djehuty informa ao faraó desta vitória.

Contexto histórico[editar | editar código-fonte]

Embora os acontecimentos descritos nesta história sejam fictícios, estão situados num contexto real: Tutmés realizou um total de 16 campanhas na Síria entre 22 e 42 do seu reinado; a tomada de Jafa deveu suceder numa das primeiras.[3] O general Djehuty é um personagem real, bem documentado em diversos achados arqueológicos, por exemplo numa tigela de ouro com a qual Tutmés III o obsequiou pelos seus méritos e que se conserva no Museu do Louvre. A sua tumba foi encontrada em 1824 em Sacara.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Schneider, Thomas (2002). Lexikon der Pharaonen. [S.l.]: Ed. RM-Buch- und Medien-Vertrieb 
  • Grimal, Nicholas (1992). A History of Ancient Egypt. [S.l.]: Blackwell Publishing. ISBN 0-631-19396-0 
  • Müller, Wilhelm Max (1899). Die Liebespoesie der alten Ägypter. [S.l.]: Ed. J. C. Hinrichs 

Referências

  1. Grimal: op. cit., pág. 217.
  2. Müller: op. cit.
  3. Schneider: op. cit., pág. 293.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Djehuty