Abdalá ibne Malique al-Cuza'i

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Abdalá ibne Malique al-Cuza'i
Nascimento século VIII
Coração
Morte século IX
Nacionalidade Califado Abássida
Etnia Árabe
Progenitores Pai: Malique ibne Haitam al-Cuza'i
Ocupação General e governador
Religião Islamismo
Dinar de ouro do califa Almançor (r. 754–775)

Abdalá ibne Malique al-Cuza'i (Abdallah ibn Malik al-Khuza'i - lit. "Abdalá, filho de Malique, o Chuza") foi um oficial militar sênior e governador profissional do começo do Califado Abássida.

Vida[editar | editar código-fonte]

O pai de Abdalá, Malique ibne Haitam al-Cuza'i, foi um dos primeiros e mais importantes líderes do movimento abássida no Coração, e da Revolução Abássida que derrubou os omíadas. Como membros seniores dos privilegiados Coraçânia (Khurasaniyya), o exército coraçane que formou o principal pilar do regime, a família de Malique gozou de acesso a posições de poder.[1][2] Assim, Abdalá serviu primeiro, segundo Khalifa ibn Khayyat, como governador do Coração sob o califa Almançor (r. 754–775), e então sucedeu seu irmão Hamza (que por sua vez havia sucedido seu irmão mais velho Nácer) como comandante da churta califal próximo ao fim do reinado de al-Mahdi (r. 775–785).[3][4] Ele reteve o posto sob al-Hadi (r. 785–786), durante cujo reinado foi "uma das figuras mais proeminentes" (Hugh N. Kennedy). Durante este período, apoiou al-Hadi em sua tentativa de remover seu irmão mais novo, Harune Arraxide (r. 786–809), da linha sucessória em favor de seu próprio filho, e instou al-Hadi para executar Iáia ibne Calide ibne Barmaque.[5][6]

Consequentemente, o poder de Abdalá diminuiu quando Harune ascendeu ao trono e durante o período o período de dominação do governo pelos barmecidas,[5] embora tenha servido como governador de Moçul em 789–781.[4] Após a queda da família barmecida no começo de 803, Abdalá novamente assumiu altos ofícios: serviu como comandante da churta de Harune, e em 805 tornou-se governador do Tabaristão, Hamadã e outras províncias iranianas ocidentais.[5] Ele participou na invasão em larga escala de Harune na Ásia Menor do Império Bizantino em 806. No ano seguinte, lutou contra os curramitas, e em 818 acompanhou Harune ao Coração para suprimir a rebelião de Rafi ibne al-Laite.[6]

Após a morte de Harune no Coração no começo de 809, Abdalá permaneceu na província, junto da corte do segundo herdeiro de Harune, Almamune (r. 811–833), em Marv. Na subsequente guerra civil entre Almamune e seu meio-irmão, o califa Alamim (r. 809–813), Abdalá permaneceu ao lado do primeiro em Marv. Foi um dos vários líderes militares que se recusaram a chefiar o governo de Almamune, um posto que posteriormente foi tomado por Fadal ibne Sal. Suas relações com Almamune foram tensas, mas acompanhou-o para leste e esteve com ele quando entrou em Bagdá em 819. Abdalá teve dois filhos, Abas e Mutalibe. Abas serviu como governador de Rei, mas foi demitido por Almamune devido a seu apoio a Alamim, enquanto Mutalibe desempenhou um "papel muito tortuoso" (Kennedy) na guerra civil e serviu duas vezes como governador do Egito.[5][6]

Referências

  1. Crone 1980, p. 181–182.
  2. Kennedy 1986, p. 76–81.
  3. Kennedy 1986, p. 80–81.
  4. a b Crone 1980, p. 181.
  5. a b c d Kennedy 1986, p. 81.
  6. a b c Crone 1980, p. 182.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Crone, Patricia. Slaves on horses: the evolution of the Islamic polity. Cambridge e Nova Iorque: Cambridge University Press, 1980. ISBN 0-521-52940-9
  • Kennedy, Hugh N.. The Early Abbasid Caliphate: A Political History. Londres e Sidnei: Croom Helm, 1986. ISBN 0-7099-3115-8