Abdul Rashid Dostum

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou seção está a ser traduzido de «Abdul Rashid Dostum» na Wikipédia em inglês (desde 2009). Ajude e colabore com a tradução.
Abdul Rashid Dostum
Abdul Rashid Dostum (Setembro 2014)
Vice Presidente do Afeganistão Afeganistão
Período 29 de setembro de 2014 - presente
Antecessor(a) Yunus Qanuni
Vida
Nascimento 1954
Jowzjan, Afeganistão
Nacionalidade Afeganistão afegão, Uzbequistão uzbeque
Dados pessoais
Partido Movimento Islâmico Nacional Afeganistão
Profissão Militar, General de Exército

Abdul Rashid Dostum (Jowzjan,1954) é um político afegão, da etnia uzbeque, ocupante do cargo de Vice Presidente do Afeganistão desde 2014 e líder de seu próprio partido político: Movimento Nacional Islâmico.

É considerado o líder uzbeque no Afeganistão; ex-combatente como general na luta pró-União Soviética durante a invasão desta ao seu país, e[1] ex-membro do Conselho de líderes da Frente Nacional do Afeganistão.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Dostum nasceu em 1954 em Khwaja du koh, província de Jowzjan na fronteira tríplice entre o Afeganistão, Turcomenistão e o Uzbequistão. De origem humilde, ele recebeu uma educação tradicional básica em sua aldeia. Sendo forçado a sair da escola ainda jovem, ele começou a trabalhar em uma empresa de fornecimento de gás natural.

Na década de 1970 começou a se destacar entre os trabalhadores da refinaria de petróleo e gás, participando de movimentos políticos que os defendiam e militavam em ideais comunistas. Devido à nova política comunista dos governos afegãos dessa década, ele alistou-se no exército afegão em 1978.

Carreira Militar[editar | editar código-fonte]

Recebeu instrução militar básica em Jalalabad. Em seguida, passou para um esquadrão na área rural de Sheberghan sob o comando do Ministério de Segurança Nacional.

Durante o início da Guerra do Afeganistão, Dostum , como general de destaque, passou a comandar um grupo de milicianos contra o exército da União Soviética, tomando o controle das províncias do nordeste do país. Em seguida começou a combater os mujahidins no período em que o governo afegão era apoiado pela União Soviética.

Devido a sua experiência militar nos combates contra os mujahidins o grupo o qual comandava passou formalmente a ser a 53ª Divisão de Infantaria do Exército do Afeganistão subordinado diretamente ao Presidente Mohammad Najibullah. Comandando, depois, outras unidades militares apoiando o exército da União Soviética presente em seu país.

Apoio ao Mujahidin[editar | editar código-fonte]

Após a retirada soviética, a República Democrática do Afeganistão continuou a lidar com ataques dos mujahidin. O governo continuou a receber apoio financeiro e em armas da União Soviética por muitos anos e conseguiu melhorar seu desempenho, mas sofreu um golpe duro quando Rashid Dostum, um de seus principais generais, passou para o lado dos mujahidin.

Desentendimentos entre os mujahidin[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Guerra Civil Afegã (1992-1996)

Após tomar o poder, a união dos mujahidin desfez-se e começou um período de lutas entre si. Gulbuddin Hekmatyar foi apontado como o responsável por um devastador ataque de foguetes contra Cabul, e Dostum começou a atacá-lo. Este último juntou suas forças às de Hekmatyar e os combates destruíram grande parte de Cabul, enquanto que o país foi dividido conforme as suas etnias. Em 1994, formou-se o movimento dos talibãs no sul do país, com apoio paquistanês, o qual rapidamente obteve vitórias contra Dostum e o comandante tadjique Ahmad Shah Massoud; em 1996, os talibãs tomaram a capital e criaram o Emirado Islâmico do Afeganistão.

Frente Islâmica Unida para a Salvação do Afeganistão (ou Aliança do Norte)[editar | editar código-fonte]

Após a queda de Cabul, Dostum e Massoud uniram-se para formar a Frente Islâmica Unida para a Salvação do Afeganistão (ou Aliança do Norte). A Frente Unida e suas tropas permaneceram na cidade de Mazar-e-Sharif.[2] mostrando força contra os talibãs. Neste ponto do país ele teria dito que tinha uma força de mais de 50.000 homens que os apoiavam com aviões e tanques. Ele tornou aquela região do país uma região independente, de fato, do governo talibã. Porém, naquele período subsequente, os talibãs continuaram a avançar contra a Aliança até controlar 95% do território afegão. Dostum viu-se forçado a abandonar o Afeganistão após a rendição ao General Abdul Malik Pahlawan e fugir para a Turquia em 1996. Massoud continuou sobre o comando da Frente Unida e foi assassinado em 9 de setembro de 2001 num atentado suicida feito por apoiadores dos talibãs.

Exílio na Turquia[editar | editar código-fonte]

Permaneceu na Turquia até 1997 quando retornou ao Afeganistão e retomou o comando da Frente Unida junto com Massoud em Mazar-e-Sharif. Porém, o grupo Talibã retomou a região após intensos combates e Dostum fugiu novamente para a Turquia.

Após a perda constante de território pelos talibãs feita pela Aliança do Norte, sob o comando de Massoud e com o apoio da coalizão liderada pelos Estados Unidos, e que estabeleceu uma nova república sob o comando do Presidente Hamid Karzai, Dostum percebeu que poderia voltar para seu país para ajudar Massoud e, em outubro de 2001, logo após o assassinato de seu amigo, ele retomou o comando da Aliança do Norte.

Queda dos Talibãs[editar | editar código-fonte]

Os talibãs constituíram então um movimento de resistência em algumas regiões e no dia 24 de novembro de 2001 cerca de 300 soldados do Talibã depuseram suas armas e se renderam a Dostum e, finalmente, houve o controle efetivo do país pelo Presidente Hamid Karzai. No entanto, o Talibã permaneceu influente na porção meridional do país e com frequência usam o território paquistanês como refúgio.

Trajetória Políticas[editar | editar código-fonte]

Depois que os Talibãs perderam o poder administrativo Dostum se envolveu em combates com Atta Muhammad Nur, líder do povo Tajik, para manter o controle da região de Mazar-e-Sharif. Após a intervenção do Presidente Karzai houve o cessar-fogo entre Dostum e Atta. Ele então resolveu entrar para o parlamento afegão e em seguida se tornou o Ministro da Defesa no governo de Karzai. Como ministro, Dostum escapou de um atentado no dia 20 de maio de 2003 e voltou a se refugiar na Turquia.

Em 16 de agosto de 2009 ele retornou para o Afeganistão e apoiou Hamid Karzai em sua reeleição presidencial. Vitorioso, Karzai manteve a influência de Dostum em seu governo e nas eleições presidenciais de 2014 ele se lançou como vice presidente ao lado de Ashraf Ghani. Atualmente (2016), ele é o Vice Presidente do Afeganistão.

Legado do apoio dos Estados Unidos na História do Afeganistão[editar | editar código-fonte]

Foram treze anos de guerra, o país viu um novo governo afegão ascender ao poder, líderes se constituíram e gradualmente as tropas dos aliados ocidentais, sob o comando dos EUA, começaram a se retirar da missão principal de combater os rebeldes islamitas e assumir uma posição de apoio às autoridades afegãs a lutar contra os jihadistas. Em dezembro de 2014 os americanos encerraram formalmente sua participação como um dos principais protagonistas da guerra, dando ao governo local a responsabilidade de seguir com a guerra. Enquanto isso, a violência se intensificava por todo o país e, devido a isso, o presidente americano Barack Obama decidiu manter parte do efetivo de seu exército no apoio às tropas afegãs.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Big fish among the Afghan warlords». The Washington Times [S.l.: s.n.] 12 de outubro de 2008. 
  2. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome afghanistan
Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.