Abelha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Abelha (desambiguação).
Como ler uma infocaixa de taxonomiaAbelha
Bees Collecting Pollen 2004-08-14.jpg

Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Arthropoda
Classe: Insecta
Ordem: Hymenoptera
Subordem: Apocrita
Infraordem: Aculeata
Superfamília: Apoidea
(sem classif.) Anthophila
Famílias
Andrenidae

Anthophoridae
Apidae
Colletidae
Ctenoplectridae
Halictidae
Heterogynaidae
Megachilidae
Melittidae
Oxaeidae
Sphecidae
Stenotritidae

Abelhas são insetos voadores, conhecidos pelo seu importante papel na polinização. Pertencem à ordem Hymenoptera, da superfamília Apoidea, subgrupo Anthophila, e são aparentados das vespas e formigas.

O representante mais conhecido é a Apis mellifera, oriunda do Velho Mundo, criada em larga escala para a produção de mel, cera, própolis, geleia real e veneno (Apitoxina). As espécies de abelhas nativas das Américas (Novo Mundo) e Oceania (Novíssimo Mundo) não possuem ferrão e são menos agressivas do que as espécies africanas, a maioria destas pertence à tribo Meliponini. As abelhas com ferrão encontradas comumente no Brasil são espécies híbridas de abelhas europeias e africanas, criadas para maior produtividade e resistência.

Há mais de 25.000 espécies de abelhas conhecidas em sete famílias biológicas reconhecidas. Elas são encontrados em todos os continentes, exceto a Antártida, em todos os habitats do planeta onde existam plantas de flores polinizadas por insetos.

Algumas espécies, incluindo abelhas, abelhões, e abelhas sem ferrão vivem socialmente em colônias. As abelhas estão adaptadas a uma alimentação de néctar e pólen, o primeiro principalmente como uma fonte de energia e os último principalmente pelas proteínas e outros nutrientes. A maioria do pólen é usado como o alimento para as larvas. A polinização das abelhas é importante tanto ecologicamente como comercialmente; o declínio em abelhas selvagens aumentou o valor da polinização por colmeias, geridas comercialmente, de abelhas melíferas.

As abelhas variam em tamanho desde minúsculas espécies de abelhas sem ferrão cujas obreiras são inferiores a 2 milímetros de comprimento,como a Perdita Minima,[1] até à Chalicodoma Plutão, a maior espécie de abelha cortadeira, cujas fêmeas podem atingir um comprimento de 39 milímetros . As abelhas mais comuns no hemisfério norte são as Halictidae; são pequenas e muitas vezes confundidas com vespas ou moscas. Vertebrados predadores de abelhas incluem aves como os abelharucos; insetos incluem vespas e libélulas.

A apicultura tem sido praticada há milênios, desde pelo menos os tempos do Antigo Egito e da Grécia Antiga. Além do mel e da polinização, as abelhas produzem cera de abelha, geléia real e própolis. As abelhas têm aparecido na mitologia e folclore, através de todas as fases da arte e da literatura, desde os tempos antigos até os dias atuais.

Evolução[editar | editar código-fonte]

A história evolutiva dos insetos mostra que os primeiros insetos aparecem por volta de 480 milhões de anos, no período Ordoviciano, e os insetos voadores por volta de 400 milhões de anos, no período Devoniano.[2]

Estudos genéticos sugerem que as abelhas provêm, como as formigas, da especialização de vespas predadoras da família Crabronidae.[3] Supõe-se que evoluiram a partir de espécies que se alimentavam de insetos cobertos de polén, o qual teriam passado a preferir. [4]

Descoberta em 2006, a Melittosphex burmensis, fossilizada em âmbar.

Os mais antigos fósseis de abelhas foram encontrados presos em âmbar. Estas abelhas pertencem a espécies e gêneros agora extintos. O fóssil mais antigo descoberto, até hoje, é o Melittosphex burmensis : com 100 milhões de anos; essa minúscula espécie descoberta em 2006 na Birmânia tinha grãos de pólen nos pés Esta descoberta confirma a origem comum de vespas e abelhas e a idade da coevolução entre as "abelhas" e angiospermas (especialização no consumo de néctar e pólen e papel na polinização). Essa descoberta sugere que as primeiras abelhas vegetarianas surgiram de ancestrais de vespas insetívoros [5] . O gênero Electrapis viveu no Cretáceo Superior, há cerca de 70 milhões de anos, na atual região báltica e tinha uma forma muito semelhante à da abelha melífera contemporânea.

Coevolução[editar | editar código-fonte]

Abelhas se movendo ao redor de uma colmeia

As primeiras flores foram polinizadas por insetos como besouros; a polinização por insetos foi bem estabelecida antes da primeira aparição das abelhas. A diferença importante é que as abelhas são especializadas como agentes de polinização, com modificações comportamentais e físicas que realçam especificamente a polinização, e são os insetos polinizadores mais eficientes. Em um processo de coevolução, as flores desenvolveram também adpatações, recompensas florais[6] tais como o néctar, óleos florais, e partes comestíveis, e os tubos mais longos, e as abelhas desenvolveram línguas mais longas para extrair o néctar. [7] As abelhas também desenvolveram estruturas para coletar e transportar pólen. A localização e o tipo diferem entre grupos de abelhas. A maioria das abelhas têm pêlos localizados em suas patas traseiras ou na parte inferior de seus abdômen, algumas abelhas na família Apidae possuem "cestas" de pólen (corbículas) em suas patas traseiras.[8]

Diversidade[editar | editar código-fonte]

A maior parte das espécies de abelhas são solitárias, não fabricam mel nem constroem colmeias; todas têm, no entanto, um papel muito importante na polinização.

Uma abelha da pequena espécie Tetragonisca angustula paira de guarda à entrada do ninho. Não tem ferrão, produz um mel de sabor delicado mas escasso.

Ao longo de milhares de anos de evolução, em que se espalharam por todo o mundo, adaptaram-se a diversos habitats e criaram uma espantosa diversidade. Algumas espécies desprezam o néctar, outras (exemploː Rediviva emdeorum) especializaram-se em óleos florais.[9]

Algumas abelhas, como a Andrena Fulva ou a Andrena Cinerária, constroem ninhos no subsolo. As abelhas carpinteiras - como a Xylocopa violacea ou a Xylocopa caerulea -constroem ninhos na madeira morta ou em caules ocos. As abelhas "pedreiras" - como a Osmia bicornis ou a Osmia lignaria - fazem paredes de barro para formar compartimentos em seus ninhos.[9]

A Lestrimelitta limao (iratim), encontrada no Brasil e Panamá, possui o hábito de saquear o alimento (néctar e pólen) de outras colônias de abelhas. Produz mel tóxico para os humanos.[10] As abelhas "abutres" são um pequeno grupo de três espécies de abelhas sem ferrão americanas do gênero Trigona que se alimentam de carne putrefacta em vez de pólen ou néctar. [11]

Do ponto de vista humano e para a exploração do mel e produtos derivados das abelhas, cerca de apenas meia dúzia de espécies apresentam interesseː a Tetragonula carbonaria australiana, sem ferrão, a Tetragonisca angustula, a indonésia Megachile pluto, e principalmente as do género Apis - Apis cerana japonica, Apis dorsata labriosa dos Himalaias, a dominante Apis mellifera, e a mais feroz de todas, a africanizada Apis mellifera scutella.[12]

Biologia da Apis mellifera[editar | editar código-fonte]

A abelha-rainha e as operárias.

Os indivíduos adultos se alimentam geralmente de néctar e são os mais importantes agentes de polinização. As abelhas geralmente polinizam flores de todos os tipos, embora algumas espécies se especializem em determinadas flores. [4]

Uma abelha visita dez flores por minuto em busca de pólen e do néctar. Ela faz, em média, quarenta voos diários, tocando em 40 mil flores. Com a língua, as abelhas recolhem o néctar do fundo de cada flor e guardam-no numa bolsa localizada na garganta. Depois voltam à colmeia e o néctar vai passando de abelha em abelha. Desse modo a água que ele contém se evapora, ele engrossa e se transforma em mel. A maioria das abelhas transporta uma carga eletrostática, que ajuda-as na aderência ao pólen.[13][14]

As abelhas, como grande parte dos insectos, têm cinco olhos. Três são pequenos, no topo da cabeça, os chamados "olhos simples" ou ocelos, que apenas detectam mudanças de intensidade da luz; os dois olhos compostos, maiores, com milhares de lentes minúsculas , estão na parte frontal da cabeça e detectam luz polarizada.[15]

Uma abelha produz cinco gramas de mel por ano. Para produzir um quilo de mel, as abelhas precisam visitar 5 milhões de flores e consomem cerca de 6 a 7 gramas de mel para produzirem 1 grama de cera.[16]

Uma colmeia abriga de 60 a 80 mil abelhas. Tem uma rainha, cerca de 400 zangões e milhares de operárias. Se nascem duas ou mais rainhas ao mesmo tempo, elas lutam até que sobre apenas uma rainha. A abelha-rainha vive até 5 anos, enquanto as operárias vivem de 28 a 48 dias.[16]

Apenas as abelhas fêmeas trabalham. Os machos podem entrar em qualquer colmeia ao contrário das fêmeas. A principal missão dos machos é fecundar a rainha. O zangão também tem a função de proteger a colmeia de outros insetos que possam ameaçá-la. Apesar de não possuir ferrão, as suas presas servem para atacar outros insetos que tentem invadir a colmeia, como vespas ou formigas. A rainha voa o mais que pode e é fecundada pelo macho que conseguir ir até ela, esse voo se chama: voo nupcial. Depois de cumprirem essa missão em particular, eles não são mais aceitos na colmeia. No fim do verão, ou quando há pouco mel na colmeia, as operárias caem.[16]

Anatomia[editar | editar código-fonte]

Anatomia esquemática de uma abelha-rainha.
Legenda (imagem ao lado)
1 - Língua (ou Probóscide)
2 - Orifício do tubo excretor da glândula da mandíbula posterior
3 - Mandíbula inferior
4 - Mandíbula superior
5 - Lábio superior
6 - Lábio inferior
7 - Glândula da mandíbula frontal (glândula mandibular)
8 - Glândula da mandíbula posterior
9 - Abertura da boca
10 - Glândula da faringe
11 - Cérebro
12 - Ocelos
13 - Glândulas de salivares
14 - Músculos torácicos
15 - Postfragma
16 - Asa frontal
17 - Asa posterior
18 - Coração
19 - Estigmas
20 - Saco aéreo
21 - Intestino médio (intestino quiloso, estômago)
22 - Válvulas cardíacas
23 - Intestino delgado
24 - Tubos de Malpighi
25 - Glândulas rectais
26 - Bolsa de excrementos
27 - Ânus
28 - Canal do ferrão
29 - Bolsa de veneno
30 - Glândulas de veneno
31 - Arcos do canal do ferrão
32 - Pequena glândula
33 - Vesícula seminal
34 - Glândulas ceríferas
35 - Gânglios abdominais
36 - Tubo da válvula
37 - Intestino intermédio
38 - Copa (entrada do estômago)
39 - Bolsa do mel (bucho)
40 - Aorta
41 - Tubo digestivo
42 - Cordão neuronal
43 - Palpe labia
44 - Metatarso

Pernas[editar | editar código-fonte]

A abelha, como todo o inseto, tem três pares de pernas. Utiliza o primeiro para limpar as antenas, protegendo-as da poeira. O segundo serve de apoio para o seu corpo, e o terceiro par, chamado de patas coletoras, serve para mover pólen. Na tuba das patas coletoras fica o lavatório para o óleo: corbícula, espécie de pote. Ainda no terceiro par, fica o "escorpião", com o qual a abelha recolhe o pólen e, trocando as patas, deposita-o com o centro na corbícula direita e, com a direita na corbícula central.[17]

Língua[editar | editar código-fonte]

A língua, ou lígula move-se num canal formado pelas maxilas e os palpos labiais, terminando num tufo de pelos que, como uma esponja, absorve o néctar da flor.[17]

Mandíbula e maxilar[editar | editar código-fonte]

São órgãos responsáveis por amassar as escamas de cera que a abelha expele do abdômen, utilizadas depois para construir os favos. Têm também a função de abrir as anteras das flores para extrair o pólen, varrer a colmeia e mutilar os inimigos.[17]

Antenas[editar | editar código-fonte]

Órgãos do olfato e do tato são extremamente sensíveis. As abelhas, farejando com as antenas na escuridão, são capazes de construir favos perfeitamente geométricos.[17]

Ferrão[editar | editar código-fonte]

O ferrão serve para injetar toxina (apitoxina) no corpo do inimigo. Somente as operárias o utilizam para defesa ou ataques. A rainha possui uma espécie de ferrão que é utilizado para manipular os ovos na postura ou duelar com outra rainha, e os zangões não possuem ferrão. A operária, ao ferroar um humano, deixa o ferrão na vítima, pois o mesmo é disposto de pequenos espinhos no sentido oposto, como se fossem uma seta, daí fica preso à pele. E junto ao ferrão, fica o intestino da operária, que com sua perda morrerá em seguida.[17] O ferrão, mesmo após separado do corpo do insecto, continua a pulsar, injectando veneno.

Abdômen e tórax[editar | editar código-fonte]

São os órgãos que contém os aparelhos: digestivo (tubo faringiano, o esôfago e o estômago ou papo); o circulatório e o respiratório (o sangue é incolor e circula com as contrações do coração, pela aorta e pelo vaso dorsal. Há ainda os estigmas - orifícios por onde respiram os insetos.); o aparelho de reprodução masculino (os órgãos sexuais masculinos terminam na face dorsal do penúltimo anel da crosta) e o feminino (um par de ovários, um oviduto e um receptáculo seminal).[17]

Órgãos da visão[editar | editar código-fonte]

Os olhos compostos são dois grandes olhos localizados na parte lateral da cabeça. São formados por estruturas menores denominadas omatídeos, cujo número varia de acordo com a casta, sendo bem mais numerosos nos zangões do que em operárias e rainhas (Dade, 1994). Possuem função de percepção de luz, cores e movimentos. As abelhas não conseguem perceber a cor vermelha, mas podem perceber ultravioleta, azul-violeta, azul, verde, amarelo e laranja (Nogueira Couto & Couto, 2002). Os olhos compostos - um de cada lado da cabeça de superfície hexagonal, permite uma visão panorâmica dos objetos afastados, aumentando-os 60 vezes.[17][18]

Os olhos simples ou ocelos são estruturas menores, em número de três, localizadas na região frontal da cabeça formando um triângulo. Não formam imagens. Têm como função detectar a intensidade luminosa.[18]

Asas[editar | editar código-fonte]

As asas são formadas por duas membranas superpostas, reforçadas por nervuras ramificadas. Os pares de trás são menores e munidos de ganchinhos, com os quais a abelha, durante o voo, prende as duas asas formando uma só.[17]

Sistema de defesa[editar | editar código-fonte]

Homem vítima de ferroada no lábio superior.

A abelha operária (ou obreira), preocupada com sua própria sobrevivência e encarregada da proteção da colmeia como um todo, tem um ferrão na parte traseira para ataque em situações de suposto perigo. Esse ferrão tem pequenas farpas, o que impede que seja retirado com facilidade da pele humana.[19]

Quando uma abelha se sente ameaçada, ela utiliza o ferrão no animal que estiver por perto. Depois de dar a ferroada, ela tenta escapar e, por causa das farpas, a parte posterior do abdômen onde se localiza o ferrão na maioria das vezes fica presa na pele do animal e, em alguns casos, a abelha perde uma parte do intestino, morrendo logo em seguida. Já ao picar insetos, a abelha muitas vezes consegue retirar as farpas da vítima e ainda sobreviver.[19]

Os órgãos prejudicados das abelhas em caso de o ferrão ficar preso na vitima e levar órgãos juntos variam de intestino até o coração.[19]

A ferroada da abelha no ser humano é muito dolorosa, e a sensação instantânea é semelhante a de levar um choque de alta voltagem. Seu ferrão é unido a um sistema venenoso que faz com que a pele da vítima inche levemente na região (cerca de 2 cm ao redor), podendo ficar avermelhada, dolorida e coçando por até dois dias.[19]

Apesar disso, o veneno (baseado em Apitoxina) não causa maiores danos. Esse veneno é produzido por uma glândula de secreção ácida e outra de secreção alcalina embutidas dentro do abdômen da abelha operária. O veneno, em concentração visível, é semitransparente, de sabor amargo e com um forte odor. Pode ser usado eventualmente com valor terapêutico e tem alguns efeitos positivos na região em que foi injetado. O veneno pode ser também um perigo grave ou mortal em grande quantidade para quem é alérgico à sua composição.[19]

A vida das abelhas[editar | editar código-fonte]

As abelhas são insetos que vivem em sociedades homeotípicas (com distinção de funções dentro da sociedade). Elas são conhecidas há mais de 40.000 anos e as que mais se prestam para a polinização, ajudando enormemente a agricultura, produção originária de mel, geleia real, cera e própolis, são as abelhas pertencentes ao gênero Apis. Essas abelhas são originalmente do Hemisfério Norte, porém com o Aquecimento Global se mudaram para o Hemisfério Sul. Consequentemente,com essa longa travessia algumas acabaram se espalhado pelo mundo. [18]

Inseto laborioso, disciplinado, a abelha convive num sistema de extraordinária organização: em cada colmeia existem cerca de 80.000 abelhas e cada colônia é constituída por uma única rainha e cerca de 400 zangões.[18]

Abelha-rainha[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Abelha-rainha

A abelha rainha é personagem central e mais importante da sociedade. Seu tamanho é quase duas vezes maior do que o das operárias, e sua única função do ponto de vista biológico é a postura de ovos e manter a ordem na colmeia usando feromônios que só ela possui. Única fêmea com capacidade de reprodução, a rainha nasce de um ovo fecundado, e é criada numa célula especial - diferente dos alvéolos hexagonais que formam os favos - uma cápsula denominada realeira, na qual é alimentada pelas operárias com a geleia real, produto riquíssimo em proteínas, vitaminas e hormônios sexuais. A geleia real é o alimento único e exclusivo da abelha-rainha, durante toda sua vida. A partir do nono dia, ela já está preparada para realizar o seu voo nupcial, quando será fecundada pelos zangões. Caso apareça outra rainha na colmeia, ambas lutarão até que uma delas morra.[carece de fontes?]

No entanto, um estudo recente demonstra que as abelhas do Cabo na África do sul são capazes de realizar uma reprodução assexuada, nesse caso as abelhas operárias produzem ovos fecundados com seu próprio DNA.[20]

Apiterapia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Apiterapia

Apiterapia é um tipo de medicina alternativa que utiliza produtos das abelhas, como o mel, o pólen, própolis , geleia real e as apitoxinas (veneno de abelha). Os benefícios deste tipo de tratamentos não estão estabelecidos por evidências científicas, [21][22][23] apesar de muitas das suas práticas datarem de muitos anos antes da era cristã. A terapia por veneno de abelha é usada para tratar doenças como a Esclerose Múltipla, e a Artrite. [24]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Buchman, Steve. «World's Smallest Bee - Perdita minima». USDA - United Stattes Department of Agriculture. Consultado em 17 de Abril de 2018. 
  2. «Landmark study on the evolution of insects». ScienceDaily (FonteːCalifornia Academy of Sciences). 6 de Novembro de 2014 
  3. Debevec, Andrew H. (e outros) (16 de Janeiro de 2012). «Identifying the sister group to the bees: a molecular phylogeny of Aculeata with an emphasis on the superfamily Apoidea» (PDF). Zoologica Scripta - 
  4. a b Chadwick, Fergus (e outros) (2016). The Bee Book. [S.l.]: DK Publishing. 14 páginas 
  5. Handwerk, Brian (25 de Outubro de 2006). «Photo in the News: Oldest-Ever Bee Found in Amber». National Geographic News 
  6. Armbruster, W. Scott (2012). Evolution of Plant-Pollinator Relationships (editado por Sébastien Patiny). [S.l.]: Cambridge University Press. pp. 45–67 
  7. Michener, Charles Duncan (1974). The Social Behavior of the Bees: A Comparative Study. [S.l.]: Harvard University Press. pp. 22–78 
  8. Michener, Charles D. (2000). The Bees of the World. [S.l.]: Johns Hopkins University Press. pp. 19–25 
  9. a b Chadwick, Fergus (e outros) (2016). The Bee Book. [S.l.]: DK Publishing. pp. 18–23 
  10. Santana, Weyder Cristiano (e outros) (Setembro de 2004). «Abelha Iratim (Lestrimelitta limao Smith: Apidae, Meliponinae), realmente é danosa às populações de abelhas? Necessita ser eliminada?» (PDF). Universidade de S.Paulo -Instituto de Bio Ciências 
  11. Roubik, David (Outubro de 1982). «Obligate Necrophagy in a Social Bee». Science 
  12. Chadwick, Fergus (e outros) (2016). The Bee Book. [S.l.]: DK Publishing. pp. 18–19 
  13. «The role of electrostatic forces in pollination» (em inglês). spingerlink.com. Consultado em 4 de Fevereiro de 2012. 
  14. «Por que o pólen adere à abelha?» (PDF). Moderna.com.br. Consultado em 3 de Fevereiro de 2012. 
  15. Chadwick, Fergus (e outros) (2016). The Bee Book. [S.l.]: DK Publishing. 12 páginas 
  16. a b c «Abelha». InfoEscola. Consultado em 4 de Fevereiro de 2012. 
  17. a b c d e f g h «Anatomia da abelha». Ciência Uol. Consultado em 4 de Fevereiro de 2012. 
  18. a b c d «Abelhas». SaudeAnimal.com. Consultado em 4 de Fevereiro de 2012. 
  19. a b c d e «As pernas e os ferrões das abelhas». Ciência Uol. Consultado em 4 de Fevereiro de 2012. 
  20. «Espécie de abelhas podem se reproduzir sem machos». Ciências e Tecnologia. 9 de junho de 2016. Consultado em 9 de junho de 2016. 
  21. Ades, Terri B.; Russel, Jill, eds. (2009). «Chapter 9: Pharmacologic and Biologic Therapies» [Terapias Farmacológicas e Biológicas]. American Cancer Society Complete Guide to Complementary and Alternative Cancer Therapies 2ª ed. [S.l.]: American Cancer Society. pp. 704–708. ISBN 978-0-944235-71-3 
  22. Victor Benno Meyer-Rochow. Therapeutic arthropods and other, largely terrestrial, folk-medicinally important invertebrates: a comparative survey and review // J Ethnobiol Ethnomed. 2017; 13: 9. PMC 5296966. DOI:10.1186/s13002-017-0136-0
  23. Lauren Seabrooks and Longqin Hu. Insects: an underrepresented resource for the discovery of biologically active natural products // Acta Pharmaceutica Sinica B, 2017, 7(4): 409-426. PMC 5518667. PMID 28752026. DOI:10.1016/j.apsb.2017.05.001
  24. Marcolina, Susan T. (1 de Fevereiro de 2003). «Apitherapy: What's the Buzz? Bee Venom Therapy for Arthritis and Multiple Sclerosis». Relias 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Categoria no Commons
Wikispecies Diretório no Wikispecies